Biopsychosocial challenges faced by the nursing team in the exercise of professional practice: impact of devaluation

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20523

Keywords:

Nurse’s role; Quality management; Impacts on health.

Abstract

Introduction: the work environment is a factor that generates physical and psychological stress in a way that makes it difficult to perform one's duties. The precariousness of the work associated with the devaluation of the nursing professional predisposes to iatrogenesis with patients, as well as the demotivation of the worker due to overload and lack of positive reinforcement contributing to the determination of better working conditions and quality of life of the worker. Objective: to identify the biopsychosocial challenges faced by the nursing team in the exercise of professional practice in view of the impacts of devaluation. Method: this is an integrative literature review study carried out in the following online databases: LILACS, BDENF e SCIELO. The sample was composed of 15 scientific articles published between 2015 and 2020. Data collection was performed during the 2nd semester of 2020, between the months of September and October, by the responsible researcher. Results: the findings of the study indicated that the deviation of attributions combined with issues of autonomy and professional identity generate feelings and experiences of devaluation and disrespect generated by attitudes of other professionals, discrimination and moral harassment from the team itself and users. The evocation of work can indicate both the condition for achieving autonomy, which emerges as the fruit of the nurse's work, and the realization that the workload is intense in the profession. Final considerations: it is concluded that poor environmental working conditions, unhealthy conditions, low inputs, insufficient remuneration, work overload and absenteeism due to musculoskeletal diseases are the main findings that underlie these challenges within the nursing team.

Author Biographies

Sheilia Geralda Alves, Faculdade Santo Agostinho

Acadêmica do curso de graduação em Enfermagem da Faculdade de Saúde e Desenvolvimento Humano Santo Agostinho (FASA). Montes Claros, MG, Brasil.

Cláudio Luís de Souza Santos, Universidade Estadual de Montes Claros

Enfermeiro, Especialista em Saúde Mental pela Residência Multiprofissional da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros, MG, Brasil.

Carolina dos Reis Alves, Faculdade Santo Agostinho

Enfermeira, Doutora em Ciências da Saúde, Professora do Departamento de Enfermagem da Faculdade Santo Agostinho (FASA). Montes Claros, MG, Brasil.

References

Almeida, D. B., Silva, G. T. R., Queiros, P. J. P., Freitas, G. F., & Almeida, I. F. B. (2017). Lúcia Esther Duque Moliterno: conhecendo a história de vida de uma militante da enfermagem. Revista de Enfermagem UERJ, 25, e13345. http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2017.13345

Araújo-dos-Santos, T., Silva-Santos, H., Silva, M. N., Coelho, A. C. C., Pires, C. G. da S., & Melo, C. M. M. (2018). Precarização do trabalho de enfermeiras, técnicas e auxiliares de enfermagem nos hospitais públicos. Revista Escola Enfermagem da USP, 52, e03411. http://doi.org/10.1590/S1980-220X2017050503411

Brasil. Guia da Carreira. (2020). Quanto ganha um Enfermeiro? http://www.guiadacarreira.com.br/salarios/quanto-ganha-um-enfermeiro. Acesso em 11 de dezembro de 2020.

Carvalho, D. P., Rocha, L. P., Pinho, E. C., Tomaschewski-Barlem, J. G., Barlem, E. L. D., & Goulart, L. S. (2019). Cargas de trabalho e os desgastes a saúde dos trabalhadores da enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 72(6), 1435-1441. http://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0659

Costa, C. C. P., Souza, N. V. D. de O., Silva, P. A. dos S., Oliveira, E. B., & Vieira, M. L. C. (2015). O trabalho na central de material: repercussões para a saúde dos trabalhadores de enfermagem. Revista de Enfermagem UERJ, 23(4), 533-539. http://doi.org/10.12957/reuerj.2015.15934

Costa, E. C., & Sant’ana, F. R. dos S. (2017). Jornada de trabalho do profissional de enfermagem e fatores relacionados à insatisfação laboral. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 9(4), 1140-1145. http://www.acervosaude.com.br/doc/31_2017.pdf

Costa, R. K. de S., & Miranda, F. A. N. (2008). O enfermeiro e a estratégia saúde da família: contribuição para a mudança do modelo assistencial. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 9(2), 120-128. http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/5048/3707

Farias, B. H., Jacondino, M. B., Martins, C. L., Fernandes, H. N., Amestoy, S. C., & Thofhern, M. B. (2015). O fazer dos trabalhadores de enfermagem e as repercussões no cuidado aos usuários. Journal of Nursing and Health, 5(1), 14-26. https://doi.org/10.15210/jonah.v5i1.4696

Magrin, V. (2020). Dia Internacional da Enfermagem: conheça a história de profissionais da UFT que estão na linha de frente contra a Covid-19. http://ww2.uft.edu.br/index.php/ultimas-noticias/27161-dia-internacional-da-enfermagem-conheca-a-historia-de-profissionais-da-uft-que-estao-na-linha-de-frente-contra-a-covid-19. Acesso em 11 de dezembro de 2020.

Moreira, D. de A., Ferraz, C. M. L. C., Costa, I. P., Amaral, J. M., Lima, T. T., & Brito, M. J. M. (2020). Prática profissional do enfermeiro e influências sobre a sensibilidade moral. Revista Gaúcha de Enfermagem, 41, e20190080. http://doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20190080

Nascimento, J. O. V., Santos, J., Meira, K. C., Pierin, A. M. G., & Souza-Talarico, J. N. (2019). Trabalho em turnos de profissionais de enfermagem e a pressão arterial, Burnout e transtornos mentais comuns. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 53, e03443. http://doi.org/10.1590/S1980-220X2018002103443

Pafaro, R. C., & Martino, M. M. F. (2004). Estudo do estresse do enfermeiro com dupla jornada de trabalho em um hospital de oncologia pediátrica de Campinas. Revista Escola Enfermagem da USP, 38(2), 152-160. http://doi.org/10.1590/S0080-62342004000200005

Pérez Júnior, E. F., & David, H. M. S. L. (2018). Trabalho de enfermagem e precarização: uma revisão integrativa. Enfermagem em Foco, 9(4), 71-76. http://doi.org/10.21675/2357-707X.2018.v9.n4.1325

Pinto, A. P. C. de M., Silva, M. da F., Azevedo, A. C. B., Rodrigues, C. C. F. M., Salvador, P. T. C. de O., & Santos, V. E. P. (2016). Estresse no cotidiano dos profissionais de enfermagem: reflexos da rotina laboral hospitalar. Revista de Enfermagem da UFSM, 6(4), 548-558. http://doi.org/10.5902/2179769221779

Puerto, J. C., Soler, L. M., Montesinos, M. J. L., Marcos, A. P., & Chorda, V. M. G. (2017). Uma nova contribuição para a classificação dos fatores estressores que afetam os profissionais de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 25, e2895. http://doi.org/10.1590/1518-8345.1240.2895

Rabelo, S. K., Lima, S. B. S., Santos, J. L. G., Costa, V. Z., Reisdorfer, E., & Santos, T. M., et al. (2020). Processo de trabalho do enfermeiro em um serviço hospitalar de emergência. Revista Brasileira de Enfermagem, 73(5), e20180923. http://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0923

Ramos, F. R. S., Barth, P. O., Brehmer, L. C. de F., Dalmolin, G. de L., Vargas, M. A., & Schneider, D. G. (2020). Intensidade e frequência de distresse moral em enfermeiros brasileiros. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 54, e03578. http://doi.org/10.1590/S1980-220X2018020703578

Santos, E. I., Alves, Y. R., Gomes, A. M. T., Ramos, R. de S., Silva, A. C. S. S., & Santo, C. C. E. (2015). Representações sociais da autonomia profissional do enfermeiro para profissionais de saúde não enfermeiros. Revista de Enfermagem da UERJ, 23(4), 481-487. http://doi.org/10.12957/reuerj.2015.17944

Schaefer, R., Zoboli, E. L. C. P., & Vieira, M. (2018). Sofrimento moral em enfermeiros: descrição do risco para profissionais. Texto & Contexto - Enfermagem, 27(4), e4020017. http://doi.org/10.1590/0104-07072018004020017

Sena, A. F. de J., Lemes, A. G., Nascimento, V. F., & Rocha, E. M. (2015). Estresse e ansiedade em trabalhadores de enfermagem no âmbito hospitalar. Journal of Nursing and Health, 5(1), 27-37. http://doi.org/10.15210/jonah.v5i1.5089

Silva, J. C., Moraes, H., Araújo, F., Araújo, M. K., & Oliveira, M. R. (2020). Onde está a enfermagem? A (in)visibilidade desta categoria profissional nos meios de comunicação. Enfermagem em Foco, 11(2), 50-56. http://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n2.2968

Silva, L. C. P., & Juliani, C. M. C. M. (2012). A interferência da jornada de trabalho na qualidade do serviço: contribuição à gestão de pessoas. Revista de Administração em Saúde, 14(54), 11-18. http://www.cqh.org.br/portal/pag/doc.php?p_ndoc=267

Souza, P., Cucolo, D. F., & Perroca, M. G. (2019). Carga de trabalho de enfermagem: influência das intervenções de cuidados indiretos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 53, e03440. http://doi.org/10.1590/S1980-220X2018006503440

Teodosio, S. S., & Padilha, M. I. (2016). ''Ser enfermeiro'': escolha profissional e a construção dos processos identitários (anos 1970). Revista Brasileira de Enfermagem, 69(3), 428-434. http://doi.org/10.1590/0034-7167.2016690303i

Published

24/09/2021

How to Cite

SILVA, P. L. N. da .; ALVES, S. G.; SANTOS, C. L. de S. .; ALVES, C. dos R. . Biopsychosocial challenges faced by the nursing team in the exercise of professional practice: impact of devaluation. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e379101220523, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20523. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20523. Acesso em: 23 feb. 2024.

Issue

Section

Review Article