Social and environmental sustainability indicators in cleaner production practices in collective food units

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.20914

Keywords:

Social and environment management tools; INPR; Environmental management; Restaurant; Intake rest; Environmental health.

Abstract

The implementation of an efficient socio-environmental management model requires the application of tools that show quali-quantitatively the essential changes in production. In the food sector, the scientific literature lacks studies that apply indicators and tools of this nature. This work aims to apply the socio-environmental sustainability indicators: Indicator of the Level of Meal Processing (INPR) and the Analysis of Rest-Ingestion (ARI) in Cleaner Production practices (PML) in a school restaurant in the northwest of Paraná. The research associated a case study with field research for the application of socio-environmental indicators in PML. The initial INPR was 1.34 and after changes it went to 3.77 (recommended greater than 3), proving to be easy to apply and efficient to improve the nutritional quality of the menu. The ARI was efficient in determining differences in waste between the typologies: à la carte (14.81%) and buffet (4.12%), showing a laborious application and simple analysis. The application of the two indicators was feasible, providing more circular production processes and seeking the sustainable and healthy profile of new consumers.

Author Biographies

Queila Turchetto, Univeridade Cesumar

Possui graduação em Nutrição pelo Centro de Ensino Superior de Maringá(2005), especialização em Fisiologia Humana pela Universidade Estadual de Maringá(2007) e mestrado em Tecnologias Limpas pelo Centro de Ensino Superior de Maringá(2017). Tem experiência na área de Nutrição. Atuando principalmente nos seguintes temas: Avaliação Ambiental, Produção mais limpa, Restaurante Universitário, Resíduos sólidos. 

Mariana Luísa Chiezi de Oliveira, Univeridade Cesumar

Mestre em Tecnologias Limpas com ênfase em Agroindústria e Agropecuária Sustentável pelo Programa de Pós Graduação em Tecnologias Limpas - PPGTL- UniCesumar/Bolsista Capes (2020). Pós-graduada em Docência no Ensino Superior pela UniCesumar (2018) e pós-graduada em Fitoterapia pela Faculdade Unyleya (2017). Graduada em Nutrição pela UniCesumar (2017) e em Gastronomia pela Unicesumar (2015). Experiência profissional como Nutricionista Clínica no Santa Rita Saúde (2019-atual) e Professora Mediadora na Unicesumar (2021).

Márcia Aparecida Andreazzi , Univeridade Cesumar

Graduada em Zootecnia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), mestre em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), doutora em Produção Animal pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós doutora pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é Coordenadora do Mestrado em Tecnologias Limpas (conceito 3- Capes), área de Ciências Ambientais, da Universidade Cesumar (UNICESUMAR). Pesquisadora do Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia (ICETI/ UNICESUMAR). Membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE), do colegiado e docente do curso de Medicina Veterinária (UNICESUMAR). Membro do Comitê Assessor de Pesquisa (CAPEC/ UNICESUMAR). Membro do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente de Maringá (COMDEMA). Membro do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Basis) do Instituto Nacional de Estudos (SINAES/INEP/MEC), estando credenciado como Avaliador Institucional e de Cursos de Graduação do SINAES/CAPES. Tem experiência na área de bioquímica e fisiologia animal, produção animal e agroindústria e agropecuária sustentável.

Isabele Picada Emanuelli, Univeridade Cesumar

Graduada em Medicina Veterinária em 2002 pela Universidade Federal de Santa Maria. Foi bolsista de Iniciação Científica PIBIC/CNPq nos anos de 1999, 2000 e 2001 desenvolvendo seus projetos na área de biotecnologia animal. Mestre em 2005 em zootecnia na área de biotecnologia animal pela Universidade de São Paulo (USP). Coordenou o Laboratório de Biotecnologia da ReproduçãoAnimal da UniCesumar de abril de 2005 a 2010. Doutora em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de São Paulo (UNESP) em Botucatu/SP no ano de 2013. Suplente de Coordenação do Comitê de Ciências Agrárias da Fundação de Amparo à Pesquisa do Paraná - Fundação Araucária (gestão 2020 - 2024). Membro do Comitê Assessor de Pesquisa (CAPEC/ UNICESUMAR). Pesquisadora do Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia (ICETI/ UNICESUMAR). Possui experiência em Biotecnologia da reprodução (produção de embriões mamíferos in vitro e in vivo; cultura in vitro de células mamíferas e células-tronco e micromanipulação embrionária), e em tecnologias limpas na agroindústria e na produção animal. Desde 2014 é Professora Titular do Programa de Mestrado em Tecnologias Limpas da UniCesumar. Atualmente suas pesquisas estão voltadas para Sustentabilidade na Produção e Reprodução Animal, incluindo gestão ambiental na agroindústria e na agropecuária. 

References

Abreu, E. S., Spinelli, M. G. N., & Zanardi, A. M. P. (2011). Gestão de unidades de alimentação e nutrição: um modo de fazer. Ed. Metha.

Albuquerque, H. C., Neto., Marques, C.C., Araújo, P. G. C., Gonçalves, W. P., Maia, R., & Barbosa, E. A. (2007). Caracterização de resíduos sólidos orgânicos produzidos no restaurante universitário de uma instituição pública (estudo de caso). In: Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 27(1). ABREPO.

Alves, M. G., & Ueno, M. (2015). Identificação de fontes de geração de resíduos sólidos em uma unidade de alimentação e nutrição. Revista Ambiente e Água. 10(4), 874-88.

Amorim, M. M. A., Junqueira, R. G., & Jokl, L. (2005). Adequação nutricional do almoço self-service de uma empresa de Santa Luzia, MG. Revista Nutrição, 18(1), 145-56.

Araújo, E. L. M., & Carvalho, A. C. M. S. (2015). Sustentabilidade e geração de resíduos em uma unidade de alimentação e nutrição da cidade de Goiânia-GO. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, 10(4), 775-96.

Araújo, G., Cohen, M., & Silva, J. (2014). Avaliação do Efeito das Estratégias de Gestão Ambiental Sobre o Desempenho Financeiro de Empresas Brasileiras. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 3(2), 16-38. University Nove de Julho: São Paulo. http://dx.doi.org/10.5585/geas.v3i2.93.

Augustini, V. C. M., Kishimoto, P., Tescaro, T. C., & Almeida, F. Q. A. (2008). Avaliação do índice de resto-ingesta e sobras em unidade de alimentação e nutrição (UAN) de uma empresa metalúrgica na cidade de Piracicaba/SP. Revista Simbio-Logias, 1(1), 99-110.

Birisci, E., & McGarvey, R. G. (2018). Optimal production planning utilizing leftovers for an all-you-care-toeat food service operation. Journal of Cleaner Production, 171(1), 984-94.

Bilck, A. P., Silva, D. L. D., Costa, G. A. N, Benasse, V. T., & Garcia, S. (2009). Aproveitamento de subprodutos: restaurantes de Londrina. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, 2(1), 87-104.

Borjes, L. C., Tasca, F. J., & Zamprogna, P. E. (2014). Alimentos industrializados fontes de sódio utilizados no preparo de refeições em restaurantes comerciais de Chapecó-SC. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, 9(1), 83-97.

Brasil. Lei nº 12.305 de 2 de agosto de 2010. Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Brasil. (2014). Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica, 2. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Busato, M. A., Barbosa, F. M., & Frares, K. R. (2012). A geração de sobras e resto no restaurante popular de Chapecó (SC) sob a ótica da produção mais limpa. Revista Simbio-Logias, 5(7), 23-33.

Canella, D. S., Levy, B. R., Martins, A. P. B., Claro, R. M., Moubarac, J., Baraldi, L. G., Cannon, G., & Monteiro, C. A. (2014). Ultra-processed food products and obesity in Brazilian households (2008-2009). PLoS One, 9(3), e92752.

Capra, F. (2005). Como a natureza sustenta a Teia da Vida. In: M. Stone, & Z. Barlow (Eds.). Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável (pp. 13-15). São Paulo: Cultrix.

Carneiro, H. S. (2005). Comida e sociedade: significados sociais na história da alimentação. História: Questões & Debates, 42(1), 71-80.

Carneiro, C. M. L., Lima, A. M., Azevedo, J. B., Castro, M. G., & Silva, K. M. B. (2010) Diagnóstico dos resíduos sólidos produzidos no restaurante universitário da UFRN. In: Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 30(1) Rio de Janeiro: ABEPRO.

Casali, L. (2013). Cozinhando sem desperdício: receitas sustentáveis para o gourmet consciente. São Paulo: Alaúde Editorial.

Chamberlem, S. R. Kinasz, T. R., & Francesco, M. P. F. (2021). Resto de ingestão e sobra descartada: fonte de geração de resíduos orgânicos em unidades de alimentação e nutrição em Cuiabá, MT. Alimentos e Nutrição, 23(2), 317-25.

Cooper, K. A., Quested, T. E., Lanctuit, H., Zimmermann, D., Espinoza-Orias, N., & Roulin, A. (2018). Nutrition in the Bin: A Nutritional and Environmental Assessment of Food Wasted in the UK. Frontiers in Nutrition, 5(19).

Environmental Protection Agency (EPA). (1988) Principles of pollution prevention and cleaner production: facilitator´s manual.

Gouveia, N. (2012). Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, 17(6), 1503-10.

Kirschbaum, C. (2013). Decisões entre pesquisas quali e quanti sob a perspectiva de mecanismos causais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28(82), 179-93.

Lafuente, A. N. A., Jr. (2012). Resíduos sólidos em restaurante comercial: um estudo de caso na cidade de Santos/SP. Revista de Tecnologia Aplicada, 6(2), 44-61.

Lopes, R. C., & Baldin, N. (2009). Educação ambiental para a reutilização do óleo de cozinha na produção de sabão-projeto “ecolimpo”. In: Anais do Congresso Nacional de Educação, 9(1). Curitiba: PUCPR.

Louzada, M. L. C., Martins, A. P. B., Canella, D. S., Baraldi, L. G., Levy, R. B., Claro, R. M., Moubarac, J., Cannon, G., & Monteiro, C. A. (2015). Alimentos ultraprocessados e perfil nutricional da dieta no Brasil. Revista de Saúde Pública, 49(1), 1-11.

Luken, R. A., Berkel, R. V., Leuenberger, H., & Schwager, P. (2016). A 20-year retrospective of the National Cleaner Production Centres programme. Journal of Cleaner Production, 112(1), 1165-74.

Machado, C. C. B., Mendes, C. K., Souza, P. G., Martins, K. S. R., & Silva, K. C. C. (2012). Avaliação do índice de resto ingesta de uma unidade de alimentação e nutrição institucional de Anápolis-GO. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, 16(6), 151-62.

Mandelli, S. M. C. (1997). Variáveis que interferem no comportamento da população urbana no manejo de resíduos sólidos domésticos no âmbito das residências. Tese de doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

Martin-Rios, C., Demen-Meier, C., Gõssling, S., & Cornuz, C. (2018). Food waste management innovations in the foodservice industry. Waste Management, 79(1), 196-206.

Matuk, T. T., Utikava, N., Coradello, M. A., Torres, P. M., & Coutinho, S. M. V. (2015). Indicador do nível de processamento das refeições: caminho para a sustentabilidade. In: Anais do Workshop Interdisciplinario de Investigación e Indicadores de Sustentabilid, 4(1) Chile: Concepción, 47-59.

Neff, R. A., Spiker, M. L., & Truant, P. L. (2015). Wasted Food: U.S. Consumers' Reported Awareness, Attitudes, and Behaviors. PLoS ONE, 10(6).

Pereira, A. P., & Gonçalves, M. M. (2011). Compostagem doméstica de resíduos alimentares. Pensamento Plural: Revista Científica do UNIFAE, 5(2), 12-7.

Pereira, G., & Sant’anna, F. (2012) Uma análise da produção mais limpa no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, 24(1), 17-26.

Pospischek, V. S., Spinelli, M. G. N., & Matias, A. C. G. (2014) Avaliação de ações de sustentabilidade ambiental em restaurantes comerciais localizados no município de São Paulo. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, 9(2), 595-611.

Rabelo, N. M. L., & Alves, T. C. U. (2016). Avaliação do percentual de resto-ingestão e sobra alimentar em uma unidade de alimentação e nutrição institucional. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, 10(1), 2039-52, jan./jun.

Rattner, H. (2001). Por caminhos alternativos da sustentabilidade. In: Anais do Seminário Dinâmica do Desenvolvimento na Era da Internacionalização da Economia, 2(1), Natal: Trabalhos.

Rauber, F., Campagnolo, P. D. B, Hoffman, D. J., & Vitolo, M. R. (2015). Consumption of ultra-processed food products and its effects on children’s lipid profiles: a longitudinal study. Nutrition, Metabolism & Cardiovascular Diseases, 25(1), 116-22.

Rezzadori, K., & Benedetti, S. (2009). Proposições para valorização de resíduos do processamento do suco de laranja. In: Anais do International Workshop Advances in Cleaner Production, 2(1). UNIP, 1-11.

Ribeiro, F. M.; & Kruglianskas, I. A. (2014). Economia Circular no contexto europeu: Conceito e potenciais de contribuição na modernização das políticas de resíduos sólidos. In: Anais do Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, 16(1). FEA, 1-16.

Rosa, B. N., Moraes, G. G., Maroço, M., & Castro, R. (2005) A importância da reciclagem do papel na melhoria da qualidade do meio ambiente. In: Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 25(1). ABREPO, 5170-76.

Severo, E. A., Guimarães, J. C. F., & Dorion, E. C. H. (2018) Cleaner production, social responsibility and eco-innovation: Generations' perception for a sustainable future. Journal of Cleaner Production, 186(1), 91-103.

Silva, A. M., Silva, C. P., & Pessina, E. L. (2010). Avaliação do índice de resto-ingesta após campanha de conscientização dos clientes contra o desperdício de alimentos em um serviço de alimentação hospitalar. Revista Simbio-Logias, 3(4), 43-56.

Souza, E. L. (2006). Contaminação ambiental pelos resíduos de serviços de saúde. Bebedouro: Faculdades Integradas Fafibe.

Spinelli, M. G. N., & Cale, L. R. (2009) Avaliação de resíduos em uma unidade de alimentação e nutrição. Revista Simbio-Logias, 2(1), 21-30.

Stockli, S., Dorn, M., & Liechti, S. (2018) Normative prompts reduce consumer food waste in restaurants. Waste Management, 77(1), 532-36.

Tavares, L. F., Fonseca, S. C., Rosa, M. L. G., & Yokoo, E. M. (2012). Relationship between ultra-processed foods and metabolic syndrome in adolescents from a Brazilian Family Doctor Program. Public Health Nutrition, 15(1), 82-7.

Teixeira, J. C. (2001). Utilização da polpa cítrica na alimentação de bovinos leiteiros. Parte I. Milkbizz Tecnologia, 1(3), 25-8.

Teo, C. R. P. A., & Monteiro, C. A. (2012). Marco legal do Programa Nacional de Alimentação Escolar: uma releitura para alinhar propósitos e prática na aquisição de alimentos. Revista de Nutrição, 25(5), 657-68.

Turchetto, Q. Schüroff, H. P., Barros, C., Jr., Andreazzi, M. A., & Emanuelli, I. P. (2015). Destino sustentável de resíduos sólidos orgânicos em restaurante escola: uma proposta de implementação. Revista Monografias Ambientais, 15(1), 220-27.

Turchetto, Q., Andreazzi, M. A., Silva, C., Paccola, E. A., & Emanuelli, I. P. (2017). Conceitos e práticas de gestão ambiental no setor de gastronomia. Enciclopédia Biosfera, 14(25), 1757-71.

Vaz, C. S. (2006). Restaurantes: controlando custos e aumento lucros. LGE.

Vilhena, M. O., & Silva, M. C. (2007). Aproveitamento integral de alimentos orgânicos: arte culinária verde. In: Anais da Jornada Nacional da Produção Científica em Educação Profissional e Tecnológica, 2(1). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, 1-6.

Published

10/10/2021

How to Cite

TURCHETTO, Q. .; OLIVEIRA, M. L. C. de; ANDREAZZI , M. A. . . . . . . . . . .; EMANUELLI, I. P. Social and environmental sustainability indicators in cleaner production practices in collective food units. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e202101320914, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.20914. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20914. Acesso em: 4 dec. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences