Women in the world of work: choosing the "male" course and entering the internship

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21046

Keywords:

Gender; Professional and Technological Education; Work.

Abstract

The choice of women to study in a course in a traditionally male area (Occupational Safety) and their inclusion in the internship are the theme of this work, written from a survey that was carried out in the school environment of the Federal Institute of Alagoas (IFAL) – São Miguel dos Campos Campus. Its objective is to understand the socio-historical-emotional aspects that involve this choice and to get to know the reality of women when performing the internship, a crucial step for the consolidation of the course's teachings and for their employability. The research also aims to broaden the debate at IFAL, focusing on issues of gender, education and work. The investigative study is characterized as an action-research, with a quanti-qualitative nature, and the methodological instruments used were the semi-structured questionnaire and the conversation wheel. The data point to the need to expand research involving gender and EPT, in order to think of education as a promoter of critical thinking, to stimulate discussions and practices that strengthen gender equity, in IFAL and in society.

Author Biographies

Paulete Constantino Cerqueira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica – PROFEPT - IFAL. Psicóloga do Campus São Miguel do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de Alagoas – IFAL.

Edel Alexandre Silva Pontes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas

Doutor em Ciências da Educação com ênfase no Ensino de Matemática pela Universidad Tecnológica Intercontinental (UTIC); Mestre em Estatística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Graduado em Matemática pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Atualmente é Diretor-Geral do Instituto Federal de Alagoas - IFAL Campus Rio Largo, Professor do Departamento de Matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL) e do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológia (nacional, em rede). 

 

Beatriz Medeiros de Melo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos. Atualmente, é professora do Instituto Federal de Alagoas (IFAL), campus Viçosa, lecionando no Ensino Médio Integrado ao Técnico, em cursos de graduação e no Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológia (nacional, em rede). É professora do Mestrado Acadêmico em Sociologia da UFAL e contribuiu com o curso de Licenciatura em Ciências Sociais (modalidade Ead).

References

Bezerra, A. A. C., & Tanajura, L. L. C. (2015). A Pesquisa-ação sob a ótica de René Barbier e Michel Thiollent: aproximações e especificidades metodológicas. Revista eletrônica pesquiseduca, 7(13), 10-23.

Bonamigo, C. A. (2014). Limites e possibilidades históricas à educação omnilateral. Educere-Revista da Educação da UNIPAR, 14(1).

Brasil (2017), Lei 9394/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional). Senado Federal. https://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/529732 .

Brasil (2018), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mulher estuda mais, trabalha mais e ganha menos do que o homem. https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20234-mulher-estuda-mais-trabalha-mais-e-ganha-menos-do-que-o-homem .

Brasil (2018) Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Mulheres são maioria na educação profissional e nos cursos de graduação, 2018b. http://portal.inep.gov.br/artigo/- /asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/mulheres-sao-maioria-na-educacao-profissional-e-nos-cursos-de-graduacao/21206

Brasil (2020) Tribunal Superior Eleitoral (TSE). https://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2020/Fevereiro/dia-da-conquista-do-voto-feminino-no-brasil-e-comemorado-nesta-segunda-24-1.

Brilhante, A. V. M., Nations, M. K., & Catrib, A. M. F. (2018). “Taca cachaça que ela libera”: violência de gênero nas letras e festas de forró no Nordeste do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 34.

Chaer, G., Diniz, R. R. P., & Ribeiro, E. A. (2012). A técnica do questionário na pesquisa educacional. Revista Evidência, 7(7).

da Silva, L. L. T. (2019). Mulheres e o mundo do trabalho: a infindável dupla jornada feminina. Revista Eletrônica Interações Sociais, 3(1), 120-131.

Daniel, C. (2011). O trabalho e a questão de gênero: a participação de mulheres na dinâmica do trabalho. O social em questão, (25/26), 323-344.

Engels, F. (1984). A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Civilização Brasileira.

Federici, S. (2017). Calibã e a bruxa: mulheres, corpos e acumulação primitiva. Editora Elefante.

Gomes, A. F. (2005). O outro no trabalho: mulher e gestão. REGE Revista de Gestão, 12(3), 1-9.

Luxemburgo, R. A proletária.Textos escolhidos vol. I. Organizado por Isabel Loureiro - Editora UNESP, páginas 493-496. https://www.marxists.org/portugues/luxemburgo/1914/03/05.htm

Maio, E. R. (2018). Gênero e Sexualidade: Interfaces Educativas. Appris Editora e Livraria Eireli-ME.

Nascimento, S. D. (2014). Precarização do trabalho feminino: a realidade das mulheres no mundo do trabalho. Temporalis, 14(28), 39-56.

Quirino, R. (2012). Trabalho da mulher no Brasil nos últimos 40 anos. Revista Tecnologia e Sociedade, 8(15), 90-102.

Ramos, M. N. (2013). Trabalho e educação: implicações para a produção do conhecimento em Educação Profissional. Produção de conhecimento, políticas públicas e formação docente em educação profissional. Campinas, SP: Mercado de Letras, 23-40.

Saffioti, H. (2013). A mulher na sociedade de classes – mito e realidade. Expressão Popular, (3a ed.).

Silva, A. H., & Fossá, M. I. T. (2015). Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas Revista Eletrônica, 16(1).

Souza, L. M., & de Lima Neto, A. A. (2019). Fazendo Gênero Na Educação Profissional: notas epistemológicas a partir do estado de conhecimento sobre educação profissional e gênero na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (2008-2019). Cadernos de Pesquisa, 235-250.

Sousa, L. P. D., & Guedes, D. R. (2016). A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos avançados, 30, 123-139.

Pereira, M. F. V. (2010). A inserção subordinada do Brasil na divisão internacional do trabalho: consequências territoriais e perspectivas em tempos de globalização. Sociedade & Natureza, 22, 347-355.

Published

10/10/2021

How to Cite

CERQUEIRA, P. C. .; PONTES, E. A. S.; MELO, B. M. de. Women in the world of work: choosing the "male" course and entering the internship. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e209101321046, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21046. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21046. Acesso em: 7 dec. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences