Perceptions of supervising teachers and scholarship students of PIBID on the introduction of computational thinking through unplugged activities in basic education

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21193

Keywords:

Teaching; Computation Thinking; PIBID; Unplugged activities.

Abstract

This study aimed to verify the research participants’ perceptions regarding the feasibility and the perceived difficulty level of difficulty found in relation to the introduction of computational thinking (CT) in basic education, through the performance of unplugged activities. For this, the research participants, Pedagogy students, PIBID scholarship holders, and the supervising teachers, received training to know the pillars of computational thinking (decomposition, pattern recognition, abstraction and algorithms). In addition, they performed five unplugged activities, which they could apply to their students in the schools where they work. Methodologically, qualitative research was performed, based on data collection through the questionnaire instrument, aligned with methodological aspects of the Content Analysis proposed by (Bardin, 2016). The (BNCC) Common National Curriculum Base (BRASIL, 2017), foresees the use of the concepts of the CT to help the problem-solving processes, which shows the importance of the present study. This research contributes to teacher training by subsidizing the methodological practice of the supervising professor and the PIBID scholarship holder. The result of the application of the activities performed by the supervising teachers, with the help of the scholarship students, demonstrated the effectiveness of the work with the CT at school.

Author Biographies

Hadassa de Oliveira Gomes Gabillaud, Universidade Pitágoras Unopar

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Metodologias para o Ensino de Linguagem e suas Tecnologias, com dissertação intitulada "Percepções de professores supervisores e alunos bolsistas do PIBID sobre a introdução do pensamento computacional por meio de atividades desplugadas na educação básica". Especialização em Gestão de Recursos Humanos e MBA em Gestão Empresarial. Possui graduação e pós graduação em Gestão de Recursos Humanos. Experiência em Educação a Distância como Professora Ministrante e Conteudista de cursos de Graduação nas áreas de Gestão. 

Eliza Adriana Sheuer Nantes, Universidade Pitágoras Unopar

Doutora em Estudos da Linguagem (2015), Mestre em Estudos da Linguagem (2005), Especialista em Língua Portuguesa (2000) e Graduada em Letras Vernáculas e Clássicas pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). É Professora Titular na UNOPAR, Curso de graduação em Letras e Programa de Pós-Graduação em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias (PPGENS/UNOPAR). Pesquisa na graduação e na pós-graduação com os temas: ensino, linguagem, tecnologia, educação a distância, análise linguística, gêneros discursivos e plano de trabalho docente . Participa dos Grupos de Pesquisa: Linguagens, Tecnologia e Ensino, UNOPAR-CNPq e FELIP-Formação e Ensino em Língua Portuguesa, UEL-CNPq . Coordena os projetos de pesquisa Ensino, tecnologia e linguagens: uma investigação dos aspectos teóricos e metodológicos para promoção dos letramentos digitais. (UNOPAR/IC-FUNADESP).

References

Abilio, L. C. (2019). Uberização: do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado. Psicoperspectivas, Valparaiso. 18(3), 41-51. doi: https://dx.doi.org/10.5027/psicoperspectivas-vol18-issue3-fulltext-1674

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Blikstein, P. (2008). O pensamento computacional e a reinvenção do computador na educação. http://www.blikstein.com/paulo/documents/online/ol_pensamento_computacional.html.

Brackmann, C. P. (2017). Desenvolvimento do pensamento computacional através de atividades desplugadas na educação básica. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Brackmann, C. P. (2019). Pensamento Computacional Brasil. http://www.computacional.com.br

Brasil, (2010). Ministerio da Educação. Decreto n. 7.219 de 25/06/2010. Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência e dá outras providências. Brasília.

Brasil, (2017). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília.

Costa, L. V. (2010). A relação entre a percepção de sucesso na carreira e o comprometimento organizacional: um estudo entre professores de universidades privadas selecionadas da Grande São Paulo. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Diamandis, P. H., & KOTLER, S. (2012). Abundância: o futuro é melhor do que você imagina. São Paulo: HSM Editora.

Disessa, A. (2001). Changing minds: computers, learning, and literacy. Paperback edition. Cambridge: MIT Press.

França, R. S.; Silva, W. C., & Amaral, H. J. C. (2012). Ensino de Ciência da Computação na educação básica: experiências, desafios e possibilidades. Anais do XX WEI (Workshop sobre Educação em Computação), Curitiba.

Garlet, D., Bigolin, N. M. & Silveira, S. R. (2016). Uma proposta para o ensino de programação de computadores na educação básica. Santa Maria. https://www.ufsm.br/cursos/graduacao/sistemas-de-informacao-fw/wp-content/uploads/sites/333/2018/11/DanielaGarlet.pdf.

Geraldes, W. B. (2014). Programar é bom para as crianças? Uma visão crítica sobre o ensino de programação nas escolas. Texto Livre, Goiás, 7(2). http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/6143.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4th ed.) São Paulo: Atlas.

Iste/Csta. (2011). Computational Thinking Teacher Resource. (2th ed.). www.iste.org/docs/ct-documents/ct-teacher-resources_2ed-pdf.pdf?sfvrsn=2.

Liukas, L. (2015). Hello Ruby: adventures in coding. Feiwel&Friends.

Minayo, M. C. S. (2002). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. (21th ed.) Petrópolis: Vozes.

Raabe, A. L. A. et al. (2015). Recomendações para Introdução do Pensamento Computacional na Educação Básica. Anais do Congresso Anual da SBC. Porto Alegre: SBC, 1, 15-25.

Raabe, A., Zorzo, A. F., & Blikstein, P. (Orgs.) (2020). Computação na educação básica: fundamentos e experiências. Porto Alegre: Penso.

Valente, J. A. (2016). Integração do pensamento computacional no currículo da educação básica: diferentes estratégias usadas e questões de formação de professores e avaliação do aluno. Revista e-Curriculum, São Paulo, 14(3), 864-897. http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/29051.

Valente, J. A. (2019). Pensamento computacional, letramento computacional ou competência digital? Novos desafios da educação. Revista Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, 16(43), 147-168.

Wing, J. (2006). Computational thinking. Communications of the ACM, 49(3), 33.

Published

09/10/2021

How to Cite

GABILLAUD, H. de O. G.; NANTES, E. A. S. Perceptions of supervising teachers and scholarship students of PIBID on the introduction of computational thinking through unplugged activities in basic education. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e144101321193, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21193. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21193. Acesso em: 6 dec. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences