Frequency of endoparasites eggs in curly lettuce (Lactuca sativa) sold in markets, open markets and restaurants in Manaus – Amazonas

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21303

Keywords:

Lettuce; Lettuce; Enteroparasites; Markets; Open-Markets; Restaurants; Manaus.; Enteroparasites; Markets; Fairs; Restaurants; Manaus.

Abstract

Intestinal parasites represent a serious public health problem in Brazil, and among parasitic diseases, enteroparasitosis are the most common. The eating habit of consuming fresh vegetables allows the exposure of a large portion of the population to transmissible forms of parasites. Lettuce (Lactuca sativa) is the vegetable with the greatest production (ease of cultivation) and consumption (ease of access) in Brazil, as it is part of the Brazilian daily diet. Therefore, the aim of this study was to develop an epidemio-parasitological survey of parasitic forms in curly lettuce (Lactuca sativa) commercialized in markets, open markets and restaurants in Manaus, AM, Brazil. Curly lettuce samples were collected from markets, open markets and restaurants and evaluated for the detection of parasites. In samples from markets and open markets, 100% of the presence of parasite eggs was observed, highlighting the genera Hymenolepis spp. and Entamoeba spp., in addition to a lower frequency of Ascaris spp., Taenia spp., Schistosoma spp. and Toxocara spp. Regarding to the results of restaurant samples, in 50% of them we were able to detect parasite eggs, highlighting the genera Hymenolepis spp., Ascaris spp. and Ancylostoma spp. Thus, based on our results, we can conclude that the curly lettuce sold in markets or open markets in Manaus, during the period of this study, presented 100% contamination by parasite eggs, whereas in 50% of curly lettuce samples in restaurants, theoretically ready for consumption, parasite eggs were also identified.

References

ANVISA, Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos – CNNPA / ANVISA - Agência Nacional da Vigilância Sanitária. (1978). Normas tecnicas especiais, no 12, de 1978. Disponivel em: <https://silo.tips/download/agencia-nacional-de-vigilancia-sanitaria-53>. Acesso em: 28 set. 2021.

ANVISA, Agência nacional de vigilância sanitária. (2001). Resolução RDC –12 de 2 de janeiro de 2001. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2001/res0012_02_01_2001.html>. Acesso em: 21/09/2021.

ANVISA, Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos – CNNPA / ANVISA - Agência Nacional da Vigilância Sanitária. Resolução no 216/2004. Regulamento técnico de boas práticas para serviço de alimentação. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2004/res0216_15_09_2004.html>. Acesso em: 20/09/2021.

Alves, J.R. Macedo, H.W.; Ramos Júnior, A.N.; Ferreira, L.F.; Gonçalves, M.L.C.; Araújo, A. (2003) Parasitoses intestinais em região semi-árida do Nordeste do Brasil: resultados preliminares distintos das prevalências esperadas. Cadernos de Saúde Pública, 19(2):667-670.

Blumenthal, U.J.; Mara, D.D.; Peasey, A.; Ruiz-Palacios, G.;Stott, R. (2004). Redução dos riscos para a saúde com a utilização agrícola de águas residuais: mudanças recomendadas nas pautas da Organização Mundial da Saúde – OMS. Agricultura Urbana. Disponível em: < https://doczz.com.br/doc/427823/redução-dos-riscos-para-a-saúde-ao-utilizar-águas-residua. >. Acesso em: 20 set. 2021.

BRASIL, Ministério da Saúde. (2010). Guia de bolso Doenças Infecciosas e Parasitárias, 8a edição. Brasília – DF.

Cantos, G.A.; Soares, B.; Maliska, C.; Gick, D. (2004). Estruturas parasitárias encontradas em hortaliças comercializadas em Florianópolis, Santa Catarina. NewsLab, 66:154-163.

Chitarra, M. I. F. (2000). Processamento mínimo de frutos e hortaliças. Lavras: UFLA.

Cimerman, S.; Cimerman, B.; Lewi, D.S. (1999). Avaliação da relação entre parasitoses intestinais e fatores de risco para HIV em pacientes com AIDS. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 32(2):181-185.

Coura, J.R. (2005). Dinâmica das Doenças Infecciosas e Parasitárias. Volume I. ed. Guanabara Koogan: Rio de Janeiro.

Daryani, A.; Ettehad, G.H.; Sharif, M.; Ghorbani, L.; Ziaei, H. (2005). Prevalence of intestinal parasites in vegetables consumed in Ardabil, Iran. Food Control, 19(8): 790-794.

Evangelista, J. (1992). Contaminações de alimentos. In: Tecnologia de alimentos. São Paulo: Atheneu, cap.6, p. 153 – 185.

Falavigna, L.M.; Freitas, C.B.R.F.; De Melo, G.C.; Nishi, L.; Araujo, S.M.; Falavigna-Guilherme, A.L. (2005). Qualidade de hortaliças comercializadas no noroeste do Paraná, Brasil. Parasitologia Latinoamericana, 60 (3-4):144-149.

Faust, E.C.; D'antoni, J.; Odom, V.; Miller, M.J.; Peres, C.; Sawitz, W.; Thomen, L.F.; Tobie, J.; Walker, J.H. (1938). A critical study of clinical laboratory techniques for the diagnosis of protozoan cysts and helminth eggs in feces. American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, 18(2):169- 83.

Freitas, A.A.; Kwiatkowski, A.; Nunes, C.S.; Simonelli, S.M.; Sangioni, L.M. (2004) Avaliação parasitológica de alfaces (Lactuca sativa) comercializadas em feiras livres e supermercados do município de Campo Mourão, Estado do Paraná. Acta Scientarum Biological Sciences, Maringá, 26(4):381-384.

Henriksen, S.A.; Pohlenz, J.F.L. (1981). Staining of Cryptosporidia by a modified Ziehl- Neelsen technique. Acta Veterinaria Scandinava, 22:594-6.

Lutz, A. (1919). Schistosomum mansoni e a schistosomose segundo observações feitas no Brazil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, 11:121-55.

Machado, A.D.; Strapazon, M.A.; Massing, L.T; Moreira, D.G.; Possamai, G.A.; Gabriel, C.M.; Novais, R.L.B. (2009). Condições higiênico-sanitárias nos serviços de

alimentação de Organizações Não Governamentais de Toledo, PR. Nutrire: Revista da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição, 34(3): 141-151.

Mogharbel, A.D.I.; Masson, M.L. (2005). Perigos associados ao consumo da alface (Lactuca sativa), in natura. Alimentos e Nutrição Araraquara, 16(1):83-88.

Moraes, F.A.; Cota, A.M.; Campos, F.M.; Pinheiro-Sant’Ana, H.M. (2010). Perdas de vitamina C em hortaliças durante o armazenamento, preparo e distribuição em restaurantes. Ciência e Saúde Coletiva, 15(1):51-62.

Oliveira, A.G.M. (2009). Condições higiênico-sanitárias na produção de refeições em restaurantes públicos populares localizados no Estado do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Vigilância Sanitária) – Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRU, Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde – INCQS. Disponível em: < https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/4019> Acesso em: 21/09/2021.

Philippi, S.T. (2003). Nutrição e Técnica Dietética. 1a ed. Barueri: Manole.

Santana, L.R.R.; Carvalho, R.D.S.; Leite, C.C.; Alcântara, L.M.; Oliveira, T.W.S.; Rodrigues, B.M. (2006). Qualidade física, microbiológica e parasitológica de alfaces (Lactuca sativa) de diferentes sistemas de cultivo. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 26(2): 264-266.

Saraiva, N.; Ballestero, L.G.B.; Povêa, A.M.; Anibal, F.F. (2005). Incidência da contaminação parasitária em alfaces nos municípios de Araraquara (SP) e São Carlos (SP). Revista UNIARA, 9(1):213-218.

Sheather, A.L. (1923). The detection of intestinal protozoa and mange parasites by a flotation technique. Journal of Comparative Therapeutics, 36:266-75.

Silva, J.O.; Capuano D.M.; Takayanagui, O.M.; Giacometti-Júnior, E. (2005). Enteroparasitoses e onicomicoses em manipuladores de alimentos do Município de Ribeirão Preto, SP, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 8(4): 385-392.

Silva Junior, E.A. (1995). Fundamentos em microbiologia importantes. In: Manual de controle higiênico-sanitário em alimentos. 2.ed. São Paulo: Varela, cap. 1, p. 38.

Soares, B.; Cantos, G.A. (2005). Qualidade parasitológica e condições higiênico- sanitárias de hortaliças comercializadas na cidade de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 8(4):377-384.

Takayanagui, O.M. Capuano, D.M.; Oliveira, C.A.D.; Bergamini, A.M.M.; Okino, M.H.T.; Silva, A.; Oliveira, M.A.; Ribeiro, E.G.A.; Takayanagui, A.M. (2007). Avaliação da contaminação de hortas produtoras de verduras após a implantação do sistema de fiscalização em Ribeirão Preto, SP. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 40: 239-241.

Vollkopf, P.C.P.; Lopes, F.M.R.; Navarro, I. T. (2006). Ocorrência de enteroparasitos em amostras de alface (Lactuca sativa) comercializadas em Porto Murtinho-MS. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, 9(1): 37-40.

Published

17/10/2021

How to Cite

MOTA, J. M. F. .; SANTOS, T. L.; TONIN, A. A. Frequency of endoparasites eggs in curly lettuce (Lactuca sativa) sold in markets, open markets and restaurants in Manaus – Amazonas. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e410101321303, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21303. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21303. Acesso em: 7 dec. 2021.

Issue

Section

Health Sciences