Analysis of hotspots in the state of Pará from 2016 to 2019

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.25793

Keywords:

Geoprocessing; Kernel Method.

Abstract

This work aimed to analyze the incidence of hotspots located in the state of Pará, from 2016 to 2019. For analysis, the hotspots that occurred in the state of Pará were mapped, highlighting the mesoregions with the highest occurrence. Statistical variables of measures of central trends were used, as well as maps were generated through the Kernel density estimator. For data manipulation, GIS system software was used. Maps were generated with five kernel density levels represented by colors, which are dark green (very low), light green (low), yellow (medium), orange (high) and red (very high), which is applied to the three municipalities with the highest number of outbreaks. The results showed that in Pará the incidence of hotspots is concentrated, above all, along the access roads. The mesoregions that had the highest incidence of hotspots are Southeast Pará (38,989), followed by Southwest Pará (38,411), Baixo Amazonas (16,547) and Northeast Pará (16,294). The municipalities that had a high incidence of hotspots are located in the mesoregions with the highest concentration, namely São Félix do Xingu (13,077) and the municipalities of Altamira (11,710) and Novo Progresso (6,840). The hotspots tend to increase in the driest months of the year, this increase starts from the month of July, with the month of November being the most critical.

References

Andrade, P. S. (2014). A ocupação do Sudoeste Paraense: Desafios Sociais e Riscos Ambientais. Mestrado Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília.

Angelo, C., & Rittl, C. (2019). Análise das emissões brasileiras de gases de efeito estufa e suas implicações para as metas do Brasil: Relatório-síntese novembro de 2019. http://www.observatoriodoclima.eco.br/wp-content/uploads/2019/11/OC_SEEG_Relatorio_2019pdf.pdf.

Barbosa, M. J. S., Dias, M. C. S., Teixeira, M. A., & Trepaki, P. G. (2014). Relatório analítico do território do Baixo Amazonas – Pará 2014. http://sit.mda.gov.br/download/ra/ra018.pdf.

Cordeiro, I. M. C. C. (2017). Nordeste Paraense: panorama geral e uso sustentável das florestas secundárias. Belém: EDUFRA, p. 323.

Decreto Nº 2.661 (1998). Texto Transcrito do PLANALTO, Brasília, 8 de julho de 1998. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D2661.html.

Doblas, J., & Menezes, D. P. (2016). De olho no Xingu (parte II). Evolução dos focos de calor na Bacia do Xingu. https://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-do-xingu/de-olho-no-xingu-parte-ii-evolucao-dos-focos-de-calor-na-bacia-do-xingu.

Empresa Brasileira De Pesquisa Agropecuária-EMBRAPA. (2019). Aqua Project Science. http://www.sat.cnpm.embrapa.br/conteudo/missao_aqua.php.

Empresa Brasileira De Pesquisas Agropecuárias-EMBRAPA. (2013). Banco de produtos MODIS. http://www.modis.cnptia.embrapa.br/geonetwork/srv/pt/main.home.

Fernandes, T., Hacon, S. S., Novais, J. W. Z., Gil, R. L., & Medeiros, N. B. C. (2019). Dinâmica espaço-temporal de focos de queimadas na área fisiográfica da microrregião de Parauapebas - Pa, BRASIL. Revista gestão e sustentabilidade ambiental, 8(1), 340-364.

Ferreira, L. G. B., Caramori, P. H., Morais, H., Nitsche, P. R., & Costa, A. B. C. (2017). O Fenômeno El Niño De 2015/2016 e Seus Impactos Nas Chuvas Do Paraná. http://www.iapar.br/arquivos/File/zip_pdf/agrometeorologia/2017-01-09-boletim-enos.pdf.

Freitas, S. R., Longo, K. M. Dias, M. A. F. S. D., & Dias, P. L. S. (2005). Emissões de queimadas em ecossistemas da América do Sul. Estudos Avançados. 19(53).

Gonçalves, E. D., Neves, R. R., Sousa, L. P. A De, & Araujo, E. C. De. (2016). Interferência do Regime Pluviométrico na Incidência de Focos de Calor no Sudeste Paraense considerando o fenômeno El Niño Oscilação- Sul. Revista Brasileira de Gestão Ambiental (Pombal - PB - Brasil) 10(1), 35-42.

Instituto Nacional De Meteorologia. (1992). Normais Climatológicas. 155p.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística-IBGE. (2016). A geografia do café. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv99002.pdf.

Instituto Nacional De Pesquisas Espaciais - INPE. (2007). O monitoramento de queimadas em tempo quase-real do INPE. - Divisão de satélites e sistemas ambientais. http://

Instituto Nacional De Pesquisas Espaciais - INPE. (1998). Manuais SPRING. dpi.inpe.br/spring/português/manuais.html.

Lima, A. R. De., Carréra, L. Da C., Silva, D. R., Medeiros, L. R., Aguiar, R. O., & Costa, J. A. Da. (2017). Avaliação temporal e espacial das ocorrências de focos de calor em relação às estradas e ao desmatamento no município de Anapu, Pará. Anais do XXIII Simpório Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR. INPE.

Luz, L. M. L., Rodrigues, J. E. C., Ponte, F. C Da, & Silva, C. N. Da. (2013). Atlas Geográfico Escolar do Estado do Pará. GAPTA/UFPA. 64 p. http://livroaberto.ufpa.br/jspui/handle/prefix/127.

Maguirre, D. J., Goodchild, N. S, & Rhind, D. W. (1991).Geographical Informations Systems: Pricipals and Applications. Longman, Londres.

Malhi, Y. et al. (2009). Exploring the likelihood and mechanism of a climate-change-induced dieback of the Amazon rainforest. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 106(49), 20610–20615.

Martalone, T. De L. (2019). Relatório de Focos de Calor Acre e Rondônia – 2018. SIPAM. http://www.sipam.gov.br/imagens-noticia-11-06.19/apresentacao-focos-2018-2019-thiago-martarole.pdf.

Martinez, L.L., Fiedler N.C. & Lucatelli G.J. (2007). Análise das relações entre desflorestamentos e focos de calor. Estudo de caso nos municípios de Altamira e São Félix do Xingu, no Estado do Pará. Revista Árvore, (on line) 31, 4: 695-702.

Martorano, L. G., Pereira, L. C., & Nechet, D. (1993). Tipologia Climática Do Estado Do Pará – Adaptação Do Método Koppen. Bol. De Geog. Teor. 23(45 46).

Ministério Da Agricultura, Pecuária E Abastecimento Instituto, Nacional De Meteorologia. (2019). Principais Condições Meteorológicas do Clima e do Tempo observadas em 2018. Eixo Monumental Sul Via S1 - Sudoeste - Brasília-DF - CEP: 70680-900 - Brasil. http://www.inmet.gov.br/portal/notas_tecnicas/2019/Condicoes-Meteorologicas-Tempo-Clima-Observadas-2018-INMET.pdf.

Ministério Do Meio Ambiente –MMA. (2007). Áreas prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira: atualização. Portaria MMA nº 9, 23 de janeiro de 2017. MMA, Brasília.

Miranda, H. S. (2000). Queimadas de Cerrado: Caracterização e impactos na vegetação. In: Plano de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais do DF, Brasília: Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, p. 133—149.

Moraes, B. C. De, Costa, J. N Da, Costa, A. C. L Da, & Costa, M. H. (2005). Variação espacial e temporal da precipitação no estado do Pará. Acta Amazônica. 35(2), 207 – 214

Morelli, F., Setzer, A., & Jusus, S. C. (2009). Focos de queimadas nas unidades de conservação e terras indígenas do pantanal, 2000-2008. In: 2º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, Corumbá, 7-11 novembro, Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p.505-515.

National Aeronautics And Space Administration. (2019). Aqua Earth-observing satellite mission. https://aqua.nasa.gov/.

Nepstad, D. C., Moreira, A. & Alencar, A. A. (1999). A Floresta em Chamas: Origens, Impactos e Prevenção de Fogo na Amazônia. Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, Brasília, Brasil. 202 p., il.

Nepstad, D. (org.). (2001). Road paving, fire regime feedbacks, and the future of Amazon Forests. Forest Ecology & Management, 154, 395-407.

Neto, J. Q. M., & Herrera, J. A. (2017). Expansão urbana recente em Altamira (PA) Novas tendências de crescimento a partir da instalação da UHE Belo Monte. Ateliê Geográfico. 11(3), 34-52.

Neto, P. R De M., Costa, C. M. Da., Barros, Y. S. S De., Pereira, B. C., Oliveira, C. P. De., Pinho, B. C. P., & Pinho, B. C. P. (2019). Dinâmica espaço-temporal da incidência de focos de queimada no município De São Félix Do Xingu – Pa entre os anos de 2008 A 2017. Aplicações e princípios do sensoriamento remoto 3– Ponta Grossa, PR: Atena Editora. – (Aplicações e Princípios do Sensoriamento Remoto, v. 3)

Neves, E. M. S., Whately, M., Lopes, M. M. A. L, & Cordilha, A. C. T. (2015). O processo de municipalização da estratégia de prevenção e combate ao desmatamento na Amazônia. http://www.ie.ufrj.br/intranet/ie/userintranet/hpp/arquivos/181120153224_Relatoriocasosrev120151118.pdf.

Instituto De Pesquisa Ambiental Da Amazônia – IPAM. (2019). Amazônia em Chamas. Nota Técnica Do Instituto De Pesquisa Ambiental Da Amazônia https://ipam.org.br/bibliotecas/nota-tecnica-amazonia-em-chamas/.

Oliveira, H. L De. (2017). Processo de prevenção, controle e combate a incêndios florestais no estado de Mato Grosso. (Tese de Trabalho de Conclusão de Curso) – Universidade Federal do Mato Grosso. CUIABÁ – MT.

Organizações Não Governamentais-ONG. (2017). Por que o Congresso deve rejeitar projeto que aumentará o desmatamento da Amazônia? - Nota técnica de organizações da sociedade civil em repúdio ao PL nº 8.107/2017. https://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/files/nsa/arquivos/nota_conjunta_ongs_pl_jamanxim_final_26jul2017.pdf.

Ramos, P. C. M. (1995). Sistema nacional de prevenção e combate aos incêndios florestais. In: Fórum Nacional Sobre Incêndios Florestais, 1,1995, Piracicaba -SP. Anais eletrônicos, abril, 1995. p. 29-38. http://www.ipef.br/publicacoes/forum_incendios /cap09.pdf.

Santos, J. F., Soares, R. V., & Batista, A. C. (2006). Evolução do perfil dos incêndios florestais em áreas protegidas no Brasil, de 1993 a 2002. Floresta, 36(1), 93-100.

Santos, A. R. (2006). Apostila de Sensoriamento Remoto. mundogeomatica.com.br/SR/ApostilateoricaSR/Apostila_Sensoriamento_Remoto.pdf.

Sayago, D., Tourrand, J. F., & Bursztyn, M. (2004). Amazônia, Cenas e Cenários. Editora UnB.

Secretária Estadual De Meio Ambiente-SEMA. (2015). Classificação climática do Pará (Método de Köppen). www.sema.pa.gov.br › download › classificacao_climatica_do_Pará.

Secretária Estadual De Meio Ambiente-SEMA. (2016). Boletins de monitoramento de focos de calor e queimadas no estado do Pará. https://www.semas.pa.gov.br/2017/07/20/boletim-de-queimadas-2016/.

Secretária Estadual De Meio Ambiente-SEMA. (2017). Boletins de monitoramento de focos de calor e queimadas no estado do Pará. https://www.semas.pa.gov.br/2018/01/18/boletim-de-queimadas-2017/.

Secretária Estadual De Meio Ambiente-SEMA. (2018). Boletins de Monitoramento de Focos de Calor e Queimadas no Estado do Pará. https://www.semas.pa.gov.br/2019/01/18/boletins-de-queimadas-2018/.

Silva, M. C. Da, Romeu, L. V. L. & Figueiredo, S. M De M. (2018). Análise temporal de focos de calor no Acre: padrões e distribuição. Anais 7º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, Jardim, MS, 20 a 24 de outubro 2018 Embrapa Informática Agropecuária/INPE, 152-161

Silva, T. B., Rocha, W. J. S. F., & Angelo, M. F. (2013). Quantificação e análise espacial dos focos de calor no Parque Nacional da Chapada Diamantina – BA. Anais. XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR.

Silverman, B. W. (1986). Density Estimation for Statistics and Data Analysis. Chapman and Hall.

Soares, R. V, & Batista, A.C. (2007). Incêndios florestais: controle, efeitos e uso do fogo. 264 p.

Soares, R. V., & Santos, J. F. (2002). Perfil dos incêndios florestais no Brasil de 1994 a 1997. Curitiba. Floresta, 32(2), 219-232.

Tomzhinski, G. W., Coura, P. H. F., & Fernandes, M.C. (2011). Avaliação da Detecção de focos de calor por sensoriamento remoto para o Parque Nacional do Itatiaia. Biodiversidade Brasileira. Ano I, Nº 2, 201-211.

Published

29/04/2022

How to Cite

COSTA , R. R. .; OLIVEIRA, B. L. .; PAIVA, P. F. P. R. .; ROCHA, E. S. da .; SILVA JUNIOR, O. M. da .; CARNEIRO, F. da S. .; PINHEIRO, K. A. O. .; AMORIM, M. B. . Analysis of hotspots in the state of Pará from 2016 to 2019. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e31611625793, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.25793. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25793. Acesso em: 24 may. 2022.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences