Alternating cycle pedagogy as an emancipating proposal in countryside education

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26096

Keywords:

Rural education; Alternating Cycle Pedagogy; Agricultural Family School.

Abstract

The text now presented brings the epistemological contributions of a research in progress in the Master's Degree in Science and Humanities Teaching, Federal University of Amazonas. The goal is to make a historical contextualization of the object of study, reflecting on the act of educating for the liberation of the countryside men and women. The methodology used is qualitative and bibliographical, aiming to analyse the proposal of the Alternating Cycle Pedagogy in the Family Agricultural School. The partial results show that the teaching model of the alternance pedagogy emerged in France in 1935, constitutes an educational experience that seeks to break with the model of capitalist production, for the strengthening of alternatives based on ecology, emancipation of peasant identities and their agricultural territories. The proposal of the Alternating Cycle Pedagogy as an instrument of teaching and learning is inserted in rural education, based on the desires and struggles of individuals who have led diverse experiences of education aimed at the reality of life of the populations who live in rural contexts. 

References

Bauer, C. (2008). Introdução crítica ao humanismo dialógico de Paulo Freire. Instituto José Luís e Rosa Sundermann.

Brasil. (1988). Constituição da república federativa do Brasil de 1988. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil, (2012). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão - SECADI. Educação do campo: marcos normativos/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Brasília: SECADI, 2012. http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/bib_educ_campo.pdf.

Brasil, (2020). Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Proposta de regulamentação da pedagogia da alternância. Brasília, 2020. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=146891-texto-referencia-pedagogia-da-alternancia&category_slug=junho-2020-pdf&Itemid=30192.

Caldart, R. S. (2012). (Org.). Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, 2012. http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/l191.pdf.

Campos, C. M. (2007). Saberes docentes e autonomia dos professores. Vozes.

Costa, M. V. (2007). (Org.). Caminhos investigativos I: Novos olhares na pesquisa em educação. (3a ed.) Lamparina.

Ferretti, C. J. (2009). O pensamento educacional em Marx e Gramsci e a concepção de politecnia. https://www.scielo.br/j/tes/a/GTK93QB5JvKdccpjXjyfNyP/?lang=pt.

Freire, P. (2014).. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Editora Paz e Terra.

Frigotto, G. & Ciavatta, M. (2005). (Orgs). A experiência do trabalho e a educação básica. (2a ed.) DP&A,

Gohn, M. G. (2011). Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação,16(47) maio-ago. https://www.scielo.br/j/rbedu/a/vXJKXcs7cybL3YNbDCkCRVp/?format=pdf&lang=pt.

Júnior, Marco Antonio Mitidiero. Violência no campo brasileiro em tempos de golpe. Boletim DATALUTA n. 114 - Artigo do mês: junho de 2017. http://www2.fct.unesp.br/nera/artigodomes/6artigodomes_2017.pdf.

Kolling, J.E., Cerioles, P. R. & Caldart, R. S. (2002). (Orgs.). Educação do campo: identidades e políticas públicas. Brasília: Articulação Nacional por uma Educação do Campo, 2002. (Coleção por uma educação do campo, nº 4). http://www.forumeja.org.br/ec/files/Vol%204%20Educa% C3%A7%C3%A3o% 20B%C3%A1sica%20do%20Campo.pdf.

Ludke, M. & André, M. (2013). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. (2a ed.) E.P.U.

Medeiros, M. O. de. (2012). Novos olhares, novos significados: a formação de educadores no campo. Tese de doutorado. Universidade de Brasília, Faculdade de Educação.2012. https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/12235/1/2012_MariaOsanetteMedeiros.pdf.

Mészáros, I. (2008). A educação para além do capital. Trad. Isa Tavares. (2a ed.) Boitempo, (Mundo do trabalho).

Miranda, A P. M. (2009). Movimentos sociais, a construção de sujeitos de direitos e a busca por democratização do estado. Universidade Católica de Petrópolis. 2009. https://app.uff.br/riuff/bitstream/handle/1/6105/LH1-1artigo10.pdf;jsessionid=45FE8A5067C1E4C3FC37108FCA3FF519?sequence=1.

Minayo, M. M. S. (2002). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Editora Vozes, 2002. https://wp.ufpel.edu.br/franciscovargas/files/2012/11/pesquisa-social.pdf

Nosella, P. (2012). Educação no campo: origens da pedagogia da alternância no Brasil. Vitória: EDUFES, 2012. (Educação do campo. Diálogos interculturais).

Paro, V. H. (2010). Educação como exercício do poder: crítica ao senso comum em educação. (2a ed.) Cortez.

Saviani, D. (2012). Prefácio. In: Nosella, Paolo. Educação no campo: origens da pedagogia da alternância no Brasil. Vitória: EDUFES. (Educação do campo. Diálogos interculturais)

Semeraro, G. (2006). Gramsci e os novos embates da filosofia da práxis. Aparecida: Ideias & letras.

Silva, T. S. da (2016). Didática e o ensino de filosofia. Pelotas: NEPFIL, online, http://nepfil.ufpel.edu.br

Vergutz, C. L. B. & Cavalcante, L. O. H. (2014). As aprendizagens na pedagogia da alternância e na educação do campo. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, 22(2), 371-390. https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/viewFile/5057/3697

Published

11/02/2022

How to Cite

RIBEIRO, D. da S. .; NOGUEIRA, E. M. L. .; PRATA, B. dos S. .; GOMES, A. L. de S. . Alternating cycle pedagogy as an emancipating proposal in countryside education. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e5011326096, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26096. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26096. Acesso em: 19 jul. 2024.

Issue

Section

Education Sciences