Gender maturation development in childhood: a theoretical systematization of international manuals on human development

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28849

Keywords:

Gender development; Child development; Gender theories; Teaching.

Abstract

This research has as its general objective: to systematize the content on gender development in childhood present in international human development manuals. It is an exploratory bibliographic (state of the art) study with a qualitative approach. The materials used were international human development manuals that address the theme of gender development in childhood. In these manuals, theories of gender development appear with different nomenclatures, however, it was possible to identify eleven theories that deal with the researched theme. Among the findings of this research, it was observed that: all the manuals found are of American origin; the manuals present a great diversity of theory about gender development; some of these theories appear more than others in the referred manuals; the theories present approximations and distances in terms of their foundations.

References

Araújo, M. F. (2005). Diferença e igualdade nas relações de gênero: revisitando o debate. Psicologia Clínica, 17(2), 41-52.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. (1ª ed). São Paulo: Edições 70.

Bee, H. (2003). A criança em desenvolvimento. (9ª. ed). Porto Alegre: Artmed.

Bee, H., Boyd, D. (2011). A criança em desenvolvimento. (12ª ed). Porto Alegre: Artmed.

Berger, K. S. (2013). O desenvolvimento da pessoa: da infância à terceira idade. (5ª ed). Rio de Janeiro: LTC.

Berger, K. S. (2017). O desenvolvimento da pessoa: da infância à terceira idade. (9ª ed). Rio de Janeiro: LTC.

Bicalho, C. (2013). Brincadeiras infantis e suas implicações na construção de identidades de gênero. Revista Médica de Minas Gerais, 23(supl. 2), 41-49.

Bock, A. M. B., Furtado, O., Teixeira, M. L. T. (2018). Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. (15ª ed). São Paulo: Saraiva Uni.

Bronfenbrenner, U. (1977). Toward an experimental ecology of human development. American Psychologist, 32(7), 513–531. https://doi.org/10.1037/0003-066X.32.7.513

Cardoso, J., & Veríssimo, M. (2013). Estilos parentais e relações de vinculação. Análise psicológica, 31(4), 393-406.

Cordazzo, S. T. D., & Vieira, M. L. (2007). A brincadeira e suas implicações nos processos de aprendizagem e de desenvolvimento. Estudos e pesquisas em psicologia, 7(1), 92-104.

Citeli, M. T. (2001). Fazendo diferenças: teorias sobre gênero, corpo e comportamento. Revista Estudos Feministas, 9(1), 131-145.

El-Hani, C. N. (1996). Diferenças entre homens e mulheres: biologia ou cultura?. Revista USP, (29), 149-160.

Erikson, E. H. (1971). Infância e sociedade. (2ª ed). Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Ferreira, A. B. H. (2005). Dicionário Aurélio Júnior: dicionário escolar da língua portuguesa. Curitiba: Positivo.

Ferreira, N. S. D. A. (2002). As pesquisas denominadas" estado da arte". Educação & sociedade, 23(79), 257-272.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. (3ª ed). Porto Alegre: Artmed.

Gamson, J. (2006). As sexualidades, a teoria queer e a pesquisa qualitativa. In N. K. Denzin & Y. S. Lincoln. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. (pp. 345-362). Porto Alegre: Artmed/Bookman.

Godoy, K. N. B., Vieira, M. P. (2017). A construção das identidades de gênero na infância. In: 13º Congresso Mundos de Mulheres & Seminário Internacional Fazendo Gênero, Florianópolis, 2017, Anais Eletrônicos. Florianópolis: Seminário Internacional Fazendo gênero. Recuperado em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499466038_ARQUIVO_artigofazendogenero.pdf. Acesso em: 07 jun. 2020.

Gomes Filho, A. S. (2020). Balanço das publicações no biênio 2018-2019 na revista interdisciplinar encontro das ciências (RIEC). Revista Interdisciplinar Encontro da Ciências (RIEC), 3(1), 915-947.

Gomes Filho, A. S., Santos, C. E., Silva, L. M. (2017). Sexo, gênero, sexualidade: via(da)gens em conceitos. Id on Line Revista multidisciplinar e de psicologia, 10(33), 20-36.

Gil, A. C. (2009). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. (6ª ed). São Paulo: Atlas.

Lattanzio, F. F., & Ribeiro, P. D. C. (2018). Nascimento e primeiros desenvolvimentos do conceito de gênero. Psicologia Clínica, 30(3), 409-425.

Levandovski. A. R. (2008). Contribuição da disciplina Psicologia da Educação para a prática docente no ensino fundamental I: um estudo por meio da Metodologia da Problematização. 2008. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Lima, L. F. A. (2007). A construção da identidade de gênero na educação infantil: princípios de igualdade reconhecidos nas diferenças. Revista Fórum Identidade, 2, 40-48.

Lima, C. C. N., Cortinaz, T., Nunes A, R. (2018). Desenvolvimento infantil. Porto Alegre: SAGAH.

Louro, G. L. (2018). Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. (3ª ed). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Louro, G. L. (2008). Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, 19(2), 17-23.

Matorell, G., Papalia, D. E., Feldman, R. D. (2020). O mundo da criança: da infância à adolescência. (13ª ed). Porto Alegre: AMGH.

Matorell, G. (2014). O desenvolvimento da criança: do nascimento à adolescência. Porto Alegre: Artmed.

Menezes, A. B., Brito, R. C. S., & Henriques, A. L. (2010). Relação entre gênero e orientação sexual a partir da perspectiva evolucionista. Psicologia: teoria e pesquisa, 26(2), 245-252.

Miranda, P. (2010). Habitar um corpo sexualizado: Identidades de género construídas numa modernidade ambígua. Ex aequo, (22), 59-75.

Moitoso, G. S., & Casagrande, C. A. (2017). A gênese e o desenvolvimento da empatia: fatores formativos implicados. Educação Por Escrito, 8(2), 209-224.

Monteiro, S. A. S., Ribeiro, P. R. M. (2019). As marcas do gênero no sexo no chá de revelação: sentido e significado das múltiplas identidades do indivíduo. Diálogos Pertinentes – Revista Científica de Letras, 15(2), 151-178.

Moraes, Y. L. (2018). Gênero numa perspectiva evolucionista. Revista Diálogos Interdisciplinares, 7(1), 183-198.

Nunes, E. D. (2016). Importância histórica dos manuais de sociologia da saúde e de suas narrativas. Ciência & Saúde Coletiva, 21, 821-832.

Papalia, D. E., Feldman. R. D. (2013). Desenvolvimento Humano. (12ª ed). Porto Alegre: AMGH.

Papalia, D. E., Olds, S. W., FELDMAN, R. D. (2010). O mundo da criança da infância a adolescência. (11ª ed). Porto Alegre: AMGH.

Pessoa, C. T., & Costa, L. H. F. M. (2014). Constituição da identidade infantil: significações de mães por meio de narrativas. Psicologia Escolar e Educacional, 18(3), 501-509.

Piovesan, J., Ottonelli, J. C., Bordin, J. B., Piovesan, L. (2018). Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem. Santa Maria: UFSM NTE.

Romanowski, J. P., & Ens, R. T. (2006). As pesquisas denominadas do tipo" estado da arte" em educação. Revista diálogo educacional, 6(19), 37-50.

Ribeiro, J. S. B. (2006). Brincadeiras de meninas e de meninos: socialização, sexualidade e gênero entre crianças e a construção social das diferenças. Cadernos Pagu, (26), 145-168.

Saadeh, A. (2018). A biologia como destino...?. In: HOLOVKO, C. S.; CORTEZZI, C. M. (Org.) Sexualidades e gênero: desafios da psicanálise. São Paulo: Blucher.

Severino, J. S. (2007). Metodologia do trabalho científico. (23ª ed). São Paulo: Cortez.

Shaffer, D. R., Kipp, K. (2012). Psicologia do desenvolvimento: infância e adolescência. (8ª ed). São Paulo: Cengage Learning.

Silva, A. K. L. S. D. (2013). Diversidade sexual e de gênero: a construção do sujeito social. Revista do NUFEN, 5(1), 12-25.

Silva, A. D. (2015). Ser homem, ser mulher: as reflexões acerca do entendimento de gênero o. In: SILVA, A. D. (Ed), Mãe/mulher atrás das grades: a realidade imposta pelo cárcere à família monoparental feminina (pp 51-100). São Paulo: Cultura Acadêmica.

Silva, J. R. S. (2012). Homossexuais são...: revisitando livros de medicina, psicologia e educação a partir da perspectiva Queer. Tese (Doutorado). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.

Swiech, M. J., Heerdt, B. (2019). Hormônios esteroides e as questões de gênero: uma análise dos livros didáticos de biologia. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 12(1), 462-476.

Tarfid, M. (2000). Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Revista Brasileira de Educação. (13), 5-24.

Teixeira, A. N., Lôbo, K. R. G., Duarte, A. T. C. (2016). A criança e o ambiente social: aspectos intervenientes no processo de desenvolvimento na primeira infância. Id on Line Revista multidisciplinar e de psicologia, 10(31), 114-134.

Teixeira, M. C. (2015). Metodologia do ensino superior. Guarapuava: Unicentro.

Xavier, S. A., Nunes, A. I. B. L. (2015). Psicologia do desenvolvimento. (4ª ed). Fortaleza: Ed UECE.

West, C., Zimmerman, D. H. (1987). Doing gender. Gender and Society, 1(2) 125-151.

Published

12/05/2022

How to Cite

LIMA, R. B. de .; GOMES FILHO, A. dos S. .; SILVA, L. M. .; ARAÚJO, M. G. L. de .; LAVOR FILHO, T. L. de . Gender maturation development in childhood: a theoretical systematization of international manuals on human development . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e58811628849, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28849. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28849. Acesso em: 24 may. 2022.

Issue

Section

Health Sciences