The Historical Epistemology of Pre-Curricular Zoology: From Portuguese America to Empire of Brazil (1550-1837)

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28889

Keywords:

Zoology; History of science; Historical epistemology; Curriculum history; Teaching.

Abstract

Scientific researches developed over the centuries acted directly in the educational context of Sciences as school knowledge. Bachelard's concept of historical epistemology argues that science is a collective and non-linear social construction. In turn, the school curriculum has in its scope the systematization of socially valid knowledge chosen by an elite. This essay aims to contextualize Bioscience Zoology in the light of Bachelard and historical epistemology before being systematized in the first curricular policy documented in 1837 by Colégio Imperial de Pedro II. Therefore, the term “pre-curricular zoology” was used as a generic concept to designate the period prior to the year 1837. The influence of three countries in zoological research on national soil is discussed, the Netherlands, Portugal and Austria with their greatest interests being zoological medical research, discover utilities and taxonomic research respectively.

References

Ambiel, V.C. (2014). A Missão Leopoldina: Primeira Expedição da missão científica austríaca ao Brasil no século XIX. Revista IHGSP. 71-84.

Andrade, M.M.C. (2008). 1808-Motivos reais para a vinda da corte portuguesa ao Brasil: Fuga ou estratégia política? RICAM Revista Interdisciplinar de Ciências Aplicadas à Atividade Militar, 2 (2), 5-15.

Apple, M. W. (2006). Ideologia e currículo. (3a ed.), Artmed.

Bachelard, G. (1971). “A Epistemologia’’. Edicoes 70. Lisboa.

Bastos, M. H. C. (2008). Manuais escolares franceses no Imperial Colégio de Pedro II (1856-1892). História da educação, 12 (36), 39-58.

Bastos, F. I., & Sá, M. R. (2011). O cientista como historiador: Paulo Vanzolini e as origens da zoologia no Brasil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 18, n. 4, p. 1021-1038.

Brasil, I. P. (1837). Decreto-lei 2 de dezembro de 1837. Institui a criação do colégio Dom Pedro II. 1837.

Cruz, A. L. R. B. (2004). Verdades por mim Vistas e Observadas, oxalá foram fábulas sonhadas: Cientistas brasileiros do setecentos, Uma Leitura Auto-Etnográfica. Tese de doutoramento. Curitiba, Universidade Federal do Paraná –UFPR.

De Fátima, M. (2017). Imagens para instruir. Estudo das estampas que compõem a edição portuguesa do livro de poemas As Plantas, de Ricardo de Castel. InMediaciones de la Comunicación, 12 (2), 31-47.

De Moraes, E. M, Dos santos, C. F., & Da Silva Campos, R. D. (2012). Filosofia Natural Lusa: A Viagem Philosophica e a Política Iluminista na América Portuguesa Setecentista. Rivista di Studi Iberoamericani, 4 (1), 75-91.

Domingues, A. (2001). Para um melhor conhecimento dos domínios coloniais: a Constituição de Redes de informações no Império português em finais do Setecentos. História, Ciências, Saúde –Manguinhos. 1(3), 23-38.

Forster, J. R. (1795). Indische Zoologie, oder systematische Beschreibungen seltener und unbekannter Thiere aus Indien mit 15 illuminirten Kupfer-tafeln erläutert. Nebst einer kurzen... Abhandlung über den Umfang von Indien und die Beschaffenheit des Klima... und einem Anhange darin ein kurzes Verzeichniss der Thiere in Indien.(Zoologia Indica, etc.) Ger. and Lat.

Françozo, M. (2010). Alguns comentários à Historia Naturalis Brasiliae. Cadernos de etnolinguística. 2 (1), 1-7.

Goodson, I. (2011). Currículo: Teoria e História. Petrópolis. Editora Vozes.

Japiassu, R. (2008). No tempo da delicadeza: ensaio sobre a suavidade da Imperatriz Dona Leopoldina do Brasil. Caderno Espaço Feminino, 1(20).

Kury, L (2009). Comissão Científica do Império, 1859-1861.Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson, 272.

Lopes, A. (2014). Teorias de currículo. Editora Cortez. 1ed.

Lopes, A. (2013). Teorias pós-críticas, política e currículo. Educação, sociedade & culturas, 39(9), 7-23.

Lopes, A. (1996). Bachelard: o filósofo da desilusão. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 13(3), 248-273.

Lorenz, K & Vechia A. (2011). O debate Ciências versus Humanidades no século XIX: Reflexões sobre o ensino de ciências no colégio Don Pedro II. Education Faculty Publications. 1, 115- 152.

Lorenz, K. M. (2010). Ciência, Educação e Livros Didáticos do Século XIX: Os compêndios das Ciências Naturais do Colégio de Pedro II. Editora EDUFU, Uberlândia.

Lustosa, I. (2006). D. Pedro I. Editora Companhia das Letras.

Medeiros, M. F. T &Albuquerque, U.P. (2014). Food flora in 17th century northeast region of Brazil in Historia Naturalis Brasiliae. Journal of ethnobiology and ethnomedicine, 10(1), 1-20.

Monteiro, L. A, Munhoz, D., & Bertholini, F. (2012). Bachelard e a Epistemologia Histórica: uma vivência sobre a formação do espírito científico. Anais do Encontro da ANPAD (EnAN-PAD), (36).

Neiva, A. H. (1929). Esboço histórico sobre a botânica e zoologia no brasil, de gabriel soares de souza, 1587, a 7 de setembro de 1922. 1929.

Neto, A. S., & Maciel, L. S. B. (2008). O Ensino Jesuítico no período colonial brasileiro: Algumas Discussões. Revista Educar. 169-189.

Nomura, H. (1996). História da zoologia no Brasil: século XVII. Fundação Vingt-Un Rosado.

Odetti, C. A, Magalhães, L., & Tiriba, L. (2021). Historicizar a experiência: ensaio sobre seus fundamentos teórico-metodológicos. Research, Society and Development, 10(4), e9810413882-e9810413882, 2021.

Paiva, W. A. (2015). O Legado dos jesuítas na educação brasileira. Educação em Revista. p 201-222.

Soares, S. V, Picolli, I. R & Casagrande, J. (2018). Pesquisa bibliográfica, pesquisa bibliométrica, artigo de revisão e ensaio teórico em administração e contabilidade. Administração: ensino e pesquisa, 19(2), 1-19, 2018.

Souto, C. (2019). Objeto em perspectiva e sujeito em devir na epistemologia histórica de Gaston Bachelard. Intelligere, (8), 13.

Trindade, D. F & Trindade, L. S. P. (2003). Os Pioneiros da Ciência Brasileira: Bartholomeu de Gusmão, José Bonifácio, Landell de Moura e D. Pedro II. Revista Sinergia, v. (4), 163.

Vandelli, D. (1788). Diccionario dos termos téchnicos de historia natural: extrahidos das obras de Linnéo, com a sua explicac̦aõ, e estampas abertas em cobre, para facilitar a intelligencia dos mesmos; e A memoria sobre a utilidade dos jardins botânicos na real officina da Universidade.

Veloso, J. M. (1800). Aviario brasilico ou Galleria ornithologica das aves indigenas do Brasil.

Vianna, M. L. (1987). A note on the spiny lobster described by Marcgrave in his historia naturalis brasiliae (1648). Crustaceana, 53(3), 308-310.

Published

23/04/2022

How to Cite

AZEVEDO, H. J. C. C. de .; MEIRELLES, R. M. S. de . The Historical Epistemology of Pre-Curricular Zoology: From Portuguese America to Empire of Brazil (1550-1837): . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e14511628889, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28889. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28889. Acesso em: 7 jul. 2022.

Issue

Section

Education Sciences