Active methodologies from an innovative vision

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28939

Keywords:

Teaching; Active methodologies; Paradigm; Innovative education.

Abstract

This research addresses the insertion of active methodologies in higher education, focusing on an innovative vision. In this perspective, we seek to answer the following question: what steps does an active methodology need to develop in order to welcome a vision of complexity, with the role of students? Its objectives are: (i) to identify the relationship between active methodologies and the theory of complexity proposed by Morin; (ii) to investigate how the doctoral students of a postgraduate program involved in the research understand the active methodologies, based on the theory of complexity proposed by Morin. Therefore, a qualitative approach was carried out in a graduate program of a large university in the city of Curitiba, Paraná, using as a research instrument the application of an online questionnaire to seven doctoral students of the aforementioned program. It was possible to identify that active methodologies have been gaining ground in the academic environment and that, when used with a focus on an innovative perspective, they contribute to the construction of students' autonomy, as well as responsibility and interaction between peers.

Author Biographies

Marilda Aparecida Behrens, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Possui graduação em Pedagogia Orientação Educacional pela Universidade Federal do Paraná (1973),Graduação em Pedagogia Supervisão Escolar pela Universidade Federal do Paraná (1977), Mestrado em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1991) e Doutorado em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996). Pos-doutorado em Educação na Universidade do Porto sob orientação de Profa Dra Ariana Cosme. Desde 1975 atua na Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR, na qual é professora Titular. Dentre outras atividades destaca a docência No Programa de Pós-Graduação em Educação e no Curso de Pedagogia. Exerceu funções na gestão superior da PUCPR. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Superior, atuando principalmente nos seguintes temas: docência universitária, formação de professores, prática pedagógica, paradigmas e metodologias inovadoras. Coordena o GRUPO PEFOP- Paradigmas Educacionais e Formação de Professores e atua como pesquisadora no grupo PRAPETEC-Prática Pedagógicas com Tecnologias. Participa de uma REDE de Pesquisa em Formação de professores num paradigma da complexidade, coordenado pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná com a Universidade do Porto., com a Universidade de Lisboa, Universidade de Coimbra, Universidade Aberta de Portugal e Universidade do Minho. Bolsista CNPQ Produtividade 2.

Daniele Saheb, Pontifícia Universidade Católica do Panará

 
Professora na Pontifícia Universidade Católica do Panará (PUCPR)
https://orcid.org/0000-0003-1317-6622 

References

Alves, F. (2014). Gamification: Como criar experiências de aprendizagem engajadoras um guia completo: do conceito à prática. Ed. DVS Editora.

Anastasiou, L. G. C. & Alves, L. P. (Orgs.). (2010). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 9. ed. Joinville: Univille.

Araujo, I. S. & Mazur, E. (2013). Instrução pelos colegas e ensino sob medida: uma proposta para o engajamento dos alunos no processo de ensino-aprendizagem de Física. Caderno brasileiro de ensino de física. 30(2), 362-84. https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/2175-7941.2013v30n2p362/24959.

Becker, F. (1999). Modelos pedagógicos e modelos epistemológicos. Educação e Realidade. 19(1), 89-96.

Behrens, M. A. (2005). O paradigma emergente e a prática pedagógica. Ed. Vozes.

Busarello, R. I., Ulbricht, V. R. & Fadel, L. M. A gamificação e a sistemática de jogo: conceitos sobre gamificação como recurso motivacional. In: Fadel, L. M., Ulbricht, V. R., Batista, C. R., & Vanzin, T. (Org.). (2014). Gamificação na Educação. São Paulo: Pimenta Cultural, p.12-37.

Busarello, R. I., Ulbricht, V. R. & Fadel, L. M. (2014). A gamificação e a sistemática de jogo: conceitos sobre gamificação como recurso motivacional. In Fadel, L. M. et al. (Org.). “Gamificação na Educação” (pp. 12-37). São Paulo, Ed. Pimenta Cultural.

Freire, P. (2014). Educação e Mudança. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2015). Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e terra.

Freire, P. (2013). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e terra.

Guimarães, D. N. (2016). Escola hoje: contexto contemporâneo da educação. Rio de Janeiro: Instituto Brasil Multicultural de educação e pesquisa – IBRAMEP.

Mann, C., Carvalho, M. da R., & Saheb, D. (2021). Educação Infantil e complexidade: um panorama das pesquisas brasileiras. Research, Society and Development, 10(15), e71101522604. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i15.22604

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (1999). Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Medeiros, A. M. A. (2014). Docência na socioeducação. Brasília: Universidade de Brasília, Campus Planaltina.

Moraes, M. C. (2012). O paradigma educacional emergente. Ed. Campinas: Papirus.

Moran, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In: Souza, C. A., & Morales, O. E. T. (Org.) (2015). Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa: UEPG/ PROEX.

Moran, J. M. (2015). Mudando educação com metodologias ativas. In: Souza, C. A. de & Morales, O. E. T. (orgs.). Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II. Ponta Grossa: Foca Foto-PROEX/UEPG.

Morin, E. (2011). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. & Díaz, C. J. D. (2000). Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO.

Morin, E. (2016). Reinventar a educação: abrir caminhos para a metamorfose da humanidade. São Paulo: Palas Athenas.

Spricigo, C. B. (2014). Estudo de caso como abordagem de ensino. PUCPR.

Valente, J. A., Almeida, M. E. B. & Geraldini, A. F. S. (2017). Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, 17(52), 455–478. https://doi.org/10.7213/1981-416X.17.052.DS07

Xavier, A. C. S. (2002). Letramento digital e ensino. Núcleo de Estudos de Hipertexto e tecnologia Educacional (NEHTE). .

Welter, R. B., Foletto, D. da S., & Bortoluzzi, V. I. (2020). Metodologias ativas: uma possibilidade para o multiletramento dos estudantes. Research, Society and Development, 9(1), e106911664. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i1.1664

Published

22/04/2022

How to Cite

RODRIGUES, D. G. .; BEHRENS, M. A.; SAHEB, D.; ARAÚJO, N. C. R. . Active methodologies from an innovative vision. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e11611628939, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28939. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28939. Acesso em: 28 may. 2022.

Issue

Section

Review Article