Development and validation of the Reception Protocol and Didactic-Pedagogical Guidelines to assist students with Visual Impairments

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29165

Keywords:

Inclusion in Higher Education; Visually Impaired; Protocol.

Abstract

With the evolution of legislation regarding people with disabilities, the inclusion of students with visual impairments in higher education has been widely discussed. Despite the advances made, it still faces important barriers such as the lack of training and the insecurity of teachers to work with these students, negatively impacting their entry into the world of work. Based on these considerations, this article aims to develop and validate a Welcoming Protocol and didactic-pedagogical guidelines for serving visually impaired students, promoting the approximation of the teacher and the student. The methodology is characterized by an evaluative, methodological study, centered on specialists, using criteria for the construction of the protocol and content validation. For the validation, two instruments called Feedback 1 and Feedback 2 were developed, which were answered by the specialists and analyzed by calculating the content validation index, agreement test and descriptive statistical analysis. After the analyzes, the protocol was validated, so the final version can be used by teachers to identify which pedagogical didactic procedures should be chosen to better serve the visually impaired student, thus contributing to the teaching-learning process and to professional training of this population.

References

Alexandre, N. M. C. & Guirardello, E. B. (2002). Adaptación cultural de instrumento utilizados em salud ocupacional. Panamarica Salud Publica, 11 (2), 109-111.

Alexandrino, E. G, Souza, D., Bianchi, A. B. & Macuch, R. (2017). Desafios dos estudantes com deficiência visual no Ensino Superior: um relato de experiência. Revista do Departamento de Educação Física e Saúde e do Mestrado em Promoção da Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul, 18 (1), 01-07.

Azevedo, S. L. M., Silva, P. P., Rodrigues, R. S. & Silva, E. L. (2019). Inclusão e acessibilidade para pessoas cegas na Universidade Federal de Campina Grande. In: Pavão, A. C. O., Pavão, S. M. O. (orgs.). Práticas Educacionais Inclusivas na Educação Básica, 17-27, Santa Maria: Ed. FACOS-UFSM. http://revista.uepb.edu.br/index.php/REIN/article/view/5323/3109

BRASIL. (1996). Lei nº 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

BRASIL. (2002). Portaria nº2.678. Aprova o projeto da Grafia Braille para a Língua Portuguesa e recomenda o seu uso em todo o território nacional. Diário Oficial da União, DF. https://www.fnde.gov.br/index.php/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/item/3494-portaria-mec-n%C2%BA-2678-de-24-de-setembro-de-2002.

BRASIL. (2003). Portaria nº3.284. Dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização e de reconhecimento de cursos, e de credenciamento de instituições. Diário Oficial da União, DF. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/port3284.pdf.

BRASIL. (2007). Ministério da Educação. Sala de Recursos Multifuncionais: espaços para o Atendimento Educacional Especializado: Deficiência visual. Diário Oficial da União, Brasília, DF: MEC/SEESP. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_dv.pdf.

BRASIL. (2008). Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Diário Oficial da União, Brasília, DF. http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf.

BRASIL. (2009). Decreto nº6.949. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo. Diário Oficial da União, Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm.

BRASIL. (2015). Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Diário Oficial da União, Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.

BRASIL. (2016). Decreto nº 13409, de 28 de Dezembro de 2016. Altera a Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012, para dispor sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnicas de nível médio e superior das instituições federais de ensino. Diário Oficial da União, Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13409

Castanho, D. M. & Freitas, S. N. (2006). Inclusão e prática docente no ensino superior. Revista Educação Especial. 27, 85-92.b

DeVon, H. A., et al. (2007). A psychometric toolbox for testing validity and reliability. Journal Nursing Scholarsh. 39(2), 155-164.

Ferreira, S. L. (2007). Ingresso, permanência e competência: uma realidade possível para universitários com necessidades educacionais especiais. Revista Brasileira de Educação Especial. 13 (1), 43-60.

Garcia, R. M. C. (2013). Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 18 (52), 101-119.

Gasparetto, M. E. F., et al. (2004). Dificuldade visual de escolares: conhecimentos e ações de professores do ensino fundamental que atuam com estudantes que apresentam visão subnormal. Arquivo Brasileiro de Oftalmologia, 67 (1), 65-71.

Glat, R. & Blanco, L. M. V. (2007). Educação Especial no contexto de uma Educação Inclusiva. In: Glat, R. (orgs). Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7Letras.

Grant, J. & Davis, L. (1998). Selection and use of content experts for instrument development. Research in Nursing Health, 20 (3), 269-274.

Mantoan, M. T. E., Prieto, R. G. & Arantes, V. A. (orgs). (2006). Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus.

Mazzoni, A. A. & Torres, E. F. (2005). A percepção dos estudantes com deficiência visual acerca das barreiras existentes no ambiente universitário e seu entorno. Revista Benjamin Constant, 11 (30), 10-17.

Nuernberg, A. H. (2009). Rompendo barreiras atitudinais no contexto do ensino superior. In: Anache, A. A. & Silva L. R. (orgs.), Educação Inclusiva: experiências profissionais em psicologia. 153-166.

Nunes, S. & Lomônaco, J. F. B. (2010). O estudante cego: preconceitos e potencialidades. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional. 14 (1), 55-64.

Pesquisa Nacional de Saúde (2019). Pessoas com algum tipo de deficiência. https://censoagro2017.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/31445-pns-2019-pais-tem-17-3-milhoes-de-pessoas-com-algum-tipo-de-deficiencia.

Rauli, P. M. F., et al. (2019). Inclusão e acessibilidade no ensino superior: ações de sensibilização e formação docente. Anais do XVI Encontro de Ensino Pesquisa e Extensão das Faculdades Pequeno Príncipe. Curitiba: Faculdades Pequeno Príncipe.

Regiani, A. M. & Mól, G. S. (2013). Inclusão de uma aluna cega em um curso de licenciatura em química. Ciência & Educação. 19 (1), 123-134.

Resnikoff, S. et al. (2004). Global data on visual impairment in the year 2002. Bull Word Health Organ. 82 (11), 844-51.

Rocha, T. B. & Miranda, T. G. (2009). Acesso e permanência do estudante com deficiência na instituição de ensino superior. Revista Educação Especial. 22 (34), 197-212.

Rodrigues, D. (2004). A inclusão na universidade: limites e possibilidades da construção de uma universidade inclusiva. Cadernos de Educação Especial. 23, 1-5.

Rubio, D.M., et al. (2003). Objectifying content validity: conducting a content validity study in social work research. Social Work Research, 27 (2), 94-105.

Sampieri, R. H., et al. (2013). Metodologia de Pesquisa. 5.ed. Porto Alegre: Penso.

Selau, B. & Damiani, M. F. (2015). Direitos humanos e preconceito a cegos universitários brasileiros. Revista Iberoamericana de Educación, 67 (2), 103-116.

Selau, B., Damiani, M. F. & Costas, F. A. T. (2017). Estudantes cegos na educação superior: o que fazer com os possíveis obstáculos? Acta Scientiarum Education, 39 (4), 431-440.

Silva, K. T. A. R. & Mól, G. S. (2018). Manual de deficiência visual no Ensino Superior: Soluções práticas para problemas comuns. In: Mól, G. S & Melo, D. C. F. (orgs). Pessoas com Deficiência no Ensino Superior desafios e possibilidades, Campos dos Goytacazes: Brasil Multicultural.

Silva, W. P. & Mól, G. S. (2019). Dosvox e Jogavox na educação de pessoas com deficiência visual. In: Mól, G. S (org). O Ensino de Ciências na escola Inclusiva. Campo dos Goytacazes: Brasil Multicultural.

UNESCO. (1998). Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na área das necessidades educativas especiais. Escritório da UNESCO, Brasília. https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139394.

Vitaliano, C. R. (2010). Formação de professores para inclusão de estudantes com Necessidades Educacionais Especiais. Londrina: EdUEL.

WHO. (2019). World report on vision. Department of Non communicable Diseases. World Health Organization: Switzerland. https://www.who.int/docs/default-source/documents/publications/world-vision-report-accessible.pdf.

Published

02/05/2022

How to Cite

PRADO, M. R. M.; MÓL, G. de S. .; ZUKOVSKI, E. B. .; RAULI, P. M. F. . Development and validation of the Reception Protocol and Didactic-Pedagogical Guidelines to assist students with Visual Impairments. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e41811629165, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29165. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29165. Acesso em: 18 may. 2022.

Issue

Section

Education Sciences