Crime of feminicide from a gender

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29180

Keywords:

Patriarchy; Gender Violence; Femicide.

Abstract

This article aims to discuss the importance of creating a qualifying figure for femicide by Law No. 13,104/15, for a policy to combat and punish gender violence. Currently, there are several policies to combat gender violence in Brazil, with emphasis on Law No. 11,340/06, popularly known as the Maria da Penha Law. This legislation provides for a series of protection measures to guarantee victims protection against their aggressors, given that gender violence tends to cause serious damage to the psychic and emotional health of victims, but it does not mention cases of homicide committed within the scope of family relationships and/or motivated by discrimination against women. This gap was remedied by Law No. 13,104/15, which brought changes to the Penal Code and the Law on Heinous Crimes. This research was carried out following a qualitative approach, through a bibliographic research. To this end, we initially sought to present a brief historical context on the socio-family and legal treatment given to women, as well as the main forms of domestic and family violence, described in Law No. 11,340/06. It also addresses the main national and international regulatory frameworks to combat gender violence. Then, an analysis of the crime of femicide is made, starting from the changes brought about in the criminal legal system. It found that these legislative changes are an important instrument for a more severe punishment of murderers, as well as perfecting the policy to combat gender violence.

References

Brasil. (2006). Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília, 7 de agosto de 2006. <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm>.

Brasil. (2018). O desafio do enfrentamento da violência: Situação Atual, estratégias e propostas. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2015). Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13104.htm>.

Brasil. (1940). Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Institui o Código Penal Brasileiro. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm>.

Brasil. (1990). Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990. Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8072.htm.

Brasil. (1945). Decreto nº 19.841, de 22 de outubro de 1945. Promulga a Carta das Nações Unidas, da qual faz parte integrante o anexo Estatuto da Corte Internacional de Justiça, assinada em São Francisco, a 26 de junho de 1945, por ocasião da Conferência de Organização Internacional das Nações Unidas. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/d19841.htm>.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 05 de outubro de 1988. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm>.

Brasil. (1916). Lei nº 3.071, de 1º de janeiro de 1916. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil. Rio de Janeiro. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L3071.htm.

Buzzi, A. C. M. (2015). Feminicídio e o Projeto de Lei n 292 do Senado Federal. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/122342/TCC%20Feminic%C3%ADdio%20-%20Ana%20Buzzi%20-%20Reposit%C3%B3rio.pdf?sequence=1&isAllowed=y>.

Capez, F. (2015). Curso de direito penal, volume 2: parte especial. (19 ed.). Saraiva

Comparato, F. K. (2020) A afirmação histórica dos Direitos Humanos. (17 ed.). Saraiva

Cram. Centro de Referência de Atendimento à Mulher. (2020). Casos de violência contra a mulher já superam números de 2020 em Imperatriz. In: G1, 2021. https://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2021/11/09/casos-de-violencia-contra-a-mulher-ja-superam-numeros-de-2020-em-imperatriz.ghtml.

Cunha, R, S, & Pinto, R B (2018). Violência Doméstica, Lei Maria da Penha (Lei 11340/2006): Comentado artigo por artigo. (7 ed.) JusPODIVM.

Dias, M.B. (2015) Manual de direito das famílias. (10 ed.) Editora Revista dos Tribunais.

Brasil. (2015). Lei Maria da Penha na Justiça: efetividade da Lei nº 11.340/06 de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. 4 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Guerreiro, L. C. (2015) Até quando? São Paulo: Clube de Autores.

Hermann, L. M. (2017) Maria da Penha Lei com Nome de Mulher. Campinas: Servanda.

Hiridoyen, Marie-France. (2016). A violência no casal: da coação psicológica à agressão física. Rio de Janeiro. https://assets.uninovafapi.edu.br/arquivos/old/arquivos_academicos/repositorio_Biblioteca/direito/20191/O%20SILENCIO%20DA%20VIOLENCIA%20PSICOLOGICA%20CONTRA%20A%20MULHER.pdf>.

Lagarde, Marcela y de los Ríos. (2016). Del femicidio al feminicidio. Desde el jardín de Freud. Bogotá.

Moraes, M. C. B. (2019) Vulnerabilidades nas relações de família. (12 ed.) Revista dos Tribunais.

Souza, S. R. (2017) Comentários à Lei de Combate à Violência contra a Mulher. (11 ed.) Curitiba: Juruá.

Flick, U. (2009). Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Koche, J. C. (2016). Fundamentos de metodologia científica. Editora Vozes.

Published

30/04/2022

How to Cite

COSTA, M. C. A. .; PEREIRA , L. de J. . Crime of feminicide from a gender . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e37611629180, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29180. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29180. Acesso em: 22 may. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences