Education as right: the construction of deaf people place in Brazilian education

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29282

Keywords:

Education; Teaching; Deaf Culture; Brazilian Sign Language; LIBRAS.

Abstract

The insertion of the deaf people in the Brazilian educational system took place through a slow, gradual process, full of setbacks, in such a way that even though it has always existed, the recognition of the deaf and their rights, as well as people with disabilities in general, is essential, a recent achievement. In this way, this essay aims to trace the process of construction of the space for the deaf in Brazilian education, based on an international and national historical overview, placing the contribution of important names responsible for the creation of institutions and the law of the deaf community in the country. Therefore, the methodology adopted was a bibliographic review, in addition to the analysis containing a nature of the investigation, it presents itself as exploratory research. With that, we were able to conclude that despite the historical setbacks and progress in the achievements of the law until of the current legislation and existing institutions, they guarantee law to education for the deaf community. However, the challenges don't stop there, since the complexity of social relationships is also embedded in the multiple varieties of disabilities that sometimes relate to the deaf people.

Author Biographies

Caroline Cardoso, Universidade Federal do Pará

Ciêntista Sociais pela Universidade Federal do Pará (FACS/UFPA). Atualmente pesquisadora de políticas públicas, antiga pesquisadora de iniciação ciêntifica (UFPA/PUGNA). Membra pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Etnografia, Poder e Socialidade (PUGNA/IFCH) e do Grupo de Estudos Ateliê de Pesquisa de Campo e Etnografia.

Kleberson Almeida de Albuquerque, Universidade do Estado do Pará

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Cidade de São Paulo (2018), Bacharelado em Teologia pela Universidade Cesumar (2016), especialização em Educação infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental na FALIBER (2020), Licenciatura em Ciências Sociais pela UFPA (2020) e Cursa o Mestrado Profissional em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia (PPGEECA/UEPA) na linha de pesquisa, formação de professores de ciências e processo de ensino e aprendizagem em diversos contextos amazônicos. Trabalhou como professor na Secretaria Municipal de Educação de Marituba (2014-2019), foi residente no Programa Residência Pedagógica na Universidade Federal do Pará (2018-2020), atualmente é professor efetivo da Secretaria Municipal de Educação do município de Ananindeua, atuando nos anos iniciais do ensino fundamental. Participa como pesquisador do Grupo de Pesquisa em Educação e Ensino de Ciências em Contextos amazônicos (GEPEECA), investigando os saberes docentes mobilizados na produção de SEIs para o Ensino de Ciências na Amazônia .Tem experiência na área de Educação, com ênfase na educação básica, principalmente no ensino fundamental e projetos.

Leonardo Figueiredo, Universidade Federal do Pará

Graduando do curso de Licenciatura em Ciências Sociais pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará (FACS/UFPA), foi Bolsista de Extensão do Núcleo de Meio Ambiente da Universidade Federal do Pará (PIBEX/NUMA/UFPA), vinculado ao Núcleo de Estudos em Agroecologia e ao Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão Diversidade Socioagroambiental na Amazônia (NEA/GEDAF), onde desenvolveu o protejo de Extensão "Criação da Unidade de Aprendizagem Sociotécnica da Inovação Agroecológica", bem como, pesquisas a respeito da diversidade, identidade e relações de trabalho na Agricultura Familiar; integrante voluntário no Grupo de Estudos, Pesquisa e Comunicação Natureza Desenvolvimento e Sustentabilidade na Amazônia, vinculado ao Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal do Pará (NADESA/ICSA/UFPA), onde desenvolve pesquisa sobre ecossocialismo, sustentabilidade, trabalho e economia política na Amazônia brasileira.

References

Almeida, W. G. (2009). Introdução à língua brasileira de sinais – Ilhéus, BA: UAB/UESC, 2AVELAR, Thaís Fleury. A Questão da padronização linguística de sinais nos atores-tradutores surdos do Curso de Letras-Libras da UFSC. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Comunicação e Expressão, Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução. Florianópolis

Bagno, M. (2013). Sete erros aos quatro ventos: a variação linguística no ensino de português. Parábola Editorial.

Bouvet, D. (1990). The pach to language: Bilingual education for children. Filadélfia: Multilingual Matters,

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Presidente da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

Brasil. (2002). Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Brasília: Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm.

Brasil. (2005). Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Brasília: Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm.

Brasil. (2011). Decreto nº 7.612, de 17 de novembro de 2011. Brasília: Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7612.htm.

Brasil. (2015). Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Brasília: Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.

Brasil. (2021). Lei nº 14.191, de 03 de agosto de 2021. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2021/Lei/L14191.htm

Brito, L. F. & Ferreira, L. (1993). Integração social e educação de surdos. Rio de Janeiro: Babel Editora.

Brito, L. F. (1998). Língua Brasileira de Sinais - Libras. In: _____ et al. (Org.). Programa de capacitação de recursos humanos do ensino fundamental/vol.III: Língua Brasileira de Sinais. Brasília: MEC/SEESP.

Carvalho, P.; V. (2007). Breve história dos surdos no mundo e em Portugal. Lisboa: Surd’Universo.

Ciccone, M. (1990). Comunicação total: introdução, estratégia, a pessoa surda. Rio de Janeiro: Cultura Médica.

Costa, J. P. B. (2010). A educação de surdos ontem e hoje: posição, sujeito e identidade. Campinas: Mercado das Letras.

Fernandes, S. (2011). Educação de surdos. 2 ed. Curitiba: Ibepex.

Gesser, A. (2009). LIBRAS? Que língua é essa? crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial.

Ghirardi, M. I. G. (1999). Representações da deficiência e práticas de reabilitação: uma análise do discurso técnico. São Paulo: [s.n.].

Goldfeld, M. (1997). A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. São Paulo: Plexus.

Goldfeld, M. (2003). Surdez. In: Goldfeld, M. Fundamentos em fonoaudiologia: linguagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Guimaraes Junior, J. C. ., Silva, E. F. ., Marques, J. A. ., Paula , W. S. de ., Ribeiro , V. F. ., Francioni, W. V. ., & Braga, F. C. . (2022). Bilingual education for the deaf in Brazil in the context of basic education: a bibliometric study based on stricto sensu research (2017 – 2021). Research, Society and Development, 11(3), e30111326720. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26720.

Harrison, K. M. P. (2011) Língua brasileira de sinais (Libras): apresentando a língua e suas características. In: Harrison, K. M. P. ; Lacerda, C. B. F. ; Lodi, Ana Claudia B. ; Goes, A. M. ; Kotaki, C. S. ; Caetano, J. F. ; Santos, L. F. ; Campos, M. L. I. L. & Moura, M. C. . Língua brasileira de sinais – Libras: uma introdução. São Carlos: UFSCar.

Kraemer, G. M.; Lopes, L. B.; & Zilio, V. M. (2020). Formação docente e educação de surdos no Brasil: desafios para uma proposta educacional bilíngue. Revista educação especial. Santa Maria, RS. Vol. 33, 17 f. DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X40063.

Lacerda, C. (1998). Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Caderno CEDES, vol. 19, n 46, Campinas Sept.

Lakatos, E. M.; & Marconi, M. A. (1992). Procedimentos básicos, pesquisas bibliográficas.

Mendes, L. (2017). Só ser surdo basta? A educação de surdos no brasil através dos aspectos legais. Revista Pesquisa e Debate em Educação, v. 6, n. 2.

Moda, S. C. (2017). O ensino da ciência e a experiência visual do surdo: o uso da linguagem imagética no processo de aprendizagem de conceitos científicos. Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado do Amazonas, Amazonas, AM, Brasil. http://repositorioinstitucional.uea.edu.br/handle/riuea/2477.

Padden, C. & Humpries, T. (1996). Deaf in America: voices from a culture. Cambridge: Harvard University.

Pedrosa, C. (2019). Entre a inclusão e a exclusão: caminhos da educação de surdos no brasil. Muiraquitã: Revista De Letras E Humanidades, v. 7, n. 2.

Perello, J. & Tortosa, F. (1978). Sordomudez. Barcelona: Científico-Médica.

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. de. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico-2ª Edição. Editora Feevale,

Quadros, R. M &; Perlin, G. T. T. (Org.). (2007). Estudos Surdos II. Petrópolis: Arara Azul.

Rabelo, A. S. (2001). A construção da escrita pelo surdo. Goiânia: Editora da UCG.

Silva, E. G. N. da ., & Cardoso, C. de N. A. . (2021). The importance of using assistive technology in the education of the deaf. Research, Society and Development, 10(3), e28410313153. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13153.

Silva, I. R. & Favorito, W. (2018). Reflexões sobre o Estatuto das Línguas nos Contextos Bi-multilíngues de Educação para Surdos no Brasil. Línguas & Letras, v. 19, n. 44, p. 10-5935/1981-4755.20180030.

Soares, M. A. L. (1999). A educação dos surdos no Brasil. Campinas: Autores Associados; Bragança Paulista: Edusf..

Souza, E. M. de; Valentini, C. B., & Pescador, C. M. (2022). Bilingual education of the Deaf: a view at reading and writing from an RSL . Research, Society and Development, 11(6), e29611629237. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29237.

Souza, M. M. P. & Lustosa, F. G. (2019). Por uma Pedagogia visual: caminhos e concepções que marca(ra)m a educação de surdos no Brasil. Afluente: Revista de Letras e Linguística, v. 4, n. 11, p. 27-46, maio/ago.

Stokoe, W. (1978). Sign language struture. Edição revisada. Silver Spring: Listok Press.

Ströbel, K. L. (2007). História dos Surdos: Representações “Mascaradas” das Surdos II. Petrópolis: Arara Azul, p.18 – 38.

Ströbel, K. L. (2008). Surdos: vestígios não registrados na história. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Published

03/05/2022

How to Cite

CARDOSO, C.; ALBUQUERQUE, K. A. de .; MAIA, M. de L.; FIGUEIREDO, L. Education as right: the construction of deaf people place in Brazilian education. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e45111629282, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29282. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29282. Acesso em: 28 may. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences