English language and active learning: challenges, experiences, and perspectives from teachers

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29345

Keywords:

Active Learning; Primary and secondary education; Teaching-learning; English language; English teacher; Pedagogical practices.

Abstract

Active learning methods dynamize pedagogical practices and emphasize the protagonism of the students to develop activities that attribute real meaning to the knowledge. Therefore, this article aims to map the experiences, challenges, and perspectives from English Language teachers regarding the use of active learning strategies in their pedagogical practices. We conducted a field research, based on an exploratory-descriptive perspective and a qualitative approach. To collect the data, we interviewed five English teachers from two schools in the municipality of Sátiro Dias, Bahia, Brazil. The interviews were analyzed through content analysis. The results elucidate the discussions based on four categories of analysis: (i) Experiences and knowledge about active learning methos; (ii) Active learning in teaching practice; (iii) Challenges and difficulties during the use of active methodologies; and (iv) Resources and improvement for pedagogical practice. The interviewees know the benefits of active learning, but the use of these methods is still limited in terms of innovation and punctual in terms of planning and application. It is necessary to reinforce the role of the teacher in the process of creation, planning, and application of these methods in the classroom. The prospects for the performance of English teachers with the use of active learning strategies are promising and, at the same time, challenging. There are still many challenges regarding the use of active learning strategies in English language teaching, mainly related to lack of resources, student demotivation, and resistance when changing the teaching methodology.

Author Biography

Felipe Guilherme de Oliveira-Melo, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Professor do curso de Engenharia de Produção da Universidade Federal do Vale do São Francisco - Campus Salgueiro (ProdSal), na área de Qualidade e Serviços. Doutorando em Engenharia Industrial pela Universidade Federal da Bahia (PEI/UFBA), mestre em Engenharia Industrial (PEI/UFBA) e Engenheiro de Produção (UFAL/Campus do Sertão). Especialista em Engenharia da Qualidade (UCAM) e em Gestão de Pessoas (UFBA). Pesquisador no Grupo de Pesquisa Educação em Perspectiva na Engenharia de Produção (EDUPEP/UTFPR).

References

Almeida Filho, J. C. P. de (2005). Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Pontes Editores.

Almeida Filho, J. C. P. de (2007). Linguística aplicada: ensino de línguas & comunicação. (2a ed.) Pontes Editores.

Almeida Filho, J. C. P. de & Barbirato, R. C. (2000). Ambientes Comunicativos para Aprender Língua Estrangeira. Trabalhos de Linguística Aplicada. Editora da Unicamp, (36), 23-42.

Andrade, L. G. da S. B., Jesus, L. A. F. de, Ferrete, R. B., & Santos, R. M. (2019). A sala de aula invertida como alternativa inovadora para a educação básica. Revista Eletrônica Sala de Aula em Foco. 8(2), 4-22.

Assis-Peterson, A. A.; & Silva, E. M. N. (2009). Alunos à margem das aulas de inglês: por uma prática inclusiva. In: LIMA, D. C. (org.). Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa: Conversas com Especialistas (pp. 93-106). Parábola Editorial.

Boni, V. & Quaresma, Silvia Jurema Leone. (2005) Aprendendo a Entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese, 2 (1), 68-80. https://doi.org/10.5007/%25x

Brasil. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. (2018). http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf.

Britto Junior, A. F. & Feres Junior, N. (2011). A utilização da técnica da entrevista em trabalhos científicos. Evidência (Araxá), 7(7), 237-250. https://met2entrevista.webnode.pt/_files/200000032-64776656e5/200-752-1-PB.pdf

Büttenbender, M. N. & Oliveira, A. A. de. (2019). Metodologias ativas e o ensino de Língua Inglesa. XXVII Seminário de Iniciação Científica. Salão do Conhecimento Unijuí. 21 a 24 de outubro de 2019. https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/salaoconhecimento/article/view/11826

Conserva, D. P. & Costa, M. A. M. O. (2020) Ensino de inglês permeado pela proposta de sala de aula invertida: um relato de experiência didática. © ETD- Educação Temática Digital Campinas, 22(1), 234-252.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar Projetos de Pesquisa. (5a ed.), Atlas.

Gimenez, T. (2009) Ensinar a aprender ou ensinar o que aprendeu? In: Lima, D. C. Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa: conversas com especialistas (pp.107-112). Parábolas Editorial.

Gomes, R. (2016). Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: Minayo, M. C. de S. (org.), Deslandes, S. F., Gomes, Romeu. Pesquisa social: teoria, método e criatividade (pp. 72-95). Vozes. (Séries Manuais Acadêmicos)

Holden, S. (2009). O ensino de Língua Inglesa nos dias atuais. Special Book Services Livraria.

Jorge, M. L. dos S. (2009). Preconceito contra o ensino de língua estrangeira na rede pública. In: Lima, D. C. (org.). Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa: conversas com especialistas (pp.161-168). São Paulo: parábolas Editorial.

Lacerda, V. V. & Acco, C. A. N. (2020). As metodologias ativas no ensino e na aprendizagem de línguas: utilização, desafios, alcances e impactos. Leitura, n. 67. Dossiê Linguística Aplicada, p. 296-311

Leal, E. A.; Miranda, G. J.; Casa Nova, S. P. C. (2019). Revolucionando a sala de aula: como envolver o estudante aplicando as técnicas de metodologias ativas de aprendizagem. Atlas.

Leal, N. de O., Ferreira, P. E. B., Macedo, M. A. B. & Souza, S. R. G. de (2019) Utilização de Metodologias Ativas no Ensino Médio Brasileiro: Realidade Atual. Arquivos do MUDI, 23(3), 432-442. https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ArqMudi/article/view/51568/751375149176

Leffa, V. J. Por um ensino de idiomas mais includente no contexto social atua. (2009) In: Lima, D. C. Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa: conversas com especialistas (pp.113-123). Parábolas Editorial.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. T (2017). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisa, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. (8a ed.) Atlas.

Moran, J. (2013). Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/metodologias_moran1.pdf.

Moran, J. (2018). Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: Bacich, Lilian; Moran, José (org.) Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso.

Nascimento, A. F. do; Mesquita, A. F. S.; & Viana, L. A. F. de C. (2021). Percepção das metodologias ativas por professores que atuam no Estado de Minas Gerais, Brasil. Research, Society and Development, 10(12), e54101220202, 2021. 10.33448/rsd-v10i12.20202

Nascimento, W. C., & Oliveira-Melo, F. G. (2022). Roteiro de Entrevista: Língua inglesa e metodologias ativas: desafios, experiências e perspectivas docentes [Roteiro de Entrevista]. Zenodo. https://doi.org/10.5281/ZENODO.6508271

Nogueira, D. R.; Leal, E. A.; Miranda, G. J.; & Casa Nova, S. P. C. (2020). Revolucionando a sala de aula 2: novas metodologias ainda mais ativas. Atlas.

Pessoa, A. F. de A., Cavalcante, D. D. de S., Medeiros, J. J. S. & Costa, M. A. A. da. (2019). Percepção dos docentes sobre o uso de metodologias ativas de aprendizagem em um curso de sistemas de informação. XIX Colóquio Internacional de Gestão Universitária. 25, 26 e 27 de novembro. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/201725/102_00034.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Rocha, G. G. S. da & Coelho, C. de A. (2020). Metodologias ativas na aprendizagem: análise de uma experiência com sala de aula invertida. Consciências. UEDSL 1º a 7 de junho. http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/ueadsl/article/view/16941

Santos, D. (2012). Ensino de Língua Inglesa: foco em estratégias. Disal.

Santos, M. V. G., Rossi, C. M. S., & Pereira, D. A. de A. (2021). Percepção de professores da educação básica quanto ao uso das metodologias ativas. Research, Society and Development, 10(10), e512101019211.10.33448/rsd-v10i10.19211

Silva, A. P. da, Stach-Haertel, B. U., Oliveira, E. R., Meyer, F. F., Rodrigues, G. B.& Silva, S. P. da. (2018). As metodologias ativas aplicadas ao ensino médio. PBL FOR THE NEXT GENERATION. Blending active learning, tecnology and social jutice. 16-19 February. https://pbl2018.panpbl.org/wp-content/uploads/2018/02/AS-METODOLOGIAS-ATIVAS-APLICADAS-AO-ENSINO-ME%CC%81DIO.pdf

Silva, M. I. Z; Pesce, L., & Netto, A. V. (2018). Aplicação de sala de aula invertida para o aprendizado de língua portuguesa no ensino médio de escola pública. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, 5(1), http://www.aprendizagemconectada.mt.gov.br/documents/14069491/14102218/Semana4.Artigo.NIED.UNICAMP.Aplica%C3%A7%C3%A3o+da+sala+de+aula+invertida/56075d12-29d2-81b0-e420-d2428ae231cf

Silva, R. V., Sá, A. R. R., Santos, C. C. dos, Caldas, D. Silva de & Fernandes, J. da S. G. (2021). Metodologias ativas no ensino básico: uma análise de relatos de práticas pedagógicas. SciELO Preprints. 10.1590/SciELOPreprints.2727

Silveira, D. R. da & Kochhann, A. (2019). Sala de aula invertida: uma metodologia ativa para o ensino e aprendizagem da Língua Inglesa. Anais da XV ENFOPLE. UEG. https://www.anais.ueg.br/index.php/enfople/article/view/13539

Silveira, D. T. & Córdova, F. P. (2009). Unidade 2 – a pesquisa científica. In: Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. Métodos de Pesquisa (pp. 31-42). Coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Editora da UFRGS. (Série Educação a Distância). http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf.

Soares, M. de S., Mauriz, T. R. de M., Ayres, M. C. C., Silva, J. S. da, Costa, C. R. de M. da, Lima, J. F., Lavor, C., Lima, G. F., Vieira, D. F. & Moura, L. F. W. G. (2021) O uso de metodologias ativas de ensino por professores de Ciências nas escolas de Angical – PI. Research, Society and Development, 10(13), e484101321220. 10.33448/rsd-v10i13.21220

Vetromille-Castro, R.; Kieling, H. dos S. (2021) Metodologias ativas e recursos digitais para o ensino de l2: uma revisão sobre caminhos e possibilidades. Ilha do Desterro 74(3), 351-368, 10.5007/2175-8026.2021.e80662

Published

01/05/2022

How to Cite

NASCIMENTO, W. C. .; OLIVEIRA-MELO, F. G. de. English language and active learning: challenges, experiences, and perspectives from teachers. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e36211629345, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29345. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29345. Acesso em: 22 may. 2022.

Issue

Section

Education Sciences