Perception of female soccer athletes in relation to the practice of the modality in Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29418

Keywords:

Sport; Sport psychology; Women.

Abstract

Because women's soccer still faces many challenges in Brazil, the present study sought to understand the perceptions and perceptions of Brazilian women's soccer athletes about motivation and aspects that favor participation in sports as well as obstacles and challenges that arise with professionalization. Participants consisted of five female athletes aged between 18 and 26 years old (M = 21,01; SD = 2,94) who participated in an interview based on five open-ended questions. By means of content analysis, it has been possible to verify that different challenges are faced, including a lack of support in the field, predominance of machismo, insufficient resources, distance from the family, and gender inequality. They indicated the support of the family nucleus for participation in the modality, and a positive vision of the future, marked by hope in advances related to better conditions of practice and development of the modality, which have been achieved in recent decades.

Author Biographies

Gisele Maria da Silva, Universidade São Judas Tadeu

Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Mestre em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu (2015), Especialista em Neuropsicologia (2021) e Terapia Cognitivo-Comportamental (2018) pela UNIFIA - Centro Universitário Amparense, Especialista em Psicologia do Esporte pelo Instituto Sedes Sapientiae (2009) e Graduada em Psicologia pela Universidade São Judas Tadeu (2006). Psicóloga da equipe profissional da modalidade de futebol da Sociedade Esportiva Palmeiras, docente da graduação de Psicologia da Universidade São Judas Tadeu e docente do curso de Pós-Graduação em Treinamento Desportivo da Faculdade Metropolitanas Unidas (FMU-SP). Entre os anos de 2012 e 2020 coordenou o Setor de Psicologia das categorias de base da modalidade do Futebol de Campo da Sociedade Esportiva Palmeiras, conduzindo o trabalho com atletas em processo de formação, transição para equipe profissional e atletas da equipe adulta. Anteriormente, atuou entre os anos de 2009 e 2012 com a modalidade de futebol de salão da mesma instituição (SEP). Em paralelo (2010), iniciou a implantação do Departamento de Psicologia do Esporte da Confederação Brasileira de Rúgbi (CBRu), onde permaneceu até janeiro de 2016. 

Heloíse Aparecida Secco, Universidade São Judas Tadeu

Psicóloga, formada na Universidade São Judas no ano de 2021.

Tatiana Cassia Nakano, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Docente permanente do programa de pós-graduação stricto sensu em Psicologia da PUC-Campinas, pesquisadora da linha de Instrumentos e processos em avaliação psicológica. Pós Doutorado na Universidade São Francisco (2009) e Doutorado em Psicologia como Profissão e Ciência (2006) pela PUC-Campinas. Pesquisadora produtividade nível 2 CNPq. Presidente passado da Associação Brasileira de Criatividade e Inovação (Criabrasilis, 2014-2017), membro colaborador do Conselho Brasileiro para Superdotação (Conbrasd, 2018-2020) e membro do grupo de trabalho Psicologia Positiva e Criatividade na Anpepp. Editora associada da Revista Estudos de Psicologia e Revista Iberoamericana de Criatividade e Inovação. Atualmente encontra-se como visiting schoolar na University of California - Berkeley como bolsista Fapesp. Atua principalmente na área de Avaliação Psicológica, Criatividade, Altas Habilidades /Superdotação, Inteligência, Competências Socioemocionais, Psicologia do Esporte e Psicologia Positiva

References

Allison, R., & Pope, S. (2021). Becoming Fans: Socialization and Motivations of Fans of the England and U.S. Women’s National Football Teams. Sociology of Sport Journal, 1-11. https://doi.org/10.1123/ssj.2021-0036

Alencar, A. A., Silva, A. S., Silva Neto, E. J., Monteiro, M. S., & Gama, S. C. (2020). As seleções brasileiras de futebol feminino e empoderamento das mulheres. Revista Ensino Saúde e Biotecnologia da Amazônia, 2, 61-66. https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/resbam/article/view/6592/6304

Almeida, C. S., & Pisani, M. D. S. (2015). Carreiras e profissionalismo após a regulamentação do Futebol Feminino no Brasil. Labrys, études féministes/estudos feministas, 28, 1-20.

Almeida, C. S. de. (2019). O Estatuto da FIFA e a igualdade de gênero no futebol: histórias e contextos do Futebol Feminino no Brasil. FuLiA/UFMG, 4(1), 72–87. https://doi.org/10.17851/2526-4494.4.1.72-87

Archer, A., & Prange, M. (2019) ‘Equal play, equal pay’: moral grounds for equal pay in football. Journal of the Philosophy of Sport, 46(3), 416-436. https://doi.org/10.1080/00948705.2019.1622125

Aryianto, A. (2017). Gender Construction of Women as Maung Geulis in Indonesian Football. Humaniora, 8(1), 89-95. https://doi.org/10.21512/humaniora.v8i1.3699

Balardin, G. F., Voser, R. C., Duarte, M. A. S. J., & Mazo, J. Z. (2018). O futebol feminino no brasil e nos Estados Unidos: semelhanças e diferenças no esporte. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, 10(36), 101-109. Recuperado de: http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/549

Bandeira, G. A., & Seffner, F. (2018). Como homens narram a presença feminina nos estádios de futebol. In Resumos do VII Seminário Corpo, Gênero e Sexualidade, do III Seminário Internacional Corpo, Gênero e Sexualidade e do III Luso-Brasileiro Educação em Sexualidade, Gênero, Saúde e Sustentabilidade. Rio Grande, RS: Ed. da FURG.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70

Brito, B. J. G. (2019). Mulheres em ação: Alguns destaques da presença feminina no esporte Amazonense (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM.

Bonetto, P. X. R. (2019). Futebol e Copa do Mundo: uma experiência pedagógica fundamentada na educação física cultural. Revista de Educação Popular, 18(3), 109-126. https://doi.org/10.14393/REP-v18n32019-47383

Clarkson, B. G., Cox, E., & Thelwell, R. C. (2019). Negotiating Gender in the English Football Workplace: Composite Vignettes of Women Head Coaches’ Experiences. Women in Sport and Physical Activity Journal, 27(2), 73-84. https://doi.org/10.1123/wspaj.2018-0052

Costa, Y. L., & Abreu, R. O. (2016) Mulher E Futebol: Desigualdade de Gênero e a Influência Midiática. In Resumos do Congresso Internacional de História. Jataí, GO.

Frase, K. J. (2021). Against the Run of Play The History of Women's Football in Scotland 1960 to 2020. Dissertação de mestrado não publicada. University of Stirling, Scotland. https://dspace.stir.ac.uk/handle/1893/33549#.YfmzVi2gRPM.

Gelen, N. K., & Comert, E. (2021). Career Barriers of Women Managers in Women Football. Pakistan Journal of Medical and Health Sciences, 15(4), 1433-1437. https://pjmhsonline.com/2021/april/1433.pdf.

Grace, A. N., & Mueller, T. S. (2019). Gender bias in sport media: a critical analysis of Twitter content and the National Football League’s Carolina Panthers. Journal of Gender Studies, 28(3), 363-370. http://doi.org/10.1080/09589236.2019.1568012

Goellner, S. V. (2005). Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 19(2), 143-151.

Goellner, S. V. (2005). Mulher e esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a prática. 8(1), 85-100.

Haag, F. R. (2018). “O futebol pode não ter sido profissional comigo, mas eu fui com ele”: trabalho e relações sociais de sexo no futebol feminino brasileiro. Mosaico, 9(14), 142-160.

Januário, S. B. (2015). Modos de ver: a (in) visibilidade feminina enquanto profissional do esporte. In XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo.

Lewis, C. J., Roberts, S. J., & Andrews, H. (2018). ‘Why am I putting myself through this?’ Women football coaches’ experiences of the Football Association's coach education process. Sport, Education and Society, 23(1), 28-39. http://doi.org/10.1080/13573322.2015.1118030

Magalhães, F. F., Bonfim, M. P., Soares, J. M. M. V., & Silva, C. T. (2021). Campeonato de gênero: uma comparação entre eficiência e salário de jogadores e jogadoras no futebol profissional. Revista Intercontinental de Gestão Desportiva, 11(3), 1-17. https://doi.org/10.51995/2237-3373.v11i3e110019.

Marques, M. P., & Samulski, D. M. (2009). Análise da carreira de jovens atletas de futebol na transição da fase amadora para a fase professional: escolaridade, iniciação, contexto sócio-familiar e planejamento de carreira. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 23(2), 103-119.

McGowan, L. (2019). Women’s association football (soccer) in Brisbane, Queensland 1921–1933: new perspectives on early competition. Sport in History, 39(2), 187-206. http://doi.org/10.1080/17460263.2019.1602075

Muñoz, S. P., Calle, R. C., Muñoz, A. S., Cayetano, A. R., Ramos, J. M. M. Blanco, J. M. F., & Sáez, C. C. (2018). ¿Por qué juego al fútbol si soy una mujer?: Motivaciones para jugar al fútbol. Retos, 34, 183-188.

Nuhrat, Y. (2021). ‘Girls on the field’ in Turkey: negotiating gender anxieties and norms through football. Sport in Society. http://doi.org/10.1080/17430437.2021.1904903.

Oliveira, M. G., & Maldonado, D. T. (2020). Análise midiática sobre o futebol feminino no Brasil: elementos didáticos para a educação física no ensino médio. Motrivivência, 32(63), 1-21. http://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e73498.

Pisani, M. D. S. (2014). Futebol feminino: espaço de empoderamento para mulheres das periferias de São Paulo. Ponto Urbe. Revista do núcleo de antropologia urbana da USP, (14). https://doi.org/10.4000/pontourbe.1621

Rossi, M. R., Vitorino, L. M., Salles, R. P., & Cortez, P. J. O. (2016). Estratégias de coping em atletas de futebol feminino: estudo comparativo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 22(4), 282-286. https://doi.org/10.1590/1517-869220162204160572

Rossing, N. N., Mogensen, C. G., Pedersen, M. M., & Martin, L. J. (2020). Coincidence and conditions: An in-depth case study of a successful age group within a grassroots football club. Journal of Applied Sport Psychology, 1-36.

Salomão, R. L., Ottoni, G. P., & Barreira, C. R. A. (2014). Atletas de base de futebol: a experiência de viver em alojamento. Revista Psico-USF, Bragança Paulista, 19(3), 443-455. https://doi.org/10.1590/1413-82712014019003007

Salvini, L., & Marchi Junior, W. (2013). Uma história do futebol feminino nas páginas da Revista Placar entre os anos de 1980-1990. Movimento, 19(1), 95-115. https://www.redalyc.org/pdf/1153/115325713006.pdf.

Silva, G. M., Santos, A. M., & Nakano, T. C. (2022). Aspectos Psicológicos vivenciados por atletas de alto rendimento durante o período de isolamento social: um estudo exploratório. Research, Society and Development, 11(1), 1-12. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i1.24594

Soares, A. J. G., Melo, L. B. S., Costa, F. R., Bartholo, T. L., & Bento, J. O. (2011). Jogadores de futebol no Brasil: mercado, formação de atletas e escola. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 33(4), 905-921.

Souza, L. M., Maux, A. A. B., & Rebouças, M. S. S. (2019). Impedimento? Possibilidades de relação entre a mulher e o futebol. Revista de Abordagem Gestáltica, 25(3), 282-293. http://doi.org/10/18065/RAF.2019v25n3.7

Stahlberg, L. T. (2011). Mulheres em campo: novas reflexões acerca do feminino no futebol. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP.

Strittmatter, A., & Skirstad, B. (2017). Managing football organizations: a man’s world? Comparing women in decision-making positions in Germany and Norway and their international influence: a contextual approach. Soccer & Society, 18(1), 81-101. http://doi.org/10.1080/14660970.2014.980733

Teixeira, F. L. S., & Caminha, I. O. (2013). Preconceito no futebol feminino brasileiro: uma revisão sistemática. Movimento, 19(1), 265-287.

Terossi, M. B., D'Angelo, A. P., & Stilli, D. A. D. B. (2009). Futebol e gênero: a visão nacional sobre a prática do futebol entre as mulheres,3(4), 131-146.

Witter, J. S. (1990). O que é futebol. São Paulo, SP: Brasiliense.

Wood, D. (2018). The beautiful game? Hegemonic masculinity, women and football in Brazil and Argentina. Bulletin of Latin American Research, 37(5), 567-581. https://doi.org/10.1111/blar.12633

Published

14/05/2022

How to Cite

SILVA, G. M. da .; SECCO, H. A. .; NAKANO, T. C. . Perception of female soccer athletes in relation to the practice of the modality in Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e3511729418, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29418. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29418. Acesso em: 1 mar. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences