Story-telling as active methodology: creative and humanized ways for an integral formation

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29698

Keywords:

Storytelling; Active Methodology; Teaching; Integral formation.

Abstract

This article aims to reflect on the place of storytelling in the integral formation process. Conceived as an active methodology, this practice, by allowing students to experience experiences that awaken the various human dimensions, contributes to the construction of knowledge in a meaningful learning process. For this reflection, we used exploratory research, which comprises the first stage of a broader investigation (Gil, 2008) and focuses on the reading of theoretical texts on the subject. The broader investigation, in this context, is a research carried out at the professional master's level, whose product is a "Workshop Notebook" which suggests activities with storytelling aimed at high school students. After reading the theoretical framework, corresponding to the exploratory research, we concluded that storytelling as an active methodology contributes to the integral formation of students due to its humanized character, providing dynamism and creativity in the teaching and learning process.

Author Biography

Gicele Rose dos Santos Oliveira, Instituto Federal de Alagoas

 

 

References

Araújo, U. F. (2011). A quarta revolução educacional: a mudança de tempos, espaços e relações na escola a partir do uso de tecnologias e da inclusão social. ETD: Educação Temática Digital, Campinas, v. 12, 31- 48.

Assumpção, A. L. & M.; Soares, A. S. (2017). Metodologias ativas – pontos e contrapontos de uma proposta metodológica. Revista Eixo, 6(1), 32-36.

Bacich, L. & Moran, J. (2018). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Penso Editora.

Bakhtin, M. (2008). Problemas da poética de Dostoiévski. Forense Universitária.

Barbosa, E. F. & Moura, D. G. (2013). Metodologias ativas de aprendizagem na Educação Profissional e Tecnológica. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, 39(2), 48-67.

Benjamin, W. (2006). Lembrar, escrever e esquecer. Editora 34.

Berbel, N. (2011) As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 32(1), 25-40.

Busatto, C. (2005). Narrando histórias no século XXI - tradição e ciberespaço. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina

Ciavatta, M. (2012). A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In: Frigotto, G., Ciavatta, M., & Ramos, M. (orgs.). Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. Cortez, 83-106.

Frigotto, G. (2012). Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio. In: Frigotto, G., Ciavatta, M., & Ramos, M. (orgs.). Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. Cortez, 57-82.

Frigotto, G., Ciavatta, M., & Ramos, M. (2012). Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. Cortez.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas.

Lima, A. C. S. (2019). Da necessidade de uma intermediação sensível: reflexões sobre o letramento acadêmico em um contexto de Educação a distância. Tese (Doutorado) –Universidade Federal de Alagoas.

Macedo, K. D. S. et al. (2018). Metodologias ativas no ensino em saúde. Revista Escola Anna Nery 22(3), 1-19.

Mateus, A. et al. (2014). A importância da contação de história como prática educativa na Educação Infantil. Revista Pedagogia em Ação. 5(1), 54-69.

Melo, A. S. et al (2020). A contação de história e seus contributos para a interação e desenvolvimento linguístico da criança. Revista olhares, 8(3), 01-18.

Mendonça, S. G. de L. (2011). A crise de sentidos e significados na escola: a contribuição do olhar sociológico. Caderno CEDES, 31(85) 341-357.

Moran, J. (2015). Mudando a educação com metodologias ativas. In: Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II. Souza, C. A; Morales, O. T. M. (orgs.). PG: Foca Foto-PROEX/UEPG.

Nascimento, N. C. N. & Oliveira-Melo, F. G. de. (2022). Língua inglesa e metodologias ativas: desafios, experiências e perspectivas docentes. Research, Society and Developement, 11(6), 1-16.

Oliveira, M. M. (2020). Como fazer pesquisa qualitativa. Editora Vozes.

Peres, S. G; Naves, R. M. & Borges, F. T. (2018) Recursos simbólicos e imaginação no contexto da contação de histórias. Psicologia Escolar e Educacional, 22(1), 151-161.

Ramos, M. (2012). Possibilidades e desafios na organização do currículo integrado. In: Frigotto, G., Ciavatta, M., & Ramos, M. (orgs.). Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. Cortez, 107-128.

Zabala, A. (1998). A prática educativa: como ensinar. Artmed.

Zozzoli, R. M. D. (2016). Levando o diálogo social para a sala de aula: o enunciado-acontecimento-tema no ensino de Língua Portuguesa. In: Figueiredo, F. J. Q. & Simões, D. (orgs.). Linguística Aplicada, prática de ensino e aprendizagem de línguas. Pontes Editores.

Published

18/05/2022

How to Cite

LIMA, A. C. S. de; DOS SANTOS OLIVEIRA, G. R. Story-telling as active methodology: creative and humanized ways for an integral formation. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e14011729698, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29698. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29698. Acesso em: 29 sep. 2022.

Issue

Section

Education Sciences