To teach or not to teach? That is the question! – gender, work and human education in Subsequent technical Courses

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29789

Keywords:

Teaching; Genre; Work; Professional and technological education; Subsequent technical courses.

Abstract

The text discusses the teaching of the gender theme in high school technical courses offered subsequently at the Federal Institute of Alagoas (Instituto Federal de Alagoas - Ifal), which is a result of an exploratory study with a qualitative approach, the exhibition systematizes a set of data obtained during research carried out in the Postgraduate Program in Professional and Technological Education at Ifal between 2019 and 2021 and which recorded the understanding of a group of professors about the concept of gender and their perception of the relationship between the teaching of the subject and the professional training of high school technicians. In order to highlight some contradictions that permeate the training processes of high school technicians, we discuss how the school curriculum and educational praxis, mediated by the individual understanding of teachers about gender, distance themselves from the training proposal of Professional and Technological Education and from what is expected as a professional profile of the graduate. Anchored in the concept of gender enunciated by Joan Scott, by the documental analysis and by the diagnostic survey, we identified that a partial understanding of the gender concept, which is not conceived in its relationship with the world of work, makes the teaching of the subject to be treated as something of lesser importance for professional training. This perspective is manifested by the absence of the theme in the school curricula of the subsequent courses and by the absence of spaces for qualified educational work carried out from the human sciences and that is directed towards integral formation and human emancipation.

Author Biography

Lindinalva da Silva Santos, Instituto Federal de Alagoas

Mestre em Educação Profissional e Tecnológica.

References

Agência Senado. (2019). Ministro da Educação fala sobre ideologia de gênero e Escola sem Partido. SenadoNotícias. https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/02/25/ministro-da-educacao-fala-sobre-ideologia-de-genero-e-escola-sem-partido

Alves-Mazzotti, A. J. & Gewandsznajder, F. (2002). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. Pioneira Thomson Learning.

Augé, M. (1994). Não-Lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Papirus.

Brasil. Ministério da educação. (2008). Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. MEC http://cnct.mec.gov.br/.

Brasil. Ministério da Educação. (2007) Educação profissional e técnica de nível médio integrada ao ensino médio. Documento Base. MEC.

.

Brasil. Ministério da educação. Conselho nacional de educação. Câmara de educação básica. (2021). Resolução n. 6 de 21 de setembro de 2021. Diário Oficial da União, Brasília, 21 de setembro de 2012, Seção 1, p. 22.

Cardoso, M. J. P. B. & Neto, E. A. A. (2014). O ensino médio e a formação do trabalhador: competências para quem e para que?. In: A. A. Souza, & E. G. Oliveira (Orgs.). Educação profissional: análise contextualizada. Edições UFC.

Ciavatta, M. A. (2005). Formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In.: G. Frigotto, M. Ciavatta & M. Ramos (Orgs.). Ensino Médio Integrado: concepção e contradições. Cortez.

Ciavatta, M. (2014). O ensino integrado, a politecnia e a educação omnilateral. Por que lutamos? Trabalho & Educação. 23(1), 187-205.

Dias, A. S., Gomes, M. C., & Rabelo, M. J. S. (2022). Questões de Gênero e Violências na Escola: uma revisão de literatura. Research, Society and Development, 11(4), 1-13.

Fauth, A. F. K. (2019). Guia-sugestões de oficinas sobre gênero e sexualidade [Produto Educacional]. IFSul/ProEPT.

Francisco, T. J., Mendes, S. A. F. & Meira, A. C. G. A. (2019). Gênero, sexualidade e diversidade na escola: resultados de um projeto de pesquisa desenvolvido no Ifnmg, Campus Salinas. Research, Society and Development, 8(9), 1-11.

Frigotto, G. (2007). A relação da educação profissional e tecnológica com a universalização da educação básica. Educação e Sociedade, 28(100), 1129-1152.

Guedes, E. F. (2015). Gênero, o que é isso?. Psicologia: ciência e profissão,15(1-3), 4-11.

Gramsci, A. (2006) Cadernos do Cárcere. Volume 2: os intelectuais, o princípio educativo. Civilização Brasileira.

Gross, J. (2019). A problemática da questão de gênero e sexualidade no ensino médio e fundamental: uma abordagem teórica. Revista Jurídica Luso-Brasileira, 5(6), 1137-1155.

Incerti, T. G. V., & Casagrande, L. S. (2022). Discutindo gênero na educação profissional e tecnológica: conquistas, desafios, tabus e preconceitos. Cadernos Pagú. (61), 1-18.

Inocêncio, J. V., Garzoni, L. C., & Marcusso, M. F. (2021) Horizontes para uma educação emancipatória: a articulação entre gênero, sexualidade e mundo do trabalho na EPT a partir de uma sequência didática. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, 2(21), 1-17.

Instituto Federal de Alagoas, Campus Avançado Benedito Bentes [Ifal/CABB]. (2017). Plano de Curso Técnico de Nível Médio subsequente em Enfermagem. Maceió: Ifal.

Instituto Federal de Alagoas, Campus Avançado Benedito Bentes [Ifal/CABB]. (2018). Plano de Curso Técnico de Nível Médio subsequente em Logística. Ifal.

Instituto Federal de Alagoas [Ifal]. (2014). Plano de Desenvolvimento Institucional (2014-2018). Maceió: Ifal.

Instituto Federal de Alagoas [Ifal]. (2019). Plano de Desenvolvimento Institucional – Ifal 2019/2023. Maceió: Ifal.

Kuenzer, A. Z. (2020). Sistema educacional e a formação de trabalhadores: a desqualificação do Ensino Médio Flexível. Ciência & Saúde coletiva, 25(1), 57-66.

Miguel, L. F. (2021). O mito da “ideologia de gênero” no discurso da extrema direita brasileira. Cadernos Pagu, 62, 1-14.

Moura, D. H. (2007). Educação básica e educação profissional e tecnológica: dualidade histórica e perspectiva de integração. Holos, 2, 1-27.

Moura, D. H. (2013). Ensino médio integrado: subsunção aos interesses do capital ou travessia para a formação humana integral? Revista Educação e Pesquisa, 39(3), 705-720.

Ramos, M. N. (2009). Educação pelo trabalho: possibilidades, limites e perspectivas de formação profissional. Saúde e Sociedade, 18(2), 55-59.

Ramos, M. N. (2011). O currículo para o Ensino Médio em suas diferentes diferenças: concepções, propostas e problemas. Revista Educação e Sociedade, 32(116), 771-788.

Ramos, M. N. (2014). História e política da educação profissional. IFPR.

Ribeiro, R. J. (2015). Não existe. Perfil Pessoal FaceBook – Renato Janine Ribeiro, 30/07/2015. https://www.facebook.com/renato.janineribeiro

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e realidade, 20(2), 71-99.

Severino, A. J. (2017). Metodologia do trabalho científico. Cortez.

Silva, J. K. O., Anjos, D. F., Pimentel, P. S., Costa, I. M. G., & Fonseca, J. H. M. (2019). Identidade de gênero e orientação sexual: a sexualidade no contexto escolar. Research, Society and Development, 8(8), 1-11.

Published

03/06/2022

How to Cite

GOMES, J. M.; SANTOS, L. da S. To teach or not to teach? That is the question! – gender, work and human education in Subsequent technical Courses . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e51111729789, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29789. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29789. Acesso em: 11 aug. 2022.

Issue

Section

Education Sciences