Mental health of higher education students in a scenario of acetive learning and teaching methodologies

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29944

Keywords:

Higher Education; Mental Health; Learning Health System.

Abstract

The objective was to investigate the prevalence of depressive signs and symptoms among undergraduate students of courses in the health area, at a Federal University, with a pedagogical curriculum project based on Active Teaching-Learning Methodologies, in a municipality in the interior of northeastern Brazil. This article is a cross-sectional and observational study with an analytical, descriptive, and quantitative approach was carried out by through self-administered semi-structured questionnaires. The subjects of this study were undergraduate students enrolled in eight courses in graduation on health sciences. This research was executed between February 2018 and June 2019. Quantitative data were processed using Excel software (Microsoft®) descriptively. The central influences of the tutorial module were anxiety (77%; n=314), sleep disturbances (79%; n=323), competitiveness (66%; n=271), individualism (60%: n=244) and stress (83.7%; n=343); other modules obtained smaller proportions. About 36% would change teaching institution, 44% would change course; Approximately 31% (n=129) of the students had at least one reported morbidity. Common Mental Problems were the most prevalent reported morbidity group (49%; n=63). The Beck Inventory identified that 35% (n=143) of the participants had some degree of depression; 2% (n=8) self-rated their health as 'poor/very bad'; 8% (n=33) reported using medication. The group of chemical substances most frequently used were psychotropic drugs, with emphasis on anxiolytics (43%; n=18) and antidepressants (29%; n=12); 45% (n=20) related to the use of medication to entering the University. We understand that an institutional, student, and teacher reflection on the applicability of MAEA should be considered.

Author Biographies

Luiz Eduardo Oliveira Matos, Universidade Federal de Sergipe

Pharmacist (2016) from the Federal University of Sergipe (UFS). Resident in the Multiprofessional Postgraduate Program in Hospital Health Care (HUL-UFS/EBSERH). Researcher at the Transdisciplinary Nucleus of Studies in Collective Health (NUTESC).

Marcia Schott, Universidade Federal de Sergipe

Doctor in Education from the State University of Campinas and Master in Public Health from the National School of Public Health/FIOCRUZ. Professor at the Department of Health Education at the Federal University of Sergipe (UFS), Professor Antônio Garcia Filho university campus. Researcher at the Transdisciplinary Nucleus of Studies in Collective Health (NUTESC).

Iana Alves Andrade, Universidade Federal de Sergipe

Physiotherapy student at the Federal University of Sergipe (UFS), Professor Antônio Garcia Filho university campus.

Renata Jardim, Universidade Federal de Sergipe

Doctor and Master in Public Health from the Federal University of Minas Gerais. Professor at the Department of Health Education at the Federal University of Sergipe (UFS), Professor Antônio Garcia Filho university campus. Researcher at the Transdisciplinary Nucleus of Studies in Collective Health (NUTESC).

References

Almeida, J. S. P. A saúde mental global, a depressão, a ansiedade e os comportamentos de risco nos estudantes do ensino superior: estudo de prevalência e correlação. Tese de Doutorado (Doutoramento em Ciências da Vida-Saúde Mental), Faculdade de Ciências Médicas, Lisboa.

Ariño, Daniela Ornellas, & Bardagi, Marúcia Patta. (2018). Relação entre Fatores Acadêmicos e a Saúde Mental de Estudantes Universitários. Psicologia em Pesquisa, 12(3), 44-52.

Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino (ANDIFES). (2018). Perfil socioeconômico e cultural dos estudantes de graduação das universidades federais brasileiras.

Barell, J. (2006). Problem-based learning: an inquiry approach. 2. ed. Thousand Oaks: Corwin Press.

Barreto, M.L. & Filho, N.A. (2011) Epidemiologia & Saúde: Fundamentos, Métodos e Aplicações – parte 2. 1ed. Rio de Janeiro: Koogan.

Beck, A. et al. (1961). An inventory for measuring depression. Archives of general psychiatry, 4 (6): 561-571.

Berbel, N. A. N. (1998). A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos?. Interface (Botucatu), 2 (2), 139-154.

Brasil - Conselho Nacional de Educação. (2003). Parecer nº 67, 11 de março de 2003. Referencial para as diretrizes curriculares nacionais (DCN) dos cursos de graduação.

Carvalho, E. A. de et al (2015). Índice de ansiedade em universitários ingressantes e concluintes de uma instituição de ensino superior. Ciência, Cuidado e Saúde, 14 (3), 1290-1298.

Carvalho, M. M. MJ. (2004). A dor no estágio avançado das doenças. In: V.A.A. Camon (Org.), Atualidades em Psicologia da saúde., p. 85-101. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Costa, D. A. S. et al (2018). Diretrizes curriculares nacionais das profissões da Saúde 2001-2004: análise à luz das teorias de desenvolvimento curricular. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 2018.

Eisenberg, D. et al (2007). Prevalence and correlates of depression, anxiety, and suicidality among university students., The American Journal of Orthopsychiatry, 77(4), 534–542.

Eurich, R. B.; Kluthcovsky, A. C. GC (2008). Avaliação da qualidade de vida de acadêmicos de graduação em Enfermagem do primeiro e quarto anos: influência das variáveis sociodemográficas. Revista de psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 30, p. 211-220.

Gomes, L. F. et al. (2019) Saúde mental e ensino superior: a relação da universidade com o surgimento e/ou agravo de sofrimento mental em estudantes universitários. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Enfermagem). Faculdade CESMAC, Palmeira dos Índios, Alagoas.

Gomes, R. K.; Oliveira, V. B. De (2013). Depressão, ansiedade e suporte social em profissionais de enfermagem. Boletim de psicologia, São Paulo, 63 (138): 23-33.

Gomes, R. S. M. et al (2015). Transtornos depressivos em profissionais de saúde. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, v. 4, n. 1.

Guimarães, Michelle Firmino. (2014). Depressão, ansiedade, estresse e qualidade de vida de estudantes de universidades pública e privada. 96 p. Dissertação (Pós-Graduação em Psicologia da Saúde) - Universidade Metodista de São Paulo, São Paulo.

Hattie, J; Timperley, H. (2007). The power of feedback. SAGE journals. 77 (1): 81-112.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). (2019). Censo da educação superior: notas estatísticas 2019.

Jófili, Z. M. S. (2002) Piaget, Vygotsky, Freire e a construção do conhecimento na escola. Revista Educação: Teorias e Práticas, 2 (2): 196.

Matos, L. E. O.; Schott, M.; Jardim, R. (2021). Olhares discentes para a integração ensino-serviço-comunidade na formação em saúde. Saberes Plurais: Educação na Saúde, 5, (1): 133-150.

Mazur, E. (1996). Peer Instruction: A User's Manual. Boston: Addison-Wesley.

Mitre, S. M. et al. (2008) Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & saúde coletiva, v. 13, p. 2133-2144.

Morosini, M. C. et al. (2012). A evasão na educação superior no Brasil: uma análise da produção de conhecimento nos periódicos Qualis entre 2000-2001. In: PRIMERA - conferencia latinoamericana sobre el abandono en la educación superior.

Oliveira, E. N. de. (2013). Prevalência de sintomas depressivos em estudantes de Medicina da Universidade Federal da Bahia. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso em Medicina). Universidade Federal da Bahia - Faculdade de Medicina da Bahia, Bahia.

Paiva, M. R. F. et al. (2016). Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE-Revista de Políticas Públicas, 15 (2): 145-153.

Roman, C. et al. (2017). Metodologias ativas de ensino-aprendizagem no processo de ensino em saúde no Brasil: uma revisão narrativa. Clinical & Biomedical Research, [S.l.], v. 37, n. 4.

Romanowski , F.F.A et al (2019). Manual de tipos de estudo. Produção técnica de pós-graduação em odontologia. Centro Universtiário de Anápolis). Anápolis, Goiás.

Santos, M. L. R. R. (2011). Saúde mental e comportamentos de risco em estudantes universitários. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Psicologia). Portugal: Universidade de Aveiro.

Schott, M. (2018) Articulação ensino-serviço: estratégia para formação e educação permanente em saúde. REFACS, internet, 6 (2): 264-268.

Silva, P. C. da; Marlo, Á. R. C. (2007) Prazer e sofrimento de psicólogos no trabalho em empresas privadas. Psicologia: Ciência e profissão, v. 27, p. 132-147.

Silva, R. S.; Costa, L. A. da. (2012) Prevalência de Transtornos Mentais Comuns entre Estudantes Universitários da Área da Saúde. Encontro Revista de Psicologia, 15 (23), 2012.

Silva, Rachel Rubin da et al. (2011). O perfil de saúde de estudantes universitários: um estudo sob o enfoque da psicologia da saúde. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Psicologia). Rio Grande do Sul: Universidade Federal de Santa Maria.

Souza, Deise Coelho de. (2017). Condições emocionais de estudantes universitários: estresse, depressão, ansiedade, solidão e suporte social. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Psicologia). Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais.

Universidade Federal de Sergipe (UFS). (2019). UFS em números: edição especial.

Vasconcelos, T. C. de et al (2015). Prevalência de sintomas de ansiedade e depressão em estudantes de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 39, p. 135-142.

Victoria, M. S. et al. (2013) Níveis de ansiedade e depressão em graduandos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Encontro Revista de Psicologia. 16 (25): 163-175.

Zanella, M. et al. (2016) Medicalização e saúde mental: Estratégias alternativas. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Porto, n. 15, p. 53-62.

Published

24/05/2022

How to Cite

MATOS, L. E. O.; SCHOTT, M.; ANDRADE, I. A. .; JARDIM, R. Mental health of higher education students in a scenario of acetive learning and teaching methodologies. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e28811729944, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29944. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29944. Acesso em: 2 mar. 2024.

Issue

Section

Health Sciences