Confronting scientific negacionism: extension activities as an effective tool

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30057

Keywords:

Science communication; Extension; Fake news; New coronavirus.

Abstract

The frequent and intense attacks that Science has been suffering disqualify it from society and, especially in the new coronavirus pandemic, promote denial discourse and (dis)infodemic, intensifying the importance and urgency of scientific dissemination, which can be carried out from of the execution of extension projects. Therefore, this study aim to evaluate the impact of two editions of an extension course on the quality of knowledge of the public served and their competence in confronting scientific denialism. The course took place in 2020, in two virtual editions, and had a total of 29 speakers and 382 subscribers, reaching 53 cities distributed in 17 Brazilian states, covering all geographic regions of Brazil. Among the themes addressed were the relationship between the virus and the environment, the means of contagion and prevention methods, socioeconomic, historical-geographic and educational issues. Approximately 40% of course participants had some belief demystified and 95% became multipliers of the information obtained by talking to someone about what they were learning in the course, which highlights the importance of carrying out extension actions as an effective tool to combat scientific denialism.

References

Abranches, M. (2020). Extensão Universitária remota? Os desafios em tempos de pandemia. Pensar a educação em pauta: um jornal para a educação brasileira. https://pensaraeducacao.com.br/pensaraeducacaoempauta/extensao-universitaria-remota-os-desafios-em-tempos-de-pandemia/.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília-DF: Centro Gráfico.

Cover, I. (2014). Práticas de extensão no ensino médio integrado: construindo possibilidades de emancipação. X ANPED SUL, 1-18. Florianópolis: UDESC. http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/485-0.pdf.

Elias Junior, A. C., de Sá, N. O., & Zattar, M. (2021). A extensão universitária e o exercício da práxis no campo informacional: práticas para apropriação da informação e do saber. IRIE – International Review of Information Ethics, 30.

Fernandez, C. T. (2009). Os métodos de preparação de material impresso para EaD. In F. M. Litto, & M. M. M. Formiga (Orgs.), Educação à distância: o estado da arte (pp. 395-402). São Paulo: Pearson Education do Brasil.

FORPROEX - Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. (2012). Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus-AM. Disponível em: https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/2012-07-13-Politica-Nacional-de-Extensao.pdf.

Krasilchik, M., & Marandino, M. (2007). Ensino de ciências e cidadania. Moderna.

Latour, B. (2020). Onde aterrar? Como se orientar politicamente no Antropoceno. Bazar do Tempo.

Lorandi, S., Loss, G. M. S., Malta, S. T., Filho, V. L. G., Santos, V. A., & Iserhard, C. A. (2021). “Insetos, e daí?”: Ressignificando as dimensões da extensão universitária com a pandemia da COVID-19. Expressa Extensão, 26(1), 285-299.

Marques, A. C. T. L., & Marandino, M. (2018). Alfabetização científica, criança e espaços de educação não formal: diálogos possíveis. Educação e Pesquisa, 44, e170831. 10.1590/S1678-4634201712170831.

Marques, G. E. C. A. (2020). Extensão universitária no cenário atual da pandemia da COVID-19. Revista Práticas em Extensão da UEMA, 4(1), 42-43. Disponível em: https://www.uema.br/2020/07/artigo-a-extensao-universitaria-no-cenario-atual-da-pandemia-do-COVID-19/.

Morel, A. P. M. (2021). Negacionismo da COVID-19 e educação popular em saúde: para além da necropolítica. Trabalho, Educação e Saúde, 19, e00315147. 10.1590/1981-7746-sol00315.

Oliveira, A. A. V., Rodrigues, L. T. D., Silva, L. A., Guerra, D. V., Guedes, T. M., Lucena, D. M. S., Araújo, A. M. M., & Souza, E. M. D. (2007). A importância do projeto de extensão programa de apoio ao ensino de Ciências e Biologia no ensino fundamental e médio como ferramenta de humanização dos estudantes da área de saúde da UFPB. Anais/Catálogo de Resumos do X Encontro de Extensão Universitária da UFPB. João Pessoa. Disponível em: http://www.prac.ufpb.br/anais/xenex_xienid/x_enex/RESUMOS/AREA4/4CCSDMOUT02.pdf.

Oliveira, C. V. S., Paiva, I. D., Ferraz, D. F. S., Araújo, A. B. V., Lucas, Q. H. B., Travassos, R., Anjos, D. M., Vieyra, A. R., & Ramos, I. P. R. (2021). Contribuições de espaços não formais de educação na transformação social e divulgação científica: uma aprendizagem baseada no projeto de extensão universitária “Conhecendo o Cenabio - Ciência, Arte e Educação”. Revista Raízes e Rumos, 9(1), 29-50.

Paiva, M. R. F., Parente, J. R. F., Brandão, I. R., & Queiroz, A. H. B. (2016). Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE-Revista de Políticas Públicas, 15(2). Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1049.

Portugal, K. O. (2014). O YouTube como uma configuração para o ensino e aprendizagem de ciências. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática, Centro de Ciências Exatas. Londrina: UEL. Disponível em: http://www.uel.br/pos/mecem/arquivos_pdf/Portugaldissertacao.pdf.

Príncipe, E. (2013). Comunicação científica e redes sociais. In S. Albagli, (Org.), Fronteiras da Ciência da Informação (pp. 198-218). Brasília: IBICT. Disponível em: http://livroaberto.ibict.br/handle/1/1020.

Rozenfeld, C. C. F. (2013). Planejamento de cursos online para professores de alemão: parâmetros em mapa conceitual. Pandaemonium ger, 16(22). 10.1590/S1982-88372013000200014.

Sousa-Filho, A. (2020). “A Terra é plana”: o obscurantismo cínico dos negacionistas. Revista Inter-Legere, 3(29), c23426. 10.21680/1982-1662.2020v3n29ID23426.

Terçariol, A. A. L., Ikeshoji, E. A. B., Zaduski, J. C. D., Siqueira, A. L. F. C., & Mello, F. S. O. (2016). As dimensões da avaliação em cursos online: reflexões e importância. RIED – Revista Iberoamericana de Educación a Distância, 19(2), 283-300. 10.5944/ried.19.2.14753.

Valério, P. M. (2012). Comunicação científica e divulgação: o público na perspectiva da Internet. In L. V. R. Pinheiro, & E. C. P. Oliveira (Orgs.), Múltiplas facetas da comunicação e divulgação científicas: transformações em cinco séculos (pp. 150-167). Brasília: IBICT. Disponível em: http://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/711/1/M%C3%BAltiplas%20facetas%20da%20comunica%C3%A7%C3%A3o%20e%20divulga%C3%A7%C3%A3o%20cient%C3%ADficas.pdf.

Vicente, N. I., Corrêa, E. C. D., & Sena, T. (2015). A divulgação científica em redes sociais na Internet: proposta de metodologia de análise netnográfica. XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (XVI ENANCIB). João Pessoa: UFPB. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/index.php/enancib2015/enancib2015/paper/viewFile/2853/1160.

Viero, T. V. (2012). Programa de Extensão Universitária: perspectivas emergentes na educação em Ciências. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) - Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde. Rio Grande: FURG. Disponível em: http://repositorio.furg.br/bitstream/handle/1/4790/Tatiane%20Vedoin%20Viero.pdf.

Zancan, G. T. (2000). Educação científica: uma prioridade nacional. São Paulo em Perspectiva, 14(3). 10.1590/S0102-88392000000300002.

Published

24/05/2022

How to Cite

SILVA, J. S.; BISPO, M. B. B.; CAIRES, T. A. . Confronting scientific negacionism: extension activities as an effective tool. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e27911730057, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30057. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30057. Acesso em: 25 sep. 2022.

Issue

Section

Education Sciences