Teacher update course in palliative care: the use of active methodologies

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30067

Keywords:

Palliative care; Teaching update; Active teaching-learning methodologies; Educational product; Finitude.

Abstract

The purpose of this article is to present the process of elaboration and the methodological resources of a teaching update course in palliative care. As most faculty of medical schools graduated prior to the 2014 national curriculum guidelines, training was predominantly technical, aimed at healing over care. The objective of the course is to train teachers on knowledge and skills on the subject of palliative care, on the importance of dealing with finitude, death and bereavement; and develop basics of palliative care, communication and grief. To this end, the didactic sequence was used: pre-classroom activity (text for prior reading and recorded class with technical communication skills); first face-to-face meeting (reception of participants; questionnaire on communication; discussion of perceptions about the text; exhibition of film excerpts with communication scenes; discussion of the feelings mobilized; role-play followed by feedback and; feedback from the first meeting); second face-to-face meeting: reading and processing the problem situation – “But isn’t palliative care letting it die?” followed by feedback from the second meeting; third face-to-face meeting with processing of the new synthesis, followed by feedback from the third meeting and; general course feedback. The systematization of the teacher update course in palliative care can favor the reproducibility of this educational product, contributing to improve the quality of teacher and student training in the health area. The use of active methodologies in the construction of the course makes it more attractive and facilitates the process of acquiring knowledge and student protagonism.

References

Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP). (2021). O que são cuidados paliativos [Internet]. >https://paliativo.org.br/especialistas-em-medicinapaliativa>

Almeida, M. M. G. D., & Amaral, C. G. D. (2021). Feedback formativo e aprendizagem do aluno de Medicina no contexto pediátrico: uma revisão narrativa da literatura. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 25. Alves, R. Escutatória. http://www.caosmose.net/candido/unisinos/textos/escutatoria.pdf

Araújo, D. C. S. A. D., Menezes, P. W. D. S., Cavaco, A. M. D. N., Mesquita, A. R., & Lyra Júnior, D. P. D. (2020). Instrumentos para avaliação de habilidades de comunicação no cuidado em saúde no Brasil: uma revisão de escopo. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 24.

D’assumpção, E. A. (2003). Tanatologia: ciência da vida e da morte. In Anais Do 1o. Congresso de Tanatologia e Bioética. Belo Horizonte: Sotamig (pp. 21-36).

Berbel, N. A. N. (2011). As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências sociais e humanas, 32(1), 25-40.

Bergmann, J., & Sams, A. (2016) Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem: LTC.

de Carvalho Borges, M., Chachá, S. G. F., Quintana, S. M., de Freitas, L. C. C., & Rodrigues, M. D. L. V. (2014). Aprendizado baseado em problemas. Medicina (Ribeirão Preto), 47(3), 301-307.

Bowlby, J., & Cabral, A. (1990). Apego e perda: apego. Londres: Martins Fontes.

Carvalho, R. T., Souza, M. R. B., Franck, E. M., Polastrini, R. T. V., Crispim, D., Jales, S. M., & Torres, S. H. B. (2018). Manual da residência de cuidados paliativos.

Casellato, G. (2015). Luto não reconhecido: o fracasso da empatia nos tempos modernos. O resgate da empatia: suporte psicológico ao luto não reconhecido,15-28.

Castro, A. A., Taquette, S. R., & Marques, N. I. (2021). Cuidados paliativos: inserção do ensino nas escolas médicas do Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica, 45.

Castro, A. A., Taquette, S. R., & Pereira, C. A. R. (2021). Palliative care and Medical Education: Systematic review. Research, Society and Development, [S. l.], 10(1), e50210111976.

Clark, D., Baur, N., Clelland, D., Garralda, E., López-Fidalgo, J., Connor, S., & Centeno, C. (2019). Mapping levels of palliative care development in 198 countries: the situation in 2017. Journal of pain and symptom management, 59(4), 794-807.

Creswell, J. W., & Creswell, J. D. (2021). Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto: Editora Penso, (5ª. Edição).

Cruz, R. A. O., de Arruda, A. J. C. G., Agra, G., Costa, M. M. L., & de Medeiros Nóbrega, V. K. (2016). Reflexões acerca dos cuidados paliativos no contexto da formação em enfermagem. Revista de Enfermagem UFPE on line, 10(8), 3101-3107.

Diesel, A., Baldez, A. L. S., & Martins, S. N. (2017). Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, 14(1), 268-288.

Elsner, F., Centeno, C., Cetto, G., Conno, F., Ellershaw, J., Eychmuller, S., & Mason, S. (2013). Recommendations of the European Association for Palliative Care (EAPC) for the development of undergraduate curricula in palliative medicine at European medical schools.

Farias, P. A. M. D., Martin, A. L. D. A. R., & Cristo, C. S. (2014). Aprendizagem ativa na educação em saúde: percurso histórico e aplicações. Revista brasileira de educação médica, 39, 143-150.

Figueiredo, M. D. G. M. C. D. A., & Stano, R. D. C. M. (2013). O estudo da morte e dos cuidados paliativos: uma experiência didática no currículo de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 37, 298-306.

Fonseca, J. P. D. (2004). Luto antecipatório. In Luto antecipatório (pp. 183-183).

Fonseca, A., & Geovanini, F. (2013). Cuidados paliativos na formação do profissional da área de saúde. Revista brasileira de educação médica, 37, 120-125.

Fonseca, A., Vieira Jr, W. M., da Silva, C. M. F. P., & da Fonseca, M. D. J. M. (2018). O Modelo de Cuidado Integrado: O impacto na saúde de idosos portadores de doenças crônicas no sistema de saúde privado em uma operadora de saúde da cidade do Rio de Janeiro. Revista Internacional em Língua Portuguesa, (33), 61-74.

Franco, M. H. P. (2008). Luto em cuidados paliativos. Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Org.). Cuidado paliativo, 559-570.

Issenberg, S. B., McGaghie, W. C., Hart, I. R., Mayer, J. W., Felner, J. M., Petrusa, E. R., & Ewy, G. A. (1999). Simulation technology for health care professional skills training and assessment. Jama, 282(9), 861-866.

Kovács, M. J. (2010). Sofrimento da equipe de saúde no contexto hospitalar: cuidando do cuidador profissional. O mundo da saúde, 34(4), 420-429.

Kübler, R. E. (1997). Sobre a morte e o morrer: o que os doentes têm para ensinar a médicos, enfermeiros, religiosos e aos próprios parentes.

Leuterio, A. P., Castelhano, A. P. M. S. F., & Almeida, J. S. A. (2020). Bioética, direito e medicina: Manole.

Mitre, S. M., Siqueira-Batista, R., Girardi-de-Mendonça, J. M., Morais-Pinto, N. M. D., Meirelles, C. D. A. B., Pinto-Porto, C., & Hoffmann, L. M. A. (2008). Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & saúde coletiva, 13, 2133-2144.

Nestel, D., & Tierney, T. (2007). Role-play for medical students learning about communication: guidelines for maximising benefits. BMC medical education, 7(1), 1-9.

Palmeira, R. L., da Silva, A. A. R., & Ribeiro, W. L. (2020). As metodologias ativas de ensino e aprendizagem em tempos de pandemia: a utilização dos recursos tecnológicos na Educação Superior. HOLOS, 5, 1-13.

Parkes, C. M. (1998) Luto: estudos sobre a perda na vida adulta. Tradução: Maria Helena Pereira Franco Bromberg. São Paulo: Summus, 1998.

Pessini, L., & Bertachini, L. (2004) Humanização e cuidados paliativos: Loyola, 2004.

Quintiliano, K. M. S., & Soares, F. J. P. (2020). Definição de competências em cuidados paliativos na formação do médico generalista. New Trends in Qualitative Research, 3, 175-187.

dos Santos, A. F. J., Ferreira, E. A. L., & Guirro, Ú. D. P. (2020). Atlas dos cuidados paliativos no Brasil 2019. Academia Nacional de Cuidados Paliativos.

Sousa, J. V. de., Xavier, L. G., Souza, D. C. de., Santos, M. A. dos., Medeiros, C. K. S., Campos, I. J. de O., Medeiros, E. R. de., Lira, A. E. C. de M., Lima, C. A. de S., Lima, J. G. da C., França , G. M. de., Pinheiro, J. C., Gonçalves, G. C., Almeida, D. R. de M. F., & Melo, A. M. de . (2020). Academic approaches related to palliative care in higher education: Exploratory study. Research, Society and Development, 9(12), e28491211104.bSubramaniam, S. R., & Muniandy, B. (2016). Concept and characteristics of flipped classroom. International Journal of Emerging Trends in Science and Technology, 3(10), 4668-4670.

Stroebe, M., Schut, H., & Boerner, K. (2010). Continuing bonds in adaptation to bereavement: Toward theoretical integration. Clinical psychology review, 30(2), 259-268.

Valente, J. A. (2014). Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em revista, 79-97.

Viorst, J. Perdas necessárias. (2005): Melhoramentos.

Worden, J. W. (1998) Terapia do luto: Um manual para profissionais da Saúde Mental. Porto Alegre: Artes Médicas.

World Health Organization (WHO). (2017). 10 facts on palliative care [Internet]. <https://www.who.int/features/factfiles/palliative-care/en>

Published

30/05/2022

How to Cite

RAMOS, E. S. G. .; GARCIA, R. R. . Teacher update course in palliative care: the use of active methodologies. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e43411730067, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30067. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30067. Acesso em: 6 jul. 2022.

Issue

Section

Education Sciences