Characterization of patients with home care indication in the city of Vitória – ES

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.31569

Keywords:

Palliative Care; Homebound Persons; Health policy.

Abstract

The modality of home care is expanding in Brazil and in the world, favoring the treatment of elderly patients and those with chronic diseases, who often have limited mobility. In 2011, the Federal Government launched the Better at Home Program, for structuring home care. Objective: this research aims to outline the profile of bedridden users who need home care in a municipality in the southeastern region of Brazil. Methodology: this is an exploratory and descriptive research with a quantitative approach. The research was developed in the city of Vitória - ES. The identification of the epidemiological profile of bedridden patients with indication of receiving home care was carried out, through electronic medical records. The data collected were from the years 2019 and 2020. Results: during the study period, we found 298 bedridden patients who needed home care. Most of these patients are female, elderly over 75 years of age, white, married or in a stable relationship, with medium family risk and high clinical-functional vulnerability index. Conclusion: based on the results found, it is possible to develop protocols and flowcharts to implement the Better at Home Program in that municipality. Characterizing the profile of bedridden patients who would be treated in the program allows the direction of the teams aiming at quality care.

References

Braga, P. P., Sena, R. R. D., Seixas, C. T., Castro, E. A. B. D., Andrade, A. M., & Silva, Y. C. (2016). Oferta e demanda na atenção domiciliar em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 21(3), 903-912.

Brasil. (2014). Atenção domiciliar no SUS: resultados do laboratório de inovação em atenção domiciliar. Organização Pan-Americana da Saúde, Brasília, Ministério da Saúde.

Brasil. Lei nº 10.424, de 15 de abril de 2002. Acrescenta capítulo e artigo à Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento de serviços correspondentes e dá outras providências, regulamentando a assistência domiciliar no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial, Brasília, 2002.

Brasil. Portaria nº 2.416, de 23 de março de 1998. Estabelece requisitos para credenciamento de hospitais e critérios para realização de internação domiciliar no SUS. Diário Oficial, Brasília, 1998.

Brasil. Portaria nº 2.029, de 24 de agosto de 2011. Institui a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial, Brasília, 2011.

Brasil. Portaria nº 825, de 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Diário Oficial, Brasília, 2016.

Dadalto, E. V., & Cavalcante, F. G. (2021). O lugar do cuidador familiar de idosos com doença de Alzheimer: uma revisão de literatura no Brasil e Estados Unidos. Ciência & Saúde Coletiva, 26(1), 147-157.

Delalibera, M., Barbosa, A., & Leal, I. (2018). Circunstâncias e consequências do cuidar: caracterização do cuidador familiar em cuidados paliativos. Ciência & Saúde Coletiva, 23(4), 1105-1117.

Ferreira, L. K., Meireles, J. F. F., & Ferreira, M. E. C. (2018). Avaliação do estilo e qualidade de vida em idosos: uma revisão de literatura. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 21(5), 639-651.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa. (6a ed.), Atlas.

Moraes, E. N. D., Carmo, J. A. D., Moraes, F. L. D., Azevedo, R. S., Machado, C. J., & Montilla, D. E. R. (2016). Índice de Vulnerabilidade Clínico-Funcional-20 (IVCF-20): reconhecimento rápido do idoso frágil. Rev. Saúde Pública, 50(81).

Nishimura, F., Carrara, A. F., & Freitas, C. E. D. (2019). Efeito do programa Melhor em Casa sobre os gastos hospitalares. Rev. Saúde Pública, 53(104).

Oliveira, S. G., & Kruse, M. H. L. (2017). Melhor em casa: dispositivo de segurança. Texto & Contexto Enfermagem, 26(1).

Procópio, L. C. R., Seixas, C. T., Avellar, R. S., Silva, K. L. D., & Santos, M. L. D. M. D. (2019) A atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde: desafios e potencialidades. Saúde debate, 43(101), 592-604.

Rodrigues, M. D. S., Santana, L. F., & Galvão, I. M. (2017). Fatores de risco modificáveis e não modificáveis do AVC isquêmico: uma abordagem descritiva. Rev. Med, 96(3), 187-192.

Santos, S. L. D., Rodrigues, M. I., Nascimento, A. B. D. D., Rocha, L. R., Fonseca, S. D. S. S., & Camelo, A. M. (2020). Conhecendo o funcionamento e atuação da equipe multiprofissional do Programa Melhor em Casa no município de Cristiano Castro – Piauí, Brasil. Research, Society and Development, 9(7).

Schenker, M., & Costa, D. H. D. (2019). Avanços e desafios da atenção à saúde da população idosa com doenças crônicas na Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 24(4), 1369-1380.

Silva, C. K. A., Freitas, C. A. S. L., & Goyanna, N. F. (2018). Caracterização dos usuários do Programa Melhor em Casa em Sobral – Ceará. Essentia, 19(2), 23-33.

Silva, K. L., Sena, R. R. D., Seixas, C. T., Feuerwerker, L. C. M., & Merhy, E. E. (2010). Atenção domiciliar como mudança do modelo tecnoassistencial. Rev Saúde Pública, 44(1), 166-176.

Silva, K. L., Silva, Y. C., Lage, É. G., Paiva, P. A., & Dias, O. V. (2017). Por que é melhor em casa? A percepção de usuários e cuidadores da atenção domiciliar. Cogitare Enfermagem, 22(4).

Silva, S. A., Almeida, V. L., Oliveira, F., & Franco, T. L. B. (2014). Classificação do grau de risco de famílias na Estratégia Saúde da Família. Rev. APS, 17(1), 111-115.

Souza, M. D. F. M. D., Malta, D. C., França, E. B., & Barreto, M. L. (2018). Transição da saúde e da doença no Brasil e nas Unidades Federadas durante os 30 anos do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 1737-1750.

Tomaz, A. C. D. S., Silva, G., Fabiano, L. C., Fernandes, S., & Tos, D. D. (2021). Análise do risco de quedas em idosos submetidos à avaliação da mobilidade, equilíbrio e marcha. Arquivos do Mudi, 25(3), 10-24.

Vasconcellos, M. M., Gribel, E. B., & Moraes, I. H. S. D. (2008). Registros em saúde: avaliação da qualidade do prontuário do paciente na atenção básica, Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, (24, Sup. 1), 173-182.

Viacava, F., Oliveira, R. A. D. D., Carvalho, C. D. C., Laguardia, J., & Bellido, J. G. (2018). SUS: oferta, acesso e utilização de serviços de saúde nos últimos 30 anos. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 1751-1762.

Vila Velha. (2021). Relatório de Gestão 2020. https://www.vilavelha.es.gov.br/midia/paginas/Relatorio%20Anual%20de%20Gestao%202020_%20Fundo%20 Municipal%20de%20Saude.pdf

Vitória. (2021). Plano Municipal de Saúde (período 2018-2021). https://www.vitoria.es.gov.br/download.php?tipo=1&id=3244

Wanderley, R. M. M., Cunha, D. G. P. D., Felisberto, A. M., S., Oliveira, B. R. S. D., Bittencourt, G. K. G. D., Amaral, A. K. D. F. J. D., & Silva, A. O. (2019). Avaliação da condição de saúde da pessoa idosa na atenção básica. Rev Enferm UFPE online, 13(1), 472-482.

Published

03/07/2022

How to Cite

RIPARI, R. M.; LIMA, E. de F. A.; MASSARONI, L.; BARCELOS, M. R. B.; PRIMO, C. C. Characterization of patients with home care indication in the city of Vitória – ES . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e7311931569, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.31569. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/31569. Acesso em: 13 aug. 2022.

Issue

Section

Health Sciences