The first year of the rest of our lives: Mental health of medical students

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.31651

Keywords:

Medical Students; Anxiety; Depression; Mental health.

Abstract

Medical students experience from the beginning of their training high levels of anxiety and other mental disorders associated with excessive academic activities, sleep deprivation, peer pressure and other aspects of medical education. The study aimed to analyze the prevalence of mental health disorders (anxiety, depression and stress) among incoming students. Students were evaluated at the beginning and end of the first year of the Medicine course. This is a cross-sectional study, carried out during the first year of the Medicine course at the Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná. Clinical and sociodemographic information was collected. All students underwent psychological assessment through scales and cortisol measurement for stress assessment at the beginning and end of the first year of the medical course. The instruments BDI II - Beck Depression Inventory, EPD - Depressive Thoughts Scale, Generalized Anxiety Disorder Questionnaire (GAD) and Penn State University Worry Questionnaires were used. Students entered the university with severe anxiety, mild depression, low self-esteem, and deficits in relationship functionality, which worsened during the first year of the course. The data showed high levels of emotional disturbances, such as anxiety, worry and depression since the first year of medical school, with these worsening throughout the academic year. This demonstrates the need to adapt medical schools to receive new entrants and the importance of psycho-emotional support from the beginning of the medical course.

Author Biographies

Danielle Soraya Figueiredo , Universidade Estadual do Centro-Oeste

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário (PPGDC) na Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Mestre em Desenvolvimento Comunitário - PPGDC (2021) pela UNICENTRO. Possui graduação em Psicologia pelo Centro Universitário Campo Real (2018). Especialização em Aconselhamento Pastoral Familiar com Foco Sistêmico (2019) na instituição UNIFIL e especialização em Psicologia Sexual (2020) na instituição UNYLEYA. Participou como coordenadora discente dos projetos de extensão Mamãe Coruja, Florescer do Ser Humano e Som e Vida. Atua como psicóloga no Instituto Prime. Possui 30 anos de experiência na docência em música, com ênfase no piano clássico, teoria musical e musicalização infantil

Karine Aparecida de Lima, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário (PPGDC) na Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Mestre em Desenvolvimento Comunitário (Unicentro). Possui graduação em Nutrição pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) (2016). Especialização em Nutrição Clínica pelo Centro Universitário Campo Real (2019). Atuação em Nutrição Clínica, Social, Hospitalar, Nutrição Esportiva, Unidades de Alimentação e Nutrição.

Patrícia Lacerda Bellodi, Universidade de São Paulo

Possui Graduação em Psicologia pela Universidade de São Paulo (1989) - Campus Ribeirão Preto, Mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo (1994) e Doutorado em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo (1999). Na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, participou da criação do REPAM (Retaguarda Emocional para o Aluno de Medicina) em 1997, atuando na assistência psicológica aos estudantes durante 18 anos. Foi Professora Adjunta do Departamento de Psiquiatria e Psicologia Médica, responsável pelas Disciplinas de Psicologia do Curso de Graduação em Fonoaudiologia, de 2002 a 2013. Na Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) é Coordenadora do Programa de Tutoria/Mentoring desde seu início em 2000. Na mesma instituição é também Orientadora (Mestrado) no Curso de Pós Graduação do Depto de Medicina Preventiva, na linha de pesquisa "Educação e Comunicação em Saúde". Tem experiência no campo da Psicologia Geral e da Saúde, Educação Médica e Suporte Psicológico a Alunos Universitários, atuando principalmente nas seguintes áreas: Tutoria, Mentoring, Escolha Profissional, Psicoterapia Breve. É autora dos livros O Clínico e o Cirurgião (2001) e Tutoria - Mentoring na Formação Médica (2005), Editora Casa do Psicólogo. Atualmente também é consultora e assessora a implantação de programas de Tutoria/Mentoring para além do campo da Saúde, tendo desenvolvido sistemas de tutoria para o acompanhamento da formação prática de estagiários de Direito.

Emerson Carraro, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Possui graduação em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal de Santa Maria (1999), mestrado (2002) e doutorado (2007) em Infectologia pela Universidade Federal de São Paulo. É professor Associado do curso de Farmácia na Universidade Estadual do Centro-Oeste (PR) e orientador nos programas de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas (associação ampla UNICENTRO/UEPG), o qual já foi vice-coordenador e membro do colegiado, e Pós-Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário, também como membro do colegiado. Atualmente, é o Chefe do Departamento de Farmácia e participa do Núcleo Docente Estruturante (NDE) e do Comitê da Residência Multiprofissional (COREMU). Na Unicentro, já atuou como Diretor de Pós-Graduação institucional, Diretor da Farmácia Escola, chefe do Laboratório Escola, membro do Conselho Universitário (COU), Comitê institucional de Iniciação Científica (CAIC) e Comitê do Programa Institucional de Ações Internacionais. Atua também avaliador de projetos junto a diversos órgão de fomento à pesquisa, como Ministério da Saúde, Fundação Araucária, FAPESC, FAPERGS e FEPPS-RS. Possui convênios com diversos pesquisadores de outras instituições, como UNIFESP, USP, UFSM, UEM e UEPG. Tem experiência também como editor de revistas científicas, coordenação de projetos de pesquisa individuais e institucionais. Sua área de atuação concentra-se em doenças infecciosas, com o estudo de fisiopatogenia das doenças virais, desenvolvimento de novos testes diagnósticos em imunologia, microbiologia e biologia molecular, e estudo de atividade antimicrobiana.

David Livingstone Alves Figueiredo, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (1996), fez Residência Médica em Cirurgia de Cabeça e Pescoço no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (2001) e Mestrado (2004) e Doutorado (2008) em Ciências Médicas pela FMRP-USP. Professor Adjunto, nível D, atualmente exercendo a Chefia do Departamento de Medicina da UNICENTRO e Coordenador do Programa de Residência Médica da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Orientador nos Programas de Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Comunitário e Ciências Farmacêuticas na mesma universidade. Presidente do IPEC-Instituto para Pesquisa do Câncer de Guarapuava. Coordenador da Rede de Estudos Genômicos do Paraná, no âmbito do Novo Arranjo de Pesquisa e Inovação em Genômica (NAPI Genômica). Participa como pesquisador do Grupo Avançado de Pesquisas em Câncer de Cabeça e Pescoço (Projeto GENOPROT-CNPQ) envolvendo o Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do HCFMRP-USP e o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Células-Tronco e Terapia Celular (INCTC) e desenvolve estudos na área de marcadores moleculares no carcinoma de cabeça e pescoço. Cirurgião de Cabeça e Pescoço e tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Cirurgia de Cabeça e Pescoço, atuando principalmente nos seguintes temas: cirurgia da tireoide, câncer de cabeça e pescoço, laringe, traumatologia crânio-maxilo-facial.

References

Agolla, J. E., & Ongori, H. (2009). An Assessment of Academic Stress among Undergraduate Students: The Case of University of Botswana. Educational Research and Reviews, 4(2), 63-70. Disponível em: http://168.167.8.130/handle/10311/837.

Azim, S. R., & Baig, M. (2019). Frequency and perceived causes of depression, anxiety and stress among medical students of a private medical institute in Karachi: a mixed method study. J Pak Med Assoc, 69(6), 840-845. DOI: https://dx.doi.org/10.4135/9781529734348.

Baldassin, S., Martins, L. C., & de Andrade, A. G. (2006). Traços de ansiedade entre estudantes de medicina. Arquivos médicos do ABC, 31(1), 27 - 31. Disponível em: https://nepas.emnuvens.com.br/amabc/article/view/232

Beck A. T., Steer R. A., & Brown G. K. (2006). BDI-II: Inventario de Depressión de Beck: manual. São Paulo: Paidós.

Bergmann, C., Muth, T., & Loerbroks, A. (2019). Medical students’ perceptions of stress due to academic studies and its interrelationships with other domains of life: a qualitative study. Medical education online, 24(1), 1603526. DOI: https://doi.org/10.1080/10872981.2019.1603526.

Bonifácio, S. D. P., Silva, R. C. B. D., Montesano, F. T., & Padovani, R. D. C. (2011). Investigação e manejo de eventos estressores entre estudantes de Psicologia. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 7(1), 15-20. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-56872011000100004.

Carneiro, A. M., & Baptista, M. N. (2012). Desenvolvimento e propriedades psicométricas da Escala de Pensamentos Depressivos-EPD. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 8(2), 74-84. DOI: 10.5935/1808-5687.20120012.

Chojnowska, S., Ptaszyńska-Sarosiek, I., Kępka, A., Knaś, M., & Waszkiewicz, N. (2021). Salivary biomarkers of stress, anxiety and depression. Journal of clinical medicine, 10(3), 517. DOI: https://doi.org/10.3390/jcm10030517.

Coskun, O., Ocalan, A. O., Ocbe, C. B., Semiz, H. O., & Budakoglu, I. (2019). Depression and hopelessness in pre‐clinical medical students. The Clinical Teacher, 16(4), 345-351. DOI: https://doi.org/10.1111/tct.13073.

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). (2009). Levantamento mostra predomínio crescente de mulheres médicas [Web Page].; Disponível em: <http://www.cremesp.org.br/?siteAcao=Jornal&id=1251>.

Dockray, S., & Steptoe, A. (2011). Chronotype and diurnal cortisol profile in working women: differences between work and leisure days. Psychoneuroendocrinology, 36(5), 649-655. DOI: https://doi.org/10.1016/j.psyneuen.2010.09.008.

Dyrbye, L. N., West, C. P., Satele, D., Boone, S., Tan, L., Sloan, J., & Shanafelt, T. D. (2014). Burnout among US medical students, residents, and early career physicians relative to the general US population. Academic medicine, 89(3), 443-451. DOI: 10.1097/ACM.0000000000000134.

Edwards, C. (2012). Sixty years after Hench—Corticosteroids and chronic inflammatory disease. The Journal of Clinical Endocrinology, 97(5), 1443-1451. DOI: https://doi.org/10.1210/jc.2011-2879.

Figueiredo, A. M. D., Ribeiro, G. M., Reggiani, A. L. M., Pinheiro, B. D. A., Leopoldo, G. O., Duarte, J. A. H., ... & Avelar, L. M. (2014). Percepções dos estudantes de medicina da UFOP sobre sua qualidade de vida. Revista Brasileira de Educação Médica, 38(4), 435-443. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022014000400004.

Gonçalves, F. P., Alves, G., Oliveira, F., Antunes, L. A. A., Soares, J. R. A., Perazzo, M. F., ... & Scelza, M. F. Z. (2020). Impact of oral rehabilitation on the quality of life and cortisol levels of geriatric patients. Research, Society and Development, 9(11), e2639119911-e2639119911. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9911.

Harrison, R. F., Debono, M., Whitaker, M. J., Keevil, B. G., Newell-Price, J., & Ross, R. J. (2019). Salivary cortisone to estimate cortisol exposure and sampling frequency required based on serum cortisol measurements. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, 104(3), 765-772. DOI: https://doi.org/10.1210/jc.2018-01172.

Hellhammer, D. H., Wüst, S., & Kudielka, B. M. (2009). Salivary cortisol as a biomarker in stress research. Psychoneuroendocrinology, 34(2), 163-171. DOI: https://doi.org/10.1016/j.psyneuen.2008.10.026.

Huang, L., Thai, J., Zhong, Y., Peng, H., Koran, J., & Zhao, X. D. (2019). The positive association between empathy and self-esteem in Chinese medical students: a multi-institutional study. Frontiers in psychology, Front. Psychol. 10:1921. DOI: 10.3389/fpsyg.2019.01921.

IBM SPSS Statistics. Versão 25. [Software]. 2020. Disponível em: <https://www.ibm.com/support/pages/downloading-ibm- spss-statistics-25>.

Jacobi, F., Höfler, M., Strehle, J., Mack, S., Gerschler, A., Scholl, L., ... & Wittchen, H. U. (2014). Mental disorders in the general population: Study on the health of adults in Germany and the additional module mental health (DEGS1-MH). Der Nervenarzt, 85(1), 77-87. DOI: 10.1007/s00115-013-3961-y.

Jiménez-Ros, A., Carmona-Márquez, J., & Pascual, L. (2019). Pathological Worry in Portugal: The Portuguese Version of the Penn State Worry Questionnaire (PSWQ). The Spanish Journal of Psychology, 22, E63. DOI:10.1017/sjp.2019.61

Junior, D. R., & Vasconcelos, E. (1997). Ansiedade-traço competitiva e atletismo: um estudo com atletas infanto-juvenis. Rev. paul. educ. fís, 6, 148-154. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rpef/article/download/138565/133971/0.

Kessler, R. C., Berglund, P., Demler, O., Jin, R., Merikangas, K. R., & Walters, E. E. (2005). Lifetime prevalence and age-of-onset distributions of DSM-IV disorders in the National Comorbidity Survey Replication. Archives of general psychiatry, 62(6), 593-602. DOI:10.1001/archpsyc.62.6.593

Kjeldstadli, K., Tyssen, R., Finset, A., Hem, E., Gude, T., Gronvold, N. T., ... & Vaglum, P. (2006). Life satisfaction and resilience in medical school–a six-year longitudinal, nationwide and comparative study. BMC medical education, 6(1), 1-8. DOI: https://doi.org/10.1186/1472-6920-6-48.

Kinrys, G., & Wygant, L. E. (2005). Anxiety disorders in women: does gender matter to treatment?. Brazilian Journal of Psychiatry, 27, s43-s50. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-44462005000600003.

La Rosa, J. (1998). Ansiedade, sexo, nível sócio-econômico e ordem de nascimento. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11, 59-70. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-79721998000100004.

Leahy R. L. (2012). Livre de ansiedade. São Paulo: Artmed Editora.

Lins, L., Carvalho, F. M., Menezes, M. S., Porto-Silva, L., & Damasceno, H. (2015). Health-related quality of life of students from a private medical school in Brazil. International Journal of Medical Education, 6, 149. DOI: 10.5116/ijme.563a.5dec.

Lyra, C. S. D., Nakai, L. S., & Marques, A. P. (2010). Eficácia da aromaterapia na redução de níveis de estresse e ansiedade em alunos de graduação da área da saúde: estudo preliminar. Fisioterapia e Pesquisa, 17, 13-17. DOI: https://doi.org/10.1590/S1809-29502010000100003.

Moreira, D. P., & Furegato, A. R. F. (2013). Estresse e depressão entre alunos do último período de dois cursos de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21, 155-162. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692013000700020.

Martins, A. D. F., & Bellodi, P. L. (2016). Tutoría/mentoring: una vivencia de humanización y desarrollo en el curso de medicina. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 20(58), 715-726. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0432.

Miles, S. H. (2005). The Hippocratic Oath and the ethics of medicine. Oxford University Press.

Organização Mundial de Saúde - OMS. (1998). Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation, Geneva, 3-5 Jun 1997. Geneva: World Health Organization. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/63854.

Osse, C. M. C., & Costa, I. I. D. (2011). Saúde mental e qualidade de vida na moradia estudantil da Universidade de Brasília. Estudos de Psicologia (Campinas), 28(1), 115-122. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2011000100012.

Pagnin, D., & De Queiroz, V. (2015). Comparison of quality of life between medical students and young general populations. Education for Health, 28(3), 209. DOI: 10.4103/1357-6283.178599.

Pereira, M. A. D., & Barbosa, M. A. (2013). Teaching strategies for coping with stress–the perceptions of medical students. BMC medical education, 13(1), 1-7. DOI: https://doi.org/10.1186/1472-6920-13-50.

Pereira, S. de S., do Nascimento, M. M., Antonio-Viegas, M. C. R., Morero, J. A. P., Esteves, R. B., Preto, V. A., & Cardoso, L. (2020). Exaustão emocional em profissionais da saúde e sua associação com variáveis interventoras. Research, Society and Development, 9(7), e877974484-e877974484. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4484.

Preto, V. A., Fernandes, J. M., Silva, L. P. da, Reis, J. O. L. dos, Sousa, B. de O. P., Pereira, S. de S., Sailer, G. C., & Cardoso, L. (2020). Common Mental Disorders, Stress and Self esteem in university students in the health field in the last year. Research, Society and Development, 9(8), e844986362. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.6362

Santos, M. M. S., Sampaio, J. M. F., Júnior, F. E. B., de Lima Júnior, J. C. C., Santos, S. M. S., da Silva, S. M., ... & Pereira, D. F. (2020). Avaliação do nível de estresse e perfil social de estudantes de pós-graduação da área da saúde. Research, Society and Development, 9(8), e276985776-e276985776. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i8.5776.

Silva, M. L., Silva, M. L., Silva, A. C. S. P. da, Freitas, Y. J. F. de, Borges, N. M. P., Cruz, M. C. A., Mori, A. S., Macedo, R. M., Garcia, T. R., & Arruda, J. T. (2020). Conditions that interfere with the Medicine students quality of life . Research, Society and Development, 9(11), e2469119640. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9640

Souza, P. A. de, Caligari, M. A. de L. M., Pereira, C. M., Souza, H. C. de, Matos, L. L. P., Sá, F. L. de, Barp, L. W., & Vieira, V. Z. (2020). The Prevalence of Depressive Disorder in Medical students at a University in Santa Catarina. Research, Society and Development, 9(8), e866986283. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.6283.

Rotenstein, L. S., Ramos, M. A., Torre, M., Segal, J. B., Peluso, M. J., Guille, C., ... & Mata, D. A. (2016). Prevalence of depression, depressive symptoms, and suicidal ideation among medical students: a systematic review and meta-analysis. Jama, 316(21), 2214-2236. DOI: 10.1001/jama.2016.17324.

Tempski, P., Bellodi, P. L., Paro, H. B., Enns, S. C., Martins, M. A., & Schraiber, L. B. (2012). What do medical students think about their quality of life? A qualitative study. BMC medical education, 12(1), 1-8. DOI: https://doi.org/10.1186/1472-6920-12-106.

Tian-Ci Quek, T., Tam, W. S., X Tran, B., Zhang, M., Zhang, Z., Su-Hui Ho, C., & Chun-Man Ho, R. (2019). The global prevalence of anxiety among medical students: a meta-analysis. International journal of environmental research and public health, 16(15), 2735. DOI: https://doi.org/10.3390/ijerph16152735.

Watte, A. P., Zuge, S. S., Morari, D. L., Martins, R. S., & de Brum, C. N. (2022). Ações de educação em saúde relacionadas ao contexto biopsicossocial e qualidade de vida de estudantes universitários em tempos da COVID-19: relato de experiência. Research, Society and Development, 11(7), e41611730267-e41611730267. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30267.

Whirledge, S., & Cidlowski, J. A. (2013). A role for glucocorticoids in stress-impaired reproduction: beyond the hypothalamus and pituitary. Endocrinology, 154(12), 4450-4468. DOI: https://doi.org/10.1210/en.2013-1652.

Published

02/07/2022

How to Cite

FIGUEIREDO , D. S. .; LIMA, K. A. de .; FIGUEIREDO , F. N. da S. .; BELLODI, P. L. .; PORFÍRIO, G. B. .; CARRARO, E. .; FIGUEIREDO, D. L. A. . The first year of the rest of our lives: Mental health of medical students. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e4811931651, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.31651. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/31651. Acesso em: 5 oct. 2022.

Issue

Section

Health Sciences