The representation of linguistic variations in the speech by Chico Bento, by Mauricio de Sousa

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.31980

Keywords:

Linguistic prejudice; Linguistic variation; Strip genre; Chico Bento.

Abstract

It is known that linguistic variations are intrinsic phenomena to languages, and that it is a process resulting from the diversity and constitution of human communities. Therefore, the present work has as general objective to analyze the linguistic variety in the speech of the character Chico Bento, in the strips of Maurício de Sousa, in addition to discussing linguistic prejudice and how the teacher can act in the classroom. This debate is important in all social spaces, especially in the school environment, since linguistic varieties are present in the mother tongue, in the most varied spaces and contexts. This bibliographic work analyzed the linguistic varieties present in Chico Bento's. Chico Bento's speech was chosen because it presents the diatopic variation, a colloquial language typical of the rural area, in which “lh” is exchanged for “i”. It was found that working on linguistic variation in the classroom is a fundamental role of the Portuguese language teacher, because, in this way, it allows the student to reflect on the differentiated use that should be made of the language in certain situations.

References

Andrade, M. (2007). Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. (5a ed.), Atlas.

Bagno, M. (2003). Preconceito linguístico: o que é como se faz. Loyola.

Bagno, M. (2013). A língua de Eulália: novela sociolinguística. (17a ed.), Contexto.

Bagno, M. (2003). A norma oculta: língua & poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola. Editorial.

Bagno, M. (Org.). (2001). Norma linguística. Loyola.

Bakhtin, M. (1996). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais no método sociológico na ciência da linguagem. 8. ed. São Paulo: Hucitec.

Bakhtin, M. Estética da criação verbal. Trad. Maria E. G. G. Pereira. (2003). (2a ed.), Martins Fontes.

Bechara, E. O ensino da gramática: Opressão? Liberdade? (2006). (12a ed.), Ática.

Bortoni-Ricardo, S. M. (2005). Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística na sala de aula. São Paulo, Parábola Editorial.

Bortoni-Ricardo, S. M. (2014). Manual de Sociolinguística. Contexto.

Bortoni-Ricardo, S. M. (2008). O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. Parábola Editorial.

Brasil, Secretaria de Educação Fundamental. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais. MC/SEF, 1998.

Bright, W. (1966). Sociolinguística. Mouton: The Hague.

Cagliari, L. C. (2003). Alfabetização e linguística. (10a ed.), Editora Scipione.

Calvet, L. J. (2002). Sociolinguística: uma introdução crítica. Tradução Marcos Marcionilo. Parábola.

Camacho, R. (2001). Sociolinguística. In: Introdução à linguística: domínios e fronteiras. Cortez.

Costa, C. S. M. (2008). Variação linguística e interdisciplinaridade: uma nova abordagem da linguagem e da educação. In: lima, M. A. Ferreira., Alves Filho, F., carvalho, M. do S. F. (orgs.). Olhos espraiados: linguagem e literatura ao sol. Teresina: Ed. do autor.

Costa, C. S. M. (2010). Oralidade e Letramento: uma forma de exclusão social? In: lima, M. A. F.; costa, C. S. M. da.; Alves Filho, F. (orgs.). Reflexões linguísticas e literárias aplicadas ao ensino. EDUFPI.

Crystal, D. (1988). Dicionário de linguística e fonética. Dias, M (Trad). Jorge Zahar.

Damasceno, M. F. C. (2012). A vogal átona final no falar dos picoenses: uma investigação sociolinguística. Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade Federal do Piauí.

Elia, S. (1987). Sociolinguística: uma introdução. Padrão (Universidade Federal Fluminense - EDUFF).

Goldenberg, M. (1999). A arte de pesquisar. Record.

Ludke, M.; André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. E.P.U. 99p.

Marconi, M. A.; lakatos, E. M. (2017). Fundamentos de metodologia científica. (8a ed.), Atlas.

Marcuschi, L.A. (2002). Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: Gêneros textuais e ensino. Lucena.

Marcuschi, L.A. (2008). Produção textual, análise de gêneros e compreensão. Parábola Editorial.

Marcuschi, L. A. (2005). Gêneros textuais: definições e funcionalidade. In: Dionisio, Â. P.; Machado, A. R.; Bezerra, M. A. (Org). Gêneros textuais & ensino. (4a ed.), Lucerna.

Monteiro, J. L. (2000). Para compreender Labov. Vozes.

Possenti, S. (2002). Por que (não) ensinar Gramática na escola. Campinas: Mercado de Letras.

Preti, D. (2000). Sociolinguística: os níveis de fala - um estudo sociolinguístico do diálogo na literatura brasileira. USP.

Santos, R. E. (2008). A História em Quadrinhos na Sala de Aula. In: Sociedade brasileira de estudos interdisciplinares da comunicação.

Saussure, F. (2006). Curso de linguística geral. Editora Cultrix.

Published

13/07/2022

How to Cite

DAMASCENO, M. F. de C. .; SAMPAIO, R. C. de S. . The representation of linguistic variations in the speech by Chico Bento, by Mauricio de Sousa. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e38511931980, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.31980. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/31980. Acesso em: 29 sep. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences