Educational apps as pedagogical support for autism spectrum disorders: an integrative review of Brazilian productions from 2017 to 2022

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.32076

Keywords:

Autism; Games; Learning; Teaching.

Abstract

In view of the techno-educational scenario, the study analyzes Brazilian scientific productions about educational applications as pedagogical support for people with Autism Spectrum Disorder (ASD). The methodology used to search for scientific research was carried out in the database of the CAPES portal and Google Scholar® with the following terms “applications” 'and' 'TEA', 'literacy' 'and' 'digital accessibility'; and to identify the educational applications, a search was carried out for Android mobile devices, using the descriptors “autism” 'or' “autistic spectrum disorder” on Google play. In the collection of scientific productions, inclusion criteria were used, such as: Portuguese language and others, and for the search of the apps, those that had a “four stars more” evaluation were selected, thus the exclusion criteria: other deficiencies. For data analysis, the PRISMA2020 software was used, generating eligibility in the literature review. The results are demonstrated in a qualitative and quantitative way from the analysis and discussion of the 16 scientific productions found and the compilation of findings, and educational applications for ASD in the area of literacy teaching in the last five years, confirming the need for more studies and development of applications aimed at the singularities of TEA. It is expected to emphasize the importance of the development and use of educational applications for the intervention and learning of people with this neurodevelopmental disorder, becoming of great value in the area of ​​education, health and information technology, and above all to people with ASD and their families.

Author Biographies

Fernanda Aline Costa França, Instituto Federal do Maranhão

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT), ofertado em Rede Nacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) com Área de Concentração em Ensino, Linha de Pesquisa em Práticas Educativas em Educação Profissional e Tecnológica, e Macroprojeto em Inclusão e Diversidade em espaços formais e não formais de ensino na Educação Profissional e Tecnológica. Especialista em Educação Inclusiva pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e Pós-graduada em Psicopedagogia pela Faculdade Laboro, e em Análise Aplicada do Comportamento (ABA) para Deficiência Intelectual (DI) e Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) pelo Child Behavior Institute of Miami (CBI of Miami). Graduada em Pedagogia pela Universidade Ceuma. Membro do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH). Professora efetiva do Atendimento Educacional Especializado (AEE) da Prefeitura de Paço do Lumiar e da Prefeitura de São Luís. Atualmente, compõe a Equipe Técnica da Educação Especial na Secretaria Municipal de Educação (SEMED) de Paço do Lumiar. É Conselheira Titular do Conselho dos Direitos das Pessoas com Deficiência de Paço do Lumiar (COMPEDE). E atua em Sala de Recursos de Educação Profissional com estudantes com Deficiência no "Programa Oportunizar" da Prefeitura de São Luís. Cofundadora da Loop-Educação. Tem experiência na intervenção com crianças dentro do quadro dos Transtornos do Espectro Autista (TEA) e com atrasos do neurodesenvolvimento na área da Educação Inclusiva, da ABA para DI e TEA e da Educação Profissional e Tecnológica.

Francisco Adelton Alves Ribeiro, Instituto Federal do Maranhão

Doutor em Biotecnologia com área de concentração em Biotecnologia com área de concentração em Saúde e Linha de Pesquisa em Processamento de Imagens pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO)/Universidade Federal do Piauí (UFPI). Mestre em Engenharia da Computação e Sistemas com Área de Concentração em Tecnologia da Informação e Linha de Pesquisa em Tecnologia da Informação pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Especialista em Docência do Ensino Superior pelo Centro Universitário Integral Diferencial (UniFacid). Especialista em Redes de Computadores pelo Centro Universitário Santo Agostinho (UNIFSA). Bacharel em Sistemas de Informação pelo Centro Universitário Integral Diferencial (UniFacid). Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) e Docente Permanente do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) ofertado em Rede Nacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA). Líder do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH). Autor de Programas de Computadores com registro no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). Atualmente bolsista de Estimulo da Produtividade em Pesquisa na Modalidade Jovem Doutor (FAPEMA).

Álvaro Itaúna Schalcher Pereira, Instituto Federal do Maranhão

Bolsista de Estímulo da Produtividade em Pesquisa na Modalidade Jovem Doutor (FAPEMA). Doutor em Engenharia e Ciência de Alimentos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). MBA em Gestão de Ensino de Ciências, Tecnologia e Inovação pela Faculdade Integrada Metropolitana de Campinas. Mestre em Química, Especialista em Informática na Educação e Graduado em Licenciatura Plena em Química todos pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA). Líder do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH). Docente Permanente do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) ofertado em Rede Nacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA).

Adriana Alves da Silva Chaves, Instituto Federal do Maranhão

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT), ofertado em Rede Nacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) com Área de Concentração em Ensino ,Linha de pesquisa em Práticas Educativas em Educação Profissional e Tecnológica, e Macro projeto em Educação Profissional Inclusiva: Praticas Pedagógicas com o Uso das Tecnologias digitais no Ensino Médio Integrado. Possui pós graduação em Terapia Intensiva para Enfermagem, Gestão e Auditoria em Serviços Públicos .Graduada em Pedagogia pela Faculdade Latino Americana de Educação (2013) e em Bacharelado em Enfermagem pelo Centro Universitário UNINOVAFAPI (2006).Enfermeira Auditora com mais de 10 anos com experiência em Auditoria, Gestão e Promoção de Saúde. Experiência em promoção da saúde e qualidade. Como Auditora têm ênfase em gestão , ANS ,ROL ,e ANVISA,CBHPM dentre outros processos de auditoria e gestão de OPME. Coordenadora de Enfermagem em Auditoria .Integrante do Desenvolvimento em Planejamento estratégico tendo como norteador a missão e visão da organização e desmembramento do planejamento em projetos e ações disseminadas nas áreas táticas e operacionais. Visão analítica ,sistêmica e corporativa ,com foco em resultados .Docente nas áreas da EDUCAÇÃO e ENFERMAGEM . Tem experiência na área de Enfermagem e Pedagógicas com ênfase em Enfermagem e Educação. Membro do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológica (CNPQ) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH). de Alimentos ,Pedagoga do IFMA ,Campus Timon.

Luciana Valéria Leão Lima, Instituto Federal do Maranhão

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT), ofertado em Rede Nacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) com Área de Concentração em Ensino, Linha de Pesquisa em Práticas Educativas em Educação Profissional e Tecnológica, e Macroprojeto em Prática Educativas no Currículo Integrado.Especialista em Gestão Estratégica de Instituições de Educação Profissional e Tecnologia pela Faculdade de Tecnologia SENAI/SC - Florianópolis e em Gestão Educacional Integradora pela Faculdade Atenas Maranhense - FAMA. Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Maranhão ,Membro do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH).Tem experiência em Gestão Empresarial e Educacional,Educação Básica em Tempo Integral, Educação Profissional, Educação Básica articulada à Educação Profissional, Educação à Distância para formação de Professores e Gestores ( Programas SENAI para uma nova Indústria e Educação a Distância SENAI) Educação de Jovens e Adultos, Empreendedorismo, Inovação Tecnológica e em Gestão de Programas e Projetos ligados a Educação e ao Desenvolvimento Regional adquirida pela vivencia de 18 anos em atividade estratégica e técnico-profissional na Federação da Indústria do Estado do Maranhão nas entidades Instituto Euvaldo Lodi - IEL, Serviço Social da Indústria - SESI e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI.

Rainan Carneiro Araújo, Instituto Federal do Maranhão

Graduando em Ciência da Computação no Instituto Federal de Educação e Ciência e Tecnologia do Maranhão - Campus Caxias. Técnico em Informática (IFMA). Autor de Programas de Computadores com registro no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). Atualmente bolsista CNPq. Membro do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH). Experiência com desenvolvimentos de projetos front-end principalmente em Web e Mobile, na qual desde 2018 participa de projetos acadêmicos juntamente ao IFMA.

Pedro Lucas Souza Carneiro, Instituto Federal do Maranhão

Graduando em Ciência da Computação no Instituto Federal de Educação e Ciência e Tecnologia do Maranhão - Campus Caxias. Técnico em Informática (IFMA). Autor de Programas de Computadores com registro no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). Integrante do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH). Experiência em projetos de desenvolvidos em Backend e Mobile e na área de Computação em geral.

References

American Psychiatric Association. (2014). DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Artmed Editora.

Angeluci, A. C. B., & Baena, P. M. F. (2019). Tecnologia para uma prática pedagógica inclusiva: o uso do aplicativo Open Office Writer. Textura-Revista de Educação e Letras, 21(46).

Araújo, G. S., & Seabra Junior, M. O. (2021). Elementos fundamentais para o design de jogos digitais com o foco no treino de competências e habilidades de estudantes com transtorno do espectro autista: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 102, 120-147.

Barreto, S. R. S. (2021). Prototipagem de um ambiente virtual de aprendizagem para auxiliar o desenvolvimento cognitivo de crianças com transtorno do espectro autista.

Branco, K. D. S. C., da Silva Pinheiro, V. M., Damian, A. L., & dos Santos Marques, A. B. (2021). Como o uso de aplicativos móveis educacionais impacta o cotidiano de crianças autistas? Uma avaliação por meio de diários de usuário. Revista Brasileira de Informática na Educação, 29, 1107-1136.

Brasil, C., & Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 134(248), 2783427841-2783427841.

Brasil. (2000). Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2-2.

Brasil. (2012). Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3º do art. 98 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Diário Oficial da União, 2-2.

Becker, M. M., Medeiros, I. J. S., & Lamazon, V. L. (2020). O uso das tecnologias digitais acessíveis como estratégia de aprendizagem no atendimento educacional especializado-AEE. Revista Gepesvida, 5(13).

Britto, T. C. P. (2016). GAIA: uma proposta de guia de recomendações de acessibilidade web com foco em aspectos do autismo.

Britto Pichiliani, Talita Cristina Pagani (2020). Gaia: um guia de recomendações sobre design digital inclusivo para pessoas com autismo. 1. ed. Curitiba: Appris.

Britto, T. C. P., & Pizzolato, E. B. (2014). Proposta de guidelines de interfaces com foco em aspectos do autismo. In Companion Proceedings of the 13th Brazilian Symposium on Human Factors in Computing Systems (pp. 37-40).

Caldwell, B., Cooper, M., Guarino Reid, L., & Vanderheiden, G. (2008, 11 de dezembro). Web Content Accessibility Guidelines (WCAG) 2.0. World Wide Web Consortium (W3C). https://www.w3.org/TR/WCAG20/

Cavalcanti, R. S., & de Carvalho, L. A. (2021). Ferramentas educacionais digitais para crianças autistas. Research, Society and Development, 10(10), e248101018823-e248101018823.

da Silva Fernandes, F. L., & da Silva, H. R. (2017). Inclusão digital e educação: possibilidades e desafios para tecnologia da informação na escola. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, 1(Esp).

da Silva, A. R. L., Catapan, A. H., da Silva, C. H., Reategui, E. B., Spanhol, F. J., Golfetto, I. F. & Sartori, V. (2014). Gamificação na educação. Pimenta Cultural.

de Sousa, A. S., de Oliveira, G. S., & Alves, L. H. (2021). A pesquisa bibliográfica: princípios e fundamentos. Cadernos da FUCAMP, 20(43).

de Souza, A. C., Benitez, P., & dos Santos Carmo, J. (2021). Diretrizes de acessibilidade de interfaces digitais para pessoas com Transtorno do Espectro Autista: uma revisão integrativa de literatura. Revista Educação Especial, 34, 1-21.

de Oliveira-Franco, C. R., & Rodrigues, O. M. P. R. (2019). Conhecimento dos profissionais de educação infantil sobre o transtorno do espectro autista. Educação: Teoria e Prática, 29(61), 494-512.

de Freitas Reis, M. B., de Souza, C. S. M., & dos Santos, L. C. (2020). Tecnologia assistiva em dispositivos móveis: aplicativos baseados no teacch como auxílio no processo de alfabetização com crianças autistas. EccoS–Revista Científica, (55), 10652.

Dias, G. L. (2022). Desenvolvimento de uma cartilha digital sobre acessibilidade web.

França, G. & Pinho, K. R. (2020). Autismo: Tecnologias e formação de professores para a escola pública. Palmas: i-Acadêmica.

Fernandes, M., & Nohama, P. (2020). Jogos Digitais para Pessoas com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA): Uma Revisão Sistemática. Revista Iberoamericana de Tecnología en Educación y Educación en Tecnología, (26), 72-80.

Haddaway, N.R., McGuinness, L. A., & Pritchard, C. C. (2021). PRISMA2020: Pacote R e ShinyApp para produção de diagramas de fluxo compatíveis com PRISMA 2020.

Leach, C. (2010). The use of Smartboards and bespoke software to develop and deliver an inclusive, individual and interactive learning curriculum for students with ASD. Journal of Assistive Technologies, v. 4, n. 1, p. 54-57, 2010.

Liberalesso, P., & Lacerda, L. (2020). Autismo: compreensão e práticas baseadas em evidências. Marcos Valentin de Souza.

Lucian, B. O., & Stumpf, A. (2019). Análise de aplicativos destinados ao aprendizado de crianças com transtorno do espectro autista. Design E Tecnologia, 9(19), 43-65. https://doi.org/10.23972/det2019iss19pp43-65.

Maenner MJ, Shaw KA, Bakian AV, et al. Prevalência e Características do Transtorno do Espectro Autista Entre crianças de 8 anos — Rede de Monitoramento de Autismo e Deficiências, 11 Locais, Estados Unidos, 2018. MMWR Surveill Summ 2021;70(Nº. SS-11):1-16. DOI: http://dx.doi.org/10.15585/mmwr.ss7011a1.

MJ, Moher D, Bossuyt PM, Boutron I, Hoffmann TC, Mulrow CD, et al. (2021). PRISMA 2020 explicação e elaboração: orientação atualizada e exemplares para relatórios de revisões sistemáticas. BMJ 2021;372:n160. doi: 10.1136/bmj.n160.

Paiva Júnior, J. (2014). Casos de autismo sobem de 1 para cada 68 crianças. Revista Autismo. Recuperado em: http://www.revistaautismo.com.br. Acesso em: 29 abr. 21.

Pereira, V. G. R. (2021). Uso do Design Thinking no desenvolvimento de protótipos para crianças com TEA.

Pletsch, M. D., de Souza, I. M. D. S., Rabelo, L. C. C., Moreira, S. C. P. C., & de Assis, A. R. (2019). Acessibilidade e Desenho Universal na Aprendizagem.

Pontes, E. L. F., Kleparde, A. A., Silva, T. P., Puggina, A. C. G., Apostolico, M. R., & Pina-Oliveira, A. A. (2019). Tecnologias Digitais e Recursos Físicos Na Abordagem de Crianças Com Transtorno do Espectro Autista. Revista Saúde-UNG-Ser, 12(3/4), 68-74.

Portal, I.S. 25000. (2014). ISO/IEC, 25000. Recuperado em https://www.iso.org/standard/64764.html.

Reis, Marlene Barbosa de Freitas; Souza, Carla Salomé Margarida de; Santos, Lilian Cristina dos (2020). Tecnologia Assistiva em dispositivos móveis: aplicativos baseados no TEACCH como auxílio no processo de alfabetização com crianças autistas. Eccos -Revista Cientifica, São Paulo, n. 55, p. 1-17, e10652, out./dez. 2020. Disponível em:https://doi.org/10.5585/eccos.n55.10652.

Rezende, L. F., & de Souza, C. J. (2021). O trabalho pedagógico e a inclusão escolar para crianças com transtorno do espectro do autismo (TEA). Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 10(13), e460101321486-e460101321486.

Rodrigues, B. F. (2018). Avaliação de aplicativos para pessoas com transtorno do espectro autista da comunidade russana.

Rodrigues, M. E. M. (2019). Investigação de metodologias de design de interface com foco na acessibilidade de pessoas com transtorno do espectro autista.

Santiago, M. T. D. L. (2021). Avaliação de acessibilidade com base em revisões de usuários na Google Play Store.

Souza, A. C., de Benitez, P., & Carmo, J. dos S. (2021). Diretrizes de acessibilidade de interfaces digitais para pessoas com Transtorno do Espectro Autista: uma revisão integrativa de literatura. Revista Educação Especial, 34, e29/1–21. https://doi.org/10.5902/1984686X62649.

Souza, A. C. D., & Silva, G. H. G. D. (2019). Incluir não é Apenas Socializar: as contribuições das tecnologias digitais educacionais para a aprendizagem matemática de estudantes com transtorno do espectro autista. Bolema: Boletim de Educação Matemática, 33, 1305-1330.

Souza, Marcela Tavares de, Silva, Michelly Dias da & Carvalho, Rachel de. (2010). Integrative review: what is it? How to do it?. Einstein [online]. São Paulo, v. 8, n. 1 [Accessed 01 June 2022], pp. 102-106. Available from: <https://doi.org/10.1590/S1679-45082010RW1134>. ISSN 2317-6385. https://doi.org/10.1590/S1679-45082010RW1134.

Published

15/07/2022

How to Cite

FRANÇA, F. A. C.; RIBEIRO, F. A. A.; PEREIRA, Álvaro I. S.; CHAVES, A. A. da S. .; LIMA, L. V. L.; ARAÚJO, R. C. .; CARNEIRO, P. L. S. Educational apps as pedagogical support for autism spectrum disorders: an integrative review of Brazilian productions from 2017 to 2022. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e44211932076, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.32076. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32076. Acesso em: 25 sep. 2022.

Issue

Section

Education Sciences