Concept maps as a tool to help improve the quality of elementary school final years

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.32208

Keywords:

Concept Maps; Teaching-Learning; Quality; Construction of knowledge; Last years of primary.

Abstract

The present study sought to demonstrate the possibilities regarding the use of Concept Maps in the Final Years of Elementary School, aiming at increasing the quality of teaching offered, as well as the impacts on meaningful learning and on the process of knowledge construction. A bibliographic research was carried out, with the aim of forming a theoretical basis on Conceptual Maps and their relationship with the teaching-learning process and with the protagonism of students in the construction of knowledge. Through the review, it was possible to observe that Concept Maps can act as an aid tool and a facilitator, whether for students or teachers.

References

Ausubel, D. P., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1968). Educational psychology: A cognitive view (Vol. 6): holt, rinehart and Winston.

Ausubel, D. P., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1976). Psicología educativa: un punto de vista cognoscitivo (Vol. 3): Trillas.

Ausubel, D. P. (2000). Aquisição e retenção de conhecimentos: Uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano. Tradução de Lígia Teopisto et al. do original The Acquisition and retention of knowledge: A Cognitive view.

Ausubel, D. P. (2003). Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva (Vol. 1, pp. p-243). Lisboa.

Ausubel, D. P., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1968). Educational psychology: A cognitive view (Vol. 6). New York: holt, rinehart and Winston.

Ausubel, D. P., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1980). Psicologia educacional. Interamericana.

Barroso, J. J., & Viseu, S. (2006). A regulação das políticas públicas de educação: espaços, dinâmicas e actores. Educa/Unidade de I&D de Ciências da Educação.

BRASIL. Lei n. 11.114, de 16 de maio de 2005. Altera os arts. 6o, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com o objetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 maio 2005. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11114.htm>.

BRASIL. Lei n. 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 fev. 2006. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm>.

Camargo, R. B. D., Oliveira, J. F. D., Cruz, R. E. D., & Gouveia, A. B. (2006). Problematização da qualidade em pesquisa de custo-aluno-ano em escolas de educação básica: relatório de pesquisa.

Camillo, C. M. (2021). Neurociência e a aprendizagem no ensino Ciências. Research, Society and Development, 10(6), e20510615721-e20510615721.

Camillo, C. M., Graffunder, K. G., & Sepel, L. M. N. (2021). Análise da abordagem interdisciplinar e contextualizada na área de ciências naturais em livros didáticos do 9º ano. Research, Society and Development, 10(11), e471101119905-e471101119905.

Davis, C. L. F., Tartuce, G. L. B. P., Nunes, M. M. R., Almeida, P. D., Silva, A. D., Costa, B. D. O., & Souza, J. D. (2012, July). Anos finais do ensino fundamental: Aproximando-se da configuração atual. In Congresso de Educação Básica da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. http://www. pmf. sc. gov. br/arquivos/arquivos/pdf/14_02_2013_16 (Vol. 35).

Dourado, L. F.; Oliveira, J. F. (2009). Cad. Cedes, Campinas 29(78), 201-215, maio/ago.

Estrela, C. (2018). Metodologia científica: ciência, ensino, pesquisa. Artes Médicas.

Fernández, A., & Ginoris, O. (1998). Didáctica y optimización del proceso de enseñanza-aprendizaje. La Habana: Instituto Pedagógico Latinoamericano y Caribeño.

Freire, P. (1996). Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra.

Góis, A. R., da Silva Góis, C. G., & Barbosa, P. F. C. (2021). Mapa conceitual no ensino presencial ao remoto durante a pandemia do coronavírus: relato de experiência. Research, Society and Development, 10(3), e59210313795-e59210313795.

Gomes, P. J. (2004). A evolução do conceito de qualidade: dos bens manufacturados aos serviços de informação. Cadernos Bad, 2004(2), 6-18.

Köche, J. C. (2016). Fundamentos de metodologia científica. Editora Vozes.

Lemos, E. (2006). A aprendizagem significativa: estratégias facilitadoras e avaliação. Série-Estudos-Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB.

Libâneo, J. C. (1994). Didática. Cortez.

Lopes, R. C. S. A relação professor aluno e o processo ensino aprendizagem. 2009. <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1534-8.pdf>.

Ludke, M., & Andre, M. E. D. A. (2013). Pesquisas em educação: uma abordagem qualitativa. E.P.U.

Lusch, R. F., & Nambisan, S. (2015). Service innovation. MIS quarterly, 39(1), 155-176.

Machado, N. J. (2007). Qualidade da educação: cinco lembretes e uma lembrança. Estudos Avançados, 21, 277-294.

Mansutti, M. A., Zelmanovits, M. C., de Carvalho, M. D. C. B., & Guridi, V. (2007). Especial: estudo CENPEC Educação na segunda etapa do ensino fundamental. Cadernos Cenpec| Nova série, 2(4).

Mapeli, G. Z., da Silva, J. C., & Paranhos, R. M. (2021). Favorecimento de um trabalho interdisciplinar mediante elaboração de mapa conceitual e projeto elétrico residencial. Research, Society and Development, 10(3), e15310313296-e15310313296.

Moreira, M. A. A Teoria de Ausubel. In: Correia, P. (1999). Aprendizagem significativa.

Moreira, M. A. (2006). Mapas conceituais e diagramas V.: Ed. do Autor, 103.

Moreira, M. A. (2011). Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. Editora livraria da física.

Moreira, M. A., Sahelices, M. C. C., & Palmero, M. L. R. (2004). Aprendizaje significativo: interacción personal, progresidad y lenguaje. Universidad de Burgos.

Novak, J. D. (1977). Uma Teoria de Educação (trad.). São Paulo, Livraria Pioneira Editora.

Novak, J. D. (2003). The promise of new ideas and new technology for improving teaching and learning. Cell biology education, 2(2), 122-132.

Novak, J. D., & Musonda, D. (1991). A twelve-year longitudinal study of science concept learning. American educational research journal, 28(1), 117-153.

Novak, J. D., & Gowin, D. B. (1999). Mapas conceptuais para a aprendizagem significativa. Aprender a Aprender: Plátano Edições Técnicas, pág, 30.

Pasini, C. G. D., Carvalho, E., & Almeida, L. H. C. (2020). A educação híbrida em tempos de pandemia: algumas considerações, Observatório Socioeconômico da COVID-19. <https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/820/2020/06/Textos-para-Discussao-09-Educacao-Hibrida-em-Tempos-de-Pandemia.pdf>.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM. 119p.

Pereira, N. R., dos Santos Medeiros, S. L., & Nascimento, J. A. (2021). Mapas conceituais como estratégias no ensino remoto e os desafios dos estudantes nesta modalidade no Curso Técnico em Agropecuária integrado do IFMG-Campus Bambuí. Research, Society and Development, 10(9), e34610917284-e34610917284.

Neto, J. A. D. S. P. (2013). Teoria da aprendizagem significativa de David Ausubel: perguntas e respostas. Série-Estudos-Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB.

Rego, T. C. (2013). Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Editora Vozes Limitada.

Reeves, C. A., & Bednar, D. A. (1994). Defining quality: alternatives and implications. Academy of management Review, 19(3), 419-445.

Slack, N., Chambers, S., & Johnston, R. (2009). Administração da produção (Vol. 2): Atlas.

Silveira, R. J. T. (1995). O professor e a transformação da realidade. Nuances: estudos sobre Educação, 1(1).

Tolfo, C. (2020). Concept Maps and promoting active classroom participation. Research, Society and Development, 9(1), 69911630.

UNESCO. (2021). Monitoramento dos objetivos de educação para todos no Brasil – Representação da UNESCO no Brasil. São Paulo: Moderna, 2010b <http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001899/189923por.pdf>.

UNESCO. (2020). A Comissão Futuros da Educação da Unesco apela ao planejamento antecipado contra o aumento das desigualdades após a COVID-19. Paris: Unesco, 16 abr. 2020. https://pt.unesco.org/news/comissao–futuros–da–educacao–da–unesco–apela–ao–planejamento–antecipado–o–aumento–das.

Vasconcelos, M. L. M. C., & Brito, R. H. P. D. (2014). Conceitos de educação em Paulo Freire. Ed. Vozes: Mack Pesquisa-Fundo Mackenzie de Pesquisa, 196.

Published

19/07/2022

How to Cite

LAMAS, R.; SEABRA, J. de A. Concept maps as a tool to help improve the quality of elementary school final years. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e56911932208, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.32208. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32208. Acesso em: 10 aug. 2022.

Issue

Section

Education Sciences