The effect of health education actions on the self-care of elderly participants at the University of Maturity: a quasi-experimental study

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32261

Keywords:

Elderly; Self-care; Lifelong learning; Health education.

Abstract

Health education interventions aimed at the elderly, in turn, need methodologies that are more structured and adapted to the context of the elderly. It is believed that when this interest is not aroused, there is little interest and participation. For this reason, we aim to evaluate the impact of a health education proposal on the engagement of self-care in elderly people who are part of a lifelong learning project. For this, a socioeconomic and self-care assessment questionnaire was applied to the Appraisal of Self-Care Agency Scale in 14 seniors at the University of Maturity after 06 meetings. The evaluation of the workshops took place through a semi-structured questionnaire at the end of each one. Improvements were found in the ASA-A score for elderly females (p=0.040) who had more than high school education (p=0.047); part of these elderly people considered the classes as very important (p=0.001), with reports that they understood the content taught and that the speakers were able to pass on all or a good part of the content with adequate time (p=0.001). In this way, carrying out educational interventions through a methodology adapted to the group profile can provide an increase in the engagement for self-care in the elderly. Among the factors that can interfere in this change of engagement are: gender and level of education.

References

Almeida, M. F., Barata, R. B., Monteiro, C. V., & Silva, S. P. (2002). Prevalência de doenças crônicas autorreferidas e utilização de serviços de saúde, PNAD/1998, Brasil. Ciência e Saúde coletiva. Rio de Janeiro, 7(4), 743-56.

Almeida, M. L. F. (2016). Autocuidado e promoção da saúde do idoso contributo para uma intervenção em enfermagem. Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar Porto.

Cachioni, M., Ordonez, T. N., Batistoni, S. S. T., & Silva, T. B. L. (2015). Metodologias e estratégias pedagógicas utilizadas por educadores de uma Universidade Aberta à Terceira Idade. Educação & Realidade. Porto Alegre, 40(1), 81-103.

Calado, M., Pedrosa, S., Amendoeira, J., Ferreira, R., & Silva, M. (2020). Promoção do autocuidado à pessoa diabética tipo 2 na prevenção do pé diabético. Rev. UIIPS – Unidade de Investigação do Instituto Politécnico de Santarém, 8(1), 92-202.

Data Senado. (2019). Relatório de dados socioeconômicos e demográficos do estado do Tocantins. Relatório técnico, Senado Federal.

Des Jarlais, D. C., Lyles, C., & Crepaz, N. (2004). The TREND Group Improving the reporting quality of nonrandomized evaluations of behavioural and public health interventions: the TREND statement. Am. J. Public Health, 361-366.

Dawalibi, N. W., Goulart, R. M. M., & Prearo, L. C. (2014). Fatores relacionados à qualidade de vida de idosos em programas para a terceira idade. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 9(8), 3505-3512.

Envelhecimento Ativo. Revista de Política Social n.º 45. https://cidadaniaemportugal.pt/wp-content/uploads/recursos/eapn/Rediteia%20-%20Envelhecimento%20Ativo.pdf#page=55.

Fleury, L. (2019). Feminização da velhice: uma questão masculina. Revista aptare. http://revistaaptare.com.br/2019/03/08/feminizacao-da-velhice-uma-questaomasculina/.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Bacional por Amostra de Domicílios Contínua. https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/ media/com_mediaibge/arquivos/a7d023687b221aafb0364f56cad94367.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Sociais. (2010). https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9221-sintese-de-indicadores-sociais.html?=&t=downloads.

Lana, C. P. D., Oliveira, B. P., Oliveira, L. L. M., & Viana, S. O. (2018). Perfil clínico e sócio demográfico dos idosos participantes de um programa de universidade aberta ao idoso. Sinapse Múltipla, 7(2), 206-210.

Jacob, L. (2012). Envelhecimento Ativo: A aprendizagem ao longo da vida e a formação para seniores. Rediteia, Revista de Política Social, 45, 53.

Mallmann, D. G., Galindo, N. M., Sousa, J. D., & Vasconcelos, E. M. R. D. (2015). Health education as the main alternative to promote the health of the elderly. Ciencia & saude coletiva, 20, 1763-1772.

Miranda, G. M. D., Mendes, C. G., & Silva, A. L. A. (2016). O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, 19(3), 507-519.

Nalle, C. J., Passador, C. S., Iannetta, O., & Oliveira, L. R. (2013). Considerações sobre custo-benefício nas políticas de saúde: tratamento curativo versus o preventivo da osteoporose. Saúde e Sociedade, 22(4), 1132-1144.

Nicolato, F. V., Santos, C. M., & Castro, E. A. B. (2017). Autocuidado e vivências do envelhecer de cuidadores familiares de idosos: contribuições para enfermagem gerontológica. Tempus, Actas de Saúde Colet, 11(1), 169-186.

Neto, L. S. S., & Osório, N. B. (2017). Educação na velhice? Uma história de 11 anos na Universidade Federal do Tocantins. Revista Desafios, 4(3), 01-02.

Neto, L. S. S., Sera, E., Oliveira, D. C., Santos, C. A., & Osório, N. B. (2020). Education and health for the elderly: an experience report of the Umanizando in times of COVID-19 project. Revista Observatório, 6(3), 1-9.

Nunes, D. P., & Rodrigues, B. G. (2017). Demografia e envelhecimento do município de Palmas, Tocantins. Congresso Internacional de Envelhecimento Humano - V. Anais V CIEH, Editora Realize.

Orem, D. E. (2013). Nursing: Concepts of practice 6th ed. St. Louis (MO): Mosby.

Organização Mundial da Saúde. (2015). Envelhecimento: Relatório mundial de envelhecimento e saúde. https://apps.who.int/iris/bitstream/handle /10665/186468/WHO_FWC_ALC_15.01_por.pdf%3Bjse.

Palma, L. T. S. (2000). Educação Permanente e Qualidade de Vida. Indicativos para uma velhice bem-sucedida. Passo Fundo: UPF Editora.

Rodrigues, B. G., Neto, L. S. S., Santos, L. F., Brito, T. R. P., & Nunes, D. P. (2019). Processo de envelhecimento nos municípios do estado do Tocantins. Revista Cereus, 11(4), 123-137.

Sá, S. P. C., Santos, D. M., Roberts, L. M. V., Andrade, M. S., Coimbra, C. A. Q., & Cruz, T. J. P. (2011). Uma proposta para a mensuração do autocuidado em idosos. Cogitare Enfermagem UFPR, 16(4), 661-666.

Silva, J. V., & Kimura, M. (2002). Adaptação cultural e validação do instrumento de capacidade de autocuidado do “Appraisal of self care agency scale”. Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo.

Simões, C. C. S. (2016). Relações entre as alterações históricas na dinâmica demográfica brasileira e os impactos decorrentes do processo de envelhecimento da população. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98579

Published

24/07/2022

How to Cite

BARCELOS, A. dos S.; RIBEIRO, E. M. .; DIAS, F. C. F. .; SILVA, E. de C. .; OSÓRIO, N. B. .; SILVA NETO, L. S. The effect of health education actions on the self-care of elderly participants at the University of Maturity: a quasi-experimental study . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e97111032261, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32261. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32261. Acesso em: 4 oct. 2022.

Issue

Section

Health Sciences