Epidemiological profile of users of a public emergency room classified as non-urgent before and after the Covid-19 pandemic

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32357

Keywords:

Public policy; Outpatient care; Demands; Classification; Covid-19.

Abstract

The general objective of the study was to verify the epidemiological profile of users of a public emergency room classified as non-urgent, before and after the Covid-19 pandemic and the specific objective was to analyze the situation considering the academic and professional interest in the subject, aiming to contribute to the quality of care provided in the Brazilian Unified Health System. The methodology included integrative review, approval in ethics committee and data sheet (gender, age, day, time, municipality, neighborhood and complaint) of the hospital archive, including all participants with full entry bulletin, ending with statistical analysis and report.  The study showed that, in 2019, the Service assisted both men and women, being children and adults, on a working day, morning and afternoon, residents in the capital, coming from nearby neighborhoods and the most populous neighborhoods and complaining of traumatology, medical clinic and specialized care. In 2020/2021, the attendance was of men and women, being adults, on a working day, morning and afternoon hours, residents in the capital, nearby neighborhoods and with complaints of physical trauma and chest pain. With the Covid-19 pandemic, although the number of users classified as non-urgent was three times lower than in 2019, they resorted to the emergency room, appearing men and women, adults, during morning and afternoon, on a working day, living in the capital, in nearby neighborhoods and with complaints of physical trauma and chest pain.  

References

Barbosa, D. V.S., Barbosa, N. B. & Najberg, E. (2016). Regulação em Saúde: desafios à governança do SUS. Cadernos Saúde Coletiva, 24(1), 49-54.

Barros, R. (2021). Emergência em saúde pública da pandemia da Covid-19: Breves apontamentos. Revista Baiana de Saúde Pública, 23 (1), 11-18.

Barros, F. P. C. & Amaral, T. C. L. (2017). Os desafios da regulação em s saúde no Brasil. Anais do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, 16 (3suppl), 39-45.

Batista, S. R., Vilarins, G. C. M., Lima, M. G. & Silveira, T. B. (2019). O Complexo Regulador em Saúde do Distrito Federal, Brasil, e o desafio da integração entre os níveis assistenciais. Ciência & Saúde Coletiva, 24 (6).

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado Federal.

Campos, G. W. S. A. (2018) SUS: o que e como fazer? Ciência & Saúde Coletiva, 23 (6), 1707-1714.

Cecílio, L. C. & Reis, A. A. C. (2018). Apontamentos sobre os desafios (ainda) atuais da atenção básica à saúde. Cadernos de Saúde Pública,34(8).

Conselho Nacional de Saúde. (2017). Carta dos deveres e direitos da pessoa usuária da saúde. http://www.conselho.saude.gov.br.

Faria, T. L. M., Nascimento, D. M., Filho, M. C. F. & Nunes, S. F. (2017). A Política Nacional de Urgência e Emergência sob a Coordenação Federativa em Municípios Paraenses. Saúde e Sociedade, 26(3), 726-737.

Ibiapina, F. & Mossé, P. (2018). Um olhar sobre sistemas de saúde locais e nacionais. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 31(4) ,1-3.

Köche, J. C. (2011). Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lara, M., Fernandes, C. M. S., Penteado, V. P. & Serra, M. C. (2021). Direito à saúde e judicialização no acesso a tratamentos de média e alta complexidade pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Research, Society and Development, v. 10, n. 3.

Marconi, M. A., Lakatos, E. M. (2012). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo, SP: Atlas.

Ministério da Saúde. (2012). Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. http://www. saúde.gov.br/.MinistériodaSaúde.(2019).Componentehospitalardarededeatençãoàsurgências.http://www.saude.gov.br/.

Ministério da Saúde. (2019). Sistema Único de Saúde (SUS): estrutura, princípios e como funciona. http://www.saude.gov.br/.

Nunes, S. F. (2018). Instituto do pacto de saúde: regionalização e municipalização da saúde no Estado do Pará. Belém: Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará. Tese apresentada como requisito à obtenção do grau de Doutora em Ciência: Desenvolvimento Socioambiental do Curso de Doutorado em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido.

Liszczynski, P. K. et al. (2022). Impacto da pandemia de Covid-19 na qualidade dos serviços de saúde prestado por serviços de emergência e departamentos de emergência na opinião dos pacientes: estudo piloto. Environ Res Saúde Pública, 19 (3), 1232.

Santos, T. B. S. & Pinto, I. C. M. (2017). Contratualização da gestão hospitalar versus regulação em saúde: agências, controle estatal e avaliação do SUS. Anais do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, 16 (3 supl.),47-53.

Santos, N. R. (2018). SUS 30 anos: o início, a caminhada e o rumo. Ciência & Saúde Coletiva, 23 (6).

Silva, P. L., Paiva, L., Faria,V. B., Ohi, R. I. B.& Chavaglia, S. R. R. (2016). Triage in an adult emergency service: patient satisfaction. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50 (3 suppl), 427-432.

Smith, M. G. & Ferreri, S. P. (2016). A model to inform community pharmacy’s collaboration in outpatient care. Research in Social and Administrative Pharmacy, 12 (3), 529-34.

Ursi, E.S. & Gavão, C. M. (2005). Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão de literatura [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto.

Published

28/07/2022

How to Cite

ALMEIDA, C. do S. C. de .; NUNES, S. F. .; SAVINO NETO, S. .; MENDONÇA , X. M. F. D. .; SOUZA JÚNIOR, O. G. de .; COSTA, E. F. .; FARIAS, J. R. . Epidemiological profile of users of a public emergency room classified as non-urgent before and after the Covid-19 pandemic. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e223111032357, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32357. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32357. Acesso em: 4 oct. 2022.

Issue

Section

Health Sciences