Identification and notification of situations of violence in Primary Health Care: the permanent education as a tool for professional qualification

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32617

Keywords:

Primary Health Care; Domestic Violence; Continuing Education.

Abstract

This is an intervention research with a qualitative approach, on the development of a cycle of Continuing Education in Health, carried out with professionals working in a Family Health Center (FHC) of a city in the countryside of Ceará. The intervention aimed to qualify the professionals' performance regarding the identification and notification of domestic violence situations in Primary Health Care (PHC). It is noted some obstacles that cross the field of professional practices, specifically regarding the lack of understanding and association between notification and denunciation, as well as the feeling of unpreparedness on the part of some professionals, for the management and care of this type of demand. We suggest the necessity and constancy of moments of permanent education in order to qualify and sensitize the professional practices, since the integral care presupposes a holistic view of the subjects, thus ensuring the care of their needs beyond the physical field.

References

Araújo, M.L.G.; Vargas, H.P.P. (2018). Perfil da violência contra a mulher. In: Araújo, M.L.G. et al. 2° Caderno diálogos sobre experiências no enfrentamento a violência. Fortaleza-Ce: Escola de Saúde Pública, 10-16.

Brasil. (2007). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan: normas e rotinas. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, (2).

Cerqueira, D. et al. (2018). Atlas da violência 2018. São Paulo: Ipea, FBSP.

Cruz, M.S; Irffi, G. (2019). Qual o efeito da violência contra a mulher brasileira na autopercepção da saúde? Ciênc. saúde colet. 24 (7), 2531-2542.

Freitas, R. J. M. et al. (2017). Atuação dos enfermeiros na identificção e notificação dos casos de violência contra a mulher. HU Revista, 43, (2), 91-97.

Gil, A.C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed. Atlas.

Gomes R, et al. (2002). A abordagem dos maus-tratos contra a criança e o adolescente em uma unidade pública de saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 7(2), 275-283.

Grüdtner, D. I. (2005). Violência Intrafamiliar contra a criança e o adolescente: reflexões sobre o cuidado de enfermeiras. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis-SC, Departamento de Pós Graduação em Enfermagem.

Jaramillo, V.; Uribe, J. (2001). Rol del personal de salud en la atención a las mujeres maltratadas. Invest Educ Enferm, 14(1), 38- 45.

Leite, P. M. G. et al. (2022). Atuação do enfermeiro na atenção básica à mulher vítima de violência doméstica: uma revisão integrativa. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 11(3).

Lemos, C.L.S. (2016). Educação Permanente em saúde no Brasil: educação ou gerenciamento permanente? Ciência & Saúde Coletiva, 21(3), 913- 922.

Lima, J.C.V., et al. (2020). Rastreio e encaminhamento de casos de violência contra a mulher por enfermeiras na estratégia saúde da família. Cogitare Enfermagem, 25(1).

Matias, S. S; Nascimento, E. G. C. & Alchieri, J. C. (2013). A Percepção dos Profissionais da Estratégia Saúde da Família sobre as Implicações da Violência intrafamiliar em Crianças e Adolescentes. Saúde Transform. Soc. 4(4), 38-46.

Melo, K.K.R; Santos, A.P.P.S. (2016). Os Instrumentais técnico-operativos na prática profissional do Serviço Social do HCM frente à situação de crianças com suspeita de negligência. FUNFARME. Curso De Aprimoramento Profissional.

Minayo, M. C. S. (2008). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. Hucitec.

Morais, B. L. A.; Gerk, M. A. S. & Nunes, C. B. (2018). Enfermeira da Estratégia de Saúde da Família: abordagem frente à mulher em situação de violência. Revista Nursing, 21, (240), 2164-2167.

Oliveira, T. M.; Ferigato, S. H. (2019). A atenção às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar: a construção de tecnologias de cuidado da terapia ocupacional na atenção básica em saúde. Cad Bras Ter Ocup, 27(3), 508-521.

Pasinato, W. (2015). Oito anos de Lei Maria da Penha: Entre avanços, obstáculos e desafios. Rev Estud Fem, 23(2), 533-545.

Pasinato, W.; Baly, E. (2018). A violência contra as mulheres e a pouca produção de informações. Jornal da USP.

Santos, S.C., et al. (2018). Violência contra a mulher: como os profissionais na atenção primária à saúde estão enfrentando esta realidade? TT-Violence against women: how are health care professionals coping with the issue? Saude e pesqui., 11(2), 359–368.

Silva, C.D.; Gomes, V.L.O. (2018). Violência contra a mulher: dimensões representacionais de discentes de enfermagem. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, (8).

Silva, M.; Ferriani M.G.C. (2007). Domestic violence: from the visible to invisible. Rev Latino-americana de Enfermagem, 15(2), 275-281.

Silvino, M.C.S. et al. (2016). Mulheres e violência: características e atendimentos recebidos em unidades de urgência. Journal of Health Sciences, 18, (4), 240-244.

Sobral (Ceará). (2018). Wikipédia, a enciclopédia livre.

Souza, A. A. C; Cintra, R. B. (2018). Conflitos éticos e limitações do atendimento médico à mulher vítima de violência de gênero. Rev Bioét. 26(1), 77-86.

Vargas, E. B; Santos, E. H. (2017). Atuação do profissional de saúde na atenção primária frente à violência doméstica à mulher. Monografia, Universidade do Sul de Santa Catarina – USSC, Palhoça – SC, Brasil.

Veloso, M.M.X; Magalhães, C.M.C; Cabral, I.R. (2017). Identificação e notificação de violência contra crianças e adolescentes: limites e possibilidades de atuação de profissionais de saúde. Mudanças – Psicologia da Saúde, 25(1), 1-8.

Published

26/07/2022

How to Cite

FONTENELE, D. M. X. .; MONTE, F. T. P. .; MORAIS, C. de A. .; FÉLIX, S. C. .; FONTENELE , N. D. X. .; SILVA, J. B. da .; NOGUEIRA, J. I. M. .; DIAS, R. M. M.; MARQUES, I. L. da C. .; CAVALCANTE, D. S. . Identification and notification of situations of violence in Primary Health Care: the permanent education as a tool for professional qualification. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e172111032617, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32617. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32617. Acesso em: 4 oct. 2022.

Issue

Section

Health Sciences