Changing paradigms in inclusive education on Edgar Morin's theory: contribution to pedagogical-educational participation of inclusion students

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.33247

Keywords:

Teaching; Inclusive education; Paradigm shift.

Abstract

With the theme Paradigm shift in inclusive education: contribution to pedagogical-educational participation of inclusion students, the objective of this article is to understand the process of paradigm shift, keeping in mind its importance for the production and acquisition of knowledge and how it can be a useful contribution to Inclusive Education in order to produce subsidies that can be incorporated into school practices and teacher training programs. The methodology used was a methodological research based on the systemic paradigm, based on the complexity theory and based on the analysis and reflection of updated texts pertinent to the descriptors of the theme. The main conclusions are that inclusive education can become a more contemporary and necessary alternative to the model that separates regular education from special education where the curricula need to adapt to projects, policies, laws and technologies in order to provide disabled students with equal learning opportunities and teachers with training through graduation, post graduation, courses, and training on inclusion. We know that all these devices are important, necessary, and urgent in the inclusive process. However, for there to be congruence between the speech and the action of including, it is necessary to raise awareness.

Author Biography

Camilla Viana de Souza Gonçalo, Universidad Columbia del Paraguay/Instituto IDEIA

Doutoranda em Ciências da Educação pela Universidad Columbia Del Paraguay,Possui , graduação em Normal Superior pela Universidade do Tocantins TO e Artes Visuais e Pedagogia pela Universidade Metropolitana de Santos SP, Graduada em Letras Libras pela Universidade IBRA,Pós graduada em Gestão Educacional , Alfabetização e letramento , Artes Visuais , Educação Especial e Libras. e Psicopedagogia Institucional e Clínica pela Faculdade de Educação de Serra e PROEJA pelo Instituto Federal do Espírito Santo ( IFES).LIBRAS básico e intermediário pelo CAPS , Vitória ES, Professora de séries iniciais e Coordenadora escolar pela Secretaria Municipal de Educação Municipal de Vila Velha (SEMED) Pedagoga Municipal pela Prefeitura da Serra, e SEDU (Secretaria Estadual de Educação), experiência na área de educação ,com ênfase em professora de séries iniciais,professora de artes,coordenadora escolar ,pedagoga e Psicopedagoga na rede pública de ensino,atualmente atua como Professora da Rede Municipal de Ensino da Prefeitura de Alegre ES, como Regente de Classe em Séries Iniciais, professora de Arte em Tempo Integral e Libras noturno pela Secretaria Estadual de Educação SEDU, lotada na CEEFMTI Aristeu Aguiar, no Município de Alegre ES. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5156-4517

References

Amaral, L. A. (2001). Pensar a Diferença/Deficiência. Brasília: Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência.

Blanco, R. (2022). Aprendendo na diversidade: Implicações educativas. Foz do Iguaçu: 2003.

Bueno, J. G. S. (2022). Inclusão/exclusão escolar e desigualdades sociais 2006. Projeto de pesquisa. http://www4.pucsp.br/pos/ehps/downloads/inclusao_exclusao_escolar.pdf.

Brasil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1966). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília,http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil. (1994). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial Brasília, DF: MEC/SEESP, 1994.

Brasil. (1996). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Brasília, DF, 2008.http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. dezembro de 1996".

Brasil. (1996). Decreto 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único do art. 60 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto n. 6.253, de 13 de novembro de 2007

"Brasil. (2002). Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, de 24 de abril de 2002.

Brasil. (2001). Plano Nacional de Educação. Lei nº 10.172 de 9 de Janeiro de 2001. Ministério da Educação e do Desporto. Brasília: Diário Oficial da União de 10 de Janeiro de 2001.

Brasil. (2006). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Programa Educação Inclusiva: Direito à Diversidade. Brasília.

Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Ministério da Educação. Brasília.

Brasil. (2007). Plano de Desenvolvimento da Educação: Plano de Desenvolvimento da Educação razões, princípios e programas. Ministério da Educação

Carvalho, R. E. (2006). Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. (4. ed.) Porto Alegre: Mediação.

Carvalho, R. E. (2010). Removendo as barreiras para a aprendizagem: educação inclusiva. (9. ed.). Mediação.

Decreto nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004.(2004). Regulamenta as Leis nº 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida e dá outras providências. Brasília, 2004. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2004/decreto/d5296.htm.

Fávero. M. T. M (2004). Desenvolvimento Psicomotor e Aprendizagem da Escrita. Maringá.

Glat, R., Pletsch, M. D. & Fontes, R. S. (2007). Educação inclusiva & educação especial: propostas que se complementam no contexto da escola aberta à diversidade. Revista em Educação. 32(2), 343-56.". Autores, coloquem em itálico o nome da revista "Revista em Educação"

Lima, P. A. (2006). Educação Inclusiva e Igualdade Social. Avercamp.

Mantoan, M. T. E. (2003). Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? Moderna.

Maturana, A. P. P. M. (2016). Transferência de alunos com deficiência intelectual das escolas especiais às escolas comuns sob diferentes perspectivas. (Tese de Doutorado). São Carlos: Universidade Federal de São Carlos.

Maturana, A. P. P. M., & Mendes, E.G. (2015). Ocenário das pesquisas internacionais sobre a inclusão e escolarização doaluno com deficiência intelectual. Olhares, 3, 168-193.http://www.olhares.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/356

Martins, L. A. R.; et al. (2008). Inclusão: compartilhando saberes. (3. ed.) Vozes.

Mendes, E. G., Cia, F., & D ́Affonseca, S. M. (Orgs.) (2015) .Inclusão escolar e a avaliação do público-alvo da educação especial.: Observatório nacional de educação especial. V.2.

Mendes, E.G., Cia, F., & Cabral, L. S. A. (Orgs.). (2015). Inclusão escolar e os desafios para a formação de professores em educação especial.:v. 3. Marquezine & Manzine.

Mendes, E.G.,C ia, F., & Tannus-Valadao, G. T. (Orgs.). (2015). Inclusão escolar em foco: Organização e funcionamento do atendimento educacional especializado. V.4, Marquezine & Manzini.

Nascimento. L. B. P. (2014). A importância da inclusão escolar desde a educação infantil. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Pedagogia). Departamento de Educação – Faculdade Formação de Professores. Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Rodrigues, D. (2006). Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. Summus.

Sassaki, R. K. (1998). Entrevista. In: Revista Integração, Brasília, 8(20), 8-10.

Silva, R. F.; Seabra Júnior L.; Araújo, P. F. (2008). Educação Física Adaptada no Brasil: da história à inclusão educacional Phorte.

Souza, J. P. de. (2006). A Educação Física no contexto inclusivo: análise do curso de capacitação de professores multiplicadores em Educação Física Adaptada. Campo Grande, Dissertação (Mestrado em Educação), Programa de Pós Graduação em Educação. Universidade Católica Dom Bosco.

Souza, R. C. S.; et al. (2013). Educação Física Inclusiva: perspectiva para além da deficiência. Editora UFS.

Souza, R. C. S.; Bordas, M. A. G.; Santos, C. S. (2014). Formação de Professores e Cultura Inclusiva. Editora UFS.

Stainback S.; Stainback W. (1999). Inclusão: Um guia para Educadores.Artmed.

Published

08/08/2022

How to Cite

GONÇALO, C. V. de S. .; CARVALHO, A. dos S. M. de .; ARAÚJO, A. M. de .; SILVA, L. C. de A. . Changing paradigms in inclusive education on Edgar Morin’s theory: contribution to pedagogical-educational participation of inclusion students. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e495111033247, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.33247. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33247. Acesso em: 30 nov. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences