Artificial Intelligence in favor of learning disabled students

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33271

Keywords:

Learning; Teaching; Inclusion; Artificial intelligence.

Abstract

The Artificial Intelligence inserted in the educational sector provides the handicapped a differentiated learning, helping to increase the student's engagement. This is because different technology resources are available at any time, such as gamification, which raise the student's interest in education, this strategy turns students into protagonists with fundamental skills and more knowledge. With more and more inventions available online that are not only brought by the educator, Educational Intelligence is a good idea for students to learn from wherever they are. Besides stimulating learning, it is possible to create customized systems with each student's profile. This research is based on bibliographic data, elaborated from published material, such as books, articles, periodicals and the Internet, and on qualitative data, since it aims at approaching the subjective aspects of social phenomena and human behavior, thus trying to approach themes that cannot be quantified in equations and statistics, with a methodological base of systemic paradigm, based on the complexity theory and having as a study object the artificial intelligences inserted in educational environments as learning promotion.

Author Biography

Camilla Viana de Souza Gonçalo, Universidad Columbia del Paraguay

Doutoranda em Ciências da Educação pela Universidad Columbia Del Paraguay,Possui , graduação em Normal Superior pela Universidade do Tocantins TO e Artes Visuais e Pedagogia pela Universidade Metropolitana de Santos SP, Graduada em Letras Libras pela Universidade IBRA,Pós graduada em Gestão Educacional , Alfabetização e letramento , Artes Visuais , Educação Especial e Libras. e Psicopedagogia Institucional e Clínica pela Faculdade de Educação de Serra e PROEJA pelo Instituto Federal do Espírito Santo ( IFES).LIBRAS básico e intermediário pelo CAPS , Vitória ES, Professora de séries iniciais e Coordenadora escolar pela Secretaria Municipal de Educação Municipal de Vila Velha (SEMED) Pedagoga Municipal pela Prefeitura da Serra, e SEDU (Secretaria Estadual de Educação), experiência na área de educação ,com ênfase em professora de séries iniciais,professora de artes,coordenadora escolar ,pedagoga e Psicopedagoga na rede pública de ensino,atualmente atua como Professora da Rede Municipal de Ensino da Prefeitura de Alegre ES, como Regente de Classe em Séries Iniciais, professora de Arte em Tempo Integral e Libras noturno pela Secretaria Estadual de Educação SEDU, lotada na CEEFMTI Aristeu Aguiar, no Município de Alegre ES. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5156-4517

References

AmaraL, L. A. Pensar a Diferença/Deficiência. Brasília: Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. 2001.

Blanco, R. Aprendendo na diversidade: Implicações educativas. Foz do Iguaçu: 2003.

Becker, B. S. Uma teoria da ação coletiva: Zahar, 1977.

Bueno, G. S. Educação Brasileira: integração/segregação do aluno diferente: EDUC, 1999.

Brasil, Decreto-lei n°13.146, de 6 de junlho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com 35 Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência).

Brasil. Constituição (1988). Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília Senado Federal, Centro Gráfico.

Brasil. Ministério da Educação. Lei de Diretriz e Bases da Educação Nacional. LDB nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996.

Brasil. Ministério da Justiça/CORDE. Declaração de Salamanca e Linhas de ações Sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasil: MJ/CORDE,1994.

Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. (3ª. ed.) – Brasília: Secretaria da Educação, 2001,97p.

Cunha, E. Autismo e inclusão: Psicopedagogia e práticas educativas na escola e na família. (7ª ed.): Wak, 2017.

Cunha, M. S. Ensino da língua portuguesa na perspectiva da inclusão do aluno cego no nível fundamental. 2015. 173 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de Pós Graduação em Educação. Universidade Federal de Sergipe. 2015.

Maia, J. C. Concepção de deficiência mantida por discentes de Terapia Ocupacional e Fisioterapia. 2007.57.f.Trabalho de Conclusão de Curso – Faculdade de Filosofia e Ciências , UNESP, Marília, 2007.

MantoaN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? Moderna, 2003.

Martins, L. A. R., et al. Inclusão: compartilhando saberes. (3ª. ed.): Vozes, 2008.

Nascimento. L. B. P. A importância da inclusão escolar desde a educação infantil. 2014. 49 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Pedagogia). Departamento de Educação – Faculdade Formação de Professores. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2014.

Neves, L. Como a inteligência artificial pode auxiliar na aprendizagem. https://weni.ai/blog/inteligencia-artificial-educacao.

Omote, S. Diversidade, Educação e Sociedade Inclusiva. In: OLIVEIRA, A. A. S. (Org.). Inclusão Escolar: as contribuições da Educação Especial. São Paulo: Cultura Acadêmica; Fundepe, 2008. Secretaria de Educação Especial.

Sassaki, R. K. Inclusão: Construindo Um a Sociedade Para Todos: WVA, 1999

Rodrigues, D. Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. Sassaki, R. K. Entrevista. In: Revista Integração, Brasília, 8(20), 8-10, ago. 1998

USP, São Carlos. Inteligência artificial pode trazer benefícios na área da educação. São Paulo. https://jornal.usp.br/universidade/inteligencia-artificial-pode-trazer-beneficios-na-area-da-educacao.

Published

28/08/2022

How to Cite

GONÇALO, C. V. de S. .; CARVALHO, A. dos S. M. de .; ARAÚJO, A. M. de . Artificial Intelligence in favor of learning disabled students . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e449111133271, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.33271. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33271. Acesso em: 28 sep. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences