A historical analysis of the rejection of persons with disabilities in the world and its reflections in brazilian criminal law

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33739

Keywords:

Dignity; Inclusion; Disabled person.

Abstract

The present study aims to address how people with disabilities were victims of society even in the face of their vulnerability, so they were attacked through moral and religious beliefs. To understand how such people suffered - and still suffer - such prejudice, it was necessary to carry out a historical survey from the archaic period to the present Brazilian Democracy, starting to understand how the Federal Constitution of 1988 sought to repair such inequality. In the same sense, it was necessary to investigate the evolutionary process of Criminal Law, which became a reflection of the societal vision in relation to the disabled person, which previously compared in all cases the disabled person as an agent with a high level of dangerousness. Thus, it will be noted that the Statute of Persons with Disabilities was an essential instrument for the realization of the dignity of the human person, which lists several acts now considered as criminal conduct, among them, we highlight: discrimination due to disability and abandonment of the person with a disability. At the same time, it can be seen that in addition to criminal protection, people with disabilities were granted rights that were previously guaranteed to the entire population. For the elaboration of the present work, the deductive methodology was used, supported by the bibliographic research.

References

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 53. ed. Brasília: Edições Câmara.

Brasil. (2015). Lei n. 13.146, de 6 de jul. de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília, DF.

Brasil. (1830). Lei de 16 de dezembro de 1830. Institui o Código Criminal do Imperio do Brazil.

Brasil. (2009). Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Brasília, DF.

Brasil. (1890). Decreto Nº 847, de 11 de outubro de 1890. Institui o Código Penal. 1890.

Brasil. (1940). Decreto-Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 dez.

Corrêa, L. F. N. (2021). A convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência. Belo Horizonte: Del Rey.

Capez, F. (2018). Curso de direito penal: parte geral. (22a ed). São Paulo: Saraiva Educação.

Dicher, M. & Trevisam, E. (2014). A jornada histórica da pessoa com deficiência: inclusão como exercício do direito à dignidade da pessoa humana. Direitos Fundamentais e Democracia III. Conpedi. p. 254 - 276. Disponível em: http://publicadireito.com.br/publicacao/ufpb/livro.php?gt=211.

Farias, A. L. S. de. & Soares Júnior, C. A. (2020). Evolução Histórica dos Direitos das Pessoas com Deficiência e Questões Associadas no Brasil. Id on Line Ver.Mult.Psic. Outubro, vol.14, n.52, p. 59-76.

Franco, R. B. & Oliveira Neto, A. M. (2020). Um panorama histórico do processo de inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Research, Society and Development. V, 9, n. 1, p. e155911871. Disponível em: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i1.1871.

Gadelha, H. S. et al (2022). Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência: modificações no código civil e conquistas sociais. Research, Society and Development. V. 11, n. 2, . p e35011225444-e35011225444.

Guadalini Junior, W. (2021). História do direito romano. Curitiba: InterSaberes.

Gugel, M. A. (2007). Pessoas com Deficiência e o Direito ao Trabalho. Florianópolis: Obra Jurídica.

Mezzaroba, O. & Monteiro, C. S. (2009). Manual de metodologia da pesquisa no direito. (5a ed.) Saraiva.

Meira, S. A. B (1972). A lei das XII Tábuas: fonte do direito público e privado. (3a ed). Rio de Janeiro: Forense.

Moraes, R. J. de. & Barreto, G. A. F. (2020). Ser humano, potências e condição da pessoa. Formann, Ana Paula Barbosa.; Martins, Guilherme Magalhães (org.). Pessoa com deficiência. Indaiatuba: Foco.

Pereira, J. de A. & Saraiva, J. M. (2017). Trajetória histórico social da população deficiente: da exclusão à inclusão social. SER Social, Brasília, v. 19, n. 40, p. 168-185, jan.-jun.

Peres, F. T. & Nery Filho, A (2002). A doença mental no direito penal brasileiro: inimputabilidade, irresponsabilidade, periculosidade e medida de segurança. V. 9, p. 335-355. Scielo Brasil. https://doi.org/10.1590/S0104-59702002000200006.

Piovesan, F. (2015). Temas de Direitos Humanos. (8a ed). São Paulo: Saraiva.

Ramos, A. de C. (2017). Curso de Direitos Humanos. (3a ed). São Paulo: Saraiva.

São Paulo, G. E. (2003). Quem Foi Philippe Pinel. Secretaria do Estado de Saúde. São Paulo. https://www.saude.sp.gov.br/caism-philippe-pinel/institucional/quem-foi-philippe-pinel.

Setubal, J. M. & Fayan, R. A. C. (2016). Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência - Comentada, Campinas: Fundação FEAC. https://www.feac.org.br/wp-content/uploads/2017/05/Lei-brasileira-de-inclusao-comentada.pdf.

Unicef. (1948). Declaração Universal dos Direitos Humanos. ONU. https://www.unicef.org/brazil/declaracao-universal-dos-direitos-humanos

Published

26/08/2022

How to Cite

PAULA, A. A. V. de .; SANTANA, N. G. A historical analysis of the rejection of persons with disabilities in the world and its reflections in brazilian criminal law. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e408111133739, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.33739. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33739. Acesso em: 6 oct. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences