Organizational change: a transition model

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i6.3464

Keywords:

SBU (Strategic Business Units) – Organizational Changes (OC) - Critical Success Factors – Change Model – DP-ACS.

Abstract

The article continues the development of the literature on the Strategic Business Units (SBU). In order to fill in the gaps on that subject, an explanatory research was carried out on the theme in the context of Organizational Changes (OC); developing a model that was initially dedicated to guiding traditional organizations that aspire to adopt the SBU-based corporate management philosophy. In order to make the tool robust, during its creation, several studies related to strategic changes in organizations were studied, as well as frequent errors in the management process of these changes and critical success factors that help in the absorption and subsequent solidification of the transformations proposed by the leadership business. Such issues were so carefully considered in the definition and organization of the stages of the model, that it provided the creation of a tool that goes beyond its initial objective - that is - to assist companies that demand to adopt the philosophy by Business Units, giving shape to a pattern that may be used to enable any type of strategic change in organizations: the DP-ACS.

Author Biography

Athos Carlos Silva, ACS Empresarial

Profissional especializado no planejamento estratégico organizacional. Simpatizante da horizontalização, do empowerment e da valorização dos recursos humanos. Ciente da importância que todos os setores tem na agregação de valor aos serviços prestados para o cliente, busca uma administração mais dinâmica, inteligente e eficiente.

Auditor interno e especialista na ISO 9001/2015, foi gerente da equipe que atuou na certificação do SGQ em 37 dias, sendo reconhecido e premiado nacionalmente pela Templum.

Fundador do Grupo ACS, Co-fundador da ACS Empresarial e ACS Amorim Construções, atua no nível estratégico, garantindo a aderência entre os objetivos da qualidade e o controle orçamentário de médio e longo prazo.

Encarregado pelo P&D, coleciona cases de sucesso em diferentes novas áreas de atuação, de forma inovadora e sustentável.

Possuidor de relevante experiência com relações governamentais, já gerenciou projetos de aproximação entre a esfera pública e particular que resultaram em atualizações decisivas nas legislações vigentes, viabilizando empreendimentos e contribuindo para o progresso da sociedade.

Aplicado à carreira acadêmica, recebeu premiações e reconhecimentos nas universidades que atuou, com destaques ao Alumni Diamante da Estácio em 2018 e Certificado de Campeão Nacional do projeto ARGo da Fundação Getúlio Vargas, em 2019.

Busca se atualizar constantemente, otimizando de forma escalar sua experiência acadêmica com cursos de formação, capacitação e qualificação nas melhores escolas de negócios da America Latina.

Usa em sua vida acadêmica e profissional os mesmos valores que aplica em seu contexto pessoal: Relevância, Dedicação, Autoaperfeiçoamento e Confiança.

References

Adler, C. S. & Silva, A. L. (2013). A interface entre valores humanos e mudança organizacional: evidências de uma operação de aquisição. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 14(2), 16-41. https://doi.org/10.1590/S1678-69712013000200002

Allio, M. K. (2005). A short, practical guide to implementing strategy. The Journal of Business Strategy, 26(4), 12-21.

Americano, G., & Fleck, D. (2014). EXECUÇÃO DE ESTRATÉGIA SOB O PRISMA DE MUDANÇA ORGANIZACIONAL. Revista de Administração FACES Journal, 13(1),125-141.[fecha de Consulta 15 de Febrero de 2020]. ISSN: 1517-8900. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=1940/194031553008

Ansoff, H. I. (1977). Estratégia empresarial. São Paulo: McGraw-Hill.

Armenakis, A. A., & Bedeian, A. G. (1999). Organizational change: A review of theory and research in the 1990s. Journal of Management, 25(3), 293–315. https://doi.org/10.1177/014920639902500303

Bardi, A., & Goodwin, R. (2011). The dual route to value change: Individual processes and cultural moderators. Journal of Cross-Cultural Psychology, 42(2), 271–287. https://doi.org/10.1177/0022022110396916

Bertero, C. (2004). Gestão à brasileira. GV EXECUTIVO, 3(3), 47-52. doi: http://dx.doi.org/10.12660/gvexec.v3n3.2004.34687

Borges, R. S. G., & Marques, A. L. (2011). Gestão da mudança: uma alternativa para a avaliação do impacto da mudança organizacional. Revista de Administração FACES Journal, 10(1), 95-113.

Burke, W. W. (2008). Organization change: Theory and practice (2 ed.). Londres: SAGE Publications.

Bushardt, S.C., Glascoff, D.W., & Doty, D.H. (2011). Organizational Culture, Formal Reward Structure, and Effective Strategy Implementation: A Conceptual Model. Journal of Organizational Culture, Communication and Conflict. 15(2):57-71.

Caldas, M. P.; Tonelli, M. J. (2002). Casamento, Estupro, ou Dormindo Com o Inimigo? Interpretando Imagens e Representações Dos Sobreviventes de Fusões e Aquisições. In: Enanpad – Enco.

Cameron, K. S.; Quinn, R. E. (1996) Diagnosing and changing organizational culture. [S. L.: s.n.]. (mímeo).

Cardoso, R. (2008), Construção de Modelos de Gestão Articulados por Modelos de Referência: Uma investigação sobre o uso dos modelos de referência de qualidade e excelência. Tese de D.Sc, COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Chu, R. A. (2003). Resistência à mudança: aspectos positivos. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 27., 2003, Atibaia. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD.

Colla, J., & Borghesan, A. (2011). Strategic Alignment of Operational Sectors: The Case of the Cooperativa Agroindustrial do Noroeste do Paraná Http://Dx.Doi.Org/10.5585/Riae.V10i2.1683. Iberoamerican Journal Of Strategic Management (IJSM), 10(2), 118-139. doi:10.5585/ijsm.v10i2.1683

Coon, B., & Wolf, S. (2005). The alchemy of strategy execution. Employment Relations Today (Wiley), 32(3), 19-30.

Crozatti, J. (1997). Planejamento estratégico e controladoria: um modelo para otimizar a contribuição das áreas. Anais: Congresso Brasileiro de Gestão Estratégica de Custos. Belo Horizonte: Associação Brasileira de Custos.

Fonseca, J. A. (2000). Comprometimento Organizacional: implicações de mudança organizacional na Polícia Militar de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Administração) – Centro de Pós Graduação e Pesquisa em Administração da UFMG: Belo Horizonte.

Fusco, J. P. A. (1997). Unidades estratégicas de negócios: uma ferramenta para gestão competitiva de empresas. Gestão & Produção, 4(1), 36-51. https://doi.org/10.1590/S0104-530X1997000100002

Garvin, D.A. (1982). Gerenciando a Qualidade: A Visão Estratégica e Competitiva. Rio de Janeiro, Qualitymark.

Gil, A.C. (1987). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

______. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1987.

Humphrey, S. A. (2005). SWOT Analysis for Management Consulting. SRI Alumni Association Newsletter, December.

Johnson, A. (1975). Strategy, Structure, and Economic Performance. By Richard P. Rumelt. Boston, Division of Research, Graduate School of Business Administration, Harvard University, 1974. Pp. xiv 235. $10.00. Business History Review, 49(2), 282-284. doi: 10.2307/3113729.

Keller, G. & Teufel, T. (1988). SAP R/3 process-oriented implementation. Harlow, England: Addison Weley Longman.

Lewin, K.; Lippitt, Y. R. K. (1965). Leader Behavior and Member Reaction in Three Social Climate. In: Cartwright, D.; Zander, A.. Group Dinamics: Research and Theory. Evanston: Row & Peterson.

Luz, M. T. (1996). Relatório do V Seminário do Projeto Racionalidades Médicas. Rio de Janeiro: IMS/UERJ, 1 (Série Estudos em Saúde Coletiva n. 136).

Machado, E. C., Marchi, J., Hörbe, T. A. N., Tomazzoni, G. C., Goulart, C. S., Moura, G. L. (2016). Mudança organizacional: uma análise a partir da teoria das tipologias estratégicas. Revista Brasileira de Administração Científica, 7(1), 75-96. http://doi.org/10.6008/SPC2179-684X.2016.001.0006

Morgan, J (2010). Strategy Execution: a Four-Step Process. MWorld, [S. l.], 9(4), 14-17, Winter.

Motta, P. R. (1997). Transformação organizacional: a teoria e a prática de inovar. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Neiva, E. R., & Paz, M. G. T. (2015). Um panorama das pesquisas e publicações sobre mudança organizacional no Brasil. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 15(3), 271-285. https://dx.doi.org/10.17652/rpot/2015.3.191

Noble, C. H. (1999). The eclectic roots of strategy implementation research. Journal of Business Research, 45(2), 119-134. https://doi.org/10.1016/S0148-2963(97)00231-2

Oliveira, D. P. (2015). Holding, Administração Corporativa e Unidade Estratégica de Negócio, São Paulo: Atlas.

Pereira, M. J.L. B.; Fonseca, J, G.M. (1997). Faces da decisão: as mudanças de paradigmas e o poder da decisão. São Paulo: Makron Books.

Pinheiro, R, Luz, M. T. (2007). Prática Eficazes x modelos ideais: ação e pensamento na construção da integralidade. 4. ed. Rio de Janeiro: IMS/UERJ - CEPESC - ABRASCO. 228p. ISBN 85-89737-33-3.

Porter, M. E. (1980). Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors. New York: The Free Press.

Rumelt, R. P. (1974) Strategy, structure and economic performance. Boston Division of Research, Graduate School of Business Administration, Harvard University.

Silva, A. C. (2020). Strategic business units: an exploratory research. Research, Society and Development, 9(2), e158922226. doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i2.2226

Silva, J. R. G., Vergara, S. C. (2003). Sentimentos, Subjetividade e Supostas Resistências à Mudança Organizacional. RAE-Revista de Administração de Empresas, 43(3), 10-21. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902003000300002

Slack, N. (1993). Vantagem Competitiva em Manufatura. Atlas, São Paulo.

Snow, C.C., Thomas, J.B. (1994). Field research methods in strategic management: contributions to theory building and testing. Journal of Management Studies, 31: 457-480. doi:10.1111/j.1467-6486.1994.tb00626.x

Taylor, L. J (2001). Selecting and Implementing Quality Management Models. In Annual Quality Congress, Charlotte (NC), 55 (0), 286-291.

Karen S. W., Karen A. S. (2010). Linking Change Drivers and the Organizational Change Process: A Review and Synthesis. Journal of Change Management, 10(2), 175-193, https://doi.org/10.1080/14697011003795651

Downloads

Published

10/04/2020

How to Cite

SILVA, A. C. Organizational change: a transition model. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 6, p. e22963464, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i6.3464. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/3464. Acesso em: 24 sep. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences