Teacher training within the scope of the Specialized Educational Service

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i14.36056

Keywords:

Teacher training; Teaching; Special Education; Specialized service.

Abstract

The main objective of this article is to emphasize the importance of teacher training with emphasis on Specialized Educational Assistance (SAE). The research was done in the bibliographic modality, in the results of this investigation, norms were listed that over time were guaranteeing the acquisition of people with disabilities to have access to special education, since there are many norms that deal with the subject, in addition to of exposition of how the multifunctional resource room can be seen as a learning tool by teachers, the main part of this work also includes considerations about teacher training as an essential requirement for the development of the Specialized Educational Service. It is worth mentioning that the modality of teacher training is irrelevant for the quality of this professional, that is, it can be a graduate of face-to-face or distance education that, with dedication to fulfilling the disciplines contained in the curriculum, this teacher will have his/her pedagogical praxis suitable for teaching. Specialized care, on the other hand, may require a little more effort on the part of the teacher, as he/she needs to prepare to deal with the intrinsic challenges of working with students with disabilities, as well as the structural challenges, lagged remuneration, low social appreciation, and others. questions without letting it interfere with the student's quality of knowledge acquisition.

References

Almeida, P. A., Tartuce, G. L., Gatti, B. A., & Souza, L. B. (2021). Práticas pedagógicas na educação básica do Brasil: o que evidenciam as pesquisas em educação. UNESCO. https://www.fcc.org.br/fcc/wp-content/uploads/2022/04/Praticas-pedag%C3%B3gicas-na-educa%C3%A7%C3%A3o-b%C3%A1sica-do-Brasil.pdf

Aranha, M. S. F. (1995). Integração social do deficiente: Análise conceitual e metodológica. Temas em Psicologia. 2, 63-70. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=1413-389X19950002&lng=pt&nrm=i.

Aureliano, M. S., & Santos, F. E. B. S. (2012). Aspectos Históricos e Conceituais da Educação Inclusiva: Uma análise da perspectiva dos professores do ensino fundamental. Espaço do Currículo. 2, 295-309. http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec.

Brasil. (1996). Lei n. 9.394 de 23 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Diário Oficial da União, Poder Legislativo.

Brasil. (2014). Ministério da Educação. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. < http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.

Brasil. (1988). Constituição Federal de 1988. Promulgada em 05 de outubro de 1988. < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>.

Brasil. (1994). Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: Unesco.

Brasil. (2011). Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Presidência da República, Brasília.  http//:www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2011/7611.htm.

Brasil. (2020). Ministério da Educação. Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação. PNEE: Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida/Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação – Brasília; MEC. SEMESP. 124p.

Buno, M. M. G., & Nozu, W. C. S. (2013). Política e gestão do atendimento educacional especializado nas salas de recursos multifuncionais de Paranaíba/MS: uma análise das práticas discursivas e não discursivas. 2013. 203 f. Dourados, MS: UFGD.

Carneiro, A. J. de O. L. L., Souza, A. S., Rocha, R. da S., Silva Filho, J. G., Valle, P. R. D., Vieira, D. dos S., Matos, A. D., Silva, J. F., Pereira, A. L., & Silva, F. J. A. (2022). A importância das práticas pedagógicas no contexto escolar: dinamizando o ‘fazer pedagógico’ através da prática na Educação Básica. Research, Society and Development, 11(13), e87111334789. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i13.34789.

Ercole, F. F., Melo, L. S., & Alcoforado, C. L. G. C. (2014). Revisão Integrativa versus Revisão Sistemática. Rev Min Enferm. jan/mar;18(1), 9-11.

Ferreira, R. K. A., & Santos, E. da S. (2021). Breves considerações sobre a documentação pedagógica. Research, Society and Development,10(9), e15010917782. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17782.

Kassar, M. de C. M. (2011). Percursos da constituição de uma política brasileira de educação especial inclusiva. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, 17, n. spe1, 41-58. <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141365382011000400005&lng=pt&nrm=iso>.

Mazzotta, M. J. S. (2003). Educação Especial no Brasil: História e Políticas Públicas. Cortez.

Mendes, L. C., & dos Reis, D. A (2021). Políticas públicas de educação inclusiva no Brasil e na Bahia: avanços e recuos. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento,10(3), e5110312989-e5110312989.

Mendes, E. G. (2009). A formação do professor e a Política Nacional de Educação Especial. V Seminário Nacional de Pesquisa em Educação Especial: formação de professores em foco. São Paulo: 26 a 28 de agosto de 2009.

Mendes, E. G. (2010). Breve Histórico da educação especial no Brasil. Revista Educación y Pedagogía. 22, 93-109. < http://aprendeenlinea.udea.edu.co/revistas/index.php/revistaeyp/article/viewFile/9842/9041>.

Menezes, R. R. de L. (2016). Atendimento educacional especializado – AEE: necessidade e funcionamento no município de Apodi/RN. 26 p. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

Oliveira, A. L., Quixabeira, A. P., Araújo, B. C. de, Santos, L. C., Matos, A. D.., Vasconcelos, E. S., Silva, F. J. A., Vieira, M. A., & Abrão, R. K. (2022). Reflexões sobre a educação especial Research, Society and Development, 11(8), e10711830659. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i8.30659.

Oliveira, A. A. S., Braun, P., & Lara, P. T. (2013). Atendimento educacional especializado na área da deficiência intelectual: questões sobre a prática docente. In: Milanez, S. G., Oliveira, A. A. S., Misquiatti, A. R. N. Atendimento educacional especializado para alunos com deficiência intelectual e transtornos globais de desenvolvimento. 41-60. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina universitária.

Oliveira, N. M. da S. (2015). O professor do atendimento educacional especializado: atuação e representações sociais. 49 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e inclusão Escolar). Universidade de Brasília.

ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. <http://portal.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal.htm> .

Pessoti, I. (1984). Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: EDUSP.

Ropoli, E. A. (2010). A Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Universidade Federal do Ceará.

Silva, R. S. (2022). AEE para Salas de Recursos Multifuncionais: Aspectos Legais, Pedagógicos e Organizacional. Research, Society and Development, 11(4), e51011426594. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i4.26594

Unesco. Declaração de Salamanca. Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf

Published

21/10/2022

How to Cite

SILVA , J. P. A. da .; ALVES , P. S. D.; SOARES, Z. C. B. . Teacher training within the scope of the Specialized Educational Service. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 14, p. e118111436056, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i14.36056. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/36056. Acesso em: 9 dec. 2022.

Issue

Section

Review Article