Children’s literature with black protagonism: an analysis of teaching sequences for an anti-racist education

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i14.36420

Keywords:

Early Childhood Education; Ethnic-Racial Relations; Children's literature; Law No. 10.639/03.

Abstract

The present article is a clipping from the dissertation called “Ethnical-racial relationships in children’s education: literature as a pedagogical tool for the enforcement of Law no. 10.639/03 regarding the construction of an anti-racist education” which aimed at identifying the contribution of the usage of children’s literature with black protagonists as a powerful instrument for the enforcement of Law no. 10.639/03. It methodologically used the collaborative research-action by Ibiapina (2008), having, as subjects involved, a Children’s Education teacher, the researcher (as agent-collaborator in the classroom – story reader) and 17 pre-school students from a municipal school in Canguçu/RS. For data collection the following was used: records in photos, audios, videos and a field diary. For corpus treatment and analysis, we observed the studies of Content Analysis (AC) by Bardin (2016). This clipping presents the analysis of the educational interventions anchored in the works “Amoras” (EMICIDA, 2018) and “O Pequeno Príncipe Preto para Pequenos” (FRANÇA, 2020). The results highlighted that the work with literature with black protagonism may be a challenge for teachers due to the rooting of structural racism in the school environment. However, this educational pratice proved to be promising to make the Law no. 10.639/03 effective.

Author Biographies

Amanda Basílio Barbosa, Instituto Federal Sul-rio-grandense

Mestranda do Curso de Mestrado Profissional em Educação e Tecnologia do IFSUL, Campus Pelotas e professora de educação especial da Prefeitura Municipal de Canguçu. E-mail: amandabasilio17@hotmail.com

Márcia Helena Sauáia Guimarães Rostas, Instituto Federal Sul-rio-grandense

Doutora em Linguística e Língua Portuguesa e líder do grupo de pesquisa Discurso Pedagógico. Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação e Tecnologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense, campus Pelotas. E-mail: mrostas@hotmail.com      

References

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Edições 70.

Brum, L. S., Oliveira, S. B. de, Coffi, M. F. A., & Streck, L. M. (2021). Círculos de Construção de Paz: Enfrentamento às Múltiplas Expressões de Violência no Contexto Escolar. Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, 7(3), 40-49. https://periodicos.unipampa.edu.br/index.php/Missoes/article/view/108728/27750.

Campos, W. R. (2016). Os griôs aportam na escola: por uma abordagem metodológica da literatura infantil negra nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Cavalleiro, E. dos S. (2020). Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil (6a ed.). São Paulo: Contexto.

Constantino, F. de L. (2010). Comunidades de aprendizagem: contribuições da perspectiva dialógica para a construção positiva das identidades das crianças negras na escola. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Corrêa, L. J. L. (2017). Um estudo sobre as relações étnicorraciais na perspectiva das crianças pequenas. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Costa, M. (2009). Koumba e o Tambor Diambê. (2a ed.). Mazza Edições.

Dallabona, S. R., & Mendes, S. M. S. (2004). O lúdico na Educação Infantil: jogar, brincar, uma forma de educar. Revista de divulgação técnico-científica do ICPG, 1(4), 107-112. https://www.inesul.edu.br/professor/arquivos_alunos/doc_1311627172.pdf.

Emicida. (2018). Amoras (1a ed.). São Paulo: Companhia das Letrinhas.

Farias, A. C. B. A. (2016). "Loira você fica muito mais bonita": relações entre crianças de uma EMEI da cidade de São Paulo e as representações étnico-raciais em seus desenhos. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

França, R. (2020). O pequeno príncipe preto para pequenos. Nova Fronteira.

Freire, P., & Faundez, A. (1985). Por uma Pedagogia da Pergunta. Paz e Terra. (Versão e-book).

Freitas, L. T. M. (2016). Currículo e construção da identidade de crianças negras na educação infantil. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Gomes, N. L. (2001). Educação cidadã, etnia e raça: o trato pedagógico da diversidade. In Cavalleiro, E. (org). Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola.: Selo Negro.

hooks, b. (2018). Meu crespo é de rainha. Boitatá.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2020. IBGE.

Ibiapina, I. M. L. de M. (2008). Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Líber Livro Editora.

Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.639.htm.

Munanga, K. (2019). Negritude: Usos e sentidos (4a ed.). Autêntica Editora.

Pacheco, L. (2006). Pedagogia Griô: A reinvenção da Roda da Vida (1a ed.). Grãos de luz e Griô. Lençóis.

Rodrigues, A.M. de M., Cordeiro, E.G. da R., Moreira, K.N. da P., Pereira, N. da S., Cruz, T.R. de F., & Silva, J. E. (2022). Desenvolvimento da leitura na educação infantil: o papel da ludicidade. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 11(1), e52011125228. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25228. DOI: 10.33448/rsd-v11i1.25228.

Silva Júnior, H., Bento, M. A. S., & Carvalho, S. P. de (Coord.). (2012). Educação infantil e práticas promotoras de igualdade racial. São Paulo: CEERT.

Silva, C. A. S. da, & Soares, R. (2020). A filosofia da ancestralidade na Educação das Relações Étnico-raciais nas universidades catarinenses. Perspectiva. 38(1), 01-13. https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2020.e63249/pdf.

Silva, M. H. F. (2016). Leitura literária e protagonismo negro na escola: Problematizando os conflitos étnico-raciais. 3 volumes. Dissertação (Mestrado em Ensino na Educação Básica) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Published

29/10/2022

How to Cite

BARBOSA, A. B. .; ROSTAS, M. H. S. G. Children’s literature with black protagonism: an analysis of teaching sequences for an anti-racist education. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 14, p. e335111436420, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i14.36420. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/36420. Acesso em: 26 nov. 2022.

Issue

Section

Teaching and Education Sciences