Perceptions on the construction of knowledge in science in Elementary School using the active methodology of Blended Learning

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37447

Keywords:

Blended learning; Meaningful learning; TDIC’s.

Abstract

Considering the low results presented by Brazilian education in global indicators such as those published by the Organization for Economic Cooperation and Development - OECD, and by other indicators such as the UNESCO Education ranking. It can be seen that Brazilian education needs improvements so that it is possible to provide students with a meaningful learning experience. Therefore, we believe that education must accompany the innovations provided mainly by digital information and communication technologies - TDICs, abandoning mechanical techniques of knowledge transmission that disregard the heterogeneity of education and increasingly inserting itself in the daily lives of students, so that they can learn in a personalized way. The present research seeks to analyze how knowledge occurs at a fundamental level in the discipline of science from the model of rotation by stations, based on the active methodology of hybrid teaching that seeks to involve TDICs in the educational process so that it is possible to customize the time and mode of learning. In the proposed model, the classes were arranged in groups (called stations), and in each station there was a specific activity to be carried out by the present group. In our conclusions, we corroborate positive results of the rotation by stations listed by the students when answering the questionnaires applied after classes.

References

Andrade, M C F. & Souza, P R. (2016). Modelos de rotação do ensino híbrido: estações de trabalho e sala de aula invertida. E-Tech: Tecnologias para Competitividade Industrial. 9(1), 3-16. doi: https://doi.org/10.18624/e-tech.v9i1.773

Bacich, L., Tanzi Neto, A. & Trevisani, F M. (2015). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação In Bacich, L. & Tanzi Neto, A. & Trevisani, F. M. (Orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação (pp. 47-66). Porto Alegre: Penso.

Bittencourt, A H C., & Sthal, N S P. (2021). Colaboração em Ambientes Virtuais de Aprendizagem: uma proposta para contribuir com o processo de ensino e aprendizagem em Biologia. Research, Society and Development, 10 (12), e364101220445. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20445

Bogdan, R C. & Biklen, S K. (1994) Características da investigação qualitativa. In Bogdan, R. C. & Biklen, S. K. Investigação qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos (pp. 47-51) Portugal: Porto Editora. p. 47-51.

Carvalho, A A A. (2008). Manual de ferramentas da Web 2.0 para professores. Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular do Ministério da Educação. Lisboa: Selenova. http://www.oei.es/tic/manual_web20-professores.pdf.

Christensen, C M., Horn, M B. & Staker, H. (2013) Ensino híbrido: uma inovação disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. Christensen Institute[S. l: s. n]. https://www.christenseninstitute.org/publications/ensino-hibrido/

Costa, P M., Matsubara, F H. & Akel, S M. (2018) Mensuração da motivação dos alunos em uma sala de aula ativa com oito horas de duração em um curso semipresencial da área de saúde. In XXIII CIAED – Congresso Internacional da ABED de Educação a Distância, Foz do Iguaçu-PR, Brasil, 2017. Anais... Belo Horizonte: Poisson, 2018. p. 19-23. https://www.poisson.com.br/livros/educacao/volume5/Educacao_no_seculoXXI_vol5.pdf

Creswell, J W. (2014) Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Tradução de: Sandra Mallmann da Rosa. 3ª ed. Porto Alegre: Penso.

Damica, F Z., Lucas, D R., Silva, L A J. & Stahl, N S P. (2018) As TDICs e o ensino híbrido: a utilização das Ferramentas “GPS” e “Google Earth” no ensino de Ciências de uma escola pública de Carangola-mg. Revista Philologus. v. 72, p. 575-586. http://www.filologia.org.br/rph/ANO24/72supl/47.pdf

Hoffmann, E H. (2016) Ensino Híbrido no Ensino Fundamental: Possibilidades e desafios. Dissertação. Especialização em Educação na Cultura Digital. Orientador (a): Gisele Gonçalves. Florianópolis: UFSC, https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/168865/TCC_Hoffmann.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Ludke, M., Andre, MEDA. Pesquisa em educação: uma abordagem qualitativa. 2.ed. São Paulo: EPU, 2013.

Martínez, D E G., Bizelli, J L. & Inforsato, E C. (2017) Tecnologias de informação e comunicação no ensino superior: o ambiente virtual de aprendizagem em curso semipresencial. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. esp. 2, p. 1349-1371, ago./2017. E-ISSN: 1982-5587. DOI: 10.21723/riaee.v12.n.esp.2.10302.

Moran, J M. (2015) Educação Híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In Bacich, L. & Tanzi Neto, A. & Trevisani, F. M. (Org.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação (pp. 27-46). Porto Alegre: Penso.

Moran, J M. (2004) Os novos espaços de atuação do professor com as tecnologias. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, p.13-21, maio/ago. 2004.

Piaget, J. L'équilibration des structures cognitives. Paris, Presses Universitaire de France, 1975

Pechi, D. (2011) Como usar as redes sociais a favor da aprendizagem. Revista Nova Escola. https://novaescola.org.br/conteudo/240/redes-sociais-ajudam-interacao-professores-alunos

Roza, R H. (2018) TICs na aprendizagem sob a perspectiva sociointeracionista. Revista on-line de Política e Gestão Educacional. [S.l.], p. 498-506, maio 2018. doi: https://doi.org/10.22633/rpge.v22.n2.maio/ago.2018.11173.

Santos, L H A., Carvalho, D F., Silva, A F G, & Rossetto, H H P. (2020). Blended learning: pratical experience in the classroom. Research, Society and Development, 9(7), e462974332. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4332

Silva C C. & Kalhil J B. (2017) A aprendizagem de genética à luz da Teoria Fundamentada: um ensaio preliminar. Ciência e Educação, 23(1), 125-140. doi: https://doi.org/10.1590/1516-731320170010008

Staker, H. & Horn, M B. (2012) Classifying K–12 Blended Learning. Innosight Institute. https://www.christenseninstitute.org/wp-content/uploads/2013/04/Classifying-K-12-blended-learning.pdf

Steinert, M E P., & Hardoim, E. (2017). Leigos ou excluídos? A criação de um aplicativo educacional e seu uso via ensino híbrido em uma escola pública. Revista Sustinere, 5(1), 90 - 113. doi:https://doi.org/10.12957/sustinere.2017.25067

Sunaga, A., & Carvalho, C S. (2015) As tecnologias digitais no ensino híbrido. In Bacich, L. & Tanzi Neto, A. & Trevisani, F. M. (Orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. (pp. 145-155). Porto Alegre: Penso.

Talbert, R.(2017). Flipped Learning: a guide for higher education faculty. Ed: Stylus Publishing: Sterling, 2017.

Published

25/11/2022

How to Cite

DAMICA, F. Z.; DAMICA, G. Z.; GOMES, S. P. S. G.; LUCAS, D. R.; DAMICA, L. Z.; VELOSO, N. Z.; ALMEIDA, M. A. B. de .; SILVA, L. A. J. .; STAHL, N. S. P. . Perceptions on the construction of knowledge in science in Elementary School using the active methodology of Blended Learning. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 15, p. e514111537447, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i15.37447. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/37447. Acesso em: 9 feb. 2023.

Issue

Section

Teaching and Education Sciences