Political-legal frameworks dealing with alcohol and other drugs in Brazil from 2000 to 2020

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i1.39446

Keywords:

Legislation; Substance use; Mental health services; Psychosocial care.

Abstract

The study aimed to know and analyze the Brazilian political-legal frameworks that deal with alcohol and other drugs in the 21st century. This is a section of the Doctoral Thesis "Therapeutic itineraries of people who use alcohol and other drugs in the city of Teresina, Piauí", defended in 2021 in the Graduate Program in Public Health at the National School of Public Health Sergio Arouca, Oswaldo Cruz Foundation. In this sense, we conducted a qualitative research, based on the assumptions of documentary research, which had as a source of data, the policies, decrees and other regulations that were published in the period 2000 to 2020. The analysis was structured according to the contributions of the psychosocial paradigm. The sectors involved were the Presidency of the Republic, the Ministry of Health, the National Anti-Drug Council, the National Secretariat for Drug Policy, and the Ministry of Justice. Most of the documents were published by Health (14), Presidency of the Republic (12), and Justice (03). Despite the advances, biases, tensions, paradoxes and setbacks, the focus on alcohol and other drugs in the Brazilian legal-political instruments presented an increase in the period studied, with emphasis on harm reduction as the guiding strategy of care. Therefore, in the eye of the anti-manicomial hurricane, the care for people who use alcohol and other drugs urges a kaleidoscopic, holistic vision; it demands new paradigms and concepts, the invention of other ways to intervene and manage services; it requires resistance and an ethical-ethical-critical-political-emancipatory posture, which honors the person as a citizen, protagonist, holder of voice and turn, in fact.

References

Amarante, P. (2007). Saúde mental e atenção psicossocial. Editora Fiocruz.

Barbosa, V. R. A. (2021). Itinerários terapêuticos de pessoas que fazem uso de álcool e outras drogas no município de Teresina, Piauí. (Tese de Doutorado em Saúde Pública). Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz.

Bastos, F. I. (2015). Política de drogas na segunda década do novo milênio. Argumentum, 7(1),8-16. http://dx.doi.org/10.18315/argumentum.v7i1.9873

Brasil. Presidência da República. (2002a). Decreto nº 4.345, de 26 de agosto de 2002. Institui a Política Nacional Antidrogas. Presidência da República. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2002/decreto-4345-26-agosto-2002-451545-publicacaooriginal-1-pe.html

Brasil. Presidência da República. (2010a). Decreto nº 7.179 de 20 de maio de 2010. Institui o plano integrado de enfrentamento ao crack e outras drogas, cria o seu comitê gestor, e dá outras providências. Presidência da República. https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=DEC&numero=7179&ano=2010&ato=602ETRU5EMVpWT8d6#:~:text=INSTITUI%20O%20PLANO%20INTEGRADO%20DE,GESTOR%2C%20E%20D%C3%81%20OUTRAS%20PROVID%C3%8ANCIAS.

Brasil. Presidência da República. (2019a). Decreto nº 9.761, de 11 de abril de 2019. Aprova a Política Nacional sobre Drogas. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9761.htm

Brasil. Presidência da República. (1915). Decreto nº 11.481, de 10 de fevereiro de 1915. Promulga a Convenção Internacional do Ópio e o respectivo Protocolo de Encerramento, assignados na Haya, a 23 de janeiro de 1912. Presidência da República. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1910-1919/decreto-11481-10-fevereiro-1915-574770-publicacaooriginal-97865-pe.html

Brasil. Gabinete de Segurança Institucional. Conselho Nacional Antidrogas. (2005). Resolução nº 3, de 27 de outubro de 2005. Aprova a Política Nacional sobre Drogas. Conselho Nacional Antidrogas. https://dspace.mj.gov.br/bitstream/1/1267/1/RES_CONAD_2005_3.pdf

Brasil. Presidência da República. (2001a). Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm

Brasil. Presidência da República. (2002b). Lei nº 10.409, de 11 de janeiro de 2002. Dispõe sobre a prevenção, o tratamento, a fiscalização, o controle e a repressão à produção, ao uso e ao tráfico ilícitos de produtos, substâncias ou drogas ilícitas que causem dependência física ou psíquica, assim elencados pelo Ministério da Saúde, e dá outras providências. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10409.htm

Brasil. Presidência da República. (2006). Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (SISNAD); prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm

Brasil. Presidência da República. (2009a). Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social; regula os procedimentos de isenção de contribuições para a seguridade social; altera a Lei no 8.742, de 7 de dezembro de 1993; revoga dispositivos das Leis nos 8.212, de 24 de julho de 1991, 9.429, de 26 de dezembro de 1996, 9.732, de 11 de dezembro de 1998, 10.684, de 30 de maio de 2003, e da Medida Provisória no 2.187-13, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12101.htm

Brasil. Presidência da República. (2019b). Lei nº 13.840, de 05 de junho de 2019. Altera as Leis n os 11.343, de 23 de agosto de 2006, 7.560, de 19 de dezembro de 1986, 9.250, de 26 de dezembro de 1995, 9.532, de 10 de dezembro de 1997, 8.981, de 20 de janeiro de 1995, 8.315, de 23 de dezembro de 1991, 8.706, de 14 de setembro de 1993, 8.069, de 13 de julho de 1990, 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e 9.503, de 23 de setembro de 1997, os Decretos-Lei n os 4.048, de 22 de janeiro de 1942, 8.621, de 10 de janeiro de 1946, e 5.452, de 1º de maio de 1943, para dispor sobre o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas e as condições de atenção aos usuários ou dependentes de drogas e para tratar do financiamento das políticas sobre drogas. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/lei/L13840.htm

Brasil. Presidência da República (2001b). Medida Provisória nº 2.216-37, de 31 de agosto de 2001. Altera dispositivos da Lei no 9.649, de 27 de maio de 1998, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios, e dá outras providências. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/mpv/2216-37.htm

Brasil. Ministério da Justiça. Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas. (2015a). Resolução nº 1, de 19 de agosto de 2015. Regulamenta, no âmbito do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas Sisnad, as entidades que realizam o acolhimento de pessoas, em caráter voluntário, com problemas associados ao uso nocivo ou dependência de substância psicoativa, caracterizadas como comunidades terapêuticas. Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/32425953/do1-2015-08-28-resolucao-n-1-de-19-de-agosto-de-2015-32425806

Brasil. Ministério da Justiça. (2018a). Resolução nº 1, de 9 de março de 2018. Define as diretrizes para o realinhamento e fortalecimento da PNAD - Política Nacional sobre Drogas, aprovada pelo Decreto 4.345, de 26 de agosto de 2002. Ministério da Justiça. https://dspace.mj.gov.br/bitstream/1/2972/1/RES_GM_2018_1.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2019d). Nota técnica nº 11, de 4 de fevereiro de 2019. Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas. Ministério da Saúde. https://pbpd.org.br/wp-content/uploads/2019/02/0656ad6e.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2011c). Portaria nº 122, de 25 de Janeiro de 2011. Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0122_25_01_2012.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2002c). Portaria nº 816, de 30 de abril de 2002. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Atenção Comunitária Integrada a Usuários de Álcool e Outras Drogas, a ser desenvolvido de forma articulada pelo Ministério de Saúde e pelas Secretarias de Saúde dos Estados, Distrito Federal e municípios. Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0816_30_04_2002.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2002d). Portaria nº 817, de 30 de abril de 2002. Inclui na Tabela de Procedimentos SIH-SUS os procedimentos referentes à internação por uso prejudicial de álcool e drogas. Ministério da Saúde. https://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Portaria_817.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2016a). Portaria nº 834, de 26 de abril de 2016. Redefine os procedimentos relativos à certificação das entidades beneficentes de assistência social na área de saúde. Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0834_26_04_2016.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2009b). Portaria nº1.190, de 4 de junho de 2009. Institui o Plano Emergencial de Ampliação do Acesso ao Tratamento e Prevenção em Álcool e outras Drogas no Sistema Único de Saúde - SUS (PEAD 2009-2010) e define suas diretrizes gerais, ações e metas. Ministério da Saúde.

https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt1190_04_06_2009.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2016b). Portaria nº 1.482, de 25 de outubro de 2016. Inclui na Tabela de Tipos de Estabelecimentos de Saúde do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES o tipo 83 - Polo de Prevenção de Doenças e Agravos de Promoção da Saúde. Ministério da Saúde. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/24485085/do1-2016-10-27-portaria-n-1-482-de-25-de-outubro-de-2016-24485014

Brasil. Ministério da Saúde. (2004). Portaria nº 2.197, de 14 de outubro de 2004. Redefine e amplia a atenção integral para usuários de álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências. Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2004/prt2197_14_10_2004.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2011d). Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2011)e. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2017a). Comissão Intergestores Tripartite. Resolução nº 32, de 14 de dezembro de 2017. Estabelece as Diretrizes para o Fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Comissão Intergestores Tripartite. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2017/res0032_22_12_2017.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2019c). Nota técnica nº 11, de 4 de fevereiro de 2019. Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas. Ministério da Saúde. https://pbpd.org.br/wp-content/uploads/2019/02/0656ad6e.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2011b). Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2017b). Portaria nº 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação no 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Ministério da Saúde. http://www.brasilsus.com.br/images/portarias/dezembro2017/dia22/portaria3588.pdf

Brasil. Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas. (2014). Portaria nº 10, de 28 de fevereiro de 2014. Acrescenta modelo de relatório de fiscalização de comunidades terapêuticas como anexo à Portaria nº 70, de 18 de outubro de 2013. Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas. https://dspace.mj.gov.br/bitstream/1/2335/1/PRT_SENAD_2014_10.pdf

Cellard, A. (2012). Análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 295-316.

Costa-Rosa, A. (2000). O modo psicossocial: um paradigma das práticas substitutivas ao modo asilar. In: Amarante, P. (Org.) Ensaios: subjetividade, saúde mental, sociedade [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 141-168. http://books.scielo.org/id/htjgj/pdf/amarante-9788575413197-09.pdf

Costa-Rosa, (1987). A. Saúde mental comunitária: análise dialética de um movimento alternativo. São Paulo, 1987. Dissertação (Mestrado). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. São Paulo, 1987.

Costa, P. H. A., et al. (2015). Desatando a trama das redes assistenciais sobre drogas: uma revisão narrativa da literatura. Ciênc. saúde coletiva, 20 (2), 395-406. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000200395&lng=en&nrm=iso

Costa, P. H. A., Ronzani, T. M. M., & Colugnati, F. A. B. (2017). “No papel é bonito, mas na prática…” Análise sobre a rede de atenção aos usuários de drogas nas políticas e instrumentos normativos da área. Saude soc., 26 (3), 738-750. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902017000300738&lng=en&nrm=iso

Dias, R., & Macerata, I. (2014). Experiência e cuidado: a experimentação como via de composição entre Redução de Danos e Atenção Básica. In: Ramminger, T., & Silva, M. (Org.). Mais substâncias para o trabalho em saúde com usuários de drogas. Porto Alegre: Rede UNIDA, p.149-163.

Fiocruz & Fundação Calouste Gulbenkian. (2015). Inovações e Desafios em Desinstitucionalização e Atenção Comunitária no Brasil. Seminário Internacional de Saúde Mental: Documento Técnico Final. Organização Mundial de Saúde. Ministério da Saúde.

Kripka, R., Scheller, M., & Bonotto, D. L. (2015). Pesquisa Documental: considerações sobre conceitos e características na Pesquisa Qualitativa. CIAIQ2015, 2. https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2015/article/view/252

Lermen, L. S., Dartora, T., & Capra-Ramos, C. (2014). Drogadição no cárcere: questões acerca de um projeto de desintoxicação de drogas para pessoas privadas de liberdade. Estud. pesqui. psicol., 14 (2)539-559. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812014000200009&lng=pt&nrm=iso

Nunes, J. M. S., Guimaraes, J. M. X., & Sampaio, J. J. C. (2016). A produção do cuidado em saúde mental: avanços e desafios à implantação do modelo de atenção psicossocial territorial. Physis, 26 (4), 1213-1232. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312016000401213&lng=pt&nrm=iso

Ramminger, T. (2014). Modos de trabalhar em saúde mental: pensando os desafios das reformas sanitária e psiquiátrica para o cuidado de pessoas que usam drogas. In: Ramminger, T., & Silva, M. (Org.). Mais substâncias para o trabalho em saúde com usuários de drogas. Porto Alegre: Rede UNIDA, 27-49.

Rotelli, F., Leonardis, O., & Mauri, D. (2001). Desinstitucionalização, uma outra via. In: Nicácio, F. (Org.). Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec, 17-59.

Santos, E. O., & Campagnac, V. (2018). A construção de políticas públicas sobre drogas ilícitas no Brasil: entre a repressão e a prevenção. Cadernos de Segurança Pública, (10). http://www.isprevista.rj.gov.br/download/Rev20181003.pdf

Silva, C. C. R. (2014). Da Punição ao Tratamento: rupturas e continuidades na abordagem do uso de drogas. In: Ramminger, T., & Silva, M. (Org.). Mais substâncias para o trabalho em saúde com usuários de drogas. Porto Alegre: Rede UNIDA, 51-68.

Silva, F. F. L. (2014). Afirmar a clínica com pessoas que usam drogas desde um lugar de resistência. In: Ramminger, T. & Silva, M. (Org.). Mais substâncias para o trabalho em saúde com usuários de drogas. Porto Alegre: Rede UNIDA, 119-132.

Sousa, F., & Jorge, M. S. B. (2019). O retorno da centralidade do hospital psiquiátrico: retrocessos recentes na política de saúde mental. Trab. educ. saúde, 17 (1), e0017201. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462019000100501&lng=pt&nrm=iso

Souza, M. D. O., Carraro, G., & Hernandes, L. F. (2022). Uma análise documental da política de saúde e atenção aos usuários de álcool e outras drogas no Brasil. Research, Society and Development, 11(7), e32811729310. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29310

Published

01/01/2023

How to Cite

BARBOSA, V. R. A. .; ENGSTROM, E. M. Political-legal frameworks dealing with alcohol and other drugs in Brazil from 2000 to 2020. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 1, p. e2712139446, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i1.39446. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/39446. Acesso em: 3 feb. 2023.

Issue

Section

Health Sciences