The transferential relationship in family courts: A psychoanalytic perspective

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i1.44673

Keywords:

Family courts; Psychoanalysis; Transfer.

Abstract

This article aims to analyze the transference relationship in Family Courts, highlighting the role of the psychoanalyst in this scenario. Part of the legal processes that arrives at the Family Courts expects the psychologist that is guided by psychoanalysis who occupies this position to carry out a study that will also serve as a mediator of the problems arising from the divorce. Clinical listening allows to the parts that are involved in the legal process to express their anxieties; as long as transference is used as an ethical device that promotes the construction of knowledge and at the same time places responsibility on the person for their position in the separation. Managing this transfer is trying to intervene so that the subject comes below or beyond the legal process supported by the demand to the judiciary. This is a theoretical study that used the literature review methodology to guide this discussion. It is concluded that when exercising the role of judicial expert, the psychoanalyst, supported by his ethics, is guided to bring out the speeches of the people involved so that he can discern what their demand is, and produce a study within his field with the purpose of offering support for the legal decision.

References

Araújo, M. G (2010). Considerações sobre o narcisismo. Estud. psicanal. 34, 79-82. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010034372010000200011&lng=pt&nrm=iso.

Birman, J. (2005). Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação (5aed.). Civilização Brasileira.

Brandão, E. P. (2021). Direito de família e psicanálise: uma abordagem da alienação parental a partir das fórmulas quânticas da sexuação. Revista Latinoamericana de psicopatologia fundamental, 24(1), 200–218. https://doi.org/10.1590/1415-4714.2021v24n1p200.11

Cavalheiro, A. C. & Ferrari, L. B. (2023). A atuação do psicólogo nas políticas públicas de assistência social: Uma perspectiva psicanalítica. Research, Society and Development, 12(12), e85121244047, 2023. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44047/35317

Coimbra, J. C. (2009). Tempo e memória nas varas de família. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(3). http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812009000300010&lng=pt&tlng=pt.

Brasília. Conselho Federal de Psicologia – CFP. (2022). Cartilha avaliação psicológica. (3a ed.).

Costa, L. F., Penso, M. A., Sudbrack, M. F. O. (2009). As competências da psicologia jurídica na avaliação psicossocial de famílias em conflito. (21 (2), 233-241). Psicologia & Sociedade. Brasília/DF.

Dias, M. B. (2015). Manual de Direito das Famílias. Revista dos Tribunais. Edição 10.

Féres-Carneiro, T. (1998). Casamento contemporâneo: o difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(2).

Fiorelli, J. O. & Mangini, R. C. R (2010). Psicologia jurídica. (2a ed.) Atlas.

Freud, S. (1917[1916-17]). Conferências Introdutórias sobre Psicanálise. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (v. 16.). Imago.

Freud, S. (1914). Sobre o narcisismo: uma introdução. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (v. 14.). Imago.

Freud, Sigmund. (1912). A dinâmica da transferência. Edição standard brasileira de obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (v. 12.). Imago.

Lacan, J. (1985). O Seminário Livro 2: o eu na teoria de Freud e na técnica da Psicanálise. Jorge Zahar.

Losso, R. (2003). Divorce terminable and Interminable: A psychoanalytic and Interdisciplinary approach. Journal of Applied Psychoanalytic Studies, 5(3), 321-334.

Martinez, V C. V. & Matioli, A. S. (2012). Enfim Sós: Um estudo psicanalítico do divórcio. Rev. Mal-Estar Subj, 12(1-2), 205-242. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S15181482012000100008&lng=pt&nrm=iso.

Maurano, D (2006). A transferência: uma viagem rumo ao continente negro. Jorge Zahar Ed.

Medina, T. C., Keitel, A. S. P., Neubauer, V. S., Veiga, D. J. S., Gomes, A. A., & Linck, I. M. D. (2021). Multiplicidade de vínculos parentais: Uma análise a partir do princípio do melhor interesse. Research, Society and Development, 10(8), e51510815753. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i8.15753

Miller, J-A (1987). Percurso de Lacan: uma introdução. Artes médicas.

Miranda Junior, Hélio C. (2009). O psicanalista no tribunal de justiça: Possibilidades e limites de um trabalho na instituição. Tese (Doutorado – Programa de Pós-graduação em Psicologia). Instituto de psicologia da Universidade de São Paulo.

Pereira, R.C. (2021). O narcisismo e a Clínica do Direito. https://ibdfam.org.br/artigos/1767/O+narcisismo+e+a+Cl%C3%ADnica+do+Direito.

Ramos, N. F. B., ZIELAK M. L., TAVARES, M. G. (2015). A atuação e relevância do psicólogo jurídico nas varas de família do Fórum TJ/AL de Maceió/AL. (3(1), 167–184). Alagoas: Caderno de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - UNIT.

Rodrigues, G. C. R. & Delfino, D. (2023). Dinâmica familiar e depressão infantil: Uma análise dos sinais, fatores de risco e intervenções psicoterapêuticas na idade escolar. Research, Society and Development, 12(12), e57121243982. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/43982/35288

Santos, M. R. R. & Costa, L. F. (2010). Campo psicossocial e jurídico: relações de poder nas decisões de conflito familiares. 27(4), 553-561. Estudos de Psicologia.

Silva, D. M. P. da. (2003). Psicologia jurídica no Processo Civil Brasileiro. Casa do Psicólogo.

Souza, J. G., Chaves, W. C., Moreira, A. M., Junior, E. S. G., Silva, R. A. (2020). O psicanalista no tribunal de família – uma nova lida com as demandas. 7(20): Direitos Humanos II. Humanidades e Inovação.

Vasconcelos, F. B. (2013). A família, a violência e a justiça: Conflitos violentos familiares, Lei Maria da Penha e concepções jurídicas no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Civitas - Revista De Ciências Sociais. 13(1), 136–153. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2013.1.12590

Villanova, A. B., Nass, I. R., De Brum, L. F., Kruel, C. S., Guazina, F. M. N., Carlesso, J. P. P. (2019). As implicações do divórcio no desenvolvimento psíquico na primeira infância na perspectiva psicanalítica. Research, Society and Development, 8(1), e3681620. https://doi.org/10.33448/rsd-v8i1.620.

Published

01/01/2024

How to Cite

CARVALHO, S. F. de .; GONTIJO, R. A. G. .; GONTIJO, J. G. . The transferential relationship in family courts: A psychoanalytic perspective. Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 1, p. e0413144673, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i1.44673. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44673. Acesso em: 27 may. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences