Mapping of mobilizations of Bibliometrics and Scientometrics in Science Education research: a look at national journals

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4849

Keywords:

Science Education; Scientometrics; Networks; Periodicals.

Abstract

Bibliometrics approaches have been evolving in the last decades and providing theoretical and methodological tools of extreme relevance to the most diverse areas of knowledge. However, the area of Science Education Research apparently has not been broadly mobilizing such perspectives in their productions. In order to contribute to the advance of our understanding of these mobilizations, we seek to build a look at what has been produced in national journals present in the Qualis strata A1, A2 and B1, in the Teaching area of CAPES, seeking to answer the following questions: How have bibliometric/scientometric analyzes been used in articles from national journals linked to PEC in Brazil? Which agents have contributed to these productions? Thus, from a qualitative and quantitative approach, we organized the analyzes in two methodological moments: (i) analysis of bibliographic data (most recurrent journals, temporal distribution, most recurrent authors, areas of initial formation, institutions of initial formation, linking professional, postgraduate and advisor); and (ii) analysis of bibliographic references (reference format, most present journals, temporal distribution, languages, most cited references and citation networks). It was possible to find only 7 articles in 5 journals, reinforcing the incipience of bibliometric approaches in the context of the PEC, despite an apparent increase in recent years. It is evident the presence of two central cores that have been concentrating the efforts in the consolidation of these forms of approaches and points to the several possibilities still open, that can be explored for better knowledge of the authors of the PEC about the own constitution of the area.

References

Araújo, R. F. (2009). Os grupos de pesquisa em ciência, tecnologia e sociedade no Brasil. Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Sociedade, 1(1), 81-97.

Araújo, R. F. & Alvarenga, L. (2011). A bibliometria na pesquisa científica da pós-graduação brasileira de 1987 a 2007. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., 16(31), 51-70.

Barnes. J. A. (1987). Redes sociais e processo político. In: Feldman-Bianco, B. (Org.). Antropologia das sociedades contemporâneas: métodos. São Paulo: Global.

Barnes, J. A. (1954). Class and Committee in a Norwegian Island Parish. Human Relations, 7(1), 39-58.

Bourdieu, P. (2004). Os usos sociais da ciência. Por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora UNESP.

Brandão, J. B., Bouzon, J. D., Dos Santos, T. C., Pereira, V. & Chrispino, A. (2018). Mapeamento de publicações sobre o ensino da química verde no Brasil a partir de redes sociais. Amazônia, 14(30), 59-76.

Chrispino. A. et al. (2013). A área CTS no Brasil vista como rede social: onde aprendemos? Ciência & Educação, 19(2), 455-479.

Da Silva, L. L. (2011). Estudo do Perfil Científico dos Pesquisadores com Bolsa de Produtividade do CNPq que atuam no Ensino de Ciências e Matemática. RBPEC, 11(3).

Delizoicov, D., Slongo, I. I. P. & Lorenzetti, L. (2013). Um panorama da pesquisa em educação em ciências desenvolvida no Brasil de 1997 a 2005. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 12(3), 459-480.

Demo, P. (2004). Aprendizagem no Brasil: ainda muito por fazer. Porto Alegre: Ed. Mediação.

Demo, P. (1995). Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Ed. Atlas.

Fachin, O. (2006). Fundamentos de metodologia. 5. ed. São Paulo: Saraiva.

Freeman, L. C. (1979). Centrality in social networks: conceptual clarification. Social Networks, 1(3), 215-239.

Garcia, C. C., Martrucelli, C. R. N., Rossilho, M. N. F. & Denardin, O. V. P. (2010). Autoria em artigos científicos: os novos desafios. Rev. Bras. Cir. Cardiovasc., 25(4), 559-567.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Gració, M. C. C. & Oliveira. E. F. T. (2014). Estudos de análise de cocitação de autores: uma abordagem teórico-metodológica para a compreensão de um domínio. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, 7(1).

Hayashi, M. C. P. I. (2012). Sociologia da ciência, bibliometria e cientometria: contribuições para a análise da produção científica. Anais do Seminário de Epistemologia e Teorias da Educação – EPISTED, Campinas, SP, Brasil, 4.

Hicks. D. et al. (2015). The Leiden Manifesto for research metrics. Nature, 520, 429-431. Acesso em 20 mai 2020, em http://www.sibi.usp.br/programas/bibliometria-eindicadores-cientificos/manifesto-leiden.

Kobashi, N. Y. & Santos, R. N. M. dos. (2006). Institucionalização da pesquisa científica no Brasil: cartografia temática e de redes sociais por meio de técnicas bibliométricas. TransInformação, 18(1), 27-36.

Machado, R. N. & Pinto, E. V. (2005). Mapeamento da produção científica em bibliometria (1990-2004). Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Florianópolis, SC, Brasil, 6.

Marteleto, R. M. (2001). Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, 30(1), 71-81.

Megid Neto, J. (1999). O que sabemos sobre a pesquisa em ensino de ciências no nível fundamental: tendências de teses e dissertações defendidas entre 1972 e 1995. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências-ENPEC. Valinhos, SP, Brasil, 2.

Montenegro, M. R. (1999). Autoria e co-autoria: justificativa e desvios. Revista J Pneumol, 25(3).

Piovezan, L. B. & Fujita, M. S. L. (2015). Análise de cocitação de autores: uma aplicação em estudos de indexação. Revista da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS, 21(1).

Razera, J. C. C. (2016). Contribuições da cienciometria para a área brasileira de Educação em Ciências. Ciência & Educação, 22(3), 557-560.

Santos Jr, R. L. (2014). Metrias da comunicação e informação científicas e a contribuição dos pesquisadores da União Soviética e Rússia. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro/Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Scott, J. (2004). Social network analysis: a handbook. Acesso em 10 mai 2020, em http://www.analytictech.com/mb119/tableof.htm.

Sidone, O. J. G., Haddad, E. A. & Mena-Chalco, J. P. (2016). A ciência nas regiões brasileiras: evolução da produção e das redes de colaboração científica. TransInformação, 28(1), 15-31.

Silva. M. R., Hayashi, C. R. M. & Hayashi, M. C. P. I. (2011). Análise bibliométrica e cientométrica: desafios para especialistas que atuam no campo. InCID: Rev. Ci. Inf. e Doc., 2,(1), 110-129.

Sousa, A. L. N. de. (2016). Análise de redes sociais on-line: um guia para iniciação teórica e prática. Matrizes, 10(2), 203-206.

Spinak, E. (1998). Indicadores cienciométricos. Ciência da Informação, 27(2), 141-148.

Spinak, E. (1996). Dicionario enciclopédico de bibliometría, cienciometría e informetría. Caracas: UNESCO.

Urbizagastegui, R. (2014). A bibliometria, informetria, cienciometria e outras “metrias” no Brasil. Anais do Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria. Recife, PE, Brasil, 4.

Urbizagástegui, R. A. (2009). Elitismo na literatura sobre a produtividade dos autores. Ciência da Informação, 38(2), 69-79.

Urbizagástegui, R. A. (2008). A produtividade dos autores sobre a lei de Lotka. Ciência da Informação, 37(2), 87-102.

Vanti, N. A. P. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, 31(2), 152-162.

Vanti, N. A. P. (2000). Métodos cuantitativos de evaluación de la ciencia: bibliometría, cienciometría e informetría. Investigación Bibliotecológica, 14(29), 9-23.

Published

16/06/2020

How to Cite

GANHOR, J. P.; SILVA, D. R. da; MEGLHIORATTI, F. A.; MALACARNE, V. Mapping of mobilizations of Bibliometrics and Scientometrics in Science Education research: a look at national journals. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 7, p. e805974849, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i7.4849. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/4849. Acesso em: 30 may. 2024.

Issue

Section

Education Sciences