Nurses' performance in assisting women with ovarian câncer

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6962

Keywords:

Nursing assistance; Women's health; Ovary cancer.

Abstract

Introduction: The present study aims to evaluate the gynecological cancer that currently has the highest mortality rate, the ovarian cancer. It affects all types of women, is difficult to diagnose, has little chance of cure and is a major problem for public health. Objective: To identify how nurses can, through a therapeutic plan, offer assistance aimed at quality of life for women with ovarian cancer. Methods: This is a specialized literature review, carried out between August 2019 and June 2020, which included books from the library of the Faculdade de Palmas and also from online platforms, such as Biblioteca Virtual de Saúde and Scientific Electronic Electronic Libary Online. After a thorough data collection, the data was analyzed. Results and Discussions: It was possible to reaffirm that ovarian cancer is a very complex disease that does not present significant changes in the woman's life in its initial stage, however, when it begins to spread it ends up being very fatal. In this way, it was possible to verify that nurses have a fundamental role, because through careful consultation, action plans can be built that aim at the quality of life of the female population. Final Considerations: The nurse is a fundamental part of the multidisciplinary health team and must always be updated on oncology nursing and care for the early diagnosis and treatment of ovarian cancer. Only in this way can we, together, reduce the mortality rate of this overwhelming disease.

Author Biography

Ruhena Kelber Abrão Ferreira, Universidade Federal do Tocantins

Graduado em Educação Física (FURG). Mestre em Educação Física (UFPel) e Doutor em Educação em Ciências e Saúde (UFRGS). Pós-Doutorado em Políticas Públicas (UMC), na linha de Práticas de Saúde e Desenvolvimento. Professor Adjunto II da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Doutorado em Educação Física e Professor Permanente no Programa de Ensino em Ciências e Saúde (PPGECS). Bolsista Produtividade em Pesquisa pela UFT. Tutor da residência multiprofissional em Saúde da Família e bolsista da Escola de Saúde Pública de Palmas. Coordenou, desde 2016, o Centro de Desenvolvimento Esportivo Recreativo e Lazer, Rede CEDES. Filiado a Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Estudos de Lazer (ANPEL) e Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). Foi Conselheiro Chefe da Editora da UFT - biênio (2017-2019). Foi bolsista da Fiocruz (2016-2017). Foi Coordenador dos cursos de Pedagogia, Educação Física e Educação Física, modalidade PARFOR. Atuou por 12 anos na Educação Básica na esfera pública municipal, estadual e particular, bem como orientação escolar. Desde 2008 atua no Ensino Superior. Tem experiência na área de Educação e Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: Infrações, formação de profissionais para docência, Hospitalar Recreação, Estudos do Lazer, bem como Gerenciamento, Planejamento e Políticas Públicas em Saúde.

References

Albernaz, F., & Schunemann Júnior, E. (2015). Câncer no ovário ou do ovário? O grande dilema atual. Feminino, 43(4).

Borda, C., & Veja, C. (2017). Aplicação da técnica de sequenciamento em célula individual na fisiopatologia do câncer. Atas de Ciências da Saúde, São Paulo, 5(1). 23-34.

Brasil. Ministério da Saúde. (2019). Câncer: sintomas, causas, tipos e tratamentos. Saúde de A a Z. Recuperado de <https://saude.gov.br/saude-de-a-z/cancer>.

Cruz, F. S., & Rossato, L. (2015). Cuidados com o Paciente Oncológico em Tratamento Quimioterápico: o Conhecimento dos Enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Cancerologia; 61(4), 335-341.

Cunha, L. Câncer de ovário deve atingir 6.000 mulheres só neste ano. Recuperado de <https://www.otempo.com.br/interessa/saude-e-ciencia/cancer-de-ovario-deve-atingir-6-000-mulheres-so-neste-ano-1.2179964>.

Ercole, F. F., Melo, L. S., & Alcoforado, C. L. (2014). Revisão integrativa versus revisão sistemática. Revista Mineira de Enfermagem, 2014. Recuperado de https://www.reme.org.br/artigo/detalhes/904>. Acesso em 25 de novembro de 2019.

Faria, J. L., et al. Patologia geral. (2014). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Guyton, A. C., & Hall, J. E. (2002). Tratado da fisiologia médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

Inca - Instituto Nacional do Câncer. Câncer de ovário. Julho, 2019. Recuperado de <https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-ovario>.

Inca - Instituto Nacional do Câncer. Câncer de ovário. 2020. Recuperado de < https://www.inca.gov.br/numeros-de-cancer>.

Luiz, B. M., Miranda, P. F., Maia, E. M. C., et al. (2009). Estudo Epidemiológico de Pacientes com Tumor de Ovário no Município de Jundiaí no Período de junho de 2001 a junho de 2006. Revista Brasileira de Cancerologia; 55(3), 247-253.

Machado, C. C., Brandão, C. A., Rosa, K. M., et al. (2017). Câncer de ovário. Disponível em: <http://editora.pucrs.br/acessolivre/periodicos/acta-medica/assets/edicoes/2017-2/arquivos/pdf/18.pdf>.

Meira, K. C., et al. (2019). Efeitos da idade-período e coorte na mortalidade por câncer do ovário no Brasil e suas grandes regiões. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 35(3), e 00087018,2019. Recuperado de <http://www.scielo.br/scielo.php?script =sci_arttext&pid=S0102311X2019000305002&lng=en&nrm=iso>.

Mozachi, N. (2005). O hospital: manual do ambiente hospitalar (10a Ed.). Curitiba: Os Autores.

Portth, C., & Matfin, G. Fisiopatologia (8a ed.). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.

Ramirez, P., Gershenson, D., & Sailvo, G. (2017). Câncer ovariano. Última revisão/alteração completa. Recuperado de .

Reisner, H. (2016). Patologia: uma abordagem por estudos de caso. Porto Alegre: AMGH.

Robbins e Cotran. (2006). Fundamentos de patologia. Richard N. Micthel (et al). Rio de Janeiro, Elsevier.

Silva, R., & Cruz, E. Planejamento da assistência de enfermagem ao paciente com câncer: reflexão teórica sobre as dimensões sociais. Esc Anna Nery (impr.) 2011jan-mar; 15(1),180-185. Recuperado de < https://www.redalyc.org/pdf/1277/127718940024.pdf>.

Standring, S.(2010). Gray’s anatomia: a base anatômica da prática clínica (40a ed.) Rio de Janeiro: Elsevier.

Vargas, M., Almeida, A. M., Radunz, V., et al (2013). Linhas de cuidado em doenças crônicas não transmissíveis. Recuperado de .

Vaz, F. B., & Ronchi, D. I. Perfil epidemiológico dos casos de neoplasias de ovário diagnosticados em um laboratório de patologia do sul do estado de Santa Catarina no período de julho de 2008 a julho de 2011. Arq. Catarin Med. 2018 janmar; 47 (1),11-20. Recuperado de < http://www.acm.org.br/acm/seer/index. php /arquivos/article/view/209/227>.

Viana, D. L., Leão, E. R., & Figueiredo, N. (2012). Especializações em enfermagem: atuação, intervenção e cuidados de enfermagem. São Caetano do Sul –SP: Yendis.

Vilar, L. et al. (2018). Preservação da fertilidade em mulheres com câncer de ovário. Revista Brasileira de Inovação Tecnológica em Saúde, 8(1).

Published

10/08/2020

How to Cite

Oliveira, L. L. S. de, Lima, T. O. S. ., Silva, R. A. N., Silva, R. M. O. ., Abreu, V. P. L. ., & Ferreira, R. K. A. . (2020). Nurses’ performance in assisting women with ovarian câncer. Research, Society and Development, 9(9), e43996962. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6962

Issue

Section

Health Sciences