Elaboration and content validity of the questionnaire to analyze adolescents' access to specific leisure equipment and identification of barriers

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7601

Keywords:

Leisure; Cultural interests; Quiz; Shelf life; Content.

Abstract

The study aimed to develop and analyze the validity of an instrument to assess adolescents' access to specific leisure equipment and factors that act as barriers. The instrument consists of a questionnaire, elaborated with closed questions, type likert, with nominal scale in three levels. The criterion for the analysis of validity was content, with the instrument being screened by five doctors (juries) with notorious knowledge in leisure studies. The results indicate that the Content Validity Index (CVI) was positive for the two constructs analyzed - access to leisure equipment (CVI = 0.98) and factors that act as barriers (CVI = 0.98). As for the qualitative analysis, it is noted that agility and comprehensiveness were identified as positive points. On the other hand, the lack of possibility of subjective responses, the absence of the “studio” in the list of specific equipment and the lack of the “little diversity” barrier were signaled as negative points. After analyzing the qualitative notes, reflection and dialogue with the specialized literature, changes were made, among them the insertion of the item “studio” as specific equipment and the item “little diversity” as a barrier. It is concluded that the instrument has qualitative and quantitative content validity, being appropriate to assess the access and the factors that act as barriers to the use of specific equipment related to the different cultural interests of leisure.

Author Biography

Junior Vagner Pereira da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutor em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília, atua como docente no curso de Educação Física e Mestrado em Saúde e Desenvolvimento da região do Centro Oeste. Coordena a REDE CEDES MS, atua como tutor do PET Educação Física e o ocupa a presidente da ANPEL (2018-2020).

References

Alonso, J. D., Castedo, A. L., & Pino, I. P. (2018). Validación del autoinforme de motivos para la práctica del ejercicio físico con adolescentes (AMPEF): diferencias por género, edad y ciclo escolar. Retos, 33, 273-278.

Aguiar, J. B., Nascimento, I. N. M.; Melo, M. de A., Freire, A. K. U., Saraiva, L. C., Santos, A. L. B. ... Gurgel, L. A. (2019). Espaços públicos de lazer de uma capital brasileira: avaliação da qualidade e uso para a prática de atividade física. Licere, 22(4), 317-339. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.16271

Assad, W. D., Sousa, I. R. C., Reis, A. L., Melo, G. F., & Sampaio, T. M. V. (2016). Shopping Center como espaço de atividades de lazer e jogos: uma possibilidade. Licere, 19(1), 284-306.

Axt, G. (2012). A função social de um memorial: a experiência com memória e história o Ministério Público. MÉTIS: história & cultura, 12(24), 64-89.

Barcellos, J. (1999). O memorial como instituição no sistema de museus: conceitos e práticas na busca de um conteúdo. Versão modificada da palestra apresentada no Fórum Estadual de Museus, Porto Alegre. Disponível em: http://www.memorial.mppr.mp.br/arquivos/File/Barcellos.pdf. Acesso em: 19/03/2020.

Barros, M. V. G. Construção e validação de instrumentos: O que é um bom teste? Curso de especialização em Avaliação da Performance Humana - ESEF/UPE. 2002, p. 1. Disponível em: www.maurovgb.hpg.com.br>. Acessado em: 13 fev 2012.

Cagnato, E. V. Praça Afonso Botelho: o foco das observações no âmbito do esporte e lazer . Dissertação (Mestrado em Educação Física), Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 105 f. UFPR, 2007.

Camargo, L. O. de L. (1986). O que é lazer. São Paulo: Brasiliense.

Cotta, T. C. (1999). Metodologias de avaliação de programas e projetos sociais: a análise de resultados e de impacto. Revista do Serviço Público, 49(2), p. 106-124.

Contandriopoulos, A. P., Champagner, F., Potvin, L., Denis, J. L., & Boyle, P. (1999). Saber preparar uma pesquisa. 3ª ed. São Paulo: HUCITEC, ABRASCO.

Demo, P. (2010). Introdução à metodologia da ciência. 2. ed. 18 reimpr. São Paulo: Atlas.

De von, H. A., Block, M. E., Moyle-Wright, P., Ernst, D. M., Hayden, S. J., Lazarra, D. J. …, & Kostas-Polston, E. (2007). A psychometric toolbox for testing validity and reliability. J Nurs Scholarsh, 39(2), 155-164. https://doi.org/10.1111/j.1547-5069.2007.00161.x

Dias, A. (2008). Validade e reprodutibilidade de instrumentos de pesquisa: construção de instrumentos e protocolos. In: Metodologia de pesquisa aplicada avaliação em ciências da saúde. Botucatu: UNESP-UNIFESP.

Dias, C. A., Alves Júnior, E. D., Altuve, E., Fernández, J. F. T., Peres, F. F., Bedoya, V. A. M. ..., & Melo, V. A. (2008). Espaço, lazer e política: uma análise comparada das desigualdades na distribuição de equipamentos culturais em cidades Brasileiras, Colombianas, Venezuelanas e Argentinas – resultados preliminares. Licere, 11(1), 1-24.

Dias, D. F., Loch, M. R., & Ronque, E. R. V. (2015). Barreiras percebidas à prática de atividade físicas no lazer e fatores associados em adolescentes. Ciências & Saúde Coletiva, 20(11), p. 3339-3350. https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.00592014

Dumazedier, J. (1980). Valores e conteúdos culturais do lazer. São Paulo: SESC.

Dumazedier, J. (1979). Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva.

Formiga, N. S., Bonato, T. N., & Sarriera, J. C. (2011). Escala das atividades de hábitos de lazer em jovens: modelagem de equação estrutural em diferentes contextos brasileiros. Temas em Psicologia, 19(2), 405-415.

Gil, A. C. (2010a). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

GIL, A. C. (2010b). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. Ed. São Paulo: Atlas.

Grant, J. S., & Davis, L. L. (1997). Selection and use of content experts for instrument development. Res Nurs Health, 20(3), 269-274.

Graziano, K. O., Lacerda, R. A., Turrini, T. N. T., Bruna, C. Q. de M., Silva, C. P. R. S., Moriya, G. A. de A. ..., & Torres, L. M. (2009). Indicadores de avaliação do processamento de artigos odonto-médico-hospitalares: elaboração e validação. Rev Esc Enferm USP, 43(Esp), 1174-1180. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000600005

Haynes, S. N., Richard, D. C. S., & Kubany, E. S. (1995). Content validity in psychological assessment: A functional approach to concepts and methods. Psychological Assessment, 7(3), 238–247. https://doi.org/10.1037/1040-3590.7.3.238

Hyrkäs, K., Appelqvist-Schmidlechner, K. &, Orsa, L. (2003). Validating an instrument for clinical supervision using an expert panel. Int J Nurs Stud, 40(6), 619-625. https://doi.org/10.1016/S0020-7489(03)00036-1

Howlett, M., Ramesh, M., Perl, A. (2013). Política Pública: seus ciclos e subsistemas: uma abordagem integral. Rio de Janeiro: Elsevier.

Kienteka, M., Rech, C. R., Fermino, R. C., & Reis, R. S. (2012). Validade e fidedignidade de um instrumento para avaliar as barreiras para o uso de bicicleta em adultos. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 14(6), 624-635. https://doi.org/10.5007/1980-0037.2012v14n6p624

Isayama, H. F. (2009). Atuação do profissional de educação física no âmbito do lazer: a perspectiva da animação cultural. Revista Motriz, 15(2), 407-413.

Lynn, M. R. (1986). Determination and quantification of content validity. Nurs Res, 35(6), 382-385. https://doi.org/10.1097/00006199-198611000-00017

Marcellino, N. C. (2002). Estudos do lazer: uma introdução. 3. ed. São Paulo: Autores Associados.

Marcellino, N. C. (2008). Políticas de lazer. Mercadores ou educadores? Os cínicos bobos da corte. In: Marcellino, N. C. (Org.). Políticas públicas de lazer. Campinas: Editora Alínea. p. 21-41.

Marcellino, N. C., Romera, L., Barcelos, S., Alves, C., Sarto, K., Benito, R. ..., & Tejera, D. B. O. (2009). Análise qualitativa dos trabalhos relacionados à temática “lazer e políticas públicas”, publicados nos anais do Enarel, de 1991 a 2008. Licere, 12(4), 1-25.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2002). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Matos, A. P., Coelho, E. M., Pereira, M. B., Souza, S. (2018). Reprodutibilidade do questionário Transporte Ativo e rotinas em adolescentes portugueses. Retos, 33, p. 152-156.

Melo, V. A., & Alves Júnior, E. de D. (2003). Introdução ao lazer. Barueri: Manolé.

McGilton, K. S. (2003). Development and psychometric evaluation of supportive leadership scales. Canadian Journal of Nursing Research Archive, 35(4): 72-86. https://doi.org/10.1111/j.1547-5069.2004.04050.x

Miura, C. T. P., Gallani, M. C. B. J., Domingues, G. de B. L., Rodrigues, R. C. M., & Stoller, J. K. (2010). Adaptação cultural e análise da confiabilidade do instrumento Modified Dyspnea Index para a cultura brasileira. Rev Latino-Am Enfermagem, 18(5), 1-11. https://doi.org/10.1590/S0104-11692010000500025

Morse, J. M. (1991). Approaches to qualitative-quantitative methodological triangulation. Nurs Res, 40(1), 120-123.

Nascimento, T. P., Alves, F. R., & Souza, E. A. (2017). Barreiras percebidas para a prática de atividade física em universitários da área da saúde de uma instituição de ensino superior da cidade de Fortaleza, Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, 22(2), 137-146. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.22n2p137-146

Padilha, V. (2006). Shopping center: a catedral das mercadorias. 1. ed. São Paulo: Boitempo Editorial.

Pandolfo, K. C. M., Minuzzi, T. T., Machado, R. R., Lopes, L. F. D, Azambuja, C. R., & Santos, D. L. (2016). Barreiras percebidas à prática de atividade física em escolares do ensino médio. Rev. Bras. Cineantropom. Desempenho Hum, 18(5), 567-576. https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.00592014

Pasquali, L. (2004). Psicometria. 2a ed. Petrópolis (RJ): Editora Vozes.

Polit, D. F., & Beck, C. T. (2006). The content validity index: are you sure you know what’s being reported? Critique and recomendationas. Res Nurs Health, 29, 489-497.

Rech, C. R., Camargo, E. M., Araujo, P. A. B., Loch, M. R., & Reis, R. S. (2018). Perceived barriers to leisure-time physical activity in the brazilian population. Rev Bras Med Esporte, 24(4), 303-309. https://doi.org/10.1590/1517-869220182404175052

Reis, R. S., Nascimento, J. V., & Petroski, É. L. (2002). Escala de auto-percepção do ambiente para a realização de atividades físicas. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 7(2), 14-23. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.7n2p14-23

Roberts, P., Priest, H., & Traynor, M. (2006). Reliability and validity in research. Nurs Stand, 20(44), 41-45.

Rojas, P. N. C., & Barros, M. V. G. (2003). Medidas, testes e avaliação: conceitos fundamentais. In: Barros, M. V. G., & Nahas, M. V. Medidas da atividade física: teoria e aplicação em diversos grupos populacionais. Londrina: Midiograf. p. 17-27.

Rubio, D. M., Berg-Weger, M., Tebb, S. S., Lee, S., & Rauch, S. (2003). Objectifying content validity: conducting a content validity study in social work research. Soc Work Res, 27(2), 94-105. https://doi.org/10.1093/swr/27.2.94

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2006). Metodologia de pesquisa. 3 ed. São Paulo: McGraw-Hill.

Sireci, S. G. (1998). The constructo f content validity. Soc Indic Res, 45, 83-117.

Thomas, J. R., & Nelson, J. K. (2002). Métodos de pesquisa em atividade física. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed.

Wynd, C. A., Schmidt, B., & Schaefer, M. A. (2003). Two quantitative approaches for estimating content validity. Western Journal of Nursing Research, 25(5):508-518.

Published

30/08/2020

How to Cite

Silva, J. V. P. da. (2020). Elaboration and content validity of the questionnaire to analyze adolescents’ access to specific leisure equipment and identification of barriers. Research, Society and Development, 9(9), e576997601. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7601

Issue

Section

Health Sciences