Payment for environmental services as a tool for recovery and conservation of ripar zones

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7752

Keywords:

Forest code; Vegetation; Environmental impacts

Abstract

A Lei 12.651 / 2012 altera as áreas de preservação permanente a serem restauradas, tendo como parâmetro o tamanho dos módulos fiscais rurais, beneficiando principalmente os pequenos produtores e a agricultura familiar, visando sua permanência no campo e evitando o crescimento urbano desordenado que, em decorrência , pode causar supressão de vegetação para conversão de novas áreas para instalação de loteamentos urbanos, trazendo impactos sociais e ambientais diretos e indiretos. Assim, para o presente estudo, foi realizado um levantamento das áreas dos afluentes do rio Dourados próximas aos perímetros urbanos. Em seguida, os dados foram processados ​​e verificada a presença ou ausência de vegetação nas localidades estudadas, satélite Sentinel 2A infravermelho. No contexto geral, observou-se que tanto as áreas de nascentes urbanas quanto rurais sofrem danos com a antropização, exigindo diferentes metodologias de recuperação, como o pagamento por serviços ambientais, que é uma ferramenta educacional e voluntária amplamente utilizada em outras áreas. países e o Brasil, trouxe benefícios sociais e ambientais para a população.

Author Biographies

Adriana Morais do Nascimento Matos, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Graduação em Recursos Naturais / PGRN Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul / UEMS 

Maria do Socorro Mascarenhas Santos, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul/UEMS

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Graduação em Recursos Naturais / PGRN Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul / UEMS 

Yzel Rondon Súarez, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Docente do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais -PGRN/UEMS

References

Brasil. Lei nº 4.504, de 30 de novembro de 1964. Cria o estatuto da Terra. 1964. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4504.htm.

Brasil. Código Florestal Lei Nº 4.771 de 15 de setembro de 1965. Recuperado de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4771-15-setembro-1965-369026-publi cacaooriginal-1-pl.html.

Brasil. Código Florestal Brasileiro. Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Recuperado de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4771-15-setembro-1965-369026-publi cacaoor iginal-1-pl.html.

Brasil. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm.

Brasil. Constituição Federal do Brasil. 1988. Recuperado de http://www2.camara.leg.br/le gin/fed/consti/1988/constituicao-1988-5-outubro-1988-322142-publicacaooriginal-1-pl.html.

Brasil, Lei nº 7.735, de 22 de fevereiro de 1989. Cria o Instituto Nacional do Meio Ambiente. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7735.htm.

Brasil. Lei nº 8.171, de 17 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política agrícola. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8171.htm.

Brasil. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos. Recuperado de http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=370.

Brasil. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providencias. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9605.htm.

Brasil. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a vegetação nativa; altera as Leis nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. 2012. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_0 3/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm.

Brasil. Lei nº 12.727, de 17 de outubro de 2012. Código Florestal Brasileiro. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil03/ato2011-2014/2012/lei/L12727.htm.

Brasil. Decreto nº 7.830, de 17 de outubro de 2012. Dispõe sobre o Sistema de Cadastro Ambiental Rural, o Cadastro Rural, estabelece normas de caráter geral aos Programas de Regularização Ambiental, de que trata a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, e dá outras providencias. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/ Decreto/D7830.htm.

Brasil. Decreto nº 8.235, de 5 de maio de 2014. Estabelece normas gerais complementares aos Programas de Regularização Ambiental dos Estados e do Distrito Federal, de que trata o Decreto nº. 7.830, de 17 de outubro de 2012, institui o Programa Mais Ambiente Brasil, e dá outras Providências. 2014. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Decreto/D8235.htm.

Casatti, L. (2010). Alterações no Código Florestal Brasileiro: impactos potenciais sobre a ictiofauna. Biota Neotropica, 10(4), 31-34.

Curcio, G. R., Uhlmann, A., & Sevegnani, L. (2006). Geopedologia e a sua influência sobre espécies arbóreas em florestas fluviais. Embrapa Florestas-Documentos (INFOTECA-E).

CRJC. Connecticut River Joint Commissions. Introduction to riparian buffers for the connecticut River Watershed. 1998. Recuperado de http://www.crjc.org/buffers/Introduction .pdf.

FAO. Food and Agriculture Organization. Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação. O Estado mundial de la agricultura y la alimentación. Roma-ITA: FAO, 2011.

INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agraria imóveis cadastrados no Brasil (2016) Recuperado de http://www.incra.gov.br/estrutura-fundiaria/estat-sticas-de-im-veis-rurais-a.

Milaré, É. (2001). Direito do Ambiente: doutrina, prática, jurisprudência, glossário. rev., atual. E ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 221-222.

Nunes, R. (2006). Princípios do Direito Ambiental. Recuperado de https://www.boletimjur idico.com.br/doutrina/artigo/1147/principios-direito-ambiental.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica.

Pert, P. L., Butler, J. R. A., Brodie, J. E., Bruce, C., Honzak, M., Kroon, F. J., ... & Wong, G. (2010). A catchment-based approach to mapping hydrological ecosystem services using riparian habitat: a case study from the Wet Tropics, Australia. Ecological Complexity, 7(3), 378-388.

Da Silva Ribeiro, C., & Moreira, R. G. (2012). Fatores ambientais e reprodução dos peixes. Revista da Biologia. (8): 58–61.

Da Silva, R. V. (2003). Estimativa de largura de faixa vegetativa para zonas ripárias: uma revisão. I Seminário de Hidrologia Florestal, 74.

Silvestre, M. (2006). Viabilidade jurídica da ocorrência da atividade mineradora em área de preservação permanente.

Sparovek, G., Berndes, G., Barretto, A. G. D. O. P., & Klug, I. L. F. (2012). The revision of the Brazilian Forest Act: increased deforestation or a historic step towards balancing agricultural development and nature conservation?. Environmental Science & Policy, 16, 65-72.

Teodoro, V. L. I., Teixeira, D., Costa, D. J. L., & Fuller, B. B. (2007). O conceito de bacia hidrográfica e a importância da caracterização morfométrica para o entendimento da dinâmica ambiental local. Revista Brasileira Multidisciplinar, 11(1), 137-156.

Zanatta, F. A. S., Cunha, C. M. L., & Boin, M. N. (2014). Análise da aplicação do atual e antigo código florestal na Alta Bacia do Ribeirão Areia Dourada, Marabá Paulista (SP)(BR). Caderno Prudentino de Geografia, 1(36), 203-214.

Published

07/09/2020

How to Cite

Matos, A. M. do N. ., Mascarenhas Santos, M. do S., & Súarez, Y. R. (2020). Payment for environmental services as a tool for recovery and conservation of ripar zones. Research, Society and Development, 9(9), e788997752. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7752

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences