Historical rescue of the insertion of human physiology and exercise physiology in school curriculums of basic education in Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7791

Keywords:

History of science in education; Science teaching; Curriculum; Physical education.

Abstract

This article arises from a bibliographic research, carried out with the objective of presenting the way the fields of knowledge of human physiology and exercise physiology were inserted in the basic education curriculum, mainly in the disciplines of Science and Physical Education in Elementary School . For this purpose, books, magazines, and articles in the areas of Natural Sciences, Medicine and Physical Education were used as sources, as well as documents from archives and institutions, available at SciELO and Google Scholar. In this process, remarkable historical facts about the construction of the concepts of physiologies are recovered. The results point to a long process that spans centuries, exposing different historical lines, conceptions about the human body and its development. Finally, from a content analysis, we found that the process of inserting physiologies in basic education begins with laboratory experiments that instigate studies at universities, so that later on, this knowledge of the laboratories could be transformed into fields of study. knowledge in universities and thus gradually inserted into basic education.

Author Biographies

Cláudia Elizandra Lemke, Prefeitura Municipal de Santo Ângelo, UFFS

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências pela Universidade Federal Fronteira Sul (UFFS)- Cerro Largo. Possui Especialização em Docência para o Ensino Superior pelo Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo (IESA), graduação em Educação Física - Bacharelado pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (2015) e graduação em Educação Física pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (2012). Atualmente é professora Educação Física na rede municipal de ensino de Santo Ângelo-RS. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em formação profissional, atuando principalmente nos seguintes temas: educação física, interdisciplinariedade, formação profissional, ginástica, esporte e lazer e competências profissionais de formação de professores.

Neusa Maria John Scheid, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das missões

Possui doutorado em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006), mestrado em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2001), graduação em Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (1980), graduação em Licenciatura Plena Em Biologia pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (1983). Realizou estágio Pós Doutorado no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa -Portugal, em 2014, com bolsa concedida pela CAPES. Atualmente é professora tempo integral na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - campus de Santo Ângelo na qual atua como docente na graduação, como coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ensino Científico e Tecnológico.

References

Amorim, A. C. (2001). O que foge do olhar das reformas curriculares: nas aulas de biologia, o professor como escritor das relações entre ciência, tecnologia e sociedade. Ciência & Educação, 7(1), 47-65. doi: 10.1590/S1516-73132001000100004.

Boylan, M. Hippocrates. Internet Encyclopedia of Philosophy. Recuperado de http://www.iep.utm.edu/hippocra/.

Brasil. Base Nacional Comum Curricular. (2017). Educação é a base. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/bncc_ei_ef_110518_versaofinal_site.pdf.

Brasil. Conselho Federal de Educação (1987). Resolução nº 03, de 16 de junho de 1987. Recuperado de http://www.lex.com.br/doc_310659_resolucao_n_3_de_16_de_junho_de_1987.aspx.

Brasil. (1961). Lei nº 4.024 de 20 de dezembro de 1961. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html.

Brasil. (1996) Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais- introdução. Ensino fundamental. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/par/195-secretarias-112877938/seb-educacao-basica-2007048997/12657-parametros-curriculares-nacionais-5o-a-8o-series

Brasil. (1971). Decreto nº 69.450 de 1 de novembro 1971. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d69450.htm

Chervel, A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, 2, 177-229. Recuperado de: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3986904/mod_folder/content/0/Chervel.pdf?forcedownload=1.

Delizoicov, N. C. (2002). O movimento do sangue no corpo humano: história e ensino. Tese (doutorado em educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Delizoicov, N. C., Carneiro, M. H.S., & Delizoicov, D. (2004). O movimento do sangue no corpo humano: do contexto da produção do conhecimento para o do seu ensino. Ciência & Educação (Bauru), 10(3), 443-460. doi: /10.1590/S1516-73132004000300009.

Donatelli, M.C. de O.F. (2006). Tradução: Fernal, J. Os sete livros da fisiologia Livro V - Das faculdades da alma, Capítulo VII - Sobre as faculdades externas da sensação, Capítulo VIII - Sobre as faculdades internas da alma sensitiva. Cadernos de Ciências Humanas - Especiaria. 9 (16), 489-498. Recuperado de http://www.uesc.br/revistas/especiarias/ed16/16_traducao_os_sete_livros_da_filosofia.pdf.

Douglas, C.R. (1994). Tratado de Fisiologia aplicado a Ciências Da Saúde. São Paulo: Robe Editorial.

Forjaz, C.L. de M., & Tricoli, V. (2011). A fisiologia em educação física e esporte. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 25, 7-13. doi: 10.1590/S1807-55092011000500002.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, M. da M., Moscovici, M., & Engelhardt, E. (2015). Andreas Vesalius as a renaissance innovative neuroanatomist: his 5th centenary of birth. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 73(2), 55-158. doi: 10.1590/0004-282X20140201.

Guyton, A. C., & Hall, J. E. (2006). Tratado De Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Elsevier.

Kenney, W. L., Wilmore, J. H., & Costill, D. L. (2013) Fisiologia do esporte e do exercício. (5a ed.), São Paulo: Manole Ltda.

Kruse, P. R. (1958). A história da Encyclopaedia Britannica, 18, 1768-1943. Departamento de Foto duplicação, Biblioteca da Universidade de Chicago.

Martins, A. C. P. (2002). Ensino superior no Brasil: da descoberta aos dias atuais. Acta Cirurgica Brasileira, 17 (Supl. 3), 04-06. doi:10.1590/S01086502002000900001.

Martins, R. A. (2006). Introdução: A história das ciências e seus usos na educação. In: Silva, C. C. (org.). Estudos de história e filosofia das ciências: subsídios para a aplicação no ensino. São Paulo: Livraria Da Física.

Matthews M. R. (1995). História e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense De Ensino De Física, 12 (3), 164-214.

Matthews M. R. (2015). Science Teaching: The contribution of history and philosophy of science (20th anniversary revised and expanded edition). New York: Routledge.

Matthews, M. R. (1994) Science Teaching: The role of history and philosophy of science. London: British Library Cataloguing.

Mcardle W. D., Katch F. I. & Katch V. L. (2003). Consumo de energia humana durante o repouso e a atividade física. In: Fisiologia do exercício: energia, nutrição e desempenho humano. (5a ed.), Rio De Janeiro: Guanabara Koogan.

Mizukami, M. da G. N., & Stefane, C. A. (2002). A Formação inicial vista a partir do exercício profissional da docência: contribuições de professores de educação física. In: Mizukami, M. da G. N.; Reali, A. M. De M. R. (orgs.). Formação de professores, práticas pedagógicas e Escola. São Carlos: Edufscar.

Mooren, F. C., & Volker, K. (2012). Fisiologia do Exercício Molecular e Celular. São Paulo: Santos.

Museu de Ciências da Vida. (2013). Universidade Federal Do Espírito Santo (site). História da fisiologia humana. Recuperado de http://www.mcv.ufes.br/fisiologia.

Powers, S. K., & Howley, E. T. (1994). Exercise Physiology: Theory and Applications to Fitness and Performance. Dubuque: Brown & Benchmark.

Rebollo, R. A. (2006). O legado hipocrático e sua fortuna no período greco-romano: De Cós a Galeno. Scientiae Studia, 4 (1), 45-82. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ss/v4n1/v4n1a02.pdf.

Rocha, M., et al. (2006). Fisiologia Do Exercício. Atlas Esporte no Brasil. Rio De Janeiro, Confef.

Rodrigues, L. P. (2013). Da fisiologia à sociologia? Elementos para uma revisão da história teórica da sociologia sistêmica. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28(82), 165-178. doi:10.1590/S0102-69092013000200010.

Santos, M. C. F. (2014). A Higiene, a História Natural e a Biologia na educação escolar: considerações sobre os conhecimentos nos programas de ensino da Escola Normal do Distrito Federal (1904-1946). Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio: Saberes e práticas científica.

Scheid, N. M. J. (2006) A contribuição da história da biologia na formação inicial de professores de ciências biológicas. 215 f. Tese (Doutorado Em Educação Científica E Tecnológica) Universidade Federal De Santa Catarina, Florianópolis.

Scheid, N. M. J. (2016) Os desafios da docência em ciências naturais no século XXI. Revista Facultad Ciencia Y Tecnología. 40, 277-309. Recuperado de http://www.scielo.org.co/pdf/ted/n40/n40a10.pdf

Silva, C. A., et al. (2008). A anatomia de Willian Harvey. Revista científica eletrônica de medicina veterinária. 11, 1-5 Recuperado de http://faef.revista.inf.br/imagens_a rquivos/arquivos_destaque/oy1ikBV1mXHQYT3_2013-6-17-16-20-38.pdf.

Souza Neto, S. Alegre, A. De N., Hunger, D., & Pereira, J. M. (2004). A formação do profissional de educação física no brasil: uma história sob a perspectiva da legislação federal no século XX. Revista brasileira de Ciências do Esporte, 25 (2), 350-362.

Tani, G. (1999). atividade de pesquisa na escola de educação física e esporte da universidade de São Paulo: passado, presente e futuro. Revista Paulista De Educação Física, 13, 20-35.

Teixeira, M. Z. (2015). Semelhante cura semelhante: o princípio da cura homeopático fundamentado pela racionalidade médica e científica. (2a ed.), São Paulo: Autor.

Velloso, V. P. (2002). Dicionário Histórico Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930). Casa de Oswaldo Cruz. Recuperado de http://www.dichistoriasaude.coc .fiocruz.br/iah/pt/verbetes/escirba.htm#ficha.

Wilmore, J. H., & Costill, D. L. (2010). Fisiologia do esporte e do exercício. Barueri: Manole.

Published

08/09/2020

How to Cite

Lemke, C. E., & Scheid, N. M. J. (2020). Historical rescue of the insertion of human physiology and exercise physiology in school curriculums of basic education in Brazil. Research, Society and Development, 9(9), e832997791. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7791

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences