Mathematics Teaching and Learning: an investigation into educational practice

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8561

Keywords:

Teaching; Teaching methodologies; Mathematics teaching; Teaching practice.

Abstract

Mathematics has the principle of understanding and giving meaning to things, allowing man to solve problems of daily life, thus functioning as an essential instrument for the construction of knowledge in other areas. However, many students have difficulty learning mathematical concepts and their low performance in this discipline. This work investigated how the teaching of Mathematics has been conducted - methodologies practiced in the classroom, the learning difficulties of students in assimilating content and of teachers in promoting teaching - thus identifying the main problems that affect teaching and learning of this curricular component. The data were obtained from semi-structured questionnaires applied to teachers and students of the 3rd grade of high school. It was found that teachers are aware of the barriers of this process and cited as the main difficulties the lack of prior knowledge, indiscipline and lack of interest of students; insufficient educational resources and precarious school structure; lack of continued training and extensive workload for teachers, which make it difficult to plan and prepare classes that meet the needs of students. Despite showing to know the importance of learning mathematics, the students claimed that these contents are difficult to assimilate, lack of context in the approach and that they do not master prerequisites and lack of time for studies. The main suggestions of teachers to minimize this problem consider the provision of appropriate teaching resources, investment in the infrastructure of school units and incentives for teachers. The students consider that working with mathematical content together with other subjects would facilitate the learning of abstract concepts.

References

Ausubel, D. P., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1980). Psicologia educacional. Interamericana.

Bardin L. (2016). Análise de conteúdo. Tradução: Luiz Antero Reto; Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Barrera, S. D. (2010). Teorias cognitivas da motivação e sua relação com o desempenho escolar. Poíesis Pedagógica, 8(2), 159-175.

Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm.

Brasil. (2018). Ministério da Educação. Resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB 2017. Brasília: Ministério da Educação.

Brasil. (2018). Inep/MEC- Relatório Brasil no Pisa 2018- Versão preliminar. http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/documentos/2019/relatorio_PISA_2018_preliminar.pdf.

Brasil. (2019). Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) – Recuperado de https://www.fnde.gov.br/programas/pdde.

Brasil. (2000). Ministério da Educação Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação.

Brasil. (2001). Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 1.302/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, 05 mar. 2002a, Seção 1, p. 15. http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES13022.pdf.

Brasil. (2006). Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Brasília, 2006, v. II. http//portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume2_internet.pdf.

Brasil. (2012). Ministério da Educação. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=15944:programas-do-mec-voltados-a-formacao-de-professores.

Brasil. (2020). MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). Censo Escolar 2019. Brasília: Inep, 2020. http://portal.inep.gov.br/censo-escolar.

Chagas, J. J. T., & Sovierzoski, H. H. (2014). Um diálogo sobre aprendizagem significativa, conhecimento prévio e ensino de ciências. Aprendizagem Significativa em Revista, Porto Alegre, 4, 37-52.

Coll, C., & Eufrásio, J. C. T. (2001). O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática

D’Ambrosio, U. (1999). A História da Matemática: questões historiográficas e políticas e reflexos na Educação Matemática. Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: UNESP, 97-115.

Dos Santos Miranda, V. B., Leda, L. R., & Peixoto, G. F. (2013). A importância da atividade prática no ensino de biologia. Revista de educação, ciências e Matemática, 3(2).

Duarte, R. G. (2009). Os determinantes da rotatividade dos professores no Brasil: uma análise com base nos dados do SAEB 2003 (Dissertação de mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil).

Goiás. (2011). Resolução CEE/CP N. 5, de 10 de junho de 2011. Recuperado de http://www.cee.se.gov.br/legislacao.asp.

Imbernón, F. (2010). Formação continuada de professores. São Paulo: Artmed

Jacomini, M. A., Gil, J., & de Castro, E. C. (2018). Jornada de trabalho docente e o cumprimento da Lei do Piso nas capitais. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação-Periódico científico editado pela ANPAE, 34(2), 437-459.

Lopes, A. (2014). Trabalho docente e formação: políticas, práticas e investigação: pontes para a mudança. CIIE Centro de Investigação e Intervenção Educativas. https://www.fpce.up.pt/ciie/sites/default/files/TrabalhoDocenteEFormacao_Vol_IV.pdf

Miorim, M. Â. (1995). O ensino de matemática: evolução e modernização (Tese Doutorado em Educação, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas) http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253077.

Mizukami, M. D. G. N. (1986). Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: Pedagógica e Universitária Ltda

Moreira, M. A. (2005). Aprendizagem Significativa Crítica. Porto Alegre: Editora do Autor

Moreira, H., & Caleffe, L. G. (2008). Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. (2ª ed). Rio de Janeiro: DP&A, p. 245-250.

Moreira, M. A. (2011). Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Editora Livraria da Física

Nogaro, A., & Granella, E. (2004). O erro no processo de ensino e aprendizagem. Revista de Ciências Humanas, 5(5), 31-56.

Nóvoa, A. (2002). Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa

Nóvoa, A. (2019). Os Professores e a sua Formação num Tempo de Metamorfose da Escola. Educação & Realidade, 44(3).

Prata, C. L. (2005). Gestão Democrática e Tecnologia de Informática na Educação Pública: o ProInfo no Espírito Santo (Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de pós-graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre).

Pimenta, S. G. (2005). Professor reflexivo: construindo uma crítica. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez

Pereira, É. F., Teixeira, C. S., Andrade, R. D., & Silva-Lopes, A. D. (2014). O trabalho docente e a qualidade de vida dos professores na educação básica. Revista de Salud Pública, 16, 221-231.

Policarpo, I., & Steinle, M. C. B. (2008). Contribuições dos recursos alternativos para a prática pedagógica. PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense. Cadernos PDE, Curitiba: SEED/PR, 1, 2345-8.

Ponte, J. P. D. (1992). Concepções dos professores de matemática e processos de formação.

In Educação Matemática: Temas de Investigação. Lisboa: IIE, 185-239

Tardif, M., & Raymond, D. (2000). Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & sociedade, 21(73), 209-244.

Vigotsky, L. S. Leontiev, A. N. & Lurii︠a︡, A. R. (1991). Psicologia e pedagogia I-bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Estampa.

Published

29/09/2020

How to Cite

SILVA, R. T. da; SANTOS, S. X. dos . Mathematics Teaching and Learning: an investigation into educational practice. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e3389108561, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.8561. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8561. Acesso em: 16 aug. 2022.

Issue

Section

Education Sciences