What the students say about the chemical experimental lessons: an analysis of their statements

Authors

  • Cazimiro de Sousa Campos Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Emanuel Neto Alves de Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte
  • Anne Fabelly Ramalho Cezário Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Maria da Conceição Oliveira Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v8i4.923

Keywords:

Students; Reviews; Set out; Experimental chemistry.

Abstract

Is recurrent in official speeches, academics and also in school space on the role of experimental classes as motivating for learning students. That role is often as essential to the improvement, change and transformation of teaching science. In view of this object and your complexity, the present research is of relevance to fetch interpret the opinions of students of 2nd year of high school training about classes experimental chemistry. The approach chosen to satisfy this goal was a qualitative research, using interviews with four open questions for data collection, those that were interpreted in the light of the assumptions bakhtinianos of enunciation and the discussion about the use of experimentation in teaching. The results showed the lack of contact of students with experiments, demonstrating the existence of a dichotomy between theory and practice and, therefore, that the acting teacher is out of context. What sparked a vision confused about the Chemistry discipline; on the other hand, some students recognize your importance, and on the other, the difficulty on your assimilation. These developments expose the plot of a phenomenon rife with senses and meanings that deserve to be discussed.

References

Axt, R. (1991). O papel da experimentação no ensino de ciências. In: Moreira; Axt (org.). Tópicos em ensino de ciência. Porto Alegre, Brasil: Sagra.

Bachelard, G. (2011). A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro, Brasil: Contraponto.

Bakhtin, M. M.; (Volochínov, V. N.). (2009). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. São Paulo, Brasil: Hucitec.

Bakhtin, M. (2003). Estética da criação verbal. São Paulo, Brasil: Martins Fontes.

BAKHTIN, M. (2016). Os gêneros do discurso. São Paulo, Brasil: Editora 34.

Barros, S. G.; Losada, C. M.; Alonso, M. M. (1998). Hacia la inovación de las actividades prácticas desde la formación del profesorado. Enseñanza de las ciências. 16(2): 353-366.

Brasil (país). Ministério da Educação. (1999). Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Ciências Matemáticas e da Natureza e suas tecnologias. Recuperado em http://portal.mec.gov.br/programa-saude-da-escola/195-secretarias-112877938/seb-educacao-basica-2007048997/12598-publicacoes-sp-265002211.

Campos, M. I. B. (2016). Bakhtin e o ensino de língua materna no Brasil: algumas perspectivas. Conexão Letras. 11(16): 123-137.

Chassot, A. I. (1990). A educação no ensino da Química. Ijuí, Brasil: Inijuí.

Duarte, N. (2003). Conhecimento tácito e conhecimento escolar na formação do professor.

Educação e Sociedade. 24(83): 1-25.

Freire, P. (2011). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro, Brasil: Paz e Terra.

Freire, P. (2015). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Brasil: Paz e Terra.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Brasil: Atlas.

Gil-Pérez, D.; Montoro, I. F.; Carrascosa, J.; Cachapuz A.; Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação. 7(2): 125-153.

Giordan, M. (1999). O papel da experimentação no ensino de ciência. Química nova na escola. 10(1): 43-49.

Goulart, C. (2012). Em busca de balizadores para a análise de interações discursivas em sala de aula com base em Bakhtin. Revista de Educação Pública, [S.l.]. 18(36):15-31.

Lobo, S. F. (2012). O trabalho experimental no ensino de Química. Química Nova, 35(2):430-434.

Lopes-Rossi, M. A. G. (2008). Práticas de leitura de gêneros discursivos: a reportagem como proposta. In: Petroni, M. R. (Org.). Gêneros do discurso, leitura e escrita: experiências em sala de aula. São Carlos, Brasil: Pedro & João Editores.

Paes de Barros, C.G. (2008). Gêneros discursivos: contribuições teóricas e aplicadas ao ensino de línguas In: Petroni, M. R. (Org.). Gêneros do discurso, leitura e escrita: experiências em sala de aula. São Carlos, Brasil: Pedro & João Editores.

Rees, D. K. (2008). Algumas considerações sobre a pesquisa qualitativa. Signótica. 20(2):253-274.

Rodrigues, R. H. (2004). Análise de gêneros do discurso na teoria bakhtiniana: algumas questões teóricas e metodológicas. Linguagem em (Dis)curso. 4(2):415-440.

Schnetzler, R. P.; Aragão, R. M. R. (1995). Importância, sentido e contribuições de pesquisa para o ensino de química. Química Nova na Escola, [S.l.], 8(1): 27-31.

Silva, L. H. A.; Zanon, L. B. (2000). A experimentação no ensino de ciências. In: Schneltzer, R. P., Aragão, M. R. (org.). Ensino de ciências: fundamentos e abordagens. Campinas, Brasil: Unimep/Capes.

Silva, R. R.; Machado, P. F. L.; Tunes, E. (2010). Experimentar Sem Medo de Errar. In: Santos, W. L. P.S.; Maldaner, O. A. (Org.). Ensino de Química em foco. Ijuí, Brasil: Editora Unijuí.

Strauss, A., Corbin, J.M, (2007). Basics of Qualitative Research: Techniques and Procedures for Developing Grounded Theory. New York, United States: Sage Publications.

Vasconcellos, C. S. (1991). Metodologia Dialética-Libertadora de Construção do

Conhecimento em Sala de Aula. São Paulo, Brasil: Libertad.

Veneu, A. A. (2012). Perspectivas de professores de física do ensino médio sobre as relações entre o ensino de física e o mercado de trabalho: uma análise Bakhtiniana. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Saúde (PPECS), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Rio de Janeiro, Brasil.

Published

25/02/2019

How to Cite

CAMPOS, C. de S.; OLIVEIRA, E. N. A. de; CEZÁRIO, A. F. R.; OLIVEIRA, M. da C. What the students say about the chemical experimental lessons: an analysis of their statements. Research, Society and Development, [S. l.], v. 8, n. 4, p. e4084923, 2019. DOI: 10.33448/rsd-v8i4.923. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/923. Acesso em: 24 may. 2022.

Issue

Section

Education Sciences