Adventure activities in the educational field: methodological alternatives for Physical Education classes

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9352

Keywords:

Adventure activities; School physical education; Adventure school; Sport.

Abstract

Objective: This article aims to present models of teaching adventure activities in the context of Physical Education (PE) classes. Methods: The research method used was the bibliographic, through exploratory dynamics, plus the use of the observation technique to collect empirical data. Results: Initially, in the first part of the research, we highlighted the centrality of sport from the literary review that refers to the 1980s, a period marked by the numerous contingents of theoretical publications on school PE. Then, in the second section of the study, we discussed about adventure activities in conceptual, analytical and terminological terms. Finally, in the last section of the study, we presented teaching models on adventure activities based on the experiences acquired with the extension project “Escola de Aventuras”, from the Leisure Studies Group (GEL). Conclusion: Through the investigation carried out here, we found that adventure activities can be implemented in the context of school Physical Education content, being an enriching alternative to the traditional activities experienced within the discipline. In this sense, teachers can and should be encouraged to mobilize this content in class, as these activities have a good reception from students.

Author Biographies

Luiz Fernando Badaró, Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá – UEM

Vinicius Machado de Oliveira, Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá – UEM

Verônica Volski Mattes, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO

Pedro Henrique Iglesiaz Menegaldo, Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá – UEM

Rafael Augusto Marques dos Reis, Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá – UEM

Neidiana Braga da Silva Souza, Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá – UEM

Marcos Roberto Brasil, Uniguairacá Centro Universitário

Graduado em Educação Física Licenciatura e Bacharelado (Fac. Guairacá). Mestre em Educação Física (Universidade Estadual de Maringá). Doutorando em Educação Física (Universidade Estadual de Maringá). Membro do Observatório de Educação Física e Esporte (OEFE/UEM). Professor do Departamento de Educação Física da Universidade Estadual do Centro-Oeste e do Departamento de Educação Física da Uniguairacá Centro Universitário 

Juliano de Souza, Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá

References

Betrán, J. O. (2003). Rumo a um novo conceito de ócio ativo e turismo na Espanha: as atividades físicas de aventura na natureza. In H. T. Bruhns, A. Marinho (Eds.). Turismo, lazer e natureza, 157-202. São Paulo: Manole.

Betti, M., Ferraz, O. L., & Dantas, L. E. P. B. T. (2011). Educação física escolar: estado da arte e direções futuras. Revista Brasileira Educação Física e Esporte, 25, 105-15.

Betti, M. Educação Física e sociedade. (1991). São Paulo: Editora Movimento.

Bracht, V. (1989). Educação Física: a busca da autonomia pedagógica. Journal of Physical Education, 0(1), 28-33.

Bracht, V. (1999). Educação Física & ciência: cenas de um casamento (in)feliz. Ijuí, Editora Unijuí.

Brandão, L. (2010). Esportes de ação: notas para um estudo acadêmico. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 32(1), 59-73.

Caparroz, F. E. (1997). Entre a Educação Física da escola e a Educação Física na escola: A Educação Física como componente curricular. Vitória: Centro de educação física e desportos.

Corrêa, L. V. De O. M., Badaró, Luiz Fernando, S., Juliano, P. G. G. de A. Práticas corporais de aventura e biografias de movimento na educação física escolar. Humanidades & Inovação, 7(10), 2020.

Darido, S. C. (2004). A Educação Física na Escola e o Processo de Formação dos não Praticantes de Atividade Física. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 18(1), 61-80.

Darido, S. C. (2012). Diferentes concepções sobre o papel da educação física na escola. Disponível em: https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/41548/1/01d19t02.pdf

Dias, C. A. G., Melo, V., Alves júnior, E. D. (2007). Os estudos dos esportes na natureza: desafios teóricos e conceituais. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 7, 65-95.

Ferreira, V. L. C. (1994). Prática de Educação Física no 1 grau; modelo de reprodução ou perspectiva transformação? São Paulo: IBRASA.

Franco, L. C. P. (2010). A adaptação das atividades de aventura na estrutura da escola. In Anais 5º CBAA – Congresso Brasileiro de Atividades de Aventura. São Paulo, Brasil: Editora Lexia.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Inácio, H. L. D., Silva, A. P. S, Pereti, É., & Liesenfeld, P.A (2005). Travessuras e artes na natureza: movimentos de uma sinfonia. In A. M. Silva, I. R. Damiani (Eds.). Práticas corporais (pp. 81-105). Florianópolis: Nauemblu Ciência e Arte.

Kunz, E. (1991). Educação física: ensino & mudança. Ijuí: Unijuí.

Medina, J. P. S. (1983). A educação física cuida do corpo... e “mente”: bases para a renovação e transformação da educação física. Campinas: Papirus.

Miranda, J., Lacasa, E., & Muro, I. (1995). Actividades físicas en la naturaleza: un objeto a investigar - dimensiones científicas. Apunts: Educación Física y Deportes, 41, 53-70.

Oliveira, V. M. (1985). Educação física humanista. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.

Pimentel, J. G. A. (2013). Esporte na natureza e atividades de aventura: uma terminologia aporética. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 35(3), 687-700.

Pimentel, J. G. A., Zanon, A. C., Lima, C. M. (2017). Atividades de aventura como tema gerador na escola: proposta pedagógica do grupo de estudos do lazer. In Anais 35º SEURS – Seminário de Extensão Universitária da Região Sul, Foz do Iguaçu, Brasil: UNILA.

Santin, S. (1984). Educação Física e Desportos: uma abordagem filosófica da corporeidade. Kinesis, 143-156.

Soares, C. L., Taffarel, C. N. Z., Varjal, E., Castellani Filho, L., Escobar, M. O., Bracht, V. Metodologia de ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez. 1992.

Tahara, A. K., Filho, S. C. (2013). A presença das atividades de aventura nas aulas de Educação Física. Arquivos de Ciências do Esporte, 1(1), 60-66.

Uvinha, R. R. (2001). Juventude, lazer e esportes radicais. Barueri: Manole.

Zimmermann, A. C. (2006). Atividades de aventura e qualidade de vida - um estudo sobre a aventura, o esporte e o ambiente na Ilha de Santa Catarina. Lecturas Educación Física y Deportes, Buenos Aires, 10(93), 1-9.

Published

05/11/2020

How to Cite

Badaró, L. F. ., Oliveira, V. M. de ., Mattes, V. V. ., Menegaldo, P. H. I. ., Reis, R. A. M. dos ., Souza, N. B. da S. ., Brasil, M. R., & Souza, J. de . (2020). Adventure activities in the educational field: methodological alternatives for Physical Education classes. Research, Society and Development, 9(11), e749119352. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9352

Issue

Section

Education Sciences