Learning styles of integrated High School students

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9790

Keywords:

Learning styles; Teaching; Students.

Abstract

The objective of this work is to identify the predominant learning styles of students in an integrated technical course, as well as to analyze the changes in these styles due to being in the first, second or third year of the course. Thus, the reference for driving was based on Felder and Silverman (1988). The authors indicate that students learn in different ways as seeing and listening, reflecting and acting, by logical reasoning and intuition, visualizing and memorizing, building analogies and mathematical models, constantly and in stages. A qualitative and quantitative perspective was adopted for data analysis. Regarding the techniques used for data collection, a questionnaire was applied to students. It was found that students identify with visual/verbal aspects, have a greater preference for images and diagrams in the three years of the analyzed course. In general, students have linear reasoning.

Author Biographies

Viviane Gomes Marçal, Instituto Federal de Minas Gerais

Doutora (UFOP) e Mestre (CEFET-MG) em Engenharia Civil. Especialista em História da Arte e da Cultura (UFMG). Especialista em Educação a distância (UNIMONTES). Designer de Ambientes (ED-UEMG). Técnica em Saneamento (CEFET-MG). Docente no Instituto Federal de Minhas Gerais.  

Wemerton Luis Evangelista, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais

Possui graduação (1999) em Engenharia Civil e pós-graduação "Lato Sensu" - Especialização em Engenharia de Produção/Civil (2001) pela Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Fumec (1999); Mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Uberlândia (2004). Docente no Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) Campus Santa Luzia. 

Raquel Aparecida Soares Reis Franco, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais

É professora do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG). É graduada em Letras e em Pedagogia. Possui mestrado em Educação Tecnológica pelo CEFET-MG e doutorado em Educação pela linha de pesquisa Educação e Linguagem da Faculdade de Educação da UFMG. Tem experiência na área de educação e linguagem, atuando principalmente nos seguintes temas: letramento acadêmico, ensino de língua portuguesa e formação de professores. Interessa-se, também, por temáticas voltadas para a educação profissional técnica de nível médio, avaliação educacional e institucional e políticas públicas.

References

Almeida, S. G., & Teles, C. C. (2018). Sala de aula invertida: relato de experiência em educação a distância e presencial com uso de ambiente virtual de aprendizagem, com foco nas gerações y e z. Congresso Internacional de Educação e Tecnologias Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância. Recuperado de http://cietenped.ufscar.br/submissao/index.php/2018/article/view/890/167.

Borges, T., & Alencar, G. (2014). Metodologias ativas na promoção da formação crítica do aluno: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do aluno do ensino superior. Cairu em Revista. 3 (4) 119-143. Recuperado de https://www.cairu.br/revista/arquivos/artigos/2014_2/08%20METODOLOGIAS%20ATIVAS%20NA%20PROMOCAO%20DA%20FORMACAO%20CRITICA%20DO%20ESTUDANTE.pdf.

Dias, E. B., Pinheiro, F. A., & Pinheiro, A. V. B. S. (2015). Influência dos aspectos ergonômicos de sala de aula na atividade de ensino-aprendizagem: o caso de uma escola de ensino fundamental e médio na cidade Petrolina/PE/Brasil. Encontro Nacional de Engenharia de Produção: Perspectivas Globais para a Engenharia de Produção. Fortaleza, CE, Brasil, 35. Recuperado de http://www.abepro.org.br/biblioteca/TN_STP_209_238_27016.pdf.

Felder, R. M. (2010). Are learning styles invalid? (Hint: no!). (27) 1-7.

Felder, R. M., & Silverman, L.K (1988). Learning and teaching styles in engineering education. International Journal of Engineering Education, 78 (7), 674–681.

Felder, R. M., & Spurlin, J. E. (2005) Applications, reliability, and validity of the index of learning styles. International Journal of Engineering Education, 21 (1), 103-112.

Frota, G. L. L. (2018) Sala de aula invertida: A metodologia blended learning. Congresso Internacional de Educação e Tecnologias Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância. Recuperado de http://cietenped.ufscar.br/submissao/index.php/2018/article/view/101/110.

Garrido, A. M. P. C. (2006). Errar é humano! A vivência de erros e seus efeitos na produção oral sob a perspectiva do aluno de Inglês como Língua Estrangeira (Dissertação de Mestrado). Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Recuperado de http://livros01.livrosgratis.com.br/cp025519.pdf.

Junior, N. V. (2018). Metodologias de ensino e aprendizagem. [Apostila Pós-Graduação em Docência] Arcos.

Iop, E. (2011). Trabalho docente: uma leitura de condições nos modelos produtivos Fordista/Taylorista e Toyotista. Colóquio Internacional de Educação, Joaçaba, SC, Brasil, 1(1). Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/coloquiointernacional/article/view/1201.

Lopes, W. M. G. (2002). ILS- Inventário de Estilos de Aprendizagem de Feder-Saloman: Investigação de sua validade em Estudantes Universitários de Belo Horizonte. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/82278/PEPS3508-D.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Melo, B., & Sant’ana, G. (2012) A prática da metodologia ativa: compreensão dos discentes enquanto autores do processo ensino-aprendizagem. Revista Comunicação em Ciências da Saúde (CCS), 23 (4). 327-339. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/pratica_metodologia_ativa.pdf.

Moran, J. (2015). Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, Carlos Alberto de; MORALES, O. E. T. (Org.), Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens.2, 15-19.

Pereira, E. J., & Junior, N.V. (2013). Os estilos de aprendizagem no ensino médio a partir do novo ILS e a sua influência na disciplina de matemática. Revista Alexandria, 6 (3), 173-190.

Rosário, J. A. (2006). Estilos de Aprendizagem de Alunos de Engenharia Química e Engenharia de Alimentos da UFSC: O Caso da Disciplina de Análise e Simulação de Processos. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina SC, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/88339.

Santos, R. S. (2020). Educação, sociedade capitalista e estado. Revista Educação em Debate, 42 (81). 65-84. Recuperado de file:///C:/Users/aline/Downloads/986-1859-1-SM.pdf.

Schnitman, I. M. (2010). O perfil do aluno virtual e as teorias de estilo de aprendizagem. Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação: redes sociais e aprendizagem. Recife, PE, Brasil, 3. Recuperado de http://nehte.com.br/simposio/anais/Anais-Hipertexto-2010/Ivana-Maria-Schnitman.pdf.

Schmitt, C. S, & Domingues, M. J. C. S. (2016). Estilos de aprendizagem: um estudo comparativo. Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), 21 (2), 361-386. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/aval/v21n2/1982-5765-aval-21-02-00361.pdf.

Published

15/11/2020

How to Cite

Marçal, V. G. ., Evangelista, W. L. ., & Franco, R. A. S. R. . (2020). Learning styles of integrated High School students. Research, Society and Development, 9(11), e3409119790. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9790

Issue

Section

Human and Social Sciences