Educational practices with adolescents and children

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9802

Keywords:

Early educational intervention; Healthy lifestyle; Comprehensive assistance to child and adolescent health; School health services; Health care.

Abstract

The study aims to access schools through technologies and digital media, aiming to make children and adolescents aware of the importance of health education. It is a descriptive study based on a literature review, with a qualitative approach. The content survey was carried out between June and October 2020, through the search for articles indexed in databases. The inclusion criteria for the selection of content were articles in Portuguese, English and Spanish. Published in the aforementioned databases covering the years 2000 to 2020. The exclusion criteria are studies based on monetary reward, and materials that have no relevance to the proposed theme. Data analysis was carried out during the month of October 2020. Studies show that the school is an important space for the development and interaction of children and adolescents. Thus, the school has been asked to act in various situations in the face of the family context, enabling educational practices on the health of children and adolescents. Considering the realization of the study, educational practices must be integrated into global education comprising all aspects of the school life of children and adolescents. Faced with the pandemic of COVID - 19, there was a need to adhere to the reframing process, in order to take the educational practices of the health education program to schools, through digital media, social networks and remote study platforms.

References

Alvarenga, W. A., Silva, M. E. D. C., Silva, S. S., Barbosa, L. D. C. S. (2012). Ações de educação em saúde realizadas por enfermeiros na escola: percepção de pais. Revista Mineira de Enfermagem. 16, 522-527.

Alves, G. G., Aerts, D. (2011). As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 16(1), 319-325.

Bem, L., & Wagner, A. (2006). Reflexões sobre a construção da parentalidade e o uso de estratégias educativas em famílias de baixo nível socioeconômico. Psicologia em Estudo, 11(1), 63-71.

Beserra, E. P., et al. (2017). Percepção de adolescentes acerca da atividade de vida “exprimir sexualidade”. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, 9(2), 340-346.

Blasco, P. G. (2017). Cinema, humanização e educação em saúde. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, 2(1).

Brasil. (2008). Ministério da Saúde. Estatuto da Criança e do Adolescente / Ministério da Saúde. (3a ed.), Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

Cecconello, A., De Antoni, C., & Koller, S. (2003). Práticas educativas, estilos parentais e abuso físico no contexto familiar. Psicologia em Estudo, 8 (Esp), 45-54.

Costa, A. E. (2008). Modelação. In A. Bandura, R. Azzi, S. Polydoto. Teoria social cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre: Artmed.

Costa, G. D., et al. (2011). Avaliação da atenção à saúde da criança no contexto da saúde da família no município de Teixeiras, Minas Gerais (MG, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, 16(7), 3229-3240.

Costa, G. M. C., et al. (2013). Promoção de saúde nas escolas na perspectiva de professores do ensino fundamental. Rev. Eletr. Enf., 15(2), 506-515.

Demarzo, M. M. P., Aquilante, A. G. (2008). Saúde Escolar e Escolas Promotoras de Saúde. In: Programa de Atualização em Medicina de Família e Comunidade. Porto Alegre, 3, 49-76.

Estatuto da Criança e do Adolescente. (2017). Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas.

Ferreira, C. P. S., et al. (2016). Estratégias pedagógicas para educação em saúde com adolescentes: uma revisão integrativa. Rev. Fundam. Care, 8(2), 4197-4211.

Gomes, C. M., Horta, N. C. (2010). Promoção de saúde do adolescente em âmbito escolar. Rev. APS, 13(4), 486-499.

Gomide, P. (2006). Inventário de estilos parentais – IEP: modelo teórico, manual de aplicação, apuração e interpretação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Gomide, P. (2008). Pais presentes, pais ausentes: regras e limites. (8a ed.), Petrópolis, RJ: Vozes.

Gonçalves, F. D., Catrib, A. M. F., Vieira, N. F. C., Vieira, L. J. E. S. (2008). A promoção da saúde na educação infantil. Interface Comunicação Saúde Educação. 12, 181-92.

Hutz, C. (2005). Violência e risco na infância e adolescência: pesquisa e intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Levandowski, D. C., Piccinini, C. A., & Lopes, R. C. S. (2008). Maternidade adolescente. Estudos de Psicologia (Campinas), 25, 251-263.

Maldonado, D., & Williams, L. (2005). O comportamento agressivo de crianças do sexo masculino na escola e sua relação com a violência doméstica. Psicologia em Estudo, 10(3), 353-62.

Marques, J. F. (2012). Artigo de revisão: A criança como unidade de cuidado e campo de investigação da enfermagem. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, Alagoas, 37(2), 81-86.

Marques, R. B., et al. (2019). Um olhar sobre o saneamento nos municípios da Superintendência de Regional de Saúde Passos (MG) e sua influência sobre a mortalidade infantil. Ciência ET Praxis (Qualis B3-2017-2018), 10(20), 17-22.

Mello, D. F. et al. (2012). Seguimento da saúde da criança e a longitudinalidade do cuidado. Revista Brasileira de Enfermagem. 65(4), 675-679.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: orientações para implementação / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2009). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2004). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Agenda de compromissos para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil. Brasília: Ministério da Saúde.

Morais, N. A. (2009). Trajetórias de vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social: entre o risco e a proteção. Porto Alegre - RS. Tese de doutorado. Programa de pós-graduação em Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (p. 241).

Organização Pan-Americana da Saúde. (2005). Manual para vigilância do desenvolvimento infantil no contexto da AIDPI. Washington, D.C.: OPAS.

Pinheiro, M., Haase, V., Del Prette, A., Amarante, C., & Del Prette, Z. (2006). Treinamento de habilidades sociais educativas para pais de crianças com problemas de comportamento. Psicologia: reflexão e crítica, 19(3), 407-414. Projeto de lei da palmada. Lei nº 7676/2010.

Reppold, C., Pacheco, J. & Hutz, C. (2005). Comportamento agressivo e práticas disciplinares parentais. In C. HUTZ. Violência e risco na infância e adolescência: pesquisa e intervenção. São Paulo, Casa do Psicólogo.

Reppold, C., Pacheco, J., Bardagi, M., & Hutz, C. (2002). Prevenção de problemas de comportamento e o desenvolvimento de competências psicossociais em crianças e adolescentes: uma análise das práticas educativas e dos estilos parentais. In C. HUTZ (Org). Situações de risco e vulnerabilidade na infância e adolescência: aspectos teóricos e estratégias de intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Roecker, S., et al. (2013). O trabalho educativo do enfermeiro na estratégia saúde da família. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis. Jan-Mar; 22(1): 157-65.

Rutter, M. (1985). Resilience in the face of adversity: protective factors and resistance to psychiatric disorder. British Journal of Psychiatry, 147, 598-611.

Rutter, M. (1987). Psychosocial resilience and protective mechanisms. American Journal Orthopsychiatry, 57, 316-331.

Rutter, M. (1996). Psychosocial resilience and protective mechanisms. In J. Rolf et al. (Eds.). Risk and protective factors in the development of psychopathology. New York: Cambridge University Press, 181-214.

Sampaio, I. (2007). Práticas educativas parentais, gênero e ordem de nascimento dos filhos: atualização. Revista Brasileira Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(2), 44-152.

Schach, V. A. (2016). Infância em perigo: um caso real inspira a busca de soluções. São Paulo: Rádio Transmundial. 208p.

Shaffer, D. R. (2005). Psicologia do desenvolvimento: infância e adolescência. Tradução da 6ª edição norte-americana Cíntia Regina Pemberton Cancissu. São Paulo: Pioneira.

Silva, A. J. N., Costa, R. R., Nascimento, A. M. R. (2019). As implicações dos contextos de vulnerabilidade social no desenvolvimento infanto-juvenil: da família à assistência social. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 14(2), 1-17.

Silva, L. F. S., Alves, N. C. (2014). Higiene pessoal: a importância de estudar o corpo humano. Biodiversidade, 13(2), 75.

Silva, V. A. et al. (2019). Desigualdades socioeconômicas: uma análise sobre os determinantes da taxa de mortalidade infantil nos municípios brasileiros. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, 13(1), 73-97.

Souza, I., et al. (2013). Educação em saúde e enfermagem: revisão integrativa da literatura. Rev. Ciênc. Saúde Nova Esperança, 1(11), 112-121.

Universidade Estadual Paulista. (2015). “Julio Mesquita Filho” Faculdade de Ciências Agronômicas - Câmpus de Botucatu; Biblioteca Prof. Paulo de Carvalho Mattos.

Vagostello, L., et al. (2003). Violência doméstica e escola: um estudo em escolas públicas de São Paulo. Paidéia, Ribeirão Preto, 13(26), 191-196.

Weber, L. (2007). Eduque com carinho: equilíbrio entre amor e limites. (2a ed.), Revista e atualizada. Curitiba: Juruá.

Weber, L., Prado, P., Viezzer, A., & Brandenburg, O. (2004) Identificação de estilos parentais: o ponto de vista dos pais e dos filhos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(3), 323-331.

Published

14/11/2020

How to Cite

Celestino , K. A. de A., Alves, R. S. S., Costa , C. S. C., Santana, T. S. de ., Sá, A. A. S. de ., Menezes, J. C. L. de ., Amorim , M. N. da S., Álvares, . L. da S. ., & Farias, T. O. . (2020). Educational practices with adolescents and children. Research, Society and Development, 9(11), e2749119802. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9802

Issue

Section

Health Sciences