Complexity theory and action research: na epistemological research framework

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9909

Keywords:

Complexity theory; Action-research; Research epistemology.

Abstract

This article aims to reflect on the construction of scientific knowledge from the perspective of complexity from action-research. A paradigm shift in scientific practice includes uncertainties and risks, a Science made, "ready to last" is different from "Science in action", one that does not define any research process and according to the social context. It is a theoretical essay, book reviews, journal articles available on the internet, as well as advanced reflections of the experience of the authors' field. Finally, we highlight the relevance of an epistemological framework capable of articulating theory and practice, religious research and action to obtain a better understanding of the history of an end of explanation, reflected and it intervenes in the middle of a research epistemology. This reflection allowed us to think of action research as an epistemological research path where the main aspects differ from classical research and value the construction of knowledge, from a participatory and collective approach.

Author Biographies

Marina Patrício de Arruda, Universidade de Caxias do Sul - UCS

Pós-doutora em Educação pela Universidade de Aveiro- Portugal (2019). Pesquisadora junto ao Grupo de Pesquisa Formação Cultural, Hermenêutica e Educação da Serra Gaúcha (GPFORMA SERRA- UCS) e Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Caxias do Sul-UCS.

Fernanda Costa Nunes, Universidade Federal de Goiás

Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Mestre e Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Goiás-UFG

Bruna Fernanda Silva, Universidade do Planalto Catarinense

Mestre e Doutora pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, Campus de Botucatu. Docente e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ambiente e Saúde

References

Bardin, L. (2001). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Deleuze, G., Guattari, F. (2010) O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34.

Franco, M. A. S. (2005). Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, 31(3), 483-502.

Flickinger, H., Neuser, W. (1994). A teoria da auto-organização: raízes de interpretação construtivista do conhecimento. Porto Alegre: Edpucrs.

Giffoni, J. S., Barroso, M. C. S., & Sampaio, C. G. (2020). Aprendizagem significativa no ensino de Química: uma abordagem ciência, tecnologia e sociedade. Research, Society and Development, 9(6), e13963416. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i6.3416.

Kincheloe, J. (1997) A formação do professor como compromisso político: mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: Artes Médicas.

Latour, B. (2000). Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo, Editora UNESP.

Maturana, H. (1998) Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: UFMG.

Moraes, R. (1999) Análise de Conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, 22(37), 7-32.

Minayo, M. C. S. (2010). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. (9a ed.), (rev. e ampl.) São Paulo: Hucitec.

Morin, E. (1996). Epistemologia da Complexidade. In: Schnitman, D. F. (org.). Novos Paradigmas, Cultura e Subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas.

Morin, E. (1998) Ciência com Consciência. (2a ed.), Rio de Janeiro: Berhand.

Morin, E. (2004). Pesquisa-ação integral e sistêmica. Rio de Janeiro: DP&A.

Morin, E. (2010). A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2015). O Método III. O conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina.

Pope, C., Mays, N. (2005). Pesquisa qualitativa na atenção à saúde. (2a ed.), Porto Alegre: Artmed.

Richardson, R. J. (2007). Pesquisa Social: métodos e técnicas. (3a ed.), São Paulo: Atlas, 2007. 334 p.

Selltiz, C., Wrightsman, L. S., Cook, S. W. (1987). Métodos de pesquisa nas relações sociais. Editora da Universidade de São Paulo, SP.

Santos, B. S. (2010). Introdução a uma ciência pós-moderna. (5a ed.), São Paulo: edições Graal.

Thiollent, M. (1997). Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas.

Thiollent, M. (2009). Metodologia de Pesquisa-ação. São Paulo: Saraiva.

Tripp, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, 31(3), 443-466.

Published

14/11/2020

How to Cite

Arruda, M. P. de ., Nunes, F. C. ., & Silva, B. F. (2020). Complexity theory and action research: na epistemological research framework. Research, Society and Development, 9(11), e3019119909. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9909

Issue

Section

Review Article