The contamination of Brazil nut by aflotoxins and its carcinogenic effect: a narrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30309

Keywords:

Bertholletia; Fungi; Cancer; Health teaching.

Abstract

The Brazil nut is a fruit, native to the Amazon Rainforest and polygenic fatty acids from two groups, producers of aflatoxins, which are toxic compounds with carcinogenic and mutagenic effects. The objective of the work was to review studies that investigate the literature on Brazil nut and its conclusion with cancer. The has a qualitative approach, of an exploratory nature, a review research are characterized. The study verified fourteen main clinical findings, noting that foods can develop in foods at their production, processing, once or storage, as aflatoxin, or even if they are transported, inhaled or even pathogenic through the skin, fungi and pathogens. and death of man. Brazil nut was the product that presented the highest probability of aflatoxins in Brazil. Thus, the basic principles are during the harvesting process, post-sequence for the advancement in all these cares, from the extractive methods generated by its continuity.

References

Almeida, J. J. (2015). Do extrativismo à domesticação: as possibilidades da castanha-do-pará. Dissertação de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Álvares, V. S., Castro, I. M., Costa, D.A., Lima, A. C. & Madruga, A. L. S. (2012). Qualidade da castanha-do-brasil do comércio de Rio Branco, Acre. Acta Amazônica, 42(2), 269–274.

Baggio, E. C. M. (2006). Determinação de aflatoxina M1 em leite pasteurizado pelos métodos de CCD e CLAE utilizando coluna de imunoafinidade. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Bando, E., Gonçales, L. N., Tamura, N. K., & Machinski, J. M. (2007). Biomarcadores para avaliação da exposição humana às micotoxinas .J Bras Patol Med Lab, 43(3), 175-180.

Bayma, M. M. A. (2013). Castanha-do-brasil: cadeia produtiva se destaca no agronegócio acreano. Portal dia de campo. Disponível em: < https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/handle/doc/1037575> Último acesso em: 27 de janeiro de 2022.

Bennet, J. W., & Klich, M. (2003). Mycotoxins. Clin. Microbiol. Rev. 16:497-516.

Bittencourt, D., DIAS, J. A., &Alvares, V. S. (2012). Micotoxinas em amêndoas da castanheira-do-brasil. 45º Congresso Brasileiro de Fitopatologia, Manaus.

Caldas, E. D., Silva, S. C., & Oliveira, J. N. (2002). Aflatoxinas e ocratoxina A em alimentos e riscos para a saúde humana. Rev Saúde Publ., 36(3), p. 319-323.

Cardarel, H. R., & Oliveira, A. J. (2000). Conservação do leite de castanha-do-pará. Scientia Agricola, 57(4), 617-622.

Costa, D. A. (2012). Qualidade da castanha-do-brasil após o uso de secador de ar por convecção natural e armazém com ventilação. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Acre. Rio Branco.

Costa, F. et al. (2009). Fungos associados à castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa Humb. &Bompl) e ao amendoim (Arachishypogaea L.) comercializados em Fortaleza (Ceará). Revista Ciência Agronômica, 40(3), julho-setembro, p. 455-460.

Di Stadio, A., Ishai, R., Gambacorta, V., Korsch, F., Ricci, G., Della, V. A., & Bernitsas, E. (2020). Nutraceuticals as immune-stimulating therapy to fight COVID-19. Combination of elements to improve the efficacy. European review for medical and pharmacological sciences, 24(17), 9182–9187. https://doi.org/10.26355/eurrev_202009_22869.

Domenico, A. S. D. et al. (2015). Análise de trilha da contaminação por aflatoxinas em grãos de milho armazenados. Pesq. agropec. bras., 50(6), 441-449.

Ferreira, H., Pittner, E., Sanches, H. F., & Monteiro, M. C (2006). Aflatoxinas: um risco a saúde humana e animal. Ambiência, vol. 2, n. 1.

Freire, F. C. O., Vieira, I. G. P., Guedes, M. I. F., & Mendes, F. N. P. (2007). Micotoxinas: importância na alimentação e na saúde humana e animal. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical. 48 p. (Embrapa Agroindústria Tropical. Documentos, 110). Disponível em: <http://www.cnpat.embrapa.br/cd/jss/acervo/Dc_110.pdf> Último acesso em: 27 de janeiro de 2022.

Grant, M. J, Booth, A. A. (2009). Typology of reviews: an analysis of 14 review types and associated methodologies. Health Info Libr J. 26(2):91‐108.

IBGE. (2013) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção da Extração vegetal e da Silvicultura – PEVS. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/agricultura-e- pecuaria/9105-producao-da-extracao-vegetal-e-da-silvicultura.html?=&t=o-que-e> Último acesso em: 27 de dezembro de 2021.

INCA. (2018). Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativas de neoplasias no Acre e Rio Branco no ano de 2018. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/estimativa/2018/acre-rio-branco.asp> Último acesso em: 27 de janeiro de 2022.

Kato, C. G. et al. (2016). A presença de aflatoxinas na castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa H.B.K): Uma revisão. Revista Uningá Review. Vol. 26, n. 2, pp. 35-40, abril- junho.

Kurtzman, C. P., Horn, B. W., & Hesseltine, C. W. (1987) Aspergillus nomius, a new aflatoxin-producing species related to Aspergillus flavus and Aspergillus tamarii. Antoine van Leeuwenhoek, 53(3), 147-158.

Leite, G. A. (2014). Modelagem conceitual em biossensor para detecção de aflatoxina em castanha-do-Brasil. [Dissertação] Brasília: Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília.

Londoño, E. M., & Martínez, M. M. (2017). Aflatoxinas en alimentos y exposición dietaria como factor de riesgo para el carcinoma hepatocelular. Revista Biosalud, 16(1): 53-66

MAPA. (2014). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Castanha-do-brasil: Boas práticas para extrativismo sustentável orgânico. Disponível em: < http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/organicos/arquivos- publicacoes-organicos/acaiweb_para_o_site-1.pdf/view> Último acesso em: 27 de janeiro de 2022.

MAPA. (2017). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Pesquisa aponta queda de 70% na produção de castanha-da-amazônia. Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/26131296/pesquisa-aponta- queda-de-70-na-producao-de-castanha-da-amazonia> Último acesso em: 27 de janeiro de 2021.

Martins, L. et al. (2008). Produção e Comercialização da Castanha do Brasil no estado do Acre - Brasil 1998-2006. Rio Branco.

Maziero, M. T., & Bersot, L. S. (2010). Micotoxinas em alimentos produzidos no Brasil. Rev Bras Prod Agroind, 12(1),. 89-99.

Molin, R., & Valentini, M. L. (1999). Simpósio sobre micotoxinas em grãos. Fundação Cargil. p. 208.

Moraes, A. J. G., Homma, A. K. O., Menezes, A. J. E. A., & Filgueiras, G. C. (2014). Comercialização da castanha-do-pará (Bertholettia excelsa) nas feiras livres e nas ruas de Belém-PA. 52º congresso da Sociedade Brasileira de Economia Administração e Sociologia Rual. Goiânia.

Myers, G. P., Newton, A. C., & Melgarejo, O. (2000). The influence of canopy gap size on natural regeneration of brazil nut (Bertholletia excelsa) in Bolivia. Forest Ecology and Management, 127: 199-128. (in Portuguese, with abstract in English).

Oliveira, G. S., et al., (2020). Exportações brasileiras de Castanha-do-pará (bertholletia excelsa, H. B. K), sob a ótica de concentração de mercado. Universidade Federal do Paraná. BIOFIX Scientific Journal, 5(1),. 07-17.

Oliveira, J. N., & Oliveira A. V. (2013). Meneghello E.R. Análise Molecular de espécies de Aspergillus contaminantes de uvas vendidas no comércio de Maringá PR. Iniciação Científica CESUMAR, 15(2), 157-163, Jul/Dez.

Peraica, M., Radic, B., Lucic, A., & Pavlovic, M. (2000). Efectos tóxicos de las micotoxinas en el ser humano. Bol. OMS. n.2.

Pereira, K. C., & Santos, C. F. (2011). Micotoxinas e seu potencial carcinogênico. Ensaios e C, 15(4), 147-165.

Pereira, M. L. G., Carvalho, E. P., & Prado, G. (2002). Crescimento e produção de aflatoxinas por Aspergillus flavus e Aspergillus parasiticus. B. Ceppa. 20(1), 141-156.

Rocha, E. R. S., Carvalho, A. P. S. de., Assis, L. S. de., Brito, M. de V., & SIMÕES, D. L. V. Avaliação da qualidade microbiológica da amêndoa da Castanha-do-Brasil (Bertholletia excelsa H. B. K.) comercializada em feiras livres da Amazônia. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e6510111285, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11285. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11285. Acesso em: 21 maio. 2021.

Sacramento, T. R. (2016). Importância da Contaminação de Alimentos por Aflatoxinas Para a Incidência de Câncer Hepático. Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC. Itabuna.

Silva, A. F. (2014). Efeito das etapas de processamento sobre a qualidade de castanhas- do-Brasil (Bertholletia excelsa, H. B. K): avaliação da fração lipídica e contaminação por aflatoxinas. Piracicaba.

Silva, R. F., Ascheri, J. L. R., & Souza, J. M. L. (2010). Influência do processo de beneficiamento na qualidade de amêndoas de castanha-do-brasil. Ciênc. Agrotec. 34(2),. Lavras, mar/abr

Teixeira, A. S. (2008). Adequação e apresentação de parâmetros de validação intra- laboratorial de um ensaio para a quantificação de aflatoxinas em castanha-do-Brasil (Bertholletia excelsa) através de cromatografia líquida de alta eficiência. [Dissertação]. Seropédica: Instituto de Tecnologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Tonini, H. (2007). Castanheira-do-brasil: uma espécie chave na promoção do desenvolvimento com conservação, Embrapa Roraima, Boa Vista.

Venegas, A. C., Guerra, J. J. H., & Navas, M. C. (2014).Exposición a aflatoxina: um problema de salud pública. Iatreia, 27(1), Medellín jan/mar.

Vianna, P. R. (1972). Estudo da castanha-do-Brasil. Brasília: Ministério da Agricultura, Comissão de Financiamento da Produção.

Published

03/06/2022

How to Cite

VIEIRA, D. O.; SOUZA, K. R.; MAGALHÃES, L. A.; VÉRAS, Ítala V. U. M. .; SANTOS, S. C. L. The contamination of Brazil nut by aflotoxins and its carcinogenic effect: a narrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e52911730309, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30309. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30309. Acesso em: 16 aug. 2022.

Issue

Section

Review Article