Territorial Development with sustainability precepts in the route of the West-East Integration Railway – FIO

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29054

Keywords:

Territories; Sustainability; Sustainable development; Environmental education.

Abstract

The objective of this text regard the possibility of applying sustainable territorial development principles to the territories affected by the West-East Integration railroad, which extends from the municipality of Figueirópolis, in Goiás, to Ilhéus in Bahia, a route of over 1500 km, crossing very heterogeneous biomes and ecosystems. In its elaboration, an attempt was made to deepen the meanings of territory, territoriality, environment, development and sustainable development to evidence their adaptability to public or private interventions brought from the railroad. The material or object of research consists of the set of official documents generated in the studies that preceded the works and countless academic texts or texts prepared in the sphere of civil society. The methodological procedures include a literature review, analysis, organization and interpretation of data with a view to supporting the assumptions or hypotheses of applicability of sustainability precepts to the aforementioned interventions, whether they are aimed at the productive segments, service provision, infrastructure, etc. The result is expected to stimulate the debate on the importance of sustainable territorial development and interest public agencies that will promote interventions along the railway route.

References

Alcântara Filho, J. L., da Silva, M. G., & Silva, S. P. (2009). A abordagem territorial do desenvolvimento rural: uma análise a partir do território rural baixo Jequitinhonha. Perspectivas em Políticas Públicas, 2(3), 24-44.

Arenas, P. A. R., & Macêdo Júnior, A. M. de. (2021) The participatory and sustainable development as social innovation. Research, Society and Development, 10(16), e105101623784 10.33448/rsd-v10i16.23784. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/23784.

Baiardi, A. (1984). Subordinação do trabalho ao capital na lavoura cacaueira da Bahia. Hucitec.

Baiardi, A. (1992). A moderna agricultura do Nordeste. EDUFBA.

Baiardi, A. (2015a). Da Terra em transe para o território de transição. In Anais do 7 Seminário Internacional Dinâmica Territorial e Desenvolvimento Socioambiental, Salvador, BA.

Baiardi, A. (2015b). Potencial de agricultura sustentável na Bahia: possibilidades e sugestões de linhas de pesquisa por ecossistemas. EDUFBA.

Baiardi, A. (2016). Da civilização pós-industrial para a biocivilização. In Anais do X Encuentro de Filosofía e história de la Ciencia del cono Sur. Águas de Lindóia, São Paulo: Associación de Filosofia y História de la Ciencia.

Baiardi, A. (2017). A biocivilização na passagem da era industrial para a pós-industrial. Política Democrática, 16, 143-160.

Baiardi, A. & Mello, D. L.N. (2016). Períodos na história da lavoura de cacau na Bahia, protagonismos e legitimação social dos agentes econômicos. Revista do Instituto Geográphico e Histórico da Bahia, 111, 87-112.

Baiardi, A. & Ribeiro, M. C. M. (2018). Subsídios de política agrícola na cacauicultura dos biomas Mata Atlântica e Amazônia. Revista de Política Agrícola, 27(2), 106. https://seer.sede.embrapa.br/index.php/RPA/article/view/1416.

Baiardi, A. & Teixeira, F. (2010). O desenvolvimento dos territórios do Baixo Sul e do Litoral Sul da Bahia: a rota da sustentabilidade, perspectivas e vicissitudes. Instituto Arapyaú. http://www.observatorio.ufba.br/arquivos/desenvolvimento.pdf

CMMAD - Comissão Mundial Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1998). Nosso futuro comum. Fundação Getúlio Vargas.

Commission on Global Governance. (1995). Our global neighborhood: the report of the commission on global governance. Oxford University Press.

Feil, A. A. & Schreiber, D. (2017). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: desvendando as sobreposições e alcances de seus significados. Cadernos Ebape. BR, 15, 667-681. https://www.scielo.br/j/cebape/a/hvbYDBH5vQFD6zfjC9zHc5g/abstract/?lang=pt

Ferreira, J. (2009). Do desenvolvimento local ao desenvolvimento territorial. In Anais do XIX Encontro Nacional de Geografia Agrária.

Grober, U. (2007). Deep Roots: a conceptual history of “sustainable development” (Nachhaltigkeit). Discussion papers, Wissenschaftszentrum Berlin für Sozialforschung. WZB. https://www.scielo.br/j/cebape/a/hvbYDBH5vQFD6zfjC9zHc5g/?lang=pt&format=pdf.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017). O recorte das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediarias de 2017 https://www.ibge.gov.br/apps/regioes_geograficas

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Cidades. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/panorama.

Ministério dos Transportes. (2009). Relatório de Impacto Ambiental - RIMA: Ferrovia de Integração Oeste - Leste (EF-334) entre Figueirópolis (TO) e Ilhéus (BA). https://www.ilheus.ba.gov.br/abrir_arquivo.aspx/RIMA_(FERROVIA_DE_INTEGRACAO_OESTE-LESTE)?cdLocal=2&arquivo=%7B8EED021C-A427-1EAC-DB2A-B4C6B73BC01E%7D.pdf.

Miranda, E. E. de (2018). Áreas cultivadas no Brasil e no mundo. AgroANALYSIS, 38(2), 25-27.

Moura, A. S. & Bezerra, M. C. (2016). Governança e sustentabilidade das políticas públicas no Brasil. Ipea. http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/9267.

Ortega, A. C. & Niemeyer, A. F. (2007). Desenvolvimento territorial, segurança alimentar e economia solidária. Editora Alínea.

Passador, C. S. & Passador, J. L. (2010). Apontamentos sobre as políticas públicas de combate à seca no Brasil: cisternas e cidadania. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 15(56). https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cgpc/article/view/3203.

Pelotização (2022). In Wikipédia https://pt.wikipedia.org/wiki/Pelotiza%C3%A7%C3%A3o

Petitinga, C. S. (2015) Desenvolvimento local. http://www.cult.ufba.br/maisdefinicoes/DESENVOLVIMENTOLOCAL.pdf.

Ramos, C. (2016). Desenvolvimento econômico sustentável: tendências e desafios na promoção dos empregos verdes no Brasil. Textos e Debates, 2(30).

Rede Sul da Bahia. (2010). Ecodesenvolvimento no sul da Bahia: uma visão de futuro muito além do Porto Sul. Ilhéus.

Ribeiro, C. da S., Boer, N., Coutinho, C. Marcos regulatórios e pressupostos teóricos da educação ambiental: um estudo de revisão bibliográfica. Research, Society and Development, 9(3), e148932563, 2020. 10.33448/rsd-v9i3.2563. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/2563.

Rister, C. A. (2007) Direito ao desenvolvimento: antecedentes, significados e consequências. Renovar.

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para do Século XXI – desenvolvimento e meio ambiente. Studio Nobel – Fundação para o Desenvolvimento Administrativo.

Sachs, I. (2002). Caminhos para o Desenvolvimento sustentável. Tradução de José Lins Albuquerque Filho. (4a ed.). Garamond.

Sachs, I. (2004). Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Garamond.

Santos, A. A. P. dos. (2019). Atlas Socioeconômico Litoral Sul da Bahia Itabuna, BA: Gasparetto Pesquisa e Estatística.

Santos, R. R. D., Santos, C. M., Souza, M. C. de, & Mota, R. C. L. (2021) Boa governança territorial em pequenos municípios. Research, Society and Development, 10(9), e33410918202. 10.33448/rsd-v10i9.18202. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18202.

Saquet, M. A. (2009) Por uma abordagem territorial. In M. A. Saquet & E. S. Spósito, (org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. Editora Expressão Popular, 73-94.

Silva, A. S. da & Shimbo, I. A dimensão política na conceituação da sustentabilidade. ENTAC-ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 3806-3815, 2006.

Silva, S. R. M. & Shimbo, I. (2001). Proposição básica para princípios de sustentabilidade. In Anais do 2 Encontro Nacional e Encontro Latino Americano sobre Edificações e Comunidades Sustentáveis. Canela, RS.

Sobral Neto, R. R. S., & Baiardi, A. (2021). ICMS Ecológico: viabilidade de sua utilização a partir do passivo ambiental gerado pela FIOL. Research, Society and Development, 10(17).

Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia. (SEI). (2017). Mapa do Valor Adicionado da Indústria a preços correntes por município. Bahia. Governo do Estado da Bahia. https://www.sei.ba.gov.br/images/pib/pdf/municipal/cartogramas/3_distribuicao _espacial_do_valor_adicionado_da_industria_em_2017.pdf

Teixeira, F. & Araújo, S. (2010). Desenvolvimento regional e aglomerações produtivas na Bahia: uma visão a partir do emprego e dos Territórios de Identidade. Salvador: UFBA (mimeo).

Tenório, F.G. & Nascimento, F. C.P.do. Responsabilidade social empresarial: teoria e prática. (2a ed.) FGV.

Trevisan, A. P. & Van Bellen, H. M. (2008). Avaliação de políticas públicas: uma revisão teórica de um campo em construção. Revista de Administração Pública, 42 (3), 529-550.

UNCED - Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (1992). Agenda 21 (global). http://www.mma.gov.br.

Vieira, L. (1997). Cidadania e sustentabilidade global. https://lisztvieira.com.br/2021/09/cidadania-e-sustentabilidade-global/.

WCED - World Commission on Environment and Development. (1987). Our Common Future. Oxford: Oxford University Press.

Published

29/04/2022

How to Cite

SILVA, C. C. e .; BAIARDI, A. Territorial Development with sustainability precepts in the route of the West-East Integration Railway – FIO. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e31711629054, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29054. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29054. Acesso em: 18 may. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences